Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças

La Rue ( Ruta ) é um género de plantas, incluindo plantas perenes e ervas lenhosas, que pertence à família Rutaceae. S e conhecê-lo nove espécies diferentes , o mais comum e mais comercializadas a , Ruta graveolens conhecido como “rue comum”.

Este gênero se destaca por suas propriedades e princípios ativos. São plantas aromatizadas com um odor forte e, em alguns casos, podem produzir alergias. Sua comercialização como planta medicinal é muito comum, apesar de sua toxicidade, portanto seu uso deve ser feito com cautela.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 1

Planta pertencente ao gênero Ruta. Fonte: Krzysztof Ziarnek, Kenraiz [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

São plantas nativas do Mediterrâneo e da Ásia, onde antigamente eram amplamente utilizadas para tratar doenças e outras doenças.

Descrição do produto

Hábito

No que diz respeito ao seu desenvolvimento, você pode encontrar arbustos e arbustos sempre verdes, com alturas que variam de 20 a 75 cm e, em alguns casos, podem atingir 1,5 m de altura.

Rue reúne ervas perenes e lenhosas na base. Segundo as espécies, suas hastes são mais ou menos ramificadas e duras. Eles podem ser ascendentes ou eretos.

As plantas deste gênero são caracterizadas como plantas de vida longa. Possuem glândulas ou cavidades secretórias lisalgênicas, esferoidais e translúcidas, com cores amarelas, verdes ou pretas, que emitem um cheiro intenso e pungente.

Folha

Suas folhas têm uma aparência semelhante a couro, com cores que variam entre verde e verde-azulado. Pecíolos são ramificados em pecíolos menores. Suas folhas são divididas em vários segmentos, de linear a oblongo, inteiros ou estipulados.

São alternados, com 1, 2 ou 3 pinnatisectas, que podem ser sésseis ou peciolados com a coluna não alada.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 2

Rue sai. Fonte: Foto de David J. Stang [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Inflorescência

Caracteriza-se por ser um top corsage, uníparo ou bíparo. Eles têm entre 2 e 10 flores cada.

Flor

Suas flores crescem agrupadas, têm entre 4 e 5 pétalas, mostrando uma cor amarela intensa. Principalmente hermafroditas e actinomorfos.

Quanto às brácteas, as inferiores são foliáceas, 1 (2) pinnatisect, e as superiores são lineares a lanceoladas ou triangulares. Eles podem ser inteiros ou irregulares, desprovidos de pubescência ou com tricomas; Os pedicelos podem ser encontrados do mesmo tamanho da cápsula ou mais, sem pubescência ou com tricomas glandulosos.

Com relação às sépalas e pétalas, as sépalas de 4 a 5 nas flores terminais podem ser livres, triangulares a lanceoladas ou deltóides, com borda total ou serrilhada, com presença de glândulas e alguns cabelos glandulíferos.

Suas pétalas, também de 4 a 5 na flor central, podem ser encontradas inteiras, onduladas, serrilhadas ou lacinadas, um tanto preguiçosas e amarelas a esverdeadas.

Seus estames estão dispostos em 8 (10), sendo filamentos glabrosos, amarelos, com anteras marrons. Finalmente, seu ovário possui 4 (5) carpelos, mais ou menos soldados, e com glândulas proeminentes.

Fruta

É do tipo cápsula. Isso é deiscente devido ao ângulo interno do ápice dos apêndices apicais e possui entre quatro a cinco folhetos com um apêndice apical.

Sementes

São numerosos do tipo reniforme, com testa espessa ou cerebroide.

Taxonomia

As plantas do gênero Ruta, comumente conhecidas como “rue”, têm a seguinte descrição taxonômica:

-Reino: Plantae

-Filo: Tracheophyta

-Classe: Magnoliopsida

-Pedido: Sapindales

-Família: Rutaceae

-Gênero: Rota .

Espécies

O gênero Ruta apresenta as seguintes espécies e subespécies:

rota Angustifolia Pers.

Esta espécie é conhecida como monte rue, wild rue ou pestosa rue.

Descrição do produto

A rue de monte caracteriza-se por ser uma grama perene, lenhosa na base, que pode atingir até 75 cm de altura, com caules glabrosos e eretos. Possui folhas dispostas alternadamente de 2 a 3 pinnatisectas, com segmentos foliares lanceolados ou oblongos.

Sua inflorescência é cimosa, terminal, e suas flores hermafroditas são actinomórficas, tetrâmeros, exceto a flor terminal que é pentamérica.

Quanto à corola, é composta por pétalas amarelas, androceo de 8 (10) estames, gnoecium de 4 (5) carpelos soldados. E seus frutos são do tipo cápsula septicida.

Relacionado:  Harmonia axyridis: características, ciclo de vida, habitat

Note-se que é uma planta que pode crescer facilmente em campos secos.

É usado como planta medicinal contra acesso reumático, dores musculares e ósseas; para a elaboração de óleos contra raquitismo infantil e reumatismo; para a preparação de refeições, sozinhas ou misturadas com outras especiarias;como inseticida

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 3

Rota da Angustifolia Pers.
Fonte: John Sims [Domínio público]

– Itinerário chalepensis L.

Também é conhecido como erva rue minor ou piojera. Nele existem duas subespécies:

– Rota chalepensis subsp. Chalepensis

– Rota chalepensis subsp. fumariifolia

Descrição do produto

A espécie Ruta chalepensis L. é uma planta hermafrodita, com cerca de 75 cm de altura, lignificada na base, com folhas alternadas divididas em pequenos segmentos foliares.Eles têm uma forma lanceolada oblonga e ápices arredondados.

Esta planta difere das outras espécies, pela presença de numerosas e finas lascinias marginais e por ter uma inflorescência totalmente glabra.

Naturalmente, desenvolve-se em solos secos ou úmidos, sendo também uma planta fotossensibilizante (característica que compartilha com as outras espécies).

É amplamente utilizado como planta de inseticida, pois afasta moscas e mosquitos, entre outros insetos.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 4

Flores de Ruta chalepensis L.
Fonte: © Hans Hillewaert

– rota DC Córsega .

Esta espécie também é conhecida como “Corsica rue”.

Descrição do produto

É uma planta fanerogam que se caracteriza por atingir uma altura entre 10 a 50 cm. Seu caule principal é flexível e glabro. Suas folhas são triangulares em sua periferia, com folhetos obovados e folhas inferiores pecioladas.

No que diz respeito às flores, são amarelas pálidas, com pequenas brácteas e sépalas, pétalas ovais-obtusas e ovais, onduladas. Quanto aos seus frutos, estes são do tipo aglomerado alongado.Geralmente pode se desenvolver em solos siliciosos.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 5

Roteiro da Córsega.
Fonte: Usuário: Amada44 [CC BY 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]

– Ruta graveolens L.

Quanto ao gênero Ruta , esta espécie é a mais comercializada. Também é conhecida como rua oficial, rua de rua, rua com cheiro pesado, rua comum ou naufrágio doméstico.

Descrição do produto

De acordo com suas características, é uma espécie que difere por ser um subarbusto perene, o que indica que é um pequeno arbusto lenhoso na base, o arranjo de seus galhos é nivelado com o solo e atinge aproximadamente 20 cm de altura.

Sua haste é arredondada, forte e ereta. Suas folhas são pequenas, macias (2 a 3 pinadas), verde azulado e com pequenas manchas glandulares.

Quanto às flores, estas são dispostas em corimbos nas extremidades dos galhos, amarelo ou amarelo esverdeado, com 4 a 5 pétalas localizadas em círculo. Tem uma fruta do tipo cápsula e sementes pretas em uma forma encurralada.

Geralmente é cultivada como planta ornamental por suas cores marcantes. Também é usado como planta medicinal e tempero para refeições.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 6

Flores de Ruta graveolens L.
Fonte: Undרכז להב Understa e Pikiwiki Israel [CC BY 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.5)]

– Route lamarmorae Bacch. , Brullo e Giusso.

Esta espécie também é conhecida como Rota da Sardenha.

Descrição do produto

La Ruta lamarmorae Baco. , Brullo & Giusso, caracteriza-se por ser uma planta com hastes lenhosas em sua base, geralmente pequenas.Quanto ao seu fruto, é do tipo cápsula, com sementes em arco. Em um não usos desta planta são conhecidos.

– Rota do Microcarpo (Svent.) Agullo et al.

Espécies endêmicas da ilha de La Gomera (Ilhas Canárias), daí seu nome comum “rue gomera”.

Descrição do produto

Difere das outras espécies por ser um dos arbustos mais altos. Eles têm alturas entre 80 cm e 1,5 metros e são muito ramificados. É uma planta hermafrodita. Suas folhas são estranhas e odoríferas, com margem um tanto crenulada e sua margem apical mais pequena.

No que diz respeito às suas flores, estas são amarelas com inflorescências terminais. Com pequenos frutos globosos, que contêm sementes granuladas e tuberculadas pretas.

Relacionado:  Os 8 animais que começam com H mais relevantes

É normalmente encontrado em matagais. Como as outras espécies, produz substâncias cáusticas para a pele.

– Ruta montana (L.) L.

Comumente conhecido como pesadelo, mala lanua, rúa, rua, rue montana ou ruda montesina.

Descrição do produto

É uma planta de folhas um pouco azuladas, divididas 2 ou 3 vezes, sem pelos. É amadeirado na base e cresce até 70 cm de altura. Suas flores são amarelas, ligeiramente abertas, agrupadas no final dos galhos. Eles são compostos de 4 pétalas. Possui cápsulas de 1, 5 a 3 mm com pedicelo curto.Também é usado como planta medicinal.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 7

Planta rodoviária montana (L.) L.
Conta: Javier martin [Domínio público]

– Rota oreojasme Webb & Berth .

É uma planta conhecida como Grancanaria rue, porque é um endemismo das ilhas.

É um pequeno arbusto que mede até 60 cm de altura. Com ramificações frouxas, suas hastes podem ser eretas em plantas jovens e penduradas em plantas adultas, com pinados ovais azulados e glaurosos com 6 cm de comprimento e folhetos inteiros e obtusos.

Suas flores são grandes, agrupadas em inflorescências terminais, com pétalas amarelas eretas.No que diz respeito à fruta, este é o tipo de cápsula.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 8

Rota oreojasme Webb & Berth. Fonte: Dryas [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

– Itinerário pinnata L. fil .

La Ruta pinnata L. fil . , é uma espécie endêmica das Ilhas Canárias, daí seu nome comum “Ruda canaria”.

Em relação às suas características, essa espécie difere das demais presentes no gênero Ruta por ser uma mata frouxa, com folhas pinadas verdes claras e folhetos inteiros. Suas flores são feitas de pétalas de patente.

Rue (rota): habitat, espécies, propriedades, cuidados, doenças 9

Flor de Ruta pinnata L. fil.
Fonte: Krzysztof Ziarnek, Kenraiz [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)]

Propriedades

O gênero Ruta possui uma variedade de propriedades devido a seus componentes e princípios ativos, que são:

– Óleos essenciais (0,28% nas folhas e 1% nas sementes), metil-nonil-cetona, metil-n-octil-cetona e heptil-metil-cetona.

– Flavonóides como rotina e quercitina.

– Alcalóides (quinolonas): coquisagenina e skimmianine graveoline.

– Materiais resinosos e peptídicos.

– Princípios amargos, taninos, gengivas, alcalóides, rutina e cumarinas.

– Álcoois como metil etil-carbinol, pineno, limenenos.

É importante notar que suas folhas são as que contêm os óleos mais essenciais e os ingredientes ativos.Agora, de acordo com isso, ele possui as seguintes propriedades:

Propriedades medicinais

– São emenagogos ou circulatórios, pois estimulam o fluxo sanguíneo.

– Hemostático, ajudando a combater o sangramento.

– Vermífugos, pois possuem ação parasitária.

– Antiepiléptico, ajuda a combater convulsões.

– Digestivo, suaviza a má digestão.

– Anti-reumático, é usado por pessoas que têm artrite.

– Anti-séptico, combate micróbios.

– Analgésico, ajuda a aliviar a dor.

– Diurético, ajuda a eliminar a retenção de líquidos.

– Anti-inflamatório, diminui a dor nas articulações.

– Antiescorbútico, possui um alto teor de vitamina C.

– Antiparasitário, ajuda na eliminação de parasitas presentes no corpo.

– Antiespasmódico, reduz dores musculares e cãibras da menstruação.

– Antibacteriano, é usado no tratamento de infecções gastrointestinais.

– Antifúngico, é prático para o tratamento de infecções fúngicas.

– Calmante, produz um efeito no sistema nervoso, induzindo relaxamento geral.

Propriedades inseticidas

Repelir e eliminar insetos, de acordo com o método utilizado.

Propriedades químicas

De acordo com estudos de laboratório, o seguinte está documentado:

– A partir da raiz, do caule e da folha, são obtidos extratos de clorofórmio, que permitem o isolamento da furanocumarina chalepensina.

– A espécie R. graveolens é caracterizada por conter dois constituintes principais em seu óleo essencial, como 2-Undecanona (46,8%) e nonan-2-ona (18,8%), além de conter metil-heptil cetona, cineol e quantidades menores de metil-n-nonilcarbinol.

– Da mesma forma, o extrato de acetato de etila das folhas produz um alcaloide quinolina e quatro alcaloide quinolonas.

– Você também pode encontrar a presença de cumarinas e limonóides.

– Nas culturas celulares, foi observada a produção de umbeliferona, psoraleno, escopoletina, isopimpinelina, rutamirina, xantotoxina e rutacultina e alcalóides.

Relacionado:  Flora e fauna de Santa Fe: espécies representativas

Fitotoxicidade

Este gênero, além de possuir muitas propriedades, usos medicinais e culinários, é caracterizado por possuir componentes tóxicos.

É importante notar que ele tem um efeito fotoirritante quando aplicado diretamente na pele, causando irritação e queimaduras.

Este efeito é devido ao seu conteúdo de óleos essenciais, como furocumarinas e metoxipsoralenos e alcalóides, como a graveolina, que causam extrema sensibilidade à exposição ao sol, formação de bolhas e lesões na pele.

Cuidado

As plantas deste gênero podem se desenvolver e crescer em diferentes condições. No entanto, eles têm as seguintes necessidades:

– São plantas tolerantes a vários pHs, pois podem ser desenvolvidas em pH ácido, neutro e básico.

– Eles não são exigentes com o tipo de substrato, no entanto, recomenda-se solos com textura arenosa, franca ou argilosa.

– Eles podem ser desenvolvidos em solos secos ou úmidos, mas mantendo irrigação constante nos casos de solos secos.

– É uma planta de luz solar moderadamente exigente, podendo crescer em locais com semi-sombra. A exposição direta ao sol não é recomendada.

– Eles resistem ao frio, mas não são tolerantes ao gelo.

– Suas temperaturas variam entre 16 ° C e 22 ° C.

– Há relatos de desenvolvimento dessas usinas em altitude até 3000 metros acima do nível do mar.

– Em relação à irrigação, isso deve ser feito com moderação, limitado a 2 ou 3 vezes por semana.

– Quanto à faixa de precipitação, esta deve preferencialmente estar entre 600 e 2000 mm / ano.

Doenças

As doenças mais comuns presentes na cultura Ruda são:

– Ataques de cinzeiros produzidos pelo fungo Oidium sp. e queima das folhas produzida pelo fungo Phoma sp.

– Queimadura de folhas e caule causada pelo fungo Cladosporium sp., Que afeta a planta, causando a secagem dos brotos e áreas terminais ao longo do caule.

– Da mesma forma, esse fungo causa a secagem, que afeta principalmente as folhas jovens e nos brotos causa manchas escuras, com bordas irregulares de cor amarelo pálido. Nos ramos há necrosing descendente e cravos das estruturas do fungo.

Referências

  1. Alarcón J. 2011. Plantas aromáticas e medicinais. Principais doenças e seus usos terapêuticos. Medidas para a temporada de inverno. Instituto Agrícola da Colômbia (ICA). Bogotá DC. Colômbia 2011
  2. Catálogo da Vida: Lista de Verificação Anual 2019. 2019. Rota do Gênero . Retirado de: catalogueoflife.org
  3. Jiménez J. 1995. Plantas medicinais da Serra Central de Piura: Chalaco, Pacaypampa e Santo Domingo. Espaço e Desenvolvimento. 7: 43-92.
  4. Naveda G. 2010. Estabelecimento de um processo de obtenção de extrato de rue ( Ruda Graveolens ), com alto conteúdo de polifenóis, antes da obtenção do título de engenheiro agronegócio. Escola Politécnica Nacional, Faculdade de Engenharia Química e Agroindustrial, Quito. 2010
  5. Noguer B. 2018. Melhorando a qualidade do solo urbano para o re-esverdeamento da cidade por meio de ações de serviço de aprendizagem. Trabalho de graduação final, para se qualificar para a graduação em Química. Universidade de Barcelona, ​​Faculdade de Química. 2018.
  6. Mora L. e Falquez F. 2005. Estabelecimento de uma coleção de espécies medicinais tropicais na área de Quevedo. Tese para se qualificar para o título de Engenheiro Florestal. Universidade Técnica do Estado de Quevedo, Faculdade de Ciências Ambientais. Equador 2005
  7. Romero O. e Latorre A. 2003. Abordagem do catálogo florístico do vale do rio Genal (Serranía de Ronda, Málaga, Espanha). Em Biologia anual. Serviço de Publicações da Universidade de Murcia. 25: 113-161.
  8. Rosero M., Forero L. e Rosero A. 2015. Uso de plantas medicinais nas comunidades indígenas da Colômbia. Estudo de caso: Comunidade indígena de pastagens (Nariño) e vegetação do pântano de La Ortiga – abrigo Grand Cumbal. Etnobotânica e Fitoterapia na América, 199 p.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies