Tucano: características, habitat, tipos e alimentos

O tucano (Ramphastidae) é um pássaro caracterizado por um bico grande, cores bonitas e brilhantes. Este pico se destaca em seu corpo, coberto por uma plumagem preta ou verde, com algumas áreas brancas, amarelas ou vermelhas. A família Ramphastidae, à qual pertence, inclui quatro gêneros e uma diversidade de mais de quarenta espécies. Nestas, o tamanho pode variar de 29 a 63 centímetros, no caso do tucano.

Em relação ao corpo, é compacto, com pescoço curto e grosso. As asas são pequenas, porque voam, geralmente, a distâncias próximas. Embora tenha um bico muito grande, que pode medir até um terço do comprimento total do pássaro, é forte e leve. Internamente, é formado por um osso esponjoso, muito vascularizado, que externamente é coberto com queratina.

Tucano: características, habitat, tipos e alimentos 1

Tucano Fonte: pixabay.com

Os ranfástidos são nativos do Neotrópico, estendendo-se da zona sul do México à Argentina, em sua região norte. Eles estão localizados nas florestas tropicais úmidas, onde voam em busca de sua comida favorita: frutas.

Embora geralmente sejam considerados animais frutíferos, são onívoros. Eles podem caçar, especialmente na estação de acasalamento, insetos, roedores, morcegos e cobras, entre outros.

Evolução

Tucano: características, habitat, tipos e alimentos 2

A grande maioria dos gêneros que compõem a família Ramphastidae evoluiu no final do Mioceno. No entanto, restos fossilizados do toco-tucano ( Ramphastos toco ) foram encontrados recentemente no Brasil. Estes datam do período histórico correspondente ao Pleistoceno.

Os parentes mais próximos dos ranfástidos pertencem aos Capitonidae. Acredita-se que ambos os grupos provêm de um ancestral comum.

Inúmeras investigações foram realizadas sobre a diversificação do tucano. Inicialmente, foi proposto que a radiação dos gêneros ocorresse no Pleistoceno, devido às possíveis mudanças na distribuição das regiões florestadas da América tropical.

A pesquisa continuou e, com base na sequência do citocromo mitocondrial e subunidade ribossômica dos genes, contribuiu com outra hipótese. Nisso, a pluralidade de gêneros aconteceu aproximadamente 47 milhões de anos atrás, durante o Eoceno Médio até o final do Mioceno.

No entanto, o modelo de teoria e especiação mais aceito é que a especiação tucana ocorreu nas glaciações e interglaciações do Pleistoceno, onde florestas secas e tropicais, respectivamente, sofreram expansões.

Evolução da plumagem negra dos tucanos

Tucano: características, habitat, tipos e alimentos 3

Mais de um século se passou desde que a redescoberta da obra de Mendel estabeleceu as bases da genética moderna. Além disso, isso expande um arcabouço teórico, o que nos permite entender o efeito das mudanças genéticas nas populações naturais.

Atualmente, graças à descoberta de novas técnicas moleculares, foi possível encontrar a base molecular de vários fenótipos. Assim, a relação entre os genes e o fenótipo pode ser identificada.

A coloração é uma característica que pode estar sujeita à seleção natural. Isso se deve ao seu importante papel na camuflagem, seleção sexual e termorregulação, entre outros.

Vários locus, nos genes de animais vertebrados, têm sido relacionados a variações de cores. Isso apóia a hipótese de que uma evolução convergente, em termos de coloração clara ou escura, poderia implicar o mesmo locus, como é o caso do receptor da melonocortina-1 (MC! R).

As espécies da família Ramphastidae exibem diferentes padrões de cores, que podem incluir verde, marrom, preto e vermelho. Entre os principais gêneros, os Ramphastos são os mais sombrios. Eles são caracterizados por sua plumagem preta, com várias manchas brancas ou laranja.

O locus MCR1 e as variações de cores

Os resultados das investigações indicam que nos Ramphastos houve substituições funcionalmente relevantes no receptor de melonocortina-1. Isso se baseia em evidências de que o MC1R evoluiu de maneira diferente nesse gênero.

Além disso, nesta linhagem há mudanças nos aminoácidos que os tornam funcionalmente significativos. Destas variações, três estão relacionadas a locais que foram previamente associados a variações de cores em mamíferos e aves.

Em outra ordem de idéias, porque as espécies dos gêneros Selenidera e Pteroglossus habitam a parte interna das florestas, são favorecidas pela pressão seletiva exercida por sua plumagem. Isso se deve, entre outras coisas, ao fato de que eles podem passar despercebidos no ambiente colorido que os cerca.

Por outro lado, os Ramphastos ocupavam preferencialmente as margens ou dossel das florestas. Nesse ambiente ecológico, a pigmentação mais escura oferece proteção mais eficaz contra os raios ultravioleta.

Dessa forma, embora a variação da cor da plumagem nos Ramphastidae possa afetar sua adaptação de várias maneiras, o uso que essas espécies fizeram do habitat onde foram criadas criou uma pressão seletiva.

Isso não se aplica apenas às penas, mas também ao bico e a outras expressões fenotípicas da cor nessas aves.

Caracteristicas

Tucano: características, habitat, tipos e alimentos 4

O corpo desta ave é curto e compacto, com comprimentos muito variáveis, devido à diversidade de gêneros. Assim, o arasarí marcado pesa 130 gramas e tem cerca de 29 centímetros de comprimento. O tucano é um dos maiores, medindo 63 centímetros e pesando 680 gramas.

No bico, longo e colorido, há uma língua achatada. Mede até 14 centímetros, é estreito e termina na ponta. O pescoço é grosso e curto. Os olhos são cercados por pele, que às vezes é de cores vivas.

Quanto às asas, são curtas e pequenas. Com eles, ele faz pequenos vôos pela floresta. As pernas são pequenas e fortes, com as quais você pode se mover facilmente entre as árvores, além de estar preso aos galhos. Os dedos são apresentados em pares, com o primeiro e o quarto localizados para trás.

Coloração

A cor das penas pode variar de acordo com o sexo. Alguns são verdes, acompanhados de outras cores, como vermelho, preto e laranja. É o caso dos gêneros Aulacorhynchus e Selenidera.

Por outro lado, o tucano da montanha de peito cinza tem uma variedade de cores em seu corpo, entre as quais ouro, azul brilhante, preto, amarelo, cinza e vermelho. O tucano-banana se destaca entre toda a sua família, por ter uma plumagem de açafrão, com a cauda enegrecida.

As espécies do gênero Pteroglossus são pretas, verde-escuras ou marrons, com a garupa vermelha e a cabeça preta. Pelo contrário, a região ventral é amarela intensa.

Cauda

A cauda do tucano tem um movimento muito particular. Você pode movê-lo facilmente para baixo e para cima. Isto é devido à modificação de várias das vértebras de sua cauda. As três vértebras posteriores são fundidas e unidas à coluna vertebral por meio de uma articulação semelhante à patela.

Por isso, o tucano pode movê-lo para frente, podendo tocar sua cabeça com ele. Essa é a postura que eles usam para dormir, dando a aparência de uma bola de penas.

Picareta

O bico do tucano é uma das características fundamentais deste pássaro. Dessa maneira, a grande maioria dos nomes comuns está relacionada a essa estrutura. Um exemplo disso é o arasarí de bico amarelo e o tucano de bico corrugado.

Provavelmente, essa coloração é usada por cada espécie para se reconhecer. Isso ocorre porque os padrões corporais e as cores dos tucanos podem ser bastante semelhantes.

O tamanho dessa estrutura, em todas as espécies e subespécies, é grande comparado ao tamanho do corpo. Seu comprimento pode chegar a um terço do comprimento do pássaro. Assim, eles podem medir de 6 centímetros, no Arasaris, até 23 centímetros, em uma das maiores espécies tocadas pelo tucano.

Normalmente, é decorado com cores vivas e marcantes. Dessa forma, ele pode ter várias cores ou ser preto brilhante. As mandíbulas superior e inferior são serradas. Isso permite que o tucano segure sua presa ou corte bagas e frutos.

Morfologia

Apesar de sua aparência e comprimento robustos, o bico do tucano é leve. Internamente, é formado por partes esponjosas e ocas, compostas de células que são unidas por ligamentos. Estes são ricos em cálcio e endurecem o bico. Eles também têm membranas, que formam uma massa esponjosa.

Externamente, é coberto por camadas hexagonais de queratina, sobrepostas umas às outras. Portanto, não é completamente sólido. Ao contrário do que se pensa, possui características de ser forte e leve, por isso é resistente a impactos.

O pico é irrigado por uma rede de vasos capilares, dispostos superficialmente. Eles não possuem estrutura que funcione como isolante térmico, portanto são muito sensíveis às variações de temperatura ambiente.

Funções

Alguns atribuem um efeito assustador ao bico em relação a outras aves, incluindo os falcões. Dessa forma, você pode escapar de uma ameaça ou assustá-los para acessar os ninhos e levar os ovos.

Outra das funções é a comida, pois permite que o tucano alcance as frutas próximas, diminuindo o gasto de energia que envolveria a mudança para levá-las. Da mesma forma, ele pode penetrar no buraco nas árvores, acessando a comida que está localizada lá.

Regulador de temperatura interno

Estudos recentes mostram que o pico é um termorregulador corporal. Por ser um animal homeotérmico, o tucano precisa combinar as perdas de calor com seus ganhos, mantendo constante a temperatura interna.

Quando a temperatura ambiente aumenta, é difícil para o pássaro dissipar esse calor, porque não transpira. Por esse motivo, o pico cumpre a função de regulador da termorregulação, sustentado pelas características de ter uma superfície ampla e ser muito vascularizado.

Os pesquisadores relatam que a temperatura do pico, em sua parte superficial, muda rapidamente quando o ambiente esfria ou aquece. Isto é conseguido graças aos inúmeros vasos sanguíneos, que funcionam como o “radiador” de um veículo.

Nesse sentido, o tucano regula o fluxo sanguíneo do bico, aumentando ou diminuindo, dependendo da necessidade.

Taxonomia

  • Reino animal.
  • Subreino Bilateria.
  • Filum Cordado.
  • Subfilum de vertebrados.
  • Infrafilum Gnathostomata.
  • Superclasse Tetrapoda.
  • Classe de pássaros
  • Ordem piciforme.

Família Ramphastidae

Subfamílias

-Capitonidae.

-Lybiidae.

-Megalaimidae.

-Ramphastidae.

Lista de espécies (tipos de tucanos)

Tucano: características, habitat, tipos e alimentos 5

Subfamília Capitonidae

-Gender Capito

Espécie: Capito auratus, Capito aurovirens, Capito wallacei, Capito brunneipectus, Capito squamatus, Capito quinticolor, Capito dayi, Capito niger, Capito maculicoronatus, Capito hypoleucus .

-Gênero Eubucco

Espécie: Eubucco bourcierii, Eubucco tucinkae, Eubucco ricsonsoni, Eubucco versicolor .

-Gênero Semnornis

Espécie: Semnornis ramphastinus, Semnornis frantzii.

Subfamília Lybiidae

-Gênero Buccanodon

Espécie: Buccanodon Duchaillui

-Gym Gymnobucco

Espécie: Gymnobucco bonapartei, Gymnobucco peli, Gymnobucco calvus, Gymnobucco sladeni.

-Gênero Lybius

Espécie: Lybius bidentatus, Lybius dubius, Lybius chaplini, Lybius guifsobalito, Lybius leucocephalus, Lybius minor, Lybius melanopterus, Lybius rolleti, Lybius torquatus, Lybius rubrifacies, Lybius vieilloti, Lybius undatus.

-Gênero Pogoniulus

Espécie: Pogoniulus atroflavus, Pogoniulus chrysoconus, Pogoniulus bilineatus, Pogoniulus coryphaeus, Pogoniulus pusillus, Pogoniulus leucomystax, Pogoniulus simplex, Pogoniulus scolopaceus, Pogoniulus subsulphureus.

-Estatolaema de gênero

Espécie: Stactolaema anchietae, Stactolaema olivácea, Stactolaema leucotis, Stactolaema whytii.

-Gêmeo Traquileu

Espécie: Trachylaemus purpuratus

-Gêmeo traquifônio

Espécie: Trachyphonus darnaudii, Trachyphonus margaritatus, Trachyphonus erythrocephalus, Trachyphonus vaillantii Ranzani.

-Gênero Tricolaema

Espécie: Tricholaema diademata, Tricholaema hirsuta, Triholaema frontata, Tricholaema lacrymosa Cabanis, Tricholaema melanocephala, Tricholaema leucomelas.

Subfamília Megalaimidae

-Gênero Caloramphus

Espécie: Caloramphus fuliginosus.

-Gender Megalaima

Espécie: Megalaima armillaris, Megalaima australis, Megalaima asiatica, Megalaima chrysopogon, Megalaima eximia, Megalaima corvine, Megalaima faiostricta, Meghalaya franklinii, Megalaima flavifrons, Megalaima henricii, Megalaima haemacephala, Megalaima jagnis.

Espécie: Megalaima lineata, Megalaima lagrandieri, Megalaima mystacophanos, Megalaima montícola, Megalaima oorti, Megalaima rafflesii, Megalaima pulcherrima, Megalaima virens, Megalaima rubricapillus, Megalaima zeylanica, Megalaima viridis.

-Gênero: Psilopogon

Espécie: Psilopogon pyrolophus.

Subfamília Ramphastidae

-Gênero indígena

Espécie : Andigena cucullata, Andigena laminirostris, Andigena hypoglauca, Andigena nigrirostris.

-Gênero Aulacorhynchus

Espécie: Aulacorhynchus caeruleogulari, Aulacorhynchus cognatus, Aulacorhynchus coeruleicinctis, Aulacorhynchus derbianus, Aulacorhynchus huallagae, Aulacorhynchus haematopygus, Aulacorhynchus sulcatusin.

-Gênero Baillonius

Espécie: Baillonius bailloni.

-Gênero: Pteroglossus

Espécie: Aracari verde, Aracari colocado um colar, Pteroglossus pluricinctus, Lettered Aracari, Pteroglossus sanguineus, Pteroglossus erythropygius, Pteroglossus castanotis, Pteroglossus frantzii, Pteroglossus beauharnaesii, Pteroglossus aracari, Pteroglossus Azara, de pescoço vermelho Aracari.

-Gender Ramphastos

Espécie: Ramphastos ambiguus, Ramphastos dicolorus, Ramphastos brevis, Ramphastos sulfuratus, Ramphastos toco, Ramphastos swainsonii, Ramphastos vitellinus, Ramphastos tucanus.

-Selenidera gênero

Espécie: Selenidera culik, Selenidera maculirostris, Selenidera gouldii, Selenidera reinwardtii, Selenidera nattereri, Selenidera spectabilis.

Habitat e distribuição

Tucano: características, habitat, tipos e alimentos 6

Os tucanos estão distribuídos no Novo Mundo, da parte sul do México ao sul da América do Sul, também cobrindo a área da América Central. A grande maioria habita as planícies, no entanto, devido à grande variedade de espécies que compõem a família, estas estão localizadas em várias regiões.

Assim, por exemplo, as aves do gênero Selenidera vivem principalmente na Amazônia, no oeste da Colômbia e na parte sul do Panamá. O pechigris andino, pertencente ao gênero Andigena, vive nas florestas úmidas andinas, especialmente no Equador e na Colômbia, a uma altitude de 3900 a 11000 pés.

Por outro lado, o Arasarí marcado ( Pteroglossus inscriptus ) é encontrado na bacia amazônica da Bolívia e no Brasil. O piquiverde do tucano, um membro do gênero Ramphastos, está localizado nas selvas da Colômbia, México e na parte ocidental da Venezuela.

Habitat

O habitat é extenso, podendo ser encontrado em uma grande diversidade de regiões neotropicais, principalmente em florestas úmidas e secas. A maioria dos tucanos reside o ano todo na mesma área. No entanto, alguns podem realizar migrações sazonais.

Assim, eles podem se mover no outono e na primavera, em busca de melhores condições climáticas. Por outro lado, há registros de bandos dessas aves invadindo as áreas onde abundam árvores frutíferas. Isso ocorre porque as frutas são escassas, pois são produzidas sazonalmente.

O recurso alimentar é um dos principais fatores que, além de gerar migrações locais, influencia a distribuição geográfica dessa ave frugívora.

Grande parte das espécies da família Ramphastidae é florestal e restrita a florestas primárias. Pode ser que eles morem em florestas secundárias, mas o fazem fundamentalmente para forragear. Nessas regiões, eles procuram árvores velhas para se reproduzir.

Variações de acordo com as espécies

O único da família que não vive na floresta é o tucano, estando nas savanas. O habitat também varia nos aracaris, localizados nas florestas tropicais, enquanto os Aulacorhynchus estão nas florestas, entre 3300 e 10000 pés de altura.

Embora os intervalos possam se sobrepor, pesquisas indicam que entre os tucanos a competição é quase nula, porque seus hábitos alimentares podem ser diferentes.

O único caso em que duas espécies competitivas coexistem é onde estão envolvidos o aracaris de bico pálido ( Pteroglossus flavirostris ), que vive no dossel das florestas peruanas, e o aracaris de castanha ( Pteroglossus castanotis ), que ocupa as margens da floresta. .

A exclusão competitiva ocorre quando as duas espécies trocam seus habitats, no caso de uma das duas aves estar ocupando o lugar onde a outra vive.

Perigo de extinção

Um grande número de espécies que compõem a família Ramphastidae está ameaçado de desaparecer. É por isso que a IUCN, como outros organismos que lutam pela defesa dos organismos, avaliou a condição dessas aves, garantindo sua proteção.

Em algumas espécies, a possibilidade atual de extinção é menor. Alguns deles são o tucano ( Ramphastos toco ), o aracarí de colarinho ( Pteroglossus torquatus ), o tucano de bico vermelho ( Selenidera reinwardtii ) e o tucano de esmeralda ( Aulacorhynchus prasinus ), entre outros.

Pelo contrário, em outros, a situação é muito mais grave. É o caso do tucano de sobrancelha amarela ( Aulacorhynchus huallagae ) e do tucano de ariel ( Ramphastos ariel ).

Causas e ações

As principais ameaças que essas aves sofrem são a caça furtiva, a captura para venda como animais de estimação e a perda de seu habitat. Em relação a isso, a derrubada de florestas para serem usadas como terras agrícolas e para a criação de gado resultou no desmatamento de habitats.

Nestes ecossistemas perturbados, os tucanos dificilmente podem crescer e se desenvolver. Isso se deve, entre outras coisas, à perda de inúmeras árvores frutíferas, que fornecem alimentos de sua dieta diária.

Além disso, as estradas construídas através da área arborizada criam espaços abertos, que não são os preferidos por esses pássaros para se instalarem e se aninharem.

Os diferentes países onde vivem os tucanos implementaram leis ambientais para sua proteção. Da mesma forma, existem inúmeras reservas florestais nacionais, com o objetivo de conservar a rica biodiversidade dos ranfástidos.

Alimento

Aparelho digestivo

A linguagem do tucano é especializada. É longo, estreito e tem “franjas” nas bordas, o que lhe confere uma aparência de caneta. Esta espécie carece de uma colheita. O esôfago cervical começa na área ventral, desviando para a parte direita do pescoço. Da mesma forma, permanece alinhado com a traquéia, ao longo de sua trajetória.

O estômago é pequeno. Por isso, é necessário que os alimentos contenham altos níveis de água, pois a absorção é rápida e o que eles comem rapidamente a descarta.

O sistema digestivo do tucano é cego e a vesícula biliar é alongada. Quanto ao intestino grosso, ele é formado apenas pelo cólon e pelo reto, culminando no esgoto.

Para alimentar, o tucano pega a comida com a ponta do bico e a joga no ar. Então ele o pega com o bico aberto, coloca-o no fundo da garganta e o engole. Se o alimento for encontrado em pedaços grandes, primeiro comprima-os com uma perna, dividindo-os em pedaços menores.

Diet

Os tucanos são oportunistas onívoros. Assim, eles podem comer insetos, aranhas, roedores, sapos, lagartos, morcegos, cobras e pássaros menores. Eles podem fazer isso eventualmente, especialmente na era reprodutiva.

No entanto, sua dieta é composta por uma alta porcentagem de frutas, sendo consideradas frugívoros. Graças a isso, eles desempenham um papel ecológico importante, pois contribuem para a dispersão das sementes. Enquanto buscam, formam grupos e saem em busca de árvores frutíferas.

Da mesma forma, são predadores, pois localizam os ninhos de outras aves e levam os ovos ou os filhotes para consumi-los. Desta forma, eles estão adicionando uma porção extra de proteína à sua dieta.

É um animal arbóreo que, para alcançar frutas e bagas, estica o pescoço para a frente e os leva com o bico, que usa como pinças. A grande maioria dos tucanos forrageia no dossel das árvores da floresta.

Os frutos que você consome incluem figos, palmeiras, goiaba e pimenta vermelha. Da mesma forma, eles comem espécies como Casearia corymbosa , Ehretia tinifolia , Cecropia, Didymopanax, Rapanea e Phytolacca.

Os tucanos costumam beber água das bromélias que crescem nas árvores, em vez de descer ao chão e beber água de um riacho.

Reprodução

O tucano é um animal monogâmico, que vive em pares permanentemente. A maturidade sexual ocorre, geralmente, aos 3 ou 4 anos de idade.

Essa espécie possui comportamentos de corte, como o preparo entre o casal. Da mesma forma, os pássaros brincam para trocar comida ou pequenos pedaços de galhos. Eles podem ser jogados ou dados com o bico. Além disso, o macho pode oferecer frutas para a fêmea, para que ela se alimente.

Sua reprodução é ovípara e ocorre nos últimos dias do mês de janeiro. Eles costumam colocar ovos, 2 a 4, apenas uma vez por ano. Sua coloração é branca e eles têm uma forma elíptica. Além disso, são porosos e bastante frágeis.

O período de incubação dura entre 17 e 20 dias. Homens e mulheres compartilham a responsabilidade de chocar ovos. Além disso, ambos compartilham a criação dos filhotes.

Ninhos

As espécies pertencentes à família Ramphastidae nidificam em cavidades. Os maiores fazem um buraco nas partes decompostas de grandes árvores. Por outro lado, os tucanos menores geralmente dominam os ninhos dos pica-paus.

Alguns podem apreender ninhos de cupins encontrados em árvores. Da mesma forma, a grande maioria deles poderia usar troncos de palmeiras para cavar e usar o espaço como um ninho.

Freqüentemente, o tucano põe ovos no mesmo buraco todos os anos. Os ovos são colocados em restos de madeira ou em um revestimento de pequenas bolas de sementes, que foram regurgitadas antes da postura.

Prole

Após a eclosão, os filhotes não têm plumagem e permanecem com os olhos fechados por cerca de três semanas. O recém-nascido tem pele vermelha e bico curto. A parte inferior é um pouco mais larga que a parte superior. Além disso, eles não têm a mancha preta na ponta, características dos adultos.

Os calcanhares têm excrescências acentuadas, que podem formar um anel. Estes geralmente se rompem e caem quando os jovens deixam o ninho. As penas crescem lentamente, tanto que, com um mês de idade, muitos filhotes ainda têm áreas do corpo com pele nua.

Ambos os pais alimentam os filhotes, trazendo comida para eles na ponta do bico. No entanto, na maioria das vezes eles o transportam no esôfago ou na garganta e regurgitam no ninho. Adultos e filhotes jovens são responsáveis ​​pela limpeza do ninho.

Quando têm entre oito ou nove semanas de idade, os jovens deixam o ninho e procuram comida para si.

Comportamento

Os tucanos costumam se arrumar, principalmente no pescoço e na cabeça. Para isso, eles usam a ponta do bico longo. Por outro lado, os ranfástidos tomam sol. Para isso, eles estendem suas asas traseiras aos raios do sol, geralmente mantendo o bico aberto.

No entanto, devido à sensibilidade às mudanças de temperatura, isso é feito em áreas onde existe uma área sombreada nas proximidades.

Postura para descansar

Para dormir dentro da cavidade da árvore, eles assumem uma posição muito particular. Eles colocam o bico nas costas, onde é coberto por penas e asas dorsais.

Então, eles levantam a cauda para frente, cobrindo com ela as costas e o bico. Ao mesmo tempo, reajuste suas asas, para parecer uma “bola de penas”. Quando o pico repousa sobre o corpo, o contato com ele permite obter um pouco de calor, o que pode protegê-lo no caso de a temperatura ambiente cair.

A grande maioria dos arasaris dorme juntos, em grupos de 5 ou 6, dentro de um buraco em um tronco oco. O último pássaro que entra na cavidade da árvore o faz para trás, com o rabo nas costas. Desta forma, é pressionado no corpo do resto dos pássaros que são encontrados lá.

Comunicação

O tucano está entre o grupo das aves selvagens mais barulhentas. Isso pode emitir diferentes vocalizações, caracterizadas por serem fortes, afiadas ou ásperas. As vocalizações podem ser um chiado uniforme ou um twitter, que pode ser ouvido na selva como uma conversa estrondosa.

Espécies maiores pousam no topo da copa das árvores, emitindo um chamado alto. Estes são acompanhados por alguns movimentos do bico e da cabeça.

As vocalizações poderiam atuar como um sinal de reunião, a fim de atrair o restante do grupo para um excelente local de forrageamento. Da mesma forma, eles podem ser usados ​​no reconhecimento de espécies.

Isso ocorre porque diferentes tipos de tucanos encontrados no mesmo habitat têm chamadas diferentes.

As chamadas geralmente são feitas no final da tarde, junto com o restante dos pássaros que estão prontos para descansar. No entanto, durante a noite eles são inativos. O momento máximo de vocalização ocorre de manhã e depois da chuva.

Social

Este pássaro é altamente social. A maioria pode formar grupos, especialmente em uma fruteira frondosa.

O tucano é sedentário, podendo viver na mesma região a maior parte de sua vida. É um animal monogâmico, que durante o período reprodutivo geralmente é removido do aglomerado onde são encontrados. Mais tarde, você pode voltar a isso, junto com seus filhos.

Você pode ter comportamentos, como telefonemas e brigas com seus picos, voltados para manter o vínculo com seus parceiros ou estabelecer uma certa hierarquia dentro do grupo. Isso pode ser feito durante o tempo em que a digestão é realizada, um espaço usado para socializar dessa maneira.

Vôo

Tucanos raramente voam em grandes grupos, geralmente em grupos soltos. Dessa maneira, eles percorrem a floresta e as clareiras adjacentes a ela em pequenos bandos.

O ágil arasarí colollarado ( Pteroglossus torquatus ) tem um vôo rápido e direto, enquanto os grandes tucanos estão voando lentamente.

O voo é ondulado e curto. Depois de baterem nas asas várias vezes, eles as seguram e deslizam para baixo, como se seu corpo tivesse sido derrubado pelo bico enorme. Logo, ele começa a bater as asas novamente.

Doenças comuns do tucano

Os tucanos estão entre os mais propensos a espécies de doenças. Entre as doenças que sofrem é o armazenamento de ferro, doenças fúngicas e parasitas.

Armazenamento de ferro

A doença primária de armazenamento de ferro é considerada hereditária, enquanto a doença secundária é causada por anemia ou devido à exposição a altos níveis de ferro. No caso dessas aves, foi encontrada uma certa predisposição das espécies para esta doença.

O processo de absorção de ferro provavelmente desempenha um papel decisivo no desenvolvimento da hemocromatose. Essa doença pode ser mortal para o tucano.

Depósitos de ferro são freqüentemente identificados nos hepatócitos e nas células dos rins, pulmão, baço, intestino e pâncreas. Por esse motivo, o tucano pode apresentar sinais como dispnéia e abdômen e fígado aumentados.

Uma das conseqüências dessa condição é a dificuldade de se reproduzir. Isso pode ocorrer porque o fígado está envolvido na formação da gema de ovo.

Doenças infecciosas

A microflora do tucano inclui Escherichia coli, Streptococcus sorotipo D, Staphylococcus spp . Estes foram detectados no esgoto de 90% de um grupo de tucanos assintomáticos, de diferentes espécies.

Como os patógenos são clinicamente recorrentes nos Ramphastidae, a terapia antimicrobiana é considerada apenas em pacientes com altas concentrações de qualquer uma dessas bactérias, principalmente quando a ave mostra os sinais clínicos da doença.

Além disso, o tucano pode ter infecção aguda por pseudotuberculose aviária ( Yersinia pseudotuberculosis ), que causa a morte do animal, pois desencadeia pneumonia, esplenomegalia e hepatomegalia. Esta doença pode causar uma descoloração da cor laranja do bico, ficando preto ou verde escuro.

Doenças fúngicas

Alguns recém-nascidos, dentre os de toque tucano, podem apresentar úlceras nas córneas causadas por Candida sp . Várias dessas aves afetadas também tiveram algumas infecções bacterianas secundárias. Esta doença cede facilmente ao tratamento tópico.

Por outro lado, houve casos de mortes agudas causadas por Penicillium griseofulvum . Os tucanos afetados apresentaram mofo esverdeado nos sacos aéreo, pulmonar e abdominal.

Doenças virais

Dentro deste grupo de doenças, o tucano pode ser infectado pelo agente microscópico conhecido como herpevírus. Isso cria lesões histológicas no fígado, causando hepatite necrosante, e o baço também é afetado.

Além disso, pode sofrer de clamídia, uma doença que afeta o fígado e o baço do animal.

Parasitas

A pesquisa documenta a presença de 3 espécies de Plasmodium no tucano: Plasmodium huffy, Plasmodium nucleophum tucani e Plasmodium rouxi . Quando o P. huffy está em níveis elevados, pode causar a morte do pássaro. As outras duas espécies estão associadas a infecções leves, em arasari de colarinho, tucanos com crista de enxofre e Swanson.

Além disso, freqüentemente as fezes do tucano podem ter ovos e larvas de giardia. Em um grande número de casos, o pássaro não apresenta os sintomas da doença.

O tucano como animal de estimação: conselhos de criação, legalidade de criação no mundo

Dicas de criação

Condições ambientais

O espaço deve ter acesso aos raios do sol, porque o tucano costuma tomar “banhos” de sol. Recomenda-se que não haja correntes de ar, fumaça ou ruído.

Instalações

A gaiola deve ser espaçosa, para que o pássaro possa se mover completamente. Assim, eles podem pular de galho em galho e voar pequenas distâncias. As medidas da gaiola, para uma única cópia, podem ser de 2,5 x 3,6 x 2 metros.

Os galhos que estão dentro devem ser naturais e de tamanhos diferentes. Em relação à localização, o ideal é que estejam localizadas longe dos bebedour

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies