Salguero: “O ser humano não se limita apenas ao seu formato corporal”

Salguero: "O ser humano não se limita apenas ao seu formato corporal" 1

Antonio Salguer ou ( General Roca , RN, Argentina, 1957) é uma pessoa única em termos de aprendizado e algumas das experiências do que ele chama de “vida terrestre” (sic). Além de um ensaísta, autodidata, meditador e assistente em psicologia infantil, Salguero é autor de dois livros: “Maturação Intelectual” (2000) e seu recente ensaio crítico: “Teoria da Mente, Versão Patagônica” (2009).

Neste último, ele propõe uma crítica aberta e frontal de algumas estruturas acadêmicas estanques, em vigor em vários setores de disciplinas acadêmicas, como Filosofia, Psicologia e Neurociências. O autor propõe que existam concepções distantes da Realidade do Ser Humano e do Ment , as quais, segundo seus critérios no século XXI, já deveriam ser praticamente superadas. Assim, ele afirma em seu livro:

«O ser humano é um sistema complexo composto pela soma de quatro elementos inseparáveis: corpo + pensamento + tempo + ambiente. […] As disciplinas acadêmicas não a concebem dessa maneira, e a interpretação que ainda fazem na mente não é apropriada.

Queríamos nos encontrar com ele para conhecer sua opinião sobre as questões que todos nos dizem respeito a partir dessa posição já adivinhada heterodoxa: a mente, o ser humano, o amor ou até a existência da vida após a morte.

P. Bom dia Antonio. Como vai?

(A. Salguero): Muito bem, vivendo esse “segmento único da vida evolutiva da minha própria psique”. Fico feliz em saber que você está interessado em conhecer outras abordagens do conhecimento humano. E estou feliz porque algumas vozes precursoras começam a ser ouvidas timidamente em relação ao novo conhecimento sobre o Ser Humano e a Mente . É um momento de “deixar ir o velho em paz” e “saber aceitar novas interpretações da realidade, embora isso leve a um transe de caos entre o velho e o novo.

P. Agora que você falou sobre o antigo e o novo, fica claro que o tempo não passa para você. No entanto, o relógio não perdoa: já estamos em 2015 … Eu sou o único que se incomoda com a sensação de ver o tempo fugir?

Você não é o único, meu querido Xavier. A grande maioria dos ocidentais apenas observa a ocorrência do tempo como uma carreira única ou sucessão física, que começa no útero e termina no caixão. Esta é uma concepção infeliz, muito típica das culturas políticas, educacionais e religiosas que herdamos. Isso é lamentável, pois a mesma ciência ajuda a instalar muitos medos e ignorâncias na psique humana. Não é o caso das antigas civilizações orientais, que nos levam uma boa vantagem neste e em outros assuntos.

Q. Você menciona outras dimensões temporais em torno do ser humano. Então: o tempo é algo real ou um puro artifício criado pelo homem?

Por mais que a ciência negue, (se esse não fosse seu nome verdadeiro), o “tempo” existe como uma manifestação vazia de uma realidade que sem dúvida acontece. Tanto neste plano terrestre existencial, existe um formato temporal específico (planetário, cósmico), quanto no plano subatômico, quântico e interdimensional, que existe outra peculiaridade em relação à existência do tempo (infinito: onde passado, presente e futuro estão juntos). Além disso, mesmo a maioria dos psicólogos e psiquiatras ainda não sabe que existe um formato de “tempo psíquico evolutivo”, característico de cada ser humano, em relação íntima ao seu crescimento pessoal “realizado em vidas anteriores”.

P. Aqui você menciona algo novo para muitos. Existem outras vidas antes desta e ainda não sabemos?

Sim. Existem vidas anteriores de nós mesmos aqui no planeta Terra, e é seguro e provável que haja muito mais, especialmente para que possamos alcançar minimamente uma “evolução aceitável”, tanto para nós como para os indivíduos cósmicos, bem como para a vida harmônica do planeta Terra. Em geral, esse é um assunto tabu nos círculos acadêmicos formais. Felizmente, existem algumas pesquisas muito boas de alguns psiquiatras e pesquisadores da mente, que respondem por esse fenômeno vital. Na vida cotidiana, esses estudos são chamados de “sofrosis” (uma prática hipnótica específica) ou “regressões a vidas passadas”. Se ousamos conhecer alguns desses detalhes do passado, é muito mais fácil entender algumas particularidades da atualidade.

Relacionado:  Entrevista com Marta Guerri, psicóloga e diretora do PsicoActiva

P. De acordo com suas declarações categóricas: Devemos entender que a vida existe após a morte? Como você o baseia?

Totalmente. É aqui que a imaginação humana entra em crise aguda. Geralmente somos educados a “não enxergar além do nariz”, mesmo as crenças da religião têm muita responsabilidade nela. Essa é minha grande crítica a algumas coisas do sistema atual. Esse é um sério freio à criatividade e à evolução da psique. Entretanto, quando um pesquisador tem a oportunidade de “interagir de maneira natural” com outros aspectos da vida instalados em uma dimensão paralela, inevitavelmente há uma abertura mental, que modifica quase todos os conceitos e idéias que temos em comum. . Eu insisto, devemos fazer um esforço para avançar nos conceitos, estamos presos há muito tempo. Devemos necessariamente desobedecer a algumas estruturas, derrubar a barreira do conhecimento desajeitado e obsequioso.

P. Percebo que você é muito frontal em suas palavras, e denota muita segurança, apesar da grande complexidade desses assuntos. Vamos mudar de assunto por um momento: o que é amor?

Que pergunta é sua, eu não esperava essa vez. Na verdade … Eu tenho mudado, mudando com esta definição ao longo desta vida. Quando criança, comecei a acreditar que era uma obrigação, porque eles me diziam em casa e na escola. Na época do ensino médio, continuei a aceitar que o amor era uma condição natural do ser humano. Mais tarde, já na universidade, percebi que era uma tendência social imposta pelo sistema. Em outra época, tive a idéia religiosa do que o amor significa para eles e seus livros. No entanto, nenhuma dessas definições temporais me deixou satisfeito. Hoje … depois de muitas idas e vindas, de alegrias e sofrimentos no sistema cultural, posso dizer que: “É um estado vibratório particular da mente quântica”. Ou seja … da mente da alma, como muitos a conhecem. “O amor é então o resultado vibratório, equilibrado e harmônico da evolução psíquica do ser humano em nós”.

P. Entendo que você tenha elaborado o suficiente todos esses conceitos que menciona: Você está apaixonado, Antonio? Qual a diferença entre amar e se apaixonar?

Eu amo os estágios pelos quais passei na minha vida. Muitos eram bonitos, outros eram românticos e alguns eram muito severos, sem ficarem tristes. Praticamente não conheço a tristeza, porque nunca acrescentei ao seu formato vibratório, embora tenha tido um forte desconforto suficiente, principalmente pelo resultado que observei nos comportamentos humanos do meu ambiente, comportamentos que eu não esperava com esses resultados. Isso me levou a meditar muito e praticar o silêncio interior ainda mais. Com o tempo, eu os entendi. Com a ajuda de muitos anos de meditação, compreendi outros estados mentais e amorosos. Hoje entendo que o amor é o resultado da evolução da psique profunda, é uma vibração que cresce em sentimentos, na vontade e intencionalidade da alma. Por outro lado, apaixonar-se geralmente está ligado ao cérebro e aos comportamentos comportamentais do corpo humano. Bem, como você pode ver, o corpo e a mente são questões diferentes.

P. Parece que começamos a lidar com conceitos profundamente enraizados em nossa cultura. Eu pensei que corpo e mente eram a mesma coisa, mas você argumenta o contrário.

“Vamos em partes”, disse Jack, o Estripador (risos) . O ser humano não é uma coisa única que interage com o meio ambiente. O ser humano é um verdadeiro Sistema Inteligente , composto por quatro elementos inseparáveis: Corpo , Pensamento , Tempo e Meio Ambiente . No entanto, até agora fomos ensinados que corpo e mente eram a mesma coisa, e que esse era o ser humano. Este não é o caso, nunca foi. Agora é a hora de esclarecer velhas dúvidas e velhos preconceitos. O ser humano não se limita apenas ao seu formato corporal, tanto quanto a maioria dos acadêmicos insiste.

P. Bem, como devemos entender, então, a idéia da Mente ?

Bem, para começar, vou lhe dizer que: “A mente não existe, existem apenas processos mentais de informação”. O primeiro que fez uma dupla distinção do “Corpo-Mente”, foi o filósofo René Descartes , e por afirmar uma percepção dualística quase exata, hoje quase todo mundo (incluindo pensadores notáveis ​​da mente do mundo), o critica sem motivo válido , porque eles ainda não conhecem a verdadeira estrutura e natureza da mente humana, pois ainda não investigaram o suficiente. Devo dizer: “O erro não é de Descartes”, mas a confusão é daqueles que o criticam a partir de bases infelizes. O corpo existe, assim como existem os estados mentais do corpo e os estados mentais do “sujeito pensante” ( alma).é o nome mais conhecido dele). Ou seja, existem “duas (2) mentes”, a mente do corpo físico como um sistema inteligente e a mente do sujeito que pensa em cada ser humano físico. A maioria dos cientistas, incluindo: psicólogos, psiquiatras, neurocientistas e filósofos, eles ainda ignoram que existem, no ser humano, duas naturezas diferentes, cada uma com propriedades diferentes, para o que chamamos de “Mente ou processos mentais”. É por isso que os fundamentos do debate, seja o que for hoje, mudam drasticamente. O assunto é longo para ser abordado, por isso expresso que alguns setores da ciência “são responsáveis ​​pela ignorância que abunda sobre o assunto”, eles interrompem a evolução natural do conhecimento por estarem ligados às suas “armadilhas neurais”.

Relacionado:  Estudando psicologia na Argentina: é uma boa ideia?

P. O conceito de Mente Simultânea é seu . Como isso surge em sua vida?

A primeira idéia da existência de dois (2) processos mentais, interagindo simultaneamente, surge como uma experiência privada, alguns anos atrás, em 2004, enquanto meditava profundamente na floresta. Naquela época, eu morava na minha cabana feita nas montanhas. Naquela ocasião, pude distinguir claramente a diferença entre os dois processos mentais. O que mais me surpreendeu foi que ambos os processos mentais interagiram simultaneamente. Após alguns anos de pesquisa, você pode entender quais eram suas diferentes naturezas, como suas propriedades interagiam no corpo, e eu pude saber mais sobre suas origens. No entanto, isso, por sua vez, me levou a procurar outras respostas, entre elas, sobre outra possível origem do próprio ser humano,

P. Antes de entrar no seu raciocínio sobre outra possível origem do ser humano, vamos contextualizar: Qual é o momento atual da ciência a esse respeito?

O que eu chamo de “Mente Simultânea” acontece e ocorre, entre os processos sinápticos dos neurônios cerebrais. Até agora, ninguém que eu conheça conseguiu identificar esses dois processos separadamente, há muita resistência a ele, uma vez que muitos capítulos acadêmicos sobre a mente e o ser humano precisariam ser reescritos. Um pouco é porque a autopercepção do nosso cérebro é bastante lenta e é por isso que ninguém ainda distingue os dois processos simultâneos que existem. Eu forneço dados muito importantes: eles têm velocidades diferentes, vêm de lugares diferentes e também têm naturezas diferentes. Esse último detalhe os torna muito convenientes para identificá-los, por mais que os pesquisadores neurocientíficos tenham sido doutrinados para assumir e aceitar, que “todos os processos mentais surgem dos neurônios”. E não é assim, Entendo que eles têm o suficiente para descobrir, embora tenham tecnologia suficiente, e acho que ainda não sabem o que procurar. Acrescento outro detalhe aqui: se você entendesse isso, encontraria muitas respostas para o fenômeno da “consciência após a morte” e insistiria em fornecer uma resposta neuronal ao fenômeno daEQM (“Experiências de quase morte”), mas parece que também é outro assunto tabu.

P. Embora essa questão gere muitas controvérsias no atual modelo acadêmico e científico, o que você poderia me dizer sobre esse “sujeito que pensa” que você mencionou?

Para começar, direi que a Vontade, os Sentimentos, a Intencionalidade e os Pensamentos são processos inteligentes de natureza subatômica ou quântica, do ainda desconhecido “sujeito pensante”, presente em todo ser humano que existe. (Os quatro elementos que mencionei “não pertencem aos neurônios ou ao corpo físico”, aqui está um grande erro nas bases conceituais acadêmicas). Para a novidade de muitos pensadores, esse “sujeito pensante” existe há dezenas de milhares de anos e está indo e vindo para a vida da Terra, uma e outra vez, para evoluir sua própria psique. Para resumir isso, vou lhe dizer: o corpo físico é, por definição, um verdadeiro “sistema composto inteligente”, e o corpo também tem sua própria mente inteligente.

Relacionado:  Entrevista terapêutica em Alza: as chaves do elo terapêutico

P. Então, de acordo com suas palavras: eu não sou meu próprio corpo? Quem sou eu realmente? O que é o ser humano exatamente?

Muito bom reflexo seu, meu querido Xavier. Na verdade, o corpo atômico e molecular que você tem agora é apenas o veículo físico, de formato hominídeo que ajuda a deslocar e expressar suas partículas subatômicas, nesta dimensão planetária. Também ajuda você a manifestar toda a sua criatividade, evolução e inteligência profunda. O pensamento (ao contrário do que é reivindicado), é a natureza subatômica (-se a inteligência de partículas subatômicas ou quântica) e também para interagir com o cérebro, é capaz de transcender a matéria física. O tempo tem dois aspectos, por assim dizer. E os arredoresA dimensão também é dupla, isto é, aqui e na outra dimensão paralela e simultânea a essa realidade que você e eu agora vivemos. Desculpe se complicou um pouco o assunto, mas é inevitável. É impossível manter os velhos paradigmas culturais se queremos avançar e evoluir como espécie. Devemos usar o recurso de nossa inteligência subatômica para interpretar as coisas de uma maneira mais aberta à verdade. Devemos fazer um esforço para sair das estruturas das armadilhas neuronais impostas pelos neurônios cerebrais.

P. Imagino que o conceito de mente e inteligência esteja ligado de alguma forma. Na sua opinião, qual é a definição de inteligência que mais o convence?

Em geral, as opiniões dos diferentes autores parecem ser precisas ao longo do tempo. Embora a grande maioria concorde que é uma capacidade ou habilidade para resolver problemas no meio ambiente. Talvez essa seja uma expressão consistente com a inteligência cerebral hominídea. Partilho mais da idéia de Eyssautier e Maurice (2002), quando argumentam que: “Inteligência é uma capacidade de analisar, separar e desmontar uma situação complexa, extraindo seu significado”. Essa conceituação me parece mais oportuna do que outras, pois pode incluir pensamento subatômico que é indubitavelmente superior à inteligência cerebral. Embora eu deva acrescentar que, por outro lado, aderir às classificações bem-sucedidas que o Dr. Howard Gardner faz e que ele chama de “ Múltiplas Inteligências“, Com a ressalva de que ele, talvez com sincera intenção, disse:” Não sei de onde eles vêm, só sei que tipifiquei esses oito para o ser humano “. Para encerrar essa grande história, Gardner apenas carecia, acrescentando algo como: “Descobri que essas inteligências múltiplas são, na realidade, aptidões e habilidades acumuladas que resultam do produto da evolução psíquica produzida pela mente subatômica de cada humano, nas diferentes vidas anteriores, e que agora estão presentes no indivíduo social atual, onde se expressam com suas potencialidades ”.

P. Como isso se encaixa na sua teoria dos Sistemas Inteligentes ?

Se realizássemos o exercício de uma “abertura mental adequada”, perceberíamos que a vida do planeta Terra é um sistema inteligente complexo projetado, criado para obedecer a ciclos de equilíbrio e desequilíbrio, mantendo assim as formas de vida em movimento perpétuo. Em relação à minha teoria sobre sistemas inteligentes , devo dizer que tudo o que observamos no planeta é, juntos, um sistema supra inteligente de moléculas e átomos. A exceção que escapa ao sistema de equilíbrio natural é a do ser humano. Pois o homem é um “sistema inteligente composto e simultâneo”, composto por dois sistemas inteligentes, o das moléculas mais os átomos do corpo, por um lado, e o sistema inteligente de partículas subatômicas dasujeito que pensa , por outro lado. Este último está entrelaçado com o corpo e a mente do físico hominídeo, mas que “não é esse corpo ou essa mente física”, porque essas partículas subatômicas transcendem o fato da própria morte, pois têm uma natureza diferente. A inteligência humana resultante, então, é uma verdadeira mistura de Inteligência Simultânea , entre as habilidades do corpo e a criatividade da alma, presente no último, em cada segundo de nossas decisões. É por isso que devemos falar sobre a inteligência do sistema corporal e a inteligência do sistema de partículas pensantes, ou seja, temos duas inteligências integradas e simultâneas. Quando essas palavras que eu exponho forem interpretadas como deveriam, a humanidade enfrentará um novo paradigma evolutivo.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies