Segundo Governo de Arturo Alessandri Palma: características

O segundo governo de Arturo Alessandri Palma foi realizado no Chile entre 1932 e 1938, depois de vencer as eleições realizadas no mesmo ano. Alessandri assistiu à votação apoiada pelos partidos de esquerda e radicais, embora os primeiros logo se afastassem de sua administração.

O político já ocupava a presidência entre 1920 e 1925. A balança de seu governo foi prejudicada pelos problemas econômicos causados ​​pela queda no preço do salitre, o recurso mais importante do país. No final do mandato, ele sofreu o chamado Ruído Sabre e, mais tarde, um golpe de Estado que o forçou a se exilar.

Segundo Governo de Arturo Alessandri Palma: características 1

Arturo Alessandri (sentado no centro) com seus ministros. Fonte: Arquivo Fotográfico do Museu Histórico (Memória Chilena). Public domain

Após o fim do governo de Carlos Ibáñez del Campo, com o país atingido pela crise mundial de 1929, Alessandri retornou ao país, sendo eleito senador por Tarapacá e Antofagasta.

Dada a grave situação econômica, as primeiras medidas de Alessandri foram dedicadas a melhorar os índices de desemprego, a capacidade de pagar a dívida e aumentar a produção. Ele também tentou estabilizar a atmosfera política. Seu mandato terminou com um evento sangrento que marcaria esse governo: o massacre do Seguro dos Trabalhadores.

Antecedentes

Arturo Alessandri Palma, conhecido como o “leão de Tarapacá”, é considerado uma das figuras mais importantes da história chilena durante a primeira metade do século XX. Em um momento muito conturbado, Alessandri ocupou a presidência da República duas vezes.

O primeiro de seus mandatos ocorreu entre 1920 e 1925, após uma campanha na qual ele prometera promulgar leis em favor das classes mais populares. No entanto, a queda no preço do salitre levou o país a uma crise econômica, e muitas de suas promessas permaneceram não cumpridas.

O sistema político do momento entrou na situação econômica. Os partidários de Alessandri eram uma minoria e o Congresso paralisou todos os seus projetos sociais.

Golpe de Estado e Exílio

No ano anterior ao fim de seu mandato, em 1924, um grupo de oficiais militares de baixo escalão realizou um protesto, chamado “ruído de sabre”. O motivo era econômico, pois os militares estavam sofrendo as consequências da crise econômica.

Esses oficiais organizaram um Comitê Militar, que passou a expressar suas demandas a Alessandri. Todos eles foram progressivos, como a limitação do trabalho infantil ou a jornada de oito horas. O presidente prometeu estudá-los com a condição de que voltassem ao quartel.

Temendo um golpe militar, o Congresso aprovou um pacote de leis em um único dia. No entanto, o Comitê Militar não se dissolveu e solicitou ao Presidente que dissolvesse o Congresso. Alessandri respondeu renunciando e solicitou asilo na Embaixada dos EUA. Embora sua demissão não tenha sido aceita, ele recebeu uma licença de 6 meses,

Em 1925, houve um golpe liderado por Carlos Ibáñez del Campo, que reivindicou a volta de Alessandri para cumprir o restante de seu mandato e redigiu uma nova Constituição, presidencial.

Finalmente, Ibáñez del Campo e Alessandri acabaram se enfrentando, o que fez com que este se demitisse novamente.

Segunda Presidência

Entre a maior parte do período entre 1925 e 1931, Alessandri viveu no exílio. A situação mudou quando Ibáñez Campo perdeu o poder em julho de 1931.

Alessandri voltou ao país e foi eleito senador. No entanto, um novo Conselho Militar dissolveu o Congresso. O novo líder chileno foi Marmaduke Grove, que estabeleceu uma República Socialista que durou apenas até 1932.

Eleições

As eleições foram realizadas em 30 de outubro do mesmo ano. Arturo Alessandri foi apresentado apoiado pelos liberais, democratas, radicais e social-republicanos. Seus rivais eram Rodriguez de la Sotta, pelos conservadores, Marmaduke Grove, pelos socialistas, e Elías Lafertte, pelos comunistas.

O resultado foi muito claro a favor de Alessandri, que assumiu o cargo em 24 de dezembro.

Estado do país

A economia do Chile quando Alessandri assumiu a presidência foi desastrosa. O último golpe levou o país à desordem, o que agravou uma situação ruim.

Não houve orçamento aprovado para 1933 e a dívida fiscal atingiu 400 milhões de pesos. Da mesma forma, os compromissos acordados totalizaram 1.060 milhões e a dívida interna excedeu um bilhão. Por outro lado, a dívida externa, cujo pagamento foi diferido, atingiu 450 milhões de dólares.

Socialmente, a principal preocupação era o desemprego, que afetou 160.000 pessoas. Finalmente, de acordo com o próprio Alessandri, a Companhia Chilena de Salitrera (Cosach) causou a falência da indústria de salitre ao perder mercados internacionais e permitir a execução de negócios bastante duvidosos.

Caracteristicas

Inicialmente, o governo de Alessandri foi apoiado por grupos e radicais de esquerda.

Consertando a economia

Dada a má situação da economia, Alessandri iniciou seu mandato com algumas medidas para superar a crise.

Juntamente com seu ministro das Finanças, Gustavo Ross, ele implementou um programa para aumentar a capacidade de produção e consumo. Da mesma forma, ele fundou a Salitre y Yodo Sales Corporation, uma agência que obteve a reputação da atividade.

Com o dinheiro obtido, o pagamento da dívida externa foi reiniciado e um ambicioso plano de obras públicas foi realizado. Entre eles, destacaram a construção do distrito cívico de Santiago, Estado Nacional, escolas, estradas e ferrovias.

Milícia Republicana

Apesar da melhora econômica, a situação social permaneceu muito tensa. Alessandri tentou lidar com essa agitação contando com a milícia republicana, um grupo formado por jovens de classe média e alta.

Esta milícia visava manter a ordem e defender, por todos os meios necessários, a Constituição e as leis. Por um tempo, ele havia se escondido, mas em 7 de maio de 1933 realizou um desfile na frente do Presidente. Uma vez que consideraram ter atingido seu objetivo, a Militia foi dissolvida em 1936.

Por outro lado, Alessandri pediu ao Congresso várias vezes para declarar o estado de exceção. Essa medida levou a alguns atos claramente ilegais, como a queima de um número na revista Topaze, que incluía um desenho animado do presidente.

Reformas

Além das medidas tomadas para melhorar a economia, o governo de Alessandri promulgou uma série de leis de natureza política e social. Assim, em 1934, foi concedido às mulheres o direito de votar nas eleições municipais. Da mesma forma, aprovou uma lei que estabeleceu um salário mínimo decente para os trabalhadores do comércio e da indústria.

No campo da saúde, em 1937, o governo legislou uma lei de Medicina Preventiva, que promoveu exames médicos para a detecção precoce de doenças.

Novos jogos

Uma das características do segundo governo de Alessandri foi o surgimento de partidos políticos mais fortes. Em outubro de 1933, várias facções liberais se juntaram e formaram o Partido Liberal. Algo semelhante aconteceu com os setores de esquerda, que formaram o Partido Socialista.

Por outro lado, algumas forças foram criadas seguindo as novas ideologias que estavam surgindo na Europa. Entre eles, destacaram o Movimento Socialista Nacional do Chile, de natureza nazista, e a Falange Conservadora, inspirada em duas encíclicas papais,

Um pouco mais tarde, em 1937, surgiu a Frente Popular, uma coalizão formada pelo Partido Radical, Democrata, Socialista e Comunista. O sucesso dessa nova força política, que contou com o apoio dos sindicatos, levou Pedro Aguirre Cerda a suceder Alessandri como presidente.

Massacre do Seguro dos Trabalhadores

O evento que marcou, no negativo, a presidência de Alessandri, foi o Massacre do Seguro dos Trabalhadores. Um grupo de jovens pertencentes ao partido nazista chileno ocupou o edifício da Caja del Seguro Obrero, em 5 de setembro de 1938.

Sua intenção era que um levante militar devolvesse Ibáñez del Campo ao poder.

Os jovens nazistas abriram fogo do prédio ocupado em direção a La Moneda. Finalmente, eles foram presos. O problema aconteceu quando estavam nas mãos das forças de segurança: desarmados, foram mortos a sangue frio.

Embora Alessandri sempre negasse ter dado a ordem de execução ou mesmo conhecido antecipadamente o que iria acontecer. No entanto, até hoje muitos continuam a culpá-lo pelo evento.

Referências

  1. Icarito Segundo governo de Arturo Alessandri Palma (1932-1938). Obtido de icarito.cl
  2. Memória chilena Arturo Alessandri Palma (1868-1950). Obtido de memoriachilena.gob.cl
  3. Gonzalez, Luis Patricio. Arturo Alessandri, seu segundo mandato presidencial. Recuperado de archivochile.com
  4. Enciclopédia da Biografia Mundial. Arturo Alessandri Palma. Obtido em encyclopedia.com
  5. Segurança global Arturo Alessandri (1920-24, março-outubro de 1925, 1932-38). Obtido em globalsecurity.org
  6. Prabook Arturo Alessandri Palma. Obtido de prabook.com
  7. A Biografia Biografia de Arturo Alessandri Palma (1868-1950). Obtido em thebiography.us

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies