Segundo militarismo do Peru: principais características

O Segundo militarismo do Peru foi um período de governo militar que ocorreu no país entre os anos de 1948 e 1980, caracterizado por uma série de golpes de Estado e regimes autoritários. Durante esse período, os militares exerceram um papel dominante na política peruana, impondo medidas de repressão e censura, além de uma forte centralização do poder. O nacionalismo e o anticomunismo foram as principais ideologias que nortearam o governo militar, que também se caracterizou pela corrupção e violação dos direitos humanos. Apesar de terem buscado modernizar o país através de programas de desenvolvimento econômico e industrialização, os militares acabaram por deixar um legado de instabilidade política e social no Peru.

Principais características da ditadura no Peru: regime autoritário, repressão, violações de direitos humanos.

O Segundo militarismo no Peru foi um período marcado por um regime autoritário, repressão e violações de direitos humanos. Durante esse período, os militares assumiram o controle do país através de golpes de estado e instauraram um governo autoritário, que restringia as liberdades individuais e políticas da população.

Uma das principais características desse período foi a repressão exercida pelo Estado contra qualquer forma de oposição. O regime militar perseguiu e reprimiu violentamente todos aqueles que se opunham ao governo, silenciando a imprensa e suprimindo qualquer tipo de manifestação política contrária ao regime.

Além disso, durante o Segundo militarismo no Peru, houve inúmeras violações de direitos humanos, como prisões arbitrárias, torturas e execuções extrajudiciais. A população peruana viveu um período de medo e insegurança, com constantes violações de seus direitos fundamentais.

As marcas desse período ainda são sentidas pela população peruana, que luta para superar as consequências desse regime opressivo.

Características principais do regime militar no Brasil durante o período ditatorial.

O Segundo militarismo do Peru foi um período marcado por características semelhantes ao regime militar no Brasil durante a ditadura. No Brasil, o regime militar durou de 1964 a 1985 e foi caracterizado por um governo autoritário, repressão política, censura à imprensa, perseguição a opositores políticos e restrição das liberdades individuais.

Uma das principais características do regime militar no Brasil foi a centralização do poder nas mãos dos militares, que governavam de forma autoritária e sem a participação popular. Através de atos institucionais, os militares tinham o poder de tomar decisões unilaterais, sem a necessidade de aprovação do Congresso Nacional.

A repressão política também foi uma marca do regime militar no Brasil. O governo perseguia e prendia opositores políticos, utilizando métodos violentos e tortura para obter informações e silenciar a dissidência. Muitos brasileiros foram exilados ou desapareceram durante esse período.

A censura à imprensa era outra característica do regime militar no Brasil. Jornais, revistas, rádios e televisões eram controlados pelo governo, que censurava qualquer conteúdo considerado subversivo ou crítico ao regime. A liberdade de expressão era severamente restringida.

Além disso, a restrição das liberdades individuais era uma realidade para os brasileiros durante a ditadura militar. As garantias constitucionais foram suspensas, e a população vivia sob constante vigilância e controle do Estado.

Essas características também são observadas no Segundo militarismo do Peru, demonstrando como regimes autoritários podem ter padrões semelhantes em diferentes contextos históricos.

Relacionado:  Escudo do Rio Negro: História e Significado

Os eventos ocorridos durante a ditadura militar no Peru: uma análise detalhada.

O Segundo militarismo no Peru foi um período conturbado da história do país, que teve início em 1968 com o golpe de estado liderado pelo general Juan Velasco Alvarado. Durante essa época, o governo militar impôs uma série de medidas autoritárias que tiveram um impacto significativo na sociedade peruana.

Uma das principais características do Segundo militarismo foi a nacionalização de empresas estrangeiras, incluindo a dos setores de mineração e petróleo. Essa medida visava fortalecer a economia do país e reduzir a influência de empresas estrangeiras sobre os recursos naturais peruanos. No entanto, isso gerou controvérsias e conflitos com países estrangeiros.

Além disso, durante a ditadura militar no Peru, houve uma intensa repressão política, com a perseguição e o aprisionamento de opositores ao regime. Muitos ativistas, jornalistas e líderes políticos foram presos, torturados e até mesmo desaparecidos. A censura à imprensa e a violação dos direitos humanos eram práticas comuns nesse período.

Outro aspecto importante do Segundo militarismo foi a tentativa do governo de implementar reformas sociais, como a redistribuição de terras para os camponeses e a melhoria das condições de vida da população mais pobre. No entanto, essas medidas muitas vezes foram mal executadas e não alcançaram os resultados esperados.

Em 1980, o regime militar foi substituído por um governo civil, mas as marcas deixadas pelo Segundo militarismo ainda são sentidas no Peru até hoje. A ditadura deixou um legado de violência, repressão e desigualdade social que o país ainda está tentando superar.

Período em que os militares assumiram o poder no Peru durante a Independência.

O Segundo militarismo do Peru foi um período marcado pela presença predominante dos militares no poder, que ocorreu durante a Independência do país. Os militares assumiram o controle do governo peruano com o objetivo de garantir a estabilidade política e enfrentar os desafios da guerra de independência contra o domínio espanhol.

Essa fase foi caracterizada pela centralização do poder nas mãos dos militares, que exerciam influência significativa sobre as decisões políticas e administrativas do país. Os militares também desempenharam um papel importante na consolidação da independência do Peru, combatendo as forças espanholas e estabelecendo as bases para a construção de um Estado nacional soberano.

Além disso, durante o Segundo militarismo, houve um aumento da presença militar na sociedade peruana, com a criação de instituições e organizações militares mais fortes e influentes. Os militares exerciam um papel de destaque na vida política e social do Peru, contribuindo para a manutenção da ordem e da segurança interna do país.

Apesar das controvérsias e críticas em relação ao papel dos militares no poder, o Segundo militarismo do Peru foi um período crucial na história do país, que contribuiu para a consolidação da independência e para a afirmação da identidade nacional peruana.

Segundo militarismo do Peru: principais características

O segundo militarismo do Peru foi um período histórico entre 1883 e 1895. Nessa época, o poder político daquele país estava encarregado dos líderes militares.

Começa após a derrota do Peru contra o Chile na Guerra do Pacífico , também chamada Guerra de Guano e Salitre. Culmina com a vitória de Nicolás de Piérola na guerra civil de 1894.

Segundo militarismo do Peru: principais características 1

Miguel Iglesias

O segundo militarismo surge tanto pela necessidade de reconstruir o país quanto pela ausência de figuras políticas que possam tomar o poder.

A guerra do Pacífico gerou devastação no Peru, tanto econômica quanto politicamente.

Durante esse período, o Peru teve os seguintes governantes: Miguel Iglesias, Manuel Antonio Arenas (que presidiu o Conselho de Ministros que governou provisoriamente de 1885 até as eleições de 1886), Andrés Avelino Cáceres, Remigio Morales Bermúdez, Justiniano Borgoño e Manuel Cándamo.

Causas do segundo militarismo do Peru

– A auto-proclamação de Miguel Iglesias como presidente da República do Peru em 1882 e sua negociação pela rendição do Peru ao Chile na guerra do Pacífico.

– A assinatura do Tratado de Ancon (Tratado de Paz e Amizade entre as Repúblicas do Chile e Peru), com o qual os departamentos de Tacna e Arica foram entregues ao Chile por um período de dez anos, após o qual um plebiscito seria realizado. .

– A ausência de líderes políticos e a crise econômica no Peru.

Os 6 governantes do segundo militarismo do Peru

1- Miguel Iglesias

Ele se declarou presidente do Peru em 1882 e depois criou uma Assembléia para apoiá-lo em sua nomeação.

Seu mandato foi apoiado pelo governo chileno e caracterizou-se por buscar o fim da guerra do Pacífico ao assinar o Tratado de Ancon.

Seu mandato presidencial foi interrompido pela guerra civil de 1884.

2- Conselho de Ministros, presidido por Manuel Antonio Arenas

Após Andrés Avelino Cáceres vencer a guerra civil de 1884, o poder político ficou a cargo do Conselho de Ministros presidido por Manuel Antonio Arenas.

A função deste conselho era convocar eleições. Eles foram finalmente feitos em 1886 e Cáceres foi eleito.

3- Andrés Avelino Cáceres

Ele tinha dois mandatos presidenciais: o primeiro de 1886 a 1890 e o segundo de 1894 a 1895.

Primeiro período: 1886-1890

Durante esse período presidencial, ele procurou reconstruir o país e concentrou-se em tirar o Peru da crise econômica em que se encontrava. Para isso, ele executou as seguintes ações:

– Promoveu e alcançou a assinatura do Contrato de Graça (em homenagem a Michael Grace), que estabeleceu que o Peru entregaria a administração das ferrovias à Inglaterra em troca de liberar o país de sua dívida.

– Excluída a nota fiscal. Em 1886, no Peru, havia um grande número de notas fiscais que não tinham apoio. Cáceres estabeleceu que a moeda metálica de prata seja reutilizada, resultando na eliminação total da nota fiscal em 1889.

– Estabeleceu uma nova forma de renda para o Peru. Ele criou impostos sobre o consumo de álcool, tabaco, tabacaria de ópio, entre outros.

– Escolas de oficinas foram criadas.

– Ele reabriu a escola militar.

– Iniciou a exploração de petróleo.

Segundo período: 1894-1895

Em 1894, Andrés Avelino Cáceres é reeleito como presidente da República do Peru, somente depois de ter posto as condições necessárias para ser vitorioso.

Primeiro, ele concordou em voltar ao poder com Remigio Morales Bermúdez, presidente do Peru; isto é, Morales o apoiaria em sua reeleição.

Relacionado:  Qual foi a influência da União Soviética no mundo?

No entanto, seus planos foram quase prejudicados pela morte inesperada de Morales, que morre antes do final de seu mandato presidencial.

Por isso, foi necessário que o primeiro vice-presidente assumisse a presidência, mas ele não era a favor de Cáceres.

Então, através de truques, Cáceres conseguiu que o segundo vice-presidente assumisse a Presidência. Justiniano Borgonha, que era leal a Cáceres.

A Borgonha convocou eleições com Andrés Avelino Cáceres como o único candidato, portanto sua vitória foi certa, mas ilegítima.

Por esse motivo, seu segundo mandato presidencial foi interrompido pela guerra civil de 1894.

4- Remigio Morales Bermúdez

Foi presidente de 10 de agosto de 1890 a 1º de abril de 1894, data em que morreu.

Durante sua presidência, ocorreram os seguintes eventos:

– o Chile se recusou a cumprir o Tratado Ancón; isto é, ele se recusou a fazer um plebiscito para decidir se os departamentos de Tacna e Arica permaneceriam em sua posse ou seriam devolvidos ao Peru.

– Procuramos estabelecer limites de fronteira com o Equador, mas não foi alcançado um acordo.

5- Justiniano Borgonha

Ele assumiu a presidência em 1894 devido à morte súbita de Remigio Morales.

6- Manuel Cándamo

Ele assumiu a presidência provisória após a guerra civil de 1894.

Guerras civis durante o segundo militarismo do Peru

Guerra Civil de 1884-1885

Esta guerra civil foi um conflito que surgiu como resultado da perda da guerra contra o Chile e da assinatura do Tratado de Ancon.

Nesta guerra, os militares Andrés Avelino Cáceres lutaram contra o então presidente do Peru, Miguel Iglesias.

Cáceres não concordou com as decisões que Iglesias tomou com base na retirada do Peru da guerra do Pacífico.

A guerra termina em 3 de dezembro de 1885, três dias após Cáceres tomar a cidade de Lima, quando Miguel Iglesias assinou sua renúncia. O poder está a cargo do Conselho de Ministros presidido por Manuel Antonio Arenas.

Guerra Civil de 1894-1895

A guerra civil de 1894-1895 foi liderada por Nicolás de Piérola. Surge da necessidade de deixar os presidentes militares e o Partido Constitucional.

O conflito civil começa logo após a reeleição de Cáceres. O povo peruano considerou que sua reeleição foi ilegítima e inconstitucional.

A guerra termina quando um acordo é acordado entre os representantes de Cáceres e Piérola, que estabelece a criação de um Conselho de Governo que teria a função de convocar eleições.

Finalmente, em 8 de setembro de 1895, são realizadas as eleições presidenciais e Nicolás de Piérola é o vencedor.

Referências

  1. Andrés Avelino Cáceres. Recuperado em 1 de novembro de 2017, de wikipedia.org
  2. Miguel Iglesias. Recuperado em 1 de novembro de 2017, de wikipedia.org
  3. Manuel Candamo Recuperado em 1 de novembro de 2017, de wikipedia.org
  4. Contrato de Carência Recuperado em 1 de novembro de 2017, de wikipedia.org
  5. 1886-1895 O novo militarismo. Recuperado em 1 de novembro de 2017, de globalsecurity.org
  6. História do Peru Recuperado em 1 de novembro de 2017, de wikipedia.org
  7. Recuperar e crescer 1883-1930. Recuperado em 1 de novembro de 2017, de motherearthtravel.com
  8. Consequências da guerra do pacífico. Recuperado em 1 de novembro de 2017, de wikipedia.org

Deixe um comentário