Sergio Pitol: biografia, estilo, obras, frases

Sergio Pitol Deméneghi (1933-2018) foi um escritor, ensaísta, romancista e contador de histórias mexicano. Sua obra literária foi prolífica e publicou mais de quarenta livros, além de várias edições que ele fez como tradutor. Seu trabalho no campo das cartas se estendeu até o final de sua vida.

Um dos elementos mais proeminentes no trabalho de Pitol foi a expressividade emocional, a ponto de transmitir grande nostalgia ao leitor. O desenvolvimento de suas histórias e romances compreendeu duas etapas: a primeira foi marcada pelo pessimismo, enquanto a segunda foi mais reflexiva e focada no psicológico e moral.

Sergio Pitol: biografia, estilo, obras, frases 1

Sergio Pitol Imagem extraída de: zendalibros.com

Os títulos mais conhecidos desse intelectual foram: Inferno de todos, Noite de Bukhara, A casa da tribo, O desfile de amor e Domesticar a garça divina. Pitol recebeu vários prêmios e reconhecimentos ao longo de sua carreira, incluindo a Literatura Nacional e Miguel de Cervantes.

Biografia

Infância e família

Sergio nasceu em 18 de março de 1933 em Puebla. O escritor ficou órfão em tenra idade. Ele perdeu o pai pela primeira vez quando tinha apenas quatro anos de idade. Após essa tragédia, a família mudou-se para El Potrero, Veracruz, e o infortúnio voltou à vida de Pitol quando sua mãe se afogou em um rio.

Isso indubitavelmente marcou a infância de Pitol, que está sob os cuidados de familiares desde que ele tinha cinco anos. Lá, ele participou de seus estudos primários e secundários, que foram interrompidos muitas vezes pela malária que ele sofreu até os doze anos de idade.

O tempo que passou em casa devido à doença que costumava ler autores como Charles Dickens, Leon Tolstoi, William Faulkner, Franz Kafka e Pablo Neruda. Quando terminou o ensino médio, foi para a Cidade do México para estudar Direito na Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Primeiro trabalho

Após concluir seus estudos universitários, começou a lecionar na UNAM e na Universidade Veracruzana. Em 1959, o amor que sentia quando criança pela literatura o levou a publicar seu primeiro livro de histórias, Fenced Time. Naquela época, ele era professor na Universidade de Bristol, Reino Unido.

Sergio Pitol: biografia, estilo, obras, frases 2

Escudo da UNAM, local de estudos e trabalho de Pitol. Fonte: Ambos, o escudo e o lema, José Vasconcelos Calderón [Domínio público], via Wikimedia Commons

Carreira diplomática

Sergio Pitol iniciou sua carreira diplomática nos anos sessenta, quando tinha apenas 27 anos. Ele serviu como representante cultural do México em várias cidades europeias: Budapeste, Moscou, Praga, Paris e Varsóvia.

Durante sua estada no Velho Mundo, ele aprendeu outras línguas, relacionadas aos avanços da literatura e continuou escrevendo. Em 1967, ele concebeu Não existe esse lugar, seu segundo trabalho de histórias. Mais tarde, estudou e trabalhou como tradutor em Barcelona, ​​de 1969 a 1972.

Últimos anos e morte

O escritor passou os últimos anos de vida dedicados à sua produção literária e viajando por vários países trabalhando como tradutor. Algumas de suas publicações mais recentes foram: Trilogia da memória, Ícaro, Uma autobiografia underground e O terceiro personagem.

Por mais de duas décadas, ele viveu em Xalapa, Veracruz. Com o passar do tempo, sua saúde começou a enfraquecer e ele sofreu um derrame que causou várias complicações. Ele morreu em 12 de abril de 2018 no México aos 85 anos.

Prêmios e prêmios

– Prêmio da revista Adventure and Mystery, em 1957, pela história Amelia Otero.

– Rodolo recebe o prêmio do Instituto Nacional de Belas Artes, em 1973, pelo tañido de uma flauta.

– O Word and the Man Award em 1980, por assimetria.

– Prêmio Xavier Villaurrutia, em 1981, pela história da Noite de Bujara.

– Prêmio Colima de Narrativa de Belas Artes pelo Trabalho, publicado em 1982.

– Prêmio Nacional de Literatura em 1983.

– Herralde Novel Award, em 1984, por El parade del amor.

– Prêmio Nacional de Ciências e Artes em Linguística e Literatura em 1993.

– Prêmio Mazatlan de Literatura em 1997, pela memória A arte da fuga.

– Membro da Academia Mexicana de Idiomas desde 23 de janeiro de 1997.

– Doutorado Honorário pela Universidade Metropolitana Autônoma em 1998.

– Prêmio Juan Rulfo em 1999.

– Prêmio Juan Rulfo de Literatura da América Latina e do Caribe em 1999.

– Prêmio Internacional Bellunesi de Hanno Onorato, na Itália, e de Mondo em 2000, em Veneza.

– Prêmio Nacional Francisco Xavier Clavijero em 2002.

– Prêmio Miguel de Cervantes em 2005.

Sergio Pitol: biografia, estilo, obras, frases 3

Medalha Miguel de Cervantes, concedida a Pistola. Fonte: Heralder [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons
– Prêmio Roger Caillois em 2006.

– Prêmio Internacional Alfonso Reyes em 2015.

Estilo

O estilo literário de Pitol foi caracterizado pelo uso de uma linguagem limpa, bem trabalhada e especialmente expressiva. Seu trabalho foi influenciado por suas experiências pessoais, daí as características da nostalgia. Houve duas etapas que distinguiram seu trabalho.

Os primeiros escritos do autor se concentraram nas memórias, nas histórias que ouvira sobre seu país desde a infância e nas diferentes lutas armadas que marcaram sua história. Enquanto a segunda etapa de sua carreira literária foi maturidade, crescimento e reflexão sobre a evolução dos seres humanos.

Trabalhos

História

– Tempo cercado (1959).

– Não existe esse lugar (1967).

– Do encontro nupcial (1970).

Inferno de todos (1971).

– Noite Bukhara (1981). Foi relançado três anos depois com o título: Valsa de Mefisto . Foi conformado por:

– “A história veneziana de Billie Upward”.

– “assimetria”.

– “Mephisto-Waltzer”.

– “Noite Bukhara”.

– Cemitério de Tordos (1982).

– Um corpo presente (1990).

– Uma longa viagem (1999).

Ensaio

– Os climas (1972).

– De Jane Austen a Virginia Woolf: seis romancistas em seus textos (1975).

– A casa da tribo (1989).

– Juan Soriano: o rebelde perpétuo (1993).

– Vício em inglês: vida e obra de dez romancistas (2002).

– Da realidade à literatura (2003).

– O terceiro personagem, ensaios (2013).

Novel

– O tañido de uma flauta (1972).

– O desfile do amor (1984).

– Jogos florais (1985).

– Domestique a garça divina (1988).

– A vida conjugal (1991).

Antologias e compilações

– Assimetria: antologia pessoal (1980).

– O relato veneziano de Billie Upward (1992).

– Sonhando realidade: uma antologia pessoal (1998).

– Todas as histórias (1998).

– Tríptico de carnaval (1999). Foi conformado pelos seguintes títulos:

– “Domestique a garça divina”.

– “O desfile do amor”.

– “vida conjugal”.

– Tudo está em todas as coisas (2000).

– As histórias de uma vida (2002).

– Trabalhos reunidos II (2003).

– Trabalhos coletados III: histórias e histórias (2004).

– O irmão gêmeo escuro e outras histórias (2004).

– Trabalhos coletados IV: escritos autobiográficos (2006).

– As melhores histórias (2006).

– Trilogia da memória (2007). Composta por:

– “A viagem”.

– “A arte da fuga”.

– “O mago de Viena”.

– Ícaro (2007).

– Pátria da língua latino-americana, leitura e escrita (2013).

Memória

– A arte da fuga (1996).

– Paixão pela trama (1998).

– A viagem (2000).

– O mágico de Viena (2005).

– Uma autobiografia subterrânea (2010). Memória: 1933-1966 (2011).

Traduções

Do inglês

– Novos objetivos de gestão (1960).

– Gerenciamento executivo de equipe: como obter melhores resultados das pessoas (1960).

– Socialismo na era nuclear (1968).

O bom soldado (1971).

– Cultura moderna na América Latina (1971).

– Adeus a tudo isso (1971).

– A reviravolta (1971).

Emma (1972).

– O coração das trevas (1974).

– O vulcão, o mezcal, os curadores … duas letras (1984).

– Em torno das excentricidades do cardeal Pirelli (1985).

– Você vale seu peso em ouro (1989).

– Os papéis de Aspern (1998).

– Os Bostonians (2007).

– Daisy Miller e Os papéis de Aspern (2015).

Italiano

– O Mal Escuro (1966).

– Salto mortal (1969).

– as cidades do mundo (1971).

Sergio Pitol: biografia, estilo, obras, frases 4

Documento que considera a tradução para o idioma romeno das obras dos escritores mexicanos Sergio Pitol e Elena Poniatowska, a tradução das antologias poéticas dos escritores. Fonte: Governo romeno [domínio público], via Wikimedia Commons
– Linda Mantovani e outras histórias de Ferrara (1971).

Chinês

– Diário de um louco (1971).

Húngaro

– O ajuste de contas e outras histórias (1968).

Amor (1970).

De polonês

– Os portões do paraíso (1965).

– Cartas para a Sra. Z (1966).

– Antologia da história polonesa contemporânea (1967).

– Mãe dos reis (1968).

– jornal argentino (1968).

– Cosmos (1969).

– Virgindade (1970).

– Transatlântico (1971).

– Bakakaï (1974).

– Rondó (1991).

Russo

– Mahogany (1987).

– A defesa (1990).

– Stories (1997).

– Um drama doméstico (2008).

Breve descrição de algumas de suas obras

O tañido de uma flauta (1972)

Foi o primeiro romance de Pitol, que ele concebeu durante a segunda etapa do desenvolvimento de sua obra, também conhecida como “a das viagens”. Como o próprio autor afirmou, foi um reconhecimento de escritores europeus: Herman Broch e Thomas Mann.

O tema principal desta história estava relacionado à criação, tanto na pintura quanto na literatura e no cinema. O resto da história foi complementado com pequenos enredos para aliviar a análise que o escritor fez sobre as abordagens primárias.

Fragmento

Houve um silêncio de alguns minutos. Finalmente, ele se atreveu a perguntar timidamente:

“É um poema seu?”

“Você acha que sou mais fácil tocar do que uma flauta?” Isso foi útil para arrastá-lo para o Hamlet de Gilguld? Por que não reconhecer um dos monólogos mais importantes três dias depois?

Um apito. O trem estava prestes a sair. Eles correram. Eles mal conseguiram que o porteiro reabrisse a porta para subir nas malas. Ele viu Carlos se desintegrar, subitamente envolvido por uma nuvem de vapor. Ele olhou para a treliça do telhado; quando ele abaixou novamente, a nuvem desapareceu e com ele seu amigo. ”

Noite de Bukhara (1981)

Era um dos livros de histórias mais conhecidos de Sergio Pinol. Ele também é conhecido com o título de Valsa de Mephisto, após a edição lançada em 1984. O trabalho foi concebido durante os anos em que viveu fora do México e, com ele, ganhou o Prêmio Xavier Villaurrutia em 1981.

As narrativas dos títulos que compõem este trabalho estão relacionadas à viagem e, em um sentido mais profundo, estão ligadas ao destino, ao que é e ao que é desejado. Solidão e nostalgia também se destacaram nas histórias. O livro era composto de quatro histórias:

– “A história veneziana de Billie Upward”.

– “Noite Bukhara”.

– “assimetria”.

– “Mephisto-Waltzer”.

Fragmento de “A história veneziana de Billie Upward”

“Talvez o descontentamento de Gianni com a história das atribulações mexicanas de Billie Upward tenha sido a causa de uma noite, pouco antes do final do feriado, ele pegaria o livro novamente …

“É difícil decifrar as intenções do texto. Que era? Uma luta entre as possibilidades de associação e desintegração da consciência? A jornada de Alice, a protagonista, por Veneza implica uma busca incessante … ”

Domar a garça divina (1988)

Foi um romance de Pitol no qual ele combinou várias narrativas para contar a história. Há um narrador que fez conhecer as experiências de um escritor, enquanto expôs as de Dante C. de la Estrella. Este último se tornou o protagonista de suas próprias experiências em Roma e Istambul.

Fragmento

“Foi nada menos do que em Istambul, onde conheci um dos maiores falsificadores da história. Uma fraude viva que alegava ser chamada Marietta Karapetiz … Em lugares de moral pior do que duvidoso, era conhecida pelo nome de guerra do Silk Handyman …

“… da convivência mais repulsiva e das orgias mais desenfreadas, e que, no entanto, navegavam pelo mundo, exibindo maneiras acadêmicas estritas …”.

Frases

– “Um são os livros que ele leu, a pintura que viu, a música ouvida e esquecida, as ruas percorridas. Uma é a infância, a família, alguns amigos, alguns amores, aborrecimentos suficientes. Um é uma soma diminuída por subtrações infinitas.

– “A inspiração é o fruto mais delicado da memória”.

– “Um livro lido em momentos diferentes se torna vários livros.”

– «Não escrevo para ninguém, mas para o que estou escrevendo, corra a aventura e encontre, se encontrar seus leitores».

– “A única influência que se deve defender é a de si mesmo.”

– “Estou convencido de que nem mesmo a ausência de leitores pode banir a poesia.”

– “Todos, castos e lascivos, aprenderam que o sofrimento é a sombra de todo amor, que o amor se desdobra em amor e sofrimento”.

– “Um romancista é alguém que ouve vozes através das vozes.”

– “Desde meus primórdios, meus escritos têm sido cercados por limites estreitos: alguns temas e personagens, um tempo limitado. Eu não pulei para o presente ”.

– “Um atributo da memória é sua capacidade inesgotável de gerar surpresas. Outro, é imprevisível.

Referências

  1. Díaz, M. (2006). Domar a garça divina: Sergio Pitol. (N / a): Apóstolos Literários. Recuperado de: apostillasnotas.blogspot.com.
  2. Sergio Pitol (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  3. 20 frases imortais de Sergio Pitol. (2018). México: MX City. Recuperado de: mxcity.mx.
  4. Sergio Pitol Biografia (2019). Espanha: Instituto Cervantes. Recuperado de: cervantes.es.
  5. Sergio Pitol (2018). (N / a): Organização de escritores. Recuperado de: escritores.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies