Síndrome de Koro: sintomas, causas, tratamentos

A síndrome de Koro é um distúrbio psicológico no qual o paciente acredita que seus órgãos genitais estão encolhendo ou retraindo no abdômen e logo desaparecerá.É mais frequente nos homens, convencidos de que seu pênis está diminuindo e até de invadir seus corpos, causando a morte.

Nos casos de mulheres com essa síndrome, elas acreditam que seus mamilos estão encolhendo ou que sua vulva está prestes a desaparecer, embora claramente nada de estranho ou anormal esteja acontecendo com seus órgãos genitais.

Síndrome de Koro: sintomas, causas, tratamentos 1

Os pacientes com essa síndrome sentem-se muito ansiosos e costumam ter pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos: tentam esticar ou ampliar seu pênis ou mamilos com diferentes elementos que podem prejudicá-los.

A síndrome de Koro também é conhecida como síndrome de retração genital e é mais comum nos países asiáticos. Casos de histeria maciça foram documentados em torno dessa síndrome, que poderia “espalhar-se” de uma pessoa para outra em certas culturas.

Caracteristicas

Existem basicamente dois tipos de síndrome de Koro.

O Koro primário, que teria origem cultural e ocorre em indivíduos que não sofrem de outros transtornos mentais, e o Koro secundário, que aparece em pessoas que sofrem de doenças como esquizofrenia, distúrbio dismórfico corporal ou distúrbios de ansiedade.

Koro primário

É comum em países como Índia, China e Japão, porque sua causa está fortemente ligada às crenças culturais dessa região do mundo.

A maioria dos homens em que esse distúrbio aparece é solteira, com poucos estudos, baixa educação sexual e crenças profundas em fenômenos sobrenaturais, como feitiços e feitiços.

Nesses casos, o paciente apresenta sintomas de muito medo e ansiedade. Além de acreditar que seus órgãos genitais estão encolhendo e que podem desaparecer em breve , ele acha que poderia morrer por isso.

Muitos pacientes indicam que o problema com seus órgãos genitais começou após o contato sexual com uma prostituta, ou que poderia estar relacionado à masturbação ou à poluição noturna.

Isso evidencia a estreita relação dessa síndrome com crenças culturais e a falta de educação sexual adequada.

Koro secundário

Os casos da síndrome de Koro que ocorrem fora de países endêmicos, ou seja, fora do sudeste da Ásia, são casos “incompletos” da síndrome, que geralmente são causados ​​por outro transtorno mental básico.

Nos casos de Koro secundário, o paciente também acredita que seus órgãos genitais estão encolhendo e que podem desaparecer, mas ele não acha que poderia morrer por isso e o quadro de ansiedade associado não é tão grave quanto no Koro primário.

Signos e sintomas

Ansiedade

Pacientes com síndrome de Koro sofrem ataques de ansiedade porque são atormentados pela idéia de que seus órgãos genitais estão encolhendo, embora não seja possível verificar se mudanças permanentes em seus órgãos sexuais estão realmente acontecendo.

Relacionado:  Parafrenia: sintomas, tipos e tratamento

Ou seja, o pênis ou outras regiões genitais podem contrair-se temporariamente devido a baixas temperaturas, por exemplo, mas é um efeito completamente reversível, que não deve desencadear sintomas de ansiedade em uma pessoa, a menos que sofra da síndrome de Koro.

De acordo com revisões bibliográficas que se referem aos casos de Koro estudados, os ataques de ansiedade geralmente desaparecem após algumas horas, embora possam durar alguns dias.

Em outros casos, os sintomas de Koro podem persistir por mais tempo e ser estabelecidos cronicamente, o que aumenta a probabilidade da síndrome ocorrer em conjunto com outras doenças metálicas, como distúrbios dismórficos do corpo .

Sintomas físicos

Outros sintomas podem incluir percepção prejudicada da forma do pênis, perda de tônus ​​muscular no pênis e parestesia na área genital (sensações anormais ou estranhas, formigamento, formigamento, etc.).

Com medo de morrer

O paciente também tem medo de morrer, de que seu pênis desapareça completamente ou de ter disfunções eréteis no futuro.

A sensação de quase morte e retração genital é típica dos casos de Koro primário, que aparecem principalmente no sudeste da Ásia.

Outras crenças

Outras crenças que o paciente pode apresentar na síndrome de Koro incluem o medo de se tornar um eunuco , de se tornar uma mulher, de se tornar estéril, de ter seu trato urinário bloqueado, eles acreditam que estão possuídos por um espírito maligno ou que são vítimas de um feitiço.

Use métodos de autotratamento

Pacientes com extrema ansiedade podem recorrer a métodos físicos para evitar a retração peniana, ancorando-a em diferentes dispositivos que podem causar danos.

No caso das mulheres, é possível que os seios ou mamilos estejam esticados tentando evitar o encolhimento e até alguns anéis de ferro sejam colocados no mamilo, o que também pode causar ferimentos.

Causas

Como já mencionado, conflitos psicossexuais, certos fatores de personalidade e crenças culturais são as principais causas da síndrome de Koro.

Em pacientes com essa condição que não é encontrada no sudeste da Ásia, geralmente há uma história como promiscuidade sexual, sentimentos de culpa após a masturbação, impotência sexual etc.

Diagnóstico

Para fazer o diagnóstico, uma revisão médica completa deve ser realizada, incluindo aspectos psicossexuais e histórico psiquiátrico do paciente.

O médico deve investigar se o paciente está preocupado com sua aparência ou imagem corporal, para descartar distúrbios dismórficos do corpo.

Também é importante perguntar sobre as crenças e valores do paciente, ou o que ele pensa sobre seus órgãos genitais ou vida sexual.

Relacionado:  Flexibilidade da cera: características, doenças e tratamento

E, é claro, também devemos excluir qualquer lesão ou alteração real que possa estar acontecendo nos órgãos genitais. Pode haver lesões violadas pelo mesmo paciente, na tentativa de evitar a retração do pênis, o que ajuda a orientar o diagnóstico.

Em resumo, se o paciente declara que seus órgãos genitais estão encolhendo, embora não sejam encontradas anormalidades físicas, se ele apresenta um quadro de grande ansiedade, ele acredita que pode morrer e usa mecanismos para impedir a retração, então é o Koro primário.

Se algum desses sintomas estiver ausente, mas outros estiverem presentes, pode ser Koro secundário ou incompleto, que geralmente é o que aparece nos países ocidentais.

Tratamento

Nos casos de Koro associados a crenças culturais, o tratamento é baseado em terapia psicológica e pode ser evitado através do fornecimento de informações sobre anatomia e educação sexual adequada.

Nos casos de Koro Ocidental, devem ser procurados conflitos sexuais e doenças mentais que podem ser a causa dos sintomas. O tratamento psicológico e psiquiátrico a seguir dependerá da situação do paciente.

Casos de histeria em massa

Casos de histeria maciça da síndrome de Koro foram relatados, ou seja, grupos de pessoas em que os sintomas aparecem, que aparentemente teriam “infectado” um ao outro.

Caso na Ásia

Por exemplo, um trabalhador de uma fábrica de Bengala Ocidental, solteiro e de baixa renda, foi tratado no serviço de psiquiatria da região, pois o paciente disse que por dois ou três dias seu pênis estava encolhendo e entrando em seu abdômen , que o estava enfraquecendo. Não consegui dormir por causa da ansiedade e pensei repetidamente sobre essa ideia.

Ele disse que não deve usar nenhum tipo de medicamento e, em seu histórico médico, não foi encontrado histórico psiquiátrico. O paciente acreditava que seus sintomas eram devidos à poluição noturna e à masturbação.

Para evitar a retração de seus órgãos genitais, ele mergulhou em um lago próximo, permanecendo ali durante a noite, por 14 ou 16 horas, o que causou uma infecção respiratória.

Este fato era conhecido por seus colegas de trabalho e habitantes da região. Dois dias depois, seis outros trabalhadores da mesma fábrica disseram ter sintomas semelhantes e decidiram imitar o comportamento de seus colegas de trabalho.

Os médicos então decidiram ficar alertas e realizar terapia de grupo para os trabalhadores, de modo que o surto foi remitido após cinco ou seis dias.

Poucos dias depois, outro trabalhador local, divorciado de 53 anos, que estava ausente naqueles dias, foi ao serviço de emergência declarando que seu pênis estava diminuindo. Ao voltar para a vila, ele ouvira falar dos sintomas de seus companheiros, que haviam entrado na água gelada para se aliviar.

Relacionado:  Transtorno da somatização: sintomas, causas, consequências

Embora esse paciente bebesse álcool de tempos em tempos, ele declarou que estava sóbrio nas últimas duas semanas e não havia histórico psiquiátrico em seu histórico médico.

Nesse caso, o surto foi reativado e mais 11 casos apareceram entre os trabalhadores da fábrica. O sobrinho do paciente de 53 anos também apresentava síndrome de Koro poucos dias após o tio.

Após uma nova intervenção médica, o surto foi controlado após seis ou sete dias.

Neurônios-espelho

Embora os mecanismos subjacentes ainda não sejam bem conhecidos, esse comportamento maciço pode ser explicado pela teoria dos neurônios-espelho.

Esse é um tipo especial de neurônio encontrado no cérebro humano e em outros primatas, e seria responsável por “observar” o comportamento de outros indivíduos da espécie e imitar seu comportamento.

Esses neurônios poderiam desempenhar um papel muito importante na imitação da aprendizagem, mas sua função seria inibida para impedir que a pessoa imitasse tudo o que os outros fazem.

Contudo, em casos de Koro maciço, a inibição desses neurônios falharia e, dessa maneira, a síndrome poderia se estender de pessoa para pessoa.

Curiosidades

China

Em certas regiões da China, o Koro é considerado endêmico e houve grandes surtos em 1948, 1955, 1966 e 1974, coincidindo com tempos de grande incerteza e tensão social no país.

Em 1984 e 1985, houve uma epidemia de Koro que durou mais de um ano e afetou mais de 3 mil pessoas em diferentes cidades. Para encerrar o surto, foi realizada uma campanha de saúde mental e, desde então, não foram registradas mais epidemias na China.

As melhorias sociais e econômicas no país certamente também ajudaram a reduzir os surtos.

Cingapura

Em 1967, houve outro caso importante de Koro maciço em Cingapura, que durou aproximadamente dez dias. Alguns meios de comunicação informaram que algumas pessoas tiveram sintomas de Koro depois de comer carne de porco que recebeu a vacina contra a gripe suína.

Esses rumores logo se expandiram e pouco tempo depois um hospital na região tratou 97 casos da síndrome de Koro em um único dia.

O governo e as autoridades médicas interromperam o surto fazendo anúncios públicos na TV e nos jornais sobre a falsidade das informações publicadas.

Nigéria

Nos anos 70 e 80, também foram relatados casos de retração genital na Nigéria e em outros países africanos e até 1996 ainda havia pequenos surtos.

As vítimas africanas interpretam os sintomas como um “roubo” de seus órgãos genitais: uma pessoa com quem eles tiveram relações sexuais teria “removido” seu órgão e sua essência espiritual, causando-lhes impotência sexual.

Deixe um comentário