Síndrome MELAS: sintomas, causas e tratamento

A Síndrome MELAS é uma doença genética rara que afeta principalmente o sistema nervoso e os músculos. Os sintomas mais comuns incluem fraqueza muscular, dor de cabeça, convulsões, distúrbios de visão e audição, entre outros. A causa da síndrome MELAS está relacionada a mutações no DNA mitocondrial, afetando a produção de energia nas células. O tratamento da síndrome MELAS é sintomático e pode incluir terapias para controlar as convulsões, fisioterapia e suplementação de vitaminas e minerais. Atualmente, não há cura para a síndrome MELAS, mas os sintomas podem ser gerenciados para melhorar a qualidade de vida do paciente.

Entenda o que é a doença de Melas e seus sintomas característicos.

A Síndrome MELAS, sigla em inglês para Encefalopatia Mitocrondrial com Acidose Láctica e Ataques Semelhantes aos Epiléticos, é uma doença rara e grave que afeta o funcionamento das mitocôndrias, as estruturas responsáveis pela produção de energia nas células do corpo.

Os sintomas característicos da Síndrome MELAS incluem fadiga, fraqueza muscular, dificuldade de coordenação motora e convulsões. Além disso, os pacientes podem apresentar perda de audição, alterações na visão, distúrbios gastrointestinais e problemas cardíacos.

As causas da Síndrome MELAS estão relacionadas a mutações genéticas que afetam a produção de proteínas essenciais para o funcionamento das mitocôndrias. Essas mutações podem ser hereditárias ou ocorrerem de forma espontânea.

O tratamento da Síndrome MELAS visa aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Isso pode incluir a administração de suplementos vitamínicos, terapias de reabilitação e medicamentos para controlar as convulsões.

Principais causas da doença mitocondrial: fatores genéticos e ambientais desencadeantes.

As doenças mitocondriais são causadas por disfunções nas mitocôndrias, as organelas responsáveis pela produção de energia nas células. A Síndrome MELAS (Encefalopatia Miopatia Acidose Láctica com Episódios de Acidente Vascular Cerebral) é uma doença mitocondrial rara que afeta vários sistemas do corpo.

As principais causas da Síndrome MELAS estão relacionadas a fatores genéticos e ambientais desencadeantes. Mutações em genes mitocondriais são hereditárias e podem ser passadas de geração em geração. Já os fatores ambientais, como infecções virais ou uso de certos medicamentos, podem desencadear os sintomas da doença em indivíduos predispostos.

Os sintomas da Síndrome MELAS incluem fraqueza muscular, dor de cabeça recorrente, perda de audição, convulsões e acidentes vasculares cerebrais. Esses sintomas podem variar em gravidade e afetar diferentes sistemas do corpo, levando a complicações sérias se não forem tratados adequadamente.

O tratamento da Síndrome MELAS visa aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente. Isso pode incluir o uso de medicamentos para controlar convulsões, suplementos vitamínicos para melhorar a função mitocondrial e terapias de reabilitação para manter a mobilidade e a independência.

O tratamento visa aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente, mas a prevenção e o manejo adequado dos fatores desencadeantes são essenciais para controlar a progressão da doença.

Identificando sinais de disfunção mitocondrial para diagnóstico precoce e tratamento eficaz.

Síndrome MELAS: sintomas, causas e tratamento

A Síndrome MELAS, acrônimo para Encefalopatia Mioclonica, Acidose Lática e episódios Semelhantes a Acidente Vascular Cerebral, é uma doença rara causada por mutações no DNA mitocondrial. Essas mutações levam a disfunção mitocondrial, afetando a produção de energia nas células do corpo.

Relacionado:  Psicostenia: o que é e a quais distúrbios está associado?

Os sintomas da Síndrome MELAS podem variar, mas geralmente incluem fadiga, fraqueza muscular, convulsões e distúrbios visuais. Esses sinais podem ser facilmente confundidos com outras condições de saúde, por isso é importante estar atento a quaisquer mudanças no corpo e buscar ajuda médica se necessário.

O diagnóstico precoce da Síndrome MELAS é essencial para um tratamento eficaz. Exames como biópsia muscular e testes genéticos podem ser realizados para identificar a presença de mutações no DNA mitocondrial. Quanto mais cedo a doença for detectada, melhores são as chances de controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

O tratamento da Síndrome MELAS geralmente envolve a administração de suplementos vitamínicos, terapias de reabilitação e medicamentos para controlar os sintomas. É importante trabalhar em conjunto com uma equipe médica especializada para desenvolver um plano de tratamento personalizado para cada paciente.

Identificar precocemente os sinais de disfunção mitocondrial é fundamental para um diagnóstico precoce e um tratamento eficaz. Com o acompanhamento adequado, é possível melhorar a qualidade de vida dos pacientes e controlar os sintomas da doença.

Principais consequências do dano mitocondrial: impactos e desequilíbrios no funcionamento celular.

A Síndrome MELAS, ou encefalomiopatia mitocondrial com acidose láctica e episódios de acidente vascular cerebral, é uma doença genética rara que afeta a função das mitocôndrias, as organelas responsáveis pela produção de energia nas células. Uma das principais consequências do dano mitocondrial é a disfunção celular, que pode levar a uma série de sintomas debilitantes.

Quando as mitocôndrias estão danificadas, ocorre uma diminuição na produção de ATP, a principal fonte de energia para as células. Isso pode resultar em fadiga, fraqueza muscular e dificuldade de concentração. Além disso, o dano mitocondrial pode levar a um aumento na produção de radicais livres, que são moléculas instáveis que podem causar estresse oxidativo e danos às estruturas celulares.

Outra consequência do dano mitocondrial é a disfunção do metabolismo celular, que pode levar a acúmulo de metabólitos tóxicos e desregulação de vias metabólicas. Isso pode resultar em sintomas gastrointestinais, como náusea, vômito e diarreia, além de problemas de crescimento e desenvolvimento em crianças afetadas pela síndrome MELAS.

Para tratar a Síndrome MELAS, são utilizadas abordagens multidisciplinares, que incluem suplementação de vitaminas e cofatores, terapias de suporte para aliviar os sintomas e tratamentos direcionados para melhorar a função mitocondrial. É importante que os pacientes com essa síndrome sejam acompanhados por uma equipe médica especializada, a fim de garantir o melhor manejo dos sintomas e a qualidade de vida.

Síndrome MELAS: sintomas, causas e tratamento

Síndrome MELAS: sintomas, causas e tratamento 1

Entre as doenças classificadas como raras estão a síndrome de MELAS, uma condição estranha que, na Espanha, afeta apenas menos de 5 por 100.000 pessoas em 14 anos. Essa alteração da origem mitocondrial afeta severamente o funcionamento neurológico da pessoa e seus sintomas se manifestam até o momento da morte.

Ao longo deste artigo, descreveremos detalhadamente em que consiste esta doença hereditária, bem como quais são seus sintomas, onde está a origem da doença e como os possíveis tratamentos são realizados.

  • Você pode estar interessado: ” As 15 doenças mais comuns do sistema nervoso

O que é a síndrome MELAS?

A síndrome de MELAS é uma estranha doença mitocondrial hereditária cuja principal característica é a geração de uma série de alterações neurológicas . As condições da categoria mitocondrial causam certos distúrbios neurológicos na pessoa causados ​​por uma mutação genômica mitocondrial.

As mitocôndrias são organelas citoplasmáticas formadas por células eucarióticas, cuja principal missão é gerar energia através do consumo de oxigênio. Essa organela é essencial para o metabolismo de nossas células, portanto, qualquer alteração na mesma pode causar sérias complicações na saúde e na qualidade de vida da pessoa.

Essa síndrome foi descrita pela primeira vez em 1975, mas não foi até 1984, quando recebeu sua denominação atual. O termo MELAS consiste em um acrônimo de suas propriedades clínicas mais distintas:

  • ME: Encefalomiopatia mitocondrial (encefalomiopatia mitocondrial).
  • LA: acidose láctica (acidose láctica).
  • S: episódios semelhantes a um derrame.

Em sua primeira descrição, a síndrome MELAS foi descrita como um conjunto de incidentes convulsivos, degeneração gradual da linguagem, acidose láctica e ruptura de fibras musculares .

Os primeiros sintomas dessa condição geralmente aparecem durante a infância ou adolescência, especialmente entre 2 e 5 anos. Embora o desenvolvimento da doença possa variar consideravelmente entre os que sofrem, o prognóstico tende a ser bastante reservado na grande maioria dos casos; desde que os pacientes desenvolvam sérias complicações de saúde até morrerem.

Em relação à incidência da síndrome MELAS, essa é uma condição muito incomum entre a população. Embora dados específicos sobre sua prevalência não tenham sido estabelecidos, é conhecido por ser uma das doenças mitocondriais mais comuns . Por outro lado, uma prevalência mais alta não foi demonstrada em homens ou mulheres, nem em nenhum grupo étnico ou racial específico.

Qual é o quadro clínico?

Como indicamos anteriormente, a Síndrome MELAS se distingue por seguir as principais características que compõem seu quadro clínico e o diferencia de outras doenças mitocondriais.

1. Encefalomiopatia mitocondrial (EM)

Encefalomiopatias são aquelas doenças cuja origem é encontrada em alterações na estrutura e no funcionamento do sistema nervoso central, que tendem a causar convulsões bastante frequentes.

Esses episódios consistem em eventos temporariamente delimitados, durante os quais a pessoa sofre agitação motora exagerada, atividade muscular espasmódica e involuntária e alterações no estado de consciência e percepção. Uma distinção pode ser feita entre convulsões focais ou convulsões generalizadas . Nas convulsões focais, a atividade elétrica cerebral anormal é geralmente restrita a uma área específica do cérebro, enquanto que nos padrões de descarga generalizada se estendem a várias áreas do cérebro.

O perigo dessas crises epilépticas está no risco de que as diferentes estruturas cerebrais afetadas sejam permanentemente danificadas, gerando sérias conseqüências no nível cognitivo e motor.

2. Acidose láctica (AL)

A acidose láctica presente na síndrome de MELAS consiste em um acúmulo anormal de ácido láctico . Quando esta substância, gerada principalmente nos glóbulos vermelhos e células musculares, aglomera-se de maneira patológica, pode levar a uma série de problemas de saúde muito graves que podem acabar causando a morte do paciente.

Relacionado:  Síndrome de Lesch-Nyhan: sintomas, causas e tratamento

Os principais sinais que indicam acúmulo de ácido lático incluem vômito, diarréia, náusea, dor gástrica, sonolência prolongada ao longo do tempo , alterações no estado de consciência, problemas respiratórios, hipotensão, desidratação e déficits no fornecimento de sangue e oxigênio aos músculos , tecidos e órgãos.

3. Curso (S)

O conceito de traçado refere-se a eventos semelhantes a traçados ou traçados .

Um acidente vascular cerebral consiste em um evento focal e espontâneo em que o fluxo de sangue em uma área específica do cérebro é interrompido. Quando isso ocorre por pouco mais de alguns segundos, as células cerebrais começam a se deteriorar e a morrer devido à falta de oxigênio e nutrientes.

As principais conseqüências desses acidentes vasculares cerebrais são alterações no sistema visual, na linguagem e no aspecto motor, além de uma deterioração cognitiva gradual que pode levar à demência .

Quais sintomas você tem?

Na síndrome de MELAS, o quadro clínico descrito acima é acompanhado por uma sintomatologia que, apesar de apresentar-se muito díspar entre os pacientes, geralmente aparece na grande maioria dos casos.

Esses sintomas incluem:

  • Enxaqueca e dores de cabeça recorrentes.
  • Náusea e vômito
  • Anorexia
  • Comprometimento cognitivo gradual.
  • Atraso generalizado no desenvolvimento.
  • Problemas de aprendizagem e déficits de atenção.
  • Alterações no estado de consciência.
  • Patologias musculares e motoras como fadiga crônica, fraqueza muscular ou hipotonia.
  • Patologias no sistema visual, como atrofia óptica, retinite ou diminuição da acuidade visual.
  • A perda auditiva neurossensorial .
  • Extrema sensibilidade a mudanças de temperatura.

Outros sintomas menos comuns, mas que também podem aparecer durante o curso da doença, são aqueles relacionados ao estado mental e psicológico da pessoa. Estes sintomas podem ser:

  • Comportamentos agressivos.
  • Alterações da personalidade.
  • Transtorno obsessivo-compulsivo .
  • Transtornos ansiosos
  • Psicoses .
  • Alterações afetivas

Quais são as causas?

Conforme mencionado no início do artigo, a síndrome de MELAS é uma doença causada por uma mutação no DNA mitocondrial . Portanto, é uma condição hereditária que é transmitida a partir dos genes maternos.

Essas alterações ocorrem em uma série de genes específicos localizados no material genético das mitocôndrias. A maioria desses genes específicos é responsável por transformar oxigênio, açúcares e gorduras em energia; enquanto outros estão envolvidos na produção de moléculas de RNAt responsáveis ​​pela construção das estruturas de aminoácidos.

Qual é o tratamento e o prognóstico?

No momento, não foi desenvolvido um tratamento específico para a síndrome de MELAS, mas são realizados tratamentos específicos para cada um dos sintomas apresentados em um paciente, bem como uma série de cuidados paliativos para melhorar sua qualidade de vida.

Dentro do protocolo usual, um grupo de especialistas, incluindo neurologistas, cardiologistas, oftalmologistas ou endocrinologistas, entre muitos outros, é responsável por desenvolver um tratamento especializado que se adapte aos sintomas e necessidades do paciente.

Infelizmente, esses tratamentos não aliviam completamente os efeitos dessa condição; portanto, a pessoa geralmente apresenta comprometimento cognitivo progressivo, seguido de problemas psicomotores, diminuição das habilidades auditivas e visuais e uma série de complicações médicas. até a morte do paciente.

Deixe um comentário