Sociedade pós-industrial: história e características

Sociedade pós-industrial: história e características 1

Entre muitas outras coisas, as ciências sociais nos ofereceram diferentes maneiras de nomear e estudar a história das sociedades ocidentais. Atualmente, temos conceitos diferentes que se referem às transformações nas relações de produção, nas mudanças econômicas, na produção tecnológica e assim por diante.

Um desses conceitos é o da sociedade pós-industrial , que se refere às transformações que a organização social estabeleceu após a revolução industrial. Abaixo, explicamos o que é a Sociedade Pós-Industrial e de onde ela vem, além de cinco de suas principais características.

Da Revolução Industrial à Sociedade Pós-Industrial

A razão pela qual foi chamada Sociedade Pós-Industrial é fazer referência ao tempo e ao processo de transição de uma sociedade estabelecida com base nas consequências da Revolução Industrial do século 18 (Sociedade Industrial), à sociedade que Foi estabelecido com base na produção desta nova tecnologia.

O tipo de sociedade que havia sido gerada antes da Revolução Industrial é conhecida como Sociedade Pré-Industrial. Entre outras coisas, essa sociedade foi organizada por relações primárias (face a face), estilos de vida rurais, produção agrícola, um sistema econômico de governo feudal e escravo, entre outras coisas.

Desde a Revolução Industrial, a organização do trabalho foi transformada no primado da produção em massa , onde cada pessoa faz parte de um grande sistema de fabricação. A inovação tecnológica tem um boom importante, baseado na lógica de custo-benefício. Com isso, as relações de trabalho também se tornam dependentes de salário e mercado.

Posteriormente, a Sociedade Pós-Industrial emerge, principalmente da revolução tecnológica, a transformação da geopolítica global, a interdependência econômica em escala global, as relações entre economia, estado e sociedade, onde o estado regula os mercados, gera concorrência global, e deixa de ser um estado de bem-estar e, finalmente, uma reestruturação interna do capitalismo (Castell, 1997 em Sisto, 2009).

Relacionado:  Zumbis filosóficos: um experimento mental sobre consciência

Essas transformações foram explicadas por muitos outros conceitos. Temos, por exemplo, a sociedade do conhecimento, a sociedade da informação, a era tecnocrática, entre outras. A multiplicidade de termos responde à necessidade de entender as diferentes maneiras pelas quais nossas sociedades se desenvolveram.

Por exemplo, se usarmos o termo “sociedade do conhecimento” é certamente porque prestamos atenção especial às maneiras pelas quais essa última é produzida e, se falarmos sobre a sociedade pós-industrial , provavelmente colocaremos mais ênfase nas relações de produção que são estabelecidas .

  • Você pode estar interessado: ” As 5 funções da sociedade: como isso influencia nossas vidas? “

5 características da sociedade pós-industrial

O conceito de sociedade pós-industrial surge nos anos 70 e tem sido trabalhado por pessoas diferentes. Daniel Bell é reconhecido como um dos primeiros a usar e desenvolver o termo, especialmente em seu livro A Vinda da Sociedade Pós-Industrial de 1973.

Entre outras coisas, Bell descreveu 5 dimensões características da Sociedade Pós-Industrial e que estabelecem diferenças importantes com as sociedades industriais: o setor de força de trabalho, a preferência do setor ocupacional, a preeminência do conhecimento teórico e a produção de ambas as tecnologias mecânicas. como intelectual

1. Onde está a força de trabalho?

Segundo Bell, diferentemente das sociedades agrícolas e das sociedades industriais, as sociedades pós-industriais têm a característica de que a força de trabalho está concentrada no setor de prestação de serviços (saúde, educação, governo).

Nas palavras de Bell (1976), a sociedade industrial se distingue das anteriores por uma grande mudança no setor econômico: há um passo da economia produtora de mercadorias para a economia produtora de serviços.

2. A quem o setor de trabalho está direcionado?

A conseqüência disso é explicada por Bell como outra característica que distingue as sociedades pós-industriais: o setor de trabalho é praticamente reservado para pessoas que possuem treinamento técnico e profissional (especializado).

Relacionado:  Piper: um curta cativante sobre a capacidade de superar

Ou seja, a distribuição ocupacional mantém uma preferência por classes profissionais e técnicas.

3. A primazia do conhecimento teórico

Para formar técnicos e profissionais, é essencial a construção e transmissão de conhecimentos teóricos. A sociedade pós-industrial tem como característica dar primazia à produção desse tipo de conhecimento, não apenas para impactar o setor ocupacional, mas também em relação à gestão política das sociedades .

Bell (1976) chama isso de “princípio axial”, referindo-se à centralidade do conhecimento teórico como fonte de inovação política.

4. Gere tecnologia mecânica

O principal recurso para oferecer uma solução para os problemas enfrentados pela sociedade pós-industrial é o desenvolvimento da tecnologia. Não apenas desenvolvemos tecnologia, mas também controlamos sua distribuição e regulação.

Em outras palavras, a sociedade pós-industrial mantém as expectativas de desenvolvimento e sua orientação para o futuro na produção de projetos tecnológicos.

5. Gere tecnologia intelectual

Relacionada ao ponto anterior e à primazia do conhecimento teórico, a sociedade pós-industrial gera constantemente soluções baseadas em conjuntos ordenados e finitos de operações, ou seja, na produção de algoritmos, nas resoluções mais intuitivas que em outras sociedades tiveram mais. presença

Essa criação de tecnologia intelectual também é uma nova maneira de tomar decisões no nível político.

Referências bibliográficas:

  • Bell, D. (1976). O advento da sociedade pós-industrial. Aliança Editorial: Espanha.
  • Seoane, J. (1988). Sociedade pós-industrial e formas de participação política. Boletim de psicologia [versão eletrônica] Recuperado em 5 de junho de 2018. Disponível em https://www.uv.es/seoane/publicaciones/Seoane%201989%20Sociedad%20postinductrial%20y%20formas%20de%20participacion%20politica.pdf.
  • Sisto, V. (2009). Mudanças no trabalho, identidade e inclusão social no Chile: desafios para a pesquisa. Universum Magazine, 24 (2): 192-216.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies