Teocracia: história, características, vantagens, exemplos

A teocracia é uma forma de governo ou um sistema político em que os detentores de poder sacerdotes, príncipes ou reis, que atuam como porta-vozes de Deus; o poder religioso, seus representantes ou ministros são aqueles que exercem controle. Os governos do Afeganistão, Irã e Vaticano (entre outros) são considerados teocráticos.

A palavra “teocracia” vem das palavras gregas Theos e Kratos , que significa “Deus” e “poder-governo”, respectivamente. Então, essa palavra pode ser interpretada de sua tradução literal como o “governo de Deus”.

Teocracia: história, características, vantagens, exemplos 1

Augusto, o primeiro imperador romano, liderou uma teocracia na Roma imperial. Fonte: Museu Kunsthistorisches [Domínio público]

O dicionário da Real Academia Espanhola o define de duas maneiras. O primeiro se refere a um governo exercido por Deus e cita como exemplo o caso dos hebreus antes dos reis aparecerem. O segundo explica que o governo ou autoridade política é exercida – direta ou não – por um poder religioso.

A base fundamental dessa forma de governo é que as autoridades exercem seu papel “em nome de Deus”; portanto, não há diferença entre o Estado e a própria instituição religiosa; É por isso que uma teocracia não tem relação com um governo democrático.

Origem e História

Para falar sobre a origem da teocracia como uma forma de governo, é preciso voltar muito tempo, para tempos tão distantes quanto a origem de uma religião, qualquer que seja a escolhida.

Isso ocorre porque o homem, com vontade de explicar coisas que não entendia, era quem mitificava os seres superiores, a quem ele considerava capazes de controlar a natureza. Esses seres eram os deuses.

Na busca de exercer controle sobre seus semelhantes, o homem atribuiu a si mesmo o fato de ser um descendente ou ter sido escolhido por aqueles seres superiores. A partir dessa noção, ele empreendeu a luta pelo domínio sobre seus pares “pela graça de Deus”.

Esse fenômeno foi repetido não apenas nas culturas ocidentais com o cristianismo e o papa (e antes com os cesarianos), mas também em outras latitudes, como no Extremo Oriente e no Oriente Médio.

Nesse contexto, entre os lugares que tiveram teocracias incluem o Egito antigo com seus faraós, a América pré-hispânica com civilizações como os incas e os maias, os hebreus com o povo de Israel e seus reis e o governo no Tibete que permaneceu nas mãos do principal líder religioso Dalái Lama, entre muitos outros exemplos.

Sociedades tribais antigas

Então, como e onde começou o sistema teocrático? Pode-se dizer que se originou nas sociedades tribais da antiguidade, nas quais havia um tipo de xamã que tinha dois papéis a cumprir: o líder espiritual e o chefe da tribo.

Se a Bíblia é revista, nos cinco primeiros livros (o Pentateuco) também se fala de governos semelhantes que têm algo em comum: o culto a divindades e idolatria.

Uma comunidade também aparece e pode-se falar de uma casta sacerdotal, uma tribo dentro da tribo dedicada exclusivamente às práticas espirituais e que estava a serviço da religião.

Pais da teocracia

Como primeira referência, você pode ter os grandes impérios da antiguidade. Nos referimos ao Egito, Roma imperial e Japão; nesses lugares, os governantes eram considerados a personificação dos deuses.

A segunda referência que aparece refere-se a representantes e não a personificações: padres. A esse grupo pertencem Israel – no tempo do êxodo e no tempo dos juízes (de acordo com a Bíblia) – e os califados árabes.

Uma terceira referência da teocracia, pode-se dizer que mais atenuada, é aquela que inclui o cesaropapismo e o poder religioso dos reis.

Exemplos dessa noção são os reis da Espanha, os da Inglaterra e os de Mônaco, entre outros que, embora hoje não exerçam o poder ou o controle político adequado, são considerados “ungidos” por Deus segundo a tradição.

Caracteristicas

Direito religioso

A principal característica de um governo teocrático é que o modo de vida dos cidadãos e de seus governantes é ditado por dogmas religiosos. Portanto, seu bem-estar espiritual está acima do bem-estar físico ou material.

A lei pela qual eles são governados está registrada nas chamadas escrituras sagradas, incorporadas na inspiração divina que Deus ou os deuses deram a seu representante na Terra. Esse representante é uma personificação dessas divindades e, portanto, é perfeito e onipotente.

Poder centralizado

O poder está centralizado em uma pessoa ou em um grupo muito pequeno de pessoas, e são eles que são responsáveis ​​por exercer todo o controle.

Uma religião

Como é a religião que domina todos os aspectos da vida, existe apenas uma prática religiosa oficial. Além disso, as leis ditadas pelo governo sempre coincidem com esses preceitos religiosos.

Na teocracia, o governo impõe crenças; não há liberdade de culto, mas reinam os mandatos da religião dominante.

Duress

A maneira pela qual os cidadãos agem responde ao seu pensamento individual que se desenvolveu a partir de suas crenças religiosas.

No entanto, também é regulado pelos mecanismos de coerção do Estado e da própria sociedade, dependendo do que os escritos ditam.

Democracia inexistente

Como o povo não escolhe seus governantes, na teocracia não se pode falar em democracia; os cidadãos não escolhem ou podem concorrer a qualquer eleição para representar seus concidadãos.

Os líderes são personificações de Deus ou são aqueles que o representam, então também não há espaço para oposição, pois na maioria dos casos não há ninguém que queira se opor a Deus.

Vantagens

Na teocracia, Deus é o “chefe supremo” do Estado, de modo que o governo pode exigir de seus cidadãos lealdade incondicional. Por um lado, a fé cega é obtida, pois é confiança em Deus e não no homem; e, por outro, um mandato divino nunca é discutido, apenas cumprido.

Como conseqüência do exposto, há uma cidadania mais obediente, unida e raramente rebelde; portanto, não há revoltas civis, oposição ao governo ou questões ideológicas.

Por convicção, a guerra é religiosa, não política; Portanto, não há espaço para arrependimentos. Por esse motivo, do ponto de vista estratégico-militar, os cidadãos acabam sendo soldados obedientes e lutadores.

Por outro lado, todos os cidadãos concordam que a base das leis deve ser divina; Portanto, estes não são questionados.

Desvantagens

Como a Igreja e o Estado andam de mãos dadas, numa teocracia há menos liberdades civis para os cidadãos. As leis não se baseiam na lógica ou na justiça, mas no que a religião dita; É por isso que eles não são discutidos, muito menos eles podem ser alterados.

Da mesma forma, não há liberdade de expressão ou, se existir, é muito restrita. O governo não pode ser criticado, porque criticaria o próprio Deus e seus mandamentos.

Nos sistemas teocráticos, observa-se a tendência dos governos de serem autoritários e intolerantes com opiniões contrárias ao que diz a palavra de Deus, considerada a lei.

Exemplos

Egito antigo

No antigo Egito, os faraós eram a autoridade política máxima. Eles foram os que exerceram poder absoluto e se consideraram os representantes das divindades.

Em muitos casos eles eram padres. Essa autoridade religiosa máxima reunia todos os poderes: o político, o judicial e o administrativo.

Um dos mais famosos era o faraó Keops, cujo nome original era Jhufu ou Jnum-Jufu. Este nome significa “Jnum (o criador de Deus) me protege”; isto é, Quéops foi ungido pelo Deus criador.

Foi o segundo faraó de sua dinastia (que foi a quarta) e é um dos mais lembrados porque, sob seu mandato, foi construída a Grande Pirâmide de Gizé, nos arredores do Cairo.

Esta pirâmide foi construída por ordem do faraó para ser usada como seu túmulo, e assim preservar sua essência por toda a eternidade. Esta foi uma honra que apenas os faraós poderiam ter como uma representação viva dos deuses neste mundo.

Roma Imperial

Mais recente que o Egito antigo é a Roma imperial. Augusto, o primeiro imperador romano, usou habilmente os recursos de propaganda oferecidos pela religião para se divinizar, institucionalizando o culto do império e seu líder máximo, César: o povo devia-se ao Império e César era o Império, então o povo devia para César.

Depois de tomar o poder, César Augusto mudou a forma de governo de Roma, transformando a República: ele dividiu o poder entre o Senado e o povo, e o imperador e sua casta.

O título de príncipe do Senado foi auto-adjudicado, a fim de ser associado à divindade. Além disso, ele se proclamou imperador proconsular para tomar o poder militar e nomeou-se o grande pontífice para ser o líder religioso. A última nomeação que foi concedida foi a do pai do país.

América pré-hispânica

Antes da descoberta, há registros de que na América havia civilizações cuja forma de governo era a teocracia. É o caso do Império Inca, no qual os líderes da família dominante eram adorados como divindades vivas.

Seu rei, o Inca sapa, era considerado o filho do Sol, e o Sol era visto como a estrela do rei, o principal deus responsável pela vida de plantas e animais.

Sua economia baseava-se precisamente na agricultura e, sendo o Sol o principal garante e zelador da vida, seu representante na Terra era tratado como um deus.

Japão

Para os japoneses, o imperador encarnava a divindade. Ele era o principal líder religioso e político porque os deuses o ungiram e se manifestaram através dele. Eles ditaram as regras e foram responsáveis ​​por proteger o povo.

Inicialmente, o imperador era um meio de controlar o povo através de suas crenças, de manter a organização social.

No entanto, quando o imperador Meiji chegou ao poder, ele declarou o imperador uma entidade sagrada e inviolável, que exercia o comando na companhia de seu conselho de ministros. O povo idealizou o imperador como um deus que tinha poder e controle absolutos sobre a nação.

Israel

A Bíblia em seu Antigo Testamento indica que Deus não apenas criou o mundo, mas também foi seu legítimo governante.

Foi ele quem inspirou o povo de Israel a se libertar dos egípcios e a respeitar a Torá, uma obra em que os julgamentos, penalidades e leis pelas quais o povo deveria se conduzir são estipulados com antecedência.

Mais tarde, surgiram os reis, que eram uma representação divina daquele Deus onipotente e onipresente de que a Bíblia fala.

Califados árabes

Muhammad foi sucedido pelos chamados califas, responsáveis ​​por aumentar seu domínio político e religioso com base nos ensinamentos do profeta.

Segundo as escrituras, Muhammad recebeu a revelação divina de Deus através do anjo Gabriel e foi inspirado por ele a pregar sua palavra, tornando-se o grande profeta.

A dominação dos califas se estendeu por grande parte do Império Bizantino até atingir a Mesopotâmia. Na sequência, eles converteram os habitantes dos povos conquistados ao Islã, ganhando assim maior poder econômico, político e humano para expandir ainda mais o oeste e o leste.

Os califas foram proclamados sucessores de Maomé, o mais alto líder espiritual. Portanto, eles foram chamados para exercer poder.

Exemplos: países com governos teocráticos hoje

Embora sejam poucos, ainda existem nações que seguem o modelo teocrático como uma forma de governo. Alguns dos mais destacados são os seguintes:

Vaticano

Se você quiser, é o mais representativo e um dos mais antigos. Ela remonta ao papa Inocêncio III, que não apenas tentou impor o catolicismo como religião dominante no mundo, mas também queria que fosse a diretriz dos governos.

Inocente III se impôs como um líder religioso, como a autoridade absoluta da fé, e também tornou seu poder inquestionável por ser a representação de Deus na Terra.

Tibete

Para os tibetanos, a mais alta autoridade religiosa é o Dalai Lama, a encarnação do Buda e cuja missão é fazer do Tibete uma nação e um reino espiritual.

O controle político, social e espiritual foi governado por esse líder até 1959, ano em que o governo chinês obrigou esse representante a atravessar a fronteira e a se exilar na Índia.

Outros países

O Irã e o Afeganistão são governos teocráticos baseados no Islã. A Mauritânia, um pequeno país do norte da África, também se enquadra nessa categoria.

Da mesma forma, a Arábia Saudita é reconhecida como uma monarquia teocrática islâmica. Sudão e Iêmen também fazem parte deste grupo.

Referências

  1. “Tibete: 60 anos de exílio” (sem data) em El País. Retirado em 22 de abril de 2019 de El País: elpais.com
  2. “Biografia de César Augusto, o primeiro imperador” (sem data) na RedHistoria. Retirado em 23 de abril de 2019 de RedHistoria: redhistoria.com
  3. “Theocracy” (sem data) no Real Academia España Recuperado em 23 de abril de 2019 na Real Academia Española: dle.rae.es
  4. “Teocracia” (sem data) na Britânica. Retirado em 23 de abril de 2019 na Britannica: britanica.com
  5. “Países da Teocracia 2019” (2019) na World Population Review. Retirado em 23 de abril de 2019 na World Population Review: worldpopulationreview.com
  6. Erdbrink, Thomas. “A Revolução do Irã aos 40 anos: da teocracia à ‘normalidade’” (10 de fevereiro de 2019) no The New York Times. Retirado em 23 de abril de 2019 no The New York Times: nytimes.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies