Teoria Orgânica: Características e Autores Destacados

A Teoria Orgânica é uma abordagem dentro da sociologia que busca compreender a sociedade como um organismo vivo, onde cada parte desempenha um papel específico e interdependente para o funcionamento do todo. Esta perspectiva considera que as instituições sociais, como a família, a religião e a economia, estão interligadas e influenciam-se mutuamente.

Autores destacados da Teoria Orgânica incluem Émile Durkheim, Herbert Spencer e Talcott Parsons. Durkheim, por exemplo, enfatizou a importância da solidariedade social e do consenso moral para a coesão da sociedade. Spencer, por sua vez, desenvolveu a metáfora do organismo social, comparando a sociedade a um corpo humano com diferentes partes interconectadas. Já Parsons elaborou o conceito de sistema social, destacando a necessidade de equilíbrio e estabilidade nas relações entre as instituições sociais.

Em resumo, a Teoria Orgânica oferece uma visão holística e integrada da sociedade, enfatizando a interdependência e a complexidade das relações sociais. É uma abordagem relevante para entender os padrões de organização social e as dinâmicas de mudança ao longo do tempo.

Características da teoria organicista: conheça os principais aspectos desse conceito.

A teoria organicista é uma abordagem que se baseia na ideia de que as organizações funcionam de maneira semelhante aos organismos vivos, ou seja, como sistemas complexos e interdependentes. Nesse sentido, algumas características principais desse conceito incluem a visão de que as organizações são compostas por partes interligadas e que atuam de forma conjunta para alcançar seus objetivos.

Além disso, a teoria organicista destaca a importância da adaptação e da evolução das organizações, assim como os organismos vivos se adaptam ao ambiente em que estão inseridos. Isso significa que as organizações precisam ser flexíveis e capazes de se ajustar às mudanças do mercado e da sociedade.

Outra característica fundamental da teoria organicista é a ênfase nas relações e interações entre os diferentes elementos que compõem uma organização. Isso inclui a ideia de que as partes de uma organização não podem ser entendidas isoladamente, mas sim em sua interação e interdependência.

Autores destacados que contribuíram para o desenvolvimento da teoria organicista incluem Ludwig von Bertalanffy, que formulou a Teoria Geral dos Sistemas, e Herbert Simon, que desenvolveu o conceito de racionalidade limitada. Ambos os autores enfatizaram a importância de compreender as organizações como sistemas complexos e dinâmicos, influenciados por diversos fatores internos e externos.

Teorias mecanicistas: entendendo os alicerces da sociedade a partir de uma perspectiva estrutural.

As teorias mecanicistas buscam compreender a sociedade a partir de uma perspectiva estrutural, analisando os alicerces que sustentam as relações sociais. Nesse sentido, os pensadores mecanicistas enxergam a sociedade como uma máquina, onde cada parte desempenha um papel específico para o funcionamento do todo.

Relacionado:  As 5 principais contribuições do empirismo

Para os teóricos mecanicistas, as instituições sociais, as normas e os valores são vistos como peças interligadas que garantem a ordem e a estabilidade da sociedade. Essa abordagem estruturalista busca identificar as relações de causa e efeito que regem o comportamento humano e as interações sociais.

Autores como Auguste Comte, Émile Durkheim e Talcott Parsons são exemplos de pensadores que contribuíram para o desenvolvimento das teorias mecanicistas. Suas obras exploram a importância da estrutura social na organização da sociedade e na manutenção da coesão social.

Em suma, as teorias mecanicistas oferecem uma visão sistêmica da sociedade, destacando a interdependência entre as diferentes partes que a compõem. Ao entender os alicerces da sociedade a partir de uma perspectiva estrutural, é possível analisar as dinâmicas sociais e as relações de poder que moldam as nossas vidas.

Teoria Orgânica: Características e Autores Destacados

A teoria orgânica é uma posição filosófica em que se considera o Estado como um organismo vivo que transcende os indivíduos e onde todos têm um papel a desempenhar para tornar possível a vida do todo.

Para os organistas, a estrutura da sociedade é organizada e funciona como um organismo biológico de natureza superior, com sua própria entidade e existência.

Teoria Orgânica: Características e Autores Destacados 1

Dentro dessa teoria, a sociedade é um todo diferente da soma de suas partes (indivíduos), faz parte da essência do ser humano, mas é anterior a isso.

Ou seja, de acordo com essa escola sociológica, a sociedade humana é uma forma superior de organização biológica e, portanto, as leis da biologia se aplicam a ela .

Nessa perspectiva, os indivíduos são como as células de um organismo que, sempre dependendo de sua vida, cumprem funções diferentes.

O organicismo também é chamado de bio-organicismo no campo da sociologia e se opõe ao mecanismo.

A concepção orgânica da sociedade dominou grande parte da Idade Média e foi superada com o surgimento do individualismo derivado da institucionalização do contrato, parte do direito privado que justifica a fundação do Estado.

No entanto, ressurge no início do século XIX, envolto na atmosfera da Revolução Francesa, e ainda hoje existem reminiscências dessa concepção em alguns países do mundo.

Principais características da teoria orgânica

Algumas das características que melhor descrevem a teoria organista são:

  • A sociedade é um organismo vivo com características especiais que obedecem, como organismo vivo, às leis da biologia.
  • Os governantes têm como missão principal preservar a unidade do todo. Essa unidade só é possível com a concordância.
  • Como conseqüência do exposto, a discórdia é o pior mal de uma sociedade.
  • O surgimento ou desenvolvimento de facções que podem enfraquecer o Estado deve ser evitado a todo custo.
  • O governo tem, no campo político, a mesma função que o coração tem no corpo humano.
  • Um modelo de sociedade orgânica por excelência é a família.
  • Os regimes monárquicos atendem a essa concepção de sociedade.

Expoentes da teoria orgânica

Ao longo dos anos, a história viu filósofos e sociólogos que apóiam a teoria organista da sociedade. Nas próximas linhas, tentamos refletir a contribuição de alguns deles:

Johannes Saresberiensis (João de Salisbury)

Ele escreveu Policraticus, antes do trabalho de Aristóteles, Política, e nesse texto ele compara o corpo social com o corpo humano de uma maneira muito detalhada:

  • Rei = cabeça
  • Senado = o coração
  • Juízes e funcionários públicos = olhos, ouvidos e língua.
  • Os militares = mãos
  • Os camponeses = os pés

A essência de seu trabalho inspira o Leviatã de Hobbes e influencia o pensamento expresso pelos sociólogos Spencer e Schaffle.

Aristóteles

Aristóteles afirmou que o homem é um animal social e que ele é apenas homem, em seu sentido pleno, quando vive na polis.

Para ele, assim como a parte mais nobre do animal é o coração, na alma do corpo social o governo é a parte mais perfeita.

Ele também postulou que no Estado, todo esse composto, cada uma de suas partes cumpre uma função específica. E também estabeleceu que “a cidade é por natureza anterior ao indivíduo”.

Hegel

Hegel também afirma em seu tempo e arredores, uma visão organista do Estado.

Platão

Esse pensador, em sua famosa obra, A República, é explicado em uma analogia entre as partes da alma e as do Estado.

Para Platão, a justiça se expressa quando cada parte da comunidade cumpre o que lhe corresponde, para garantir a harmonia do todo «sem interferir no que é a vez do outro».

Marsilio de Padua

No Defensor, pacis defende que uma cidade bem constituída, necessária e naturalmente, se assemelha a um animal “bem disposto”.

Relacionado:  Paradigmas emergentes: prigen, exemplos e contribuições

Da mesma forma, e fiel aos postulados aristotélicos, ele propõe que o Estado surja em uma sociedade imitando como o animal se origina na natureza.

E conclui: “a relação entre a cidade e suas partes, bem como a tranquilidade, parecerá semelhante à relação entre o animal, suas partes e a saúde”.

Herbert spencer

Sociólogo moderno que propagou e defendeu uma concepção organista do Estado, implicando uma analogia com a teoria da evolução, a saber:

  • A sociedade e os organismos experimentam um crescimento progressivo ao longo de sua existência.
  • O crescimento de sociedades e organismos implica um aumento em sua complexidade e estrutura.
  • As funções das sociedades e organismos também se tornam mais complexas ao longo do tempo.
  • A sociedade é composta de outros elementos, como um organismo, composto por várias unidades.

No entanto, ele também notou diferenças:

  • Enquanto os organismos são formados a partir de unidades dependentes, nas sociedades, essas unidades são gratuitas.
  • A consciência de um organismo é única, enquanto na sociedade é tão diversa quanto os indivíduos que o compõem.
  • O fim das unidades que compõem o organismo é seu benefício, enquanto na sociedade acontece o contrário: o objetivo é o bem-estar dos indivíduos.

Gradualmente, Spencer se separa dessa concepção organista.

De fato, hoje, as teorias sociológicas não comparam organismos à sociedade, mas se assemelham a ambos com um sistema.

As teorias organista derivam da idéia de poder descendente, onde um único governante é vital, o governo de uma única pessoa, porque apenas a unidade da liderança garante a unidade do todo.

Essa é a razão pela qual na Idade Média, a idade de ouro dessa concepção, os sistemas reinantes eram a Igreja e o Império, concebidos monocraticamente.

Como afirmado no início, essa idéia organista persiste neste mundo em algumas latitudes onde os sistemas monárquicos ou ditatoriais prevalecem.

Referências

  1. Bobbio, Norberto. Organicismo e individualismo. Conferência de abertura do Congresso Coletivo Individual. O problema da racionalidade na política, economia e filosofia. Tradução: José Fernández Santillán. Recuperado de: www. file.estepais.com
  2. Borja, Rodrigo (s / f). Organicism Recuperado de encyclopediadelapolitica.org
  3. Filosofia em espanhol (2015). Teoria orgânica Recuperado de filosofia.org
  4. Sociologicus (2001). Spencer Recuperado de sociologicus.com
  5. Villalva, M. (2004). Apresentação: Herbert Spencer organicist. Reis, (107), 227-230.
  6. Webdianoia (s / f). Organicism no glossário de filosofia. Recuperado de webdianoia.com.

Deixe um comentário