Teste de depressão de Goldberg: características e funções

O teste de depressão de Goldberg, também conhecido como Escala de Depressão de Goldberg, é uma ferramenta utilizada para avaliar a presença e a gravidade dos sintomas de depressão em indivíduos. Criado pelo psiquiatra Ivan K. Goldberg, o teste consiste em uma série de perguntas que abordam diferentes aspectos do humor, do comportamento e dos pensamentos do paciente. Através da análise das respostas, é possível identificar se a pessoa está sofrendo de depressão e qual o nível de gravidade da condição. O teste de Goldberg é uma importante ferramenta para auxiliar no diagnóstico e acompanhamento de pacientes com depressão, permitindo uma intervenção precoce e adequada.

Entenda o procedimento do teste de depressão e como ele é realizado.

O teste de depressão de Goldberg é uma ferramenta utilizada para avaliar os sintomas de depressão em indivíduos. Ele consiste em um questionário com 18 perguntas que abordam diferentes aspectos do estado emocional da pessoa. O objetivo é identificar possíveis sinais de depressão e auxiliar no diagnóstico da doença.

O procedimento do teste é simples e rápido. A pessoa deve responder às perguntas de forma sincera, indicando o quanto cada afirmação se aplica a ela. As respostas são pontuadas de acordo com uma escala predefinida, que varia de 0 a 3 pontos, dependendo do grau de concordância com cada item.

Após a conclusão do teste, é feita uma análise dos resultados. Pontuações mais altas indicam um maior nível de sintomas depressivos, enquanto pontuações mais baixas sugerem um estado emocional mais saudável. É importante ressaltar que o teste de Goldberg não substitui a avaliação de um profissional de saúde mental, mas pode ser um indicativo inicial de possíveis problemas emocionais.

Ao responder às perguntas de forma sincera e seguir as instruções corretamente, a pessoa pode obter informações importantes sobre seu estado emocional e buscar ajuda profissional, se necessário.

Entendendo as cinco etapas da depressão: um guia prático e informativo.

O teste de depressão de Goldberg é uma ferramenta importante para identificar possíveis sintomas de depressão em indivíduos. Entender as cinco etapas da depressão pode ajudar a interpretar os resultados desse teste de forma mais eficaz.

A primeira etapa da depressão é a negação, onde a pessoa pode não reconhecer seus próprios sintomas. Em seguida, vem a raiva, onde o indivíduo pode se sentir irritado com sua situação. A terceira etapa é a negociação, onde a pessoa tenta encontrar maneiras de lidar com a depressão.

A quarta etapa é a tristeza profunda, onde a pessoa pode se sentir extremamente desanimada e desesperançosa. Por fim, a quinta etapa é a aceitação, onde a pessoa reconhece sua condição e busca ajuda para superar a depressão.

Relacionado:  As 4 principais diferenças entre TOC e perfeccionismo

Entender essas cinco etapas pode auxiliar no processo de identificação e tratamento da depressão. Ao realizar o teste de depressão de Goldberg, é importante considerar em que estágio a pessoa se encontra e quais medidas podem ser tomadas para ajudá-la a superar essa condição.

Portanto, ao utilizar o teste de depressão de Goldberg, é fundamental ter em mente as cinco etapas da depressão e como elas podem influenciar os resultados. Compreender essas etapas pode ser crucial para oferecer o suporte adequado e orientar o indivíduo para o tratamento adequado.

Instrumentos utilizados na avaliação da depressão: quais são e como funcionam?

Na avaliação da depressão, existem diversos instrumentos que podem ser utilizados para auxiliar no diagnóstico e no acompanhamento do tratamento. Um desses instrumentos é o Teste de Depressão de Goldberg, que é amplamente utilizado por profissionais de saúde mental.

O Teste de Depressão de Goldberg é um questionário composto por 18 questões que abordam diferentes sintomas e aspectos da depressão. Os participantes devem responder às perguntas de acordo com a frequência com que têm experimentado cada sintoma, atribuindo uma pontuação específica para cada resposta.

As pontuações obtidas no Teste de Depressão de Goldberg são então somadas para determinar o nível de gravidade da depressão. Pontuações mais altas indicam uma maior gravidade dos sintomas depressivos, enquanto pontuações mais baixas sugerem um quadro menos grave.

Este instrumento é útil para os profissionais de saúde avaliarem a presença e a gravidade da depressão em seus pacientes, permitindo um diagnóstico mais preciso e um acompanhamento mais eficaz do tratamento. Além disso, o Teste de Depressão de Goldberg pode ser utilizado ao longo do tempo para monitorar a evolução dos sintomas e a eficácia das intervenções terapêuticas.

Aprenda a calcular o resultado do DASS-21 de forma simples e rápida.

O Teste de depressão de Goldberg é uma ferramenta amplamente utilizada para avaliar os sintomas de depressão em pacientes. Uma das formas de calcular o resultado do DASS-21, que é a versão abreviada do teste, de forma simples e rápida é somar as pontuações de cada uma das 21 perguntas.

Para isso, atribui-se um valor de 0 a 3 para cada resposta, sendo 0 para “nunca”, 1 para “algumas vezes”, 2 para “muitas vezes” e 3 para “quase sempre”. Após somar as pontuações de todas as perguntas, o resultado final pode ser interpretado da seguinte forma: 0-9 indica ausência de sintomas, 10-13 indica sintomas leves, 14-20 indica sintomas moderados e 21 ou mais indica sintomas graves.

É importante ressaltar que o teste de depressão de Goldberg não substitui um diagnóstico médico e deve ser utilizado apenas como uma ferramenta de triagem. Caso os resultados indiquem a presença de sintomas graves, é fundamental buscar ajuda profissional especializada para uma avaliação mais detalhada e um tratamento adequado.

Teste de depressão de Goldberg: características e funções

Teste de depressão de Goldberg: características e funções 1

A depressão é um dos transtornos mentais mais prevalentes no mundo; Além disso, também pode se tornar um dos mais incapacitantes. Uma pessoa com depressão perdeu a esperança de aproveitar a vida novamente.

Existem vários testes psicológicos que avaliam a depressão; No entanto, hoje vamos nos concentrar no teste de depressão de Goldberg , que é uma ferramenta de triagem para detectar a presença de sintomas depressivos (não é uma ferramenta de diagnóstico).

Teste de depressão de Goldberg: características

O teste de depressão de Goldberg é um teste psicológico, como o nome indica, destinado a determinar se há ou não sintomas de depressão (é um teste de orientação ou triagem, não diagnóstico).

Também é conhecido como Inventário de Depressão Goldberg; É um teste que consiste em 18 perguntas, que oferecem informações imediatas sobre o nível de depressão vivenciado pelo avaliado ou pelo paciente.

Foi desenhado pelo Dr. Ivan K. Goldberg, um psiquiatra americano . O teste de depressão Goldberg é uma triagem simples e auto-administrada ou um teste de triagem para depressão.

Perguntas

As perguntas seguem um formato likert com seis opções de resposta cada, sempre as mesmas: “nada”, “um pouco”, “às vezes”, “moderadamente”, “bastante” e “muito”. As perguntas ou declarações às quais o respondente deve responder são do tipo: “Acho difícil tomar decisões” ou “O prazer e a felicidade parecem ter desaparecido na minha vida”.

Ao responder às perguntas, o respondente deve responder levando em consideração o que experimentou e seu humor nos últimos sete dias. Ou seja, você deve se concentrar apenas nesse período específico.

  • Você pode estar interessado: ” Tipos de depressão: seus sintomas, causas e características

Resultados

Quanto aos resultados do teste de depressão de Goldberg, devemos ter cuidado, pois o teste nos fornecerá resultados meramente indicativos, nunca diagnósticos . É por isso que, em caso de suspeita de depressão moderada ou grave, você deve procurar um profissional ou médico especializado para fazer o encaminhamento apropriado.

Aplicações

Além disso, o teste de depressão de Goldberg pode ser usado não apenas como uma triagem de diagnóstico, mas também como uma ferramenta de acompanhamento, para verificar o progresso do paciente ao longo das sessões.

Relacionado:  Aerofobia: quando o medo de voar é patológico

Sabe-se que uma variação de 5% nos resultados pode representar um sintoma de melhora e piora.

Questionário Goldberg: também para ansiedade

Goldberg também desenvolveu um questionário completo, que também incluiu uma escala de ansiedade; o chamado questionário Goldberg ou escala Goldberg (EADG). Esse questionário consiste em duas escalas totalmente independentes, uma de ansiedade e outra de depressão.

O questionário apresenta valores de sensibilidade e especificidade muito altos, e é por isso que é amplamente utilizado para fins epidemiológicos e de cuidados, bem como um instrumento de triagem e um guia que orienta a entrevista clínica na Atenção Básica.

Subescalas

Cada uma das subescalas do teste de depressão de Goldberg (teste de depressão e ansiedade) é administrada simultaneamente e está estruturada em 4 itens iniciais que ajudam a determinar se é provável ou não que exista um distúrbio mental. e em 5 itens secundários que são formulados apenas se forem obtidas respostas positivas aos 4 primeiros itens (2 ou mais na subescala de ansiedade, 1 ou mais na subescala de depressão).

Perguntas e pontos de corte

As perguntas de 1 a 9 correspondem à subescala de ansiedade e de 10 a 18 correspondem à subescala de depressão. As 4 primeiras perguntas de cada subescala (perguntas 1 a 4) e (perguntas 10 a 13), respectivamente, são a condição prévia para determinar o restante das perguntas.

Assim, se pelo menos 2 perguntas forem respondidas afirmativamente entre as perguntas 1 a 4, o restante da primeira subescala não deve ser respondido, enquanto na segunda subescala é suficiente responder afirmativamente a uma pergunta entre 10-13 para continuar respondendo o resto.

Os pontos de corte para a escala de ansiedade são 4 (ou mais) e, para a depressão, são 2 (ou mais).

Referências bibliográficas:

  • Arrieta, KM, Días, S. e González, F. (2014). Sintomas de depressão e ansiedade em estudantes universitários: prevalência e fatores relacionados. REV CLÍN MED FAM, 7 (1): 14-22.
  • Balanza, S., Morales, I, Guerrero, J e Conesa, A. (2008). Confiabilidade e validade de um questionário para medir a associação de ansiedade e depressão em estudantes acadêmicos com fatores acadêmicos e psicossoci-familiares durante o ano acadêmico de 2004-2005. Rev Esp Saúde Pública, 2 (82): 189-200.
  • García, C. (1999). Manual para uso do questionário geral de saúde Goldberg: adaptação cubana. Revista Cubana de Medicina Geral Compreensiva, 15 (1), 88-97.
  • Goldberg D, Bridges K, Duncan-Jones P, Grayson D. Detectando ansiedade e depressão em contextos médicos gerais. Br Med J. 1988; 297 (6653): 897-915.

Deixe um comentário