Transtorno obsessivo-compulsivo da personalidade: sintomas

O obsessivo – compulsivo transtorno de personalidade é característica de pessoas com uma fixação para fazer as coisas “do jeito certo”.Existe uma preocupação excessiva com ordem, perfeccionismo e controle pessoal e interpessoal.

Essa preocupação com detalhes e perfeição os impede de cumprir grande parte dos objetivos propostos ou coisas que começam.Devido à falta de flexibilidade, as pessoas com esse transtorno de personalidade podem ter dificuldades em estabelecer relacionamentos interpessoais.

Transtorno obsessivo-compulsivo da personalidade: sintomas 1

Por outro lado, essas pessoas tendem a ficar com raiva em situações nas quais não conseguem manter o controle pessoal ou ambiental, mesmo que o ódio não seja expresso diretamente.

Causas

Sob a teoria genética, as pessoas com transtorno obsessivo da personalidade (daqui em diante TPOC) teriam uma forma do gene DRD3, que também predispõe ao desenvolvimento da depressão.

Esses fatores genéticos podem permanecer “adormecidos” até que um evento vital ocorra. Esses eventos podem ser traumas da infância, como abuso sexual, físico ou emocional.

Segundo a teoria ambiental, o TPOC é um comportamento aprendido.

A maioria dos profissionais apóia o modelo biopsicossocial que propõe que as causas são biológicas, sociais e psicológicas. A partir dessa teoria, não há fator que seja o único responsável, mas uma interação entre os três.

Sintomas

Os transtornos de personalidade são frequentemente diagnosticados na idade adulta, pois descrevem padrões de comportamentos resistentes.É incomum ser diagnosticado na infância ou adolescência, uma vez que as crianças se desenvolvem constantemente em personalidade e maturidade física.

Como a maioria dos transtornos de personalidade, tende a diminuir de intensidade com a idade.Seus sintomas mais frequentes são:

– Preocupação com detalhes, regras, listas, organização e horários.

– Dedicação excessiva ao trabalho e produtividade, excluindo atividades de lazer.

Mostre o perfeccionismo que interfere na conclusão da atividade.

-Inflexibilidade e escrutínio em questões de religião, ética ou valores

-A pessoa reluta em delegar tarefas para trabalhar com outras pessoas, a menos que se submeta exatamente à maneira como faz as coisas.

-Grande teimosia e rigidez.

O dinheiro tende a economizar para possíveis necessidades futuras.

N Não queira ou desfrute de relações interpessoais íntimas.

– Mostra frieza, desapego ou falta de afeto.

Diagnóstico

É um padrão geral de preocupação com ordem, perfeccionismo e controle mental e interpessoal, em detrimento da flexibilidade, espontaneidade e eficiência.Começa na idade adulta e ocorre em vários contextos, conforme indicado por quatro ou mais dos seguintes itens:

– Preocupação com detalhes, regras, listas, ordem, organização ou cronogramas, a ponto de perder de vista o principal objeto da atividade.

-Perfeccionismo que interfere na conclusão das tarefas.

-Dedicação excessiva ao trabalho e produtividade, excluindo atividades de lazer e amizades.

– Teimosia excessiva, escrupulosidade e inflexibilidade em questões éticas ou valores morais.

-Habilidade para jogar fora objetos gastos ou inúteis, mesmo sem valor sentimental.

-É relutante em delegar tarefas ou trabalhar para outras pessoas, a menos que elas se submetam exatamente à maneira como fazem as coisas.

-Adote um estilo ganancioso nas despesas.

-Rigidez e teimosia.

Diagnóstico

Geralmente é diagnosticada por um profissional de saúde mental, como um psiquiatra ou psicólogo.Os médicos ou médicos de família não são treinados ou estão bem equipados para fazer esse tipo de diagnóstico psicológico.

Embora inicialmente seja solicitado um médico de família, ele deve encaminhá-lo a um profissional de saúde mental.

Não há testes genéticos ou de sangue usados ​​para diagnosticar TPOC.

Pessoas com DPOC geralmente não procuram tratamento até que o distúrbio comece a interferir seriamente em suas vidas pessoais.

Tratamento

Existem três opções principais para o tratamento:

– Psicoterapia cognitivo-comportamental: melhora a consciência da pessoa sobre o problema e corrige padrões de pensamentos negativos. O objetivo é reduzir a rigidez e melhorar as relações pessoais, lazer e diversão.

– Técnicas de relaxamento: reduza o senso de urgência e estresse.

-Medicina: inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs) podem ser eficazes se usados ​​em conjunto com psicoterapia.

Vitaminas ou suplementos nutricionais não são eficazes para esse distúrbio.

O tratamento é complicado se a pessoa não aceitar que possui TPOC ou acreditar que seus pensamentos ou comportamentos estão corretos e não precisam ser alterados.

Possíveis complicações

No TPOC, a preocupação crônica da pessoa com as regras e o controle parece impedir o uso de drogas, o sexo desprotegido ou a irresponsabilidade financeira.

As possíveis complicações são:

-Ansiedade.

-Depressão.

-Dificuldade em completar tarefas.

-Dificuldades nas relações pessoais.

Comorbidade

O TPOC (transtorno da personalidade obsessivo-compulsivo) é frequentemente confundido com o TOC (transtorno obsessivo-compulsivo). Apesar de nomes semelhantes, eles são dois distúrbios distintos.

A relação com transtorno obsessivo-compulsivo é distante; Eles geralmente não têm pensamentos obsessivos e comportamentos típicos do TOC.

O TOC é um transtorno de ansiedade e não um transtorno de personalidade.As atitudes das pessoas variam entre esses tipos de distúrbios:

  • As pessoas afetadas pelo TOC acreditam que o comportamento das regras, simetria e organização excessiva são insanas e não são procuradas, sendo o produto da ansiedade e dos pensamentos involuntários.
  • Pessoas com transtorno obsessivo-compulsivo da personalidade (TPOC) acreditam que esses comportamentos são racionais e desejáveis ​​(rotinas, perfeccionismo, controle …).

Algumas características do TPOC são comuns em pessoas com TOC. Por exemplo, perfeccionismo e preocupação com detalhes

Um estudo de 2014 descobriu uma diferença entre pessoas com DPOC e pessoas com TOC: aquelas com TPOC eram mais rígidas em seu comportamento e tinham uma gratificação mais atrasada do que aquelas com TOC. Ou seja, eles suprimiram mais seus impulsos para adquirir maiores recompensas no futuro.

Síndrome de Asperger

Existem algumas semelhanças entre pessoas com Asperger e com TPOC, como aderência às regras e alguns aspectos obsessivos.

As pessoas com Asperger diferem principalmente por suas piores habilidades sociais, dificuldades com a teoria da mente e seus intensos interesses intelectuais.

Em um estudo de 2009 com participantes com distúrbios do espectro do autismo, 40% daqueles diagnosticados com síndrome de Asperger também atenderam às condições do TPOC.

Distúrbios alimentares

Personalidades rígidas também têm sido associadas a distúrbios alimentares, especialmente anorexia nervosa.

Em um estudo de 2005, verificou-se que 9% das mulheres com distúrbios alimentares, 6% dos anoréxicos restritivos, 13% dos anoréxicos purgativos e 11% dos bulímicos com histórico de anorexia atendiam às condições do TPOC.

A presença desse distúrbio de personalidade está relacionada a uma série de complicações nos distúrbios alimentares, enquanto as características mais impulsivas – como as do distúrbio histriônico – preveem um melhor resultado do tratamento.

O TPOC prevê sintomas mais graves na anorexia, piores taxas de remissão e presença de comportamentos como exercícios compulsivos.

Referências

  1. Halmi, KA et al. (Dezembro de 2005). «A relação entre perfeccionismo, transtorno obsessivo-compulsivo da personalidade e transtorno obsessivo-compulsivo em indivíduos com transtornos alimentares». Int J Eat Disord 38 (4): 371–4. doi: 10.1002 / eat.20190. PMID 16231356. Recuperado em 14 de março de 2013.
  2. Pinto, Anthony (2014). «A capacidade de atrasar a recompensa diferencia o transtorno obsessivo-compulsivo e o transtorno obsessivo-compulsivo da personalidade». Biol Psychiatry 75 (8): 653–659. doi: 10.1016 / j.biopsych. 2013.09.007.
  3. Hofvander, Björn; Delorme, Richard; Chaste, Pauline; Nydén, Agneta; Wentz, Elisabet; Stahlberg, Ola; Herbrecht, Evelyn; Parando, Astrid; Anckarsäter, Henrik; Gillberg, Christopher et al. (2009). “Problemas psiquiátricos e psicossociais em adultos com distúrbios do espectro do autismo de inteligência normal”. BMC Psychiatry 9 (1): 35. doi: 10.1186 / 1471-244x-9-35. Página visitada em 2014-09-24.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies