Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo

A psicopatia é um transtorno mental caracterizado por controle deficiente de emoções e impulsos, impulsividade, incapacidade de se adaptar às normas morais ou sociais e tendência a agir e comportamento anti-social.

Da criminologia, um psicopata é aquele indivíduo que sofre de um distúrbio de personalidade associado a um estilo de vida socialmente desviado, tendendo a ignorar as normas sociais para satisfazer seu próprio déficit de estímulo.

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 1

A partir daqui, podemos concluir que o indivíduo tem um distúrbio de personalidade, que não é considerado doença mental, pois está ciente do que está fazendo. Na psicologia, um distúrbio mental é definido como um distúrbio relativo a si mesmo, aos outros e com relação ao ambiente crônico, evidente desde a infância e adolescência e persistente durante a vida adulta.

Os psicopatas geralmente cometem atos impulsivos e irresponsáveis ​​que podem ou não estar fora da lei, porque ignoram as normas sociais. Ao “ignorar”, não queremos dizer que você não os conheça, mas que não se importa. A razão pela qual o indivíduo não segue as regras é geralmente porque isso satisfaz seu déficit de estimulação.

Características do psicopata

Essas pessoas são emocionalmente insensíveis, manipuladoras e possuem grande egocentrismo. O que diferencia o psicopata de outros distúrbios são suas características e o fato de ele gostar de fazer o que faz.

Pessoas com distúrbios antissociais geralmente não estão felizes com sua maneira de ser; No entanto, os psicopatas não vêem razão para mudar. São arrogantes, superficiais, enganosos e manipuladores; No mundo afetivo, seus relacionamentos são superficiais e voláteis, e são incapazes de desenvolver laços fortes com as pessoas.

Eles também não têm empatia , ansiedade ou sentimentos de culpa e, do nível de comportamento, são irresponsáveis, impulsivos, caçadores de sensações e predispostos ao crime.

Superficial, ótimo e enganoso

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 2

O psicopata procura encantar e seduzir a pessoa à sua frente. Geralmente causa boas impressões para os outros, para os quais utiliza estratégias diferentes: simula emoções que não possui, conta histórias que a deixam em bom lugar e encontra desculpas fáceis para justificar seu comportamento.

Quando a sedução não funciona, às vezes os psicopatas preferem ser hostis para intimidar aqueles que não podem se tornar um aliado. Se as histórias do psicopata não são credíveis ou são vistas como inconsistentes, ele tentará mudar a conversa ou interrompê-la, ou tentará reduzir a credibilidade de seu adversário através de insultos.

A arrogância é uma característica muito marcante da personalidade psicopática; Eles geralmente têm muita confiança em si mesmos. Uma pessoa que se considera superior aos outros não hesitará em enganar e manipular as pessoas ao seu redor.

Ausência de culpa, ausência de empatia e não aceitar responsabilidade pelo que faz

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 2

Essas características definem as relações emocionais do psicopata. Os psicopatas não sabem que o que fazem é ilegal, prejudicial ou imoral; isso simplesmente não lhes interessa. A ausência de arrependimentos está relacionada à incapacidade de sentir as emoções sociais fundamentais, aquelas que nos permitem relacionar-se com os outros.

Relacionado:  Personalidade obsessiva: 10 traços comuns observáveis

Esta é a razão pela qual os psicopatas são geralmente descritos como “frios”, porque parecem desconectados das emoções que deveriam poder sentir. Sem emoções reais de empatia, amor, felicidade ou tristeza, não é possível conectar-se sinceramente com ninguém e, portanto, também não é possível ter sentimentos de culpa.

A maneira como o psicopata estabelece o relacionamento com os outros está sempre buscando seu benefício pessoal, e ele pode fazê-lo com muita facilidade porque não possui o freio da consciência nem pode sentir a dor que isso causa.

Portanto, é inútil pedir a um psicopata que se responsabilize por seu comportamento; Sempre tem uma explicação, baseada no destino ou no comportamento da vítima, que causou o que aconteceu.

Impulsividade e falta de bom senso

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 2

Muitos psicopatas agem sem pensar nas consequências, sob o desejo momentâneo de conseguir algo e se sentir bem, sem outras considerações.

Eles sentem necessidade de mudanças permanentes que dificultam a formação sólida (perdem ou mudam de emprego, assumem comportamentos de risco) e aumentam sua pobreza emocional para estragar os relacionamentos autênticos com as pessoas.

A ausência de bom senso nos psicopatas brilha em seus comportamentos irresponsáveis ​​e extraviados e na ausência de objetivos realistas. Quando você olha para a vida do psicopata com uma certa perspectiva, pode ver que ele não está indo a nenhum lugar definido, embora possa dar explicações fantásticas sobre o que alcançará.

É como se a noção de futuro não tivesse um significado real para ele e, portanto, ele não tem interesse em refletir sobre o que pode acontecer.

Comportamento anti-social e criminal

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 2

A capacidade de violência, contornar leis e cometer crimes é a quarta característica usual no psicopata. Outra faceta do pouco senso comum que eles têm é a rapidez com que muitos deles reagem com intensa raiva e logo depois a esquecem tão facilmente quanto perdem a compostura.

Os psicopatas podem não ser criminosos, mas, entre os criminosos, são os mais prejudiciais, reincidentes e violentos. Quando o sujeito não cresceu em um bom ambiente em que aprendeu a canalizar seus desejos de maneira não ilegal, é muito provável que ele se torne um psicopata.

Como identificar um psicopata?

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 6

Acredita-se que Hitler tivesse uma personalidade psicopática

Além de examinar as características da seção anterior, para identificar um psicopata, é essencial observar a ausência de emoções.

O mundo emocional dos psicopatas é muito pobre, pois eles geralmente não têm reações emocionais profundas e persistentes. Outros déficits do distúrbio derivam da ausência de experiências emocionais, porque o impedem de orientar seu comportamento de maneira adequada.

Em seguida, são nomeadas as emoções que os psicopatas não têm. Se você observar alguém com uma ausência clara, pode ter identificado um.

Relacionado:  O que é Transtorno Disocial da Personalidade?

Medo ou ansiedade

A ausência ou déficit de medo nos psicopatas é possivelmente o que explica por que eles não podem modificar seu comportamento em situações que as pessoas consideram desagradáveis ​​ou dolorosas; Eles não são intimidados pela ameaça de punição, porque têm menos capacidade de sentir medo ou antecipá-lo em sua mente.

Raiva ou raiva

Para Cleckley, um dos grandes cientistas que estudam psicopatia, a raiva está ausente nos psicopatas, enquanto outros acreditam que o psicopata sofre uma raiva extrema e persistente que dirige os outros.

Certas pesquisas indicam que o psicopata experimenta a mesma raiva que o não-psicopata, mas tem uma capacidade maior de ocultá-la em seu rosto, ou seja, uma expressão facial reduzida de raiva.

Agora, se é verdade que os psicopatas sentem raiva como as outras pessoas, os efeitos disso são mais devastadores no caso deles, uma vez que não são limitados pela consciência do dano que causam ou dos efeitos de sua ação sobre eles. vítimas

Tristeza e depressão

Cleckley afirma que a dor, o desespero e a depressão estão ausentes no psicopata, porque não podem sentir tristeza por perdas de pessoas ou projetos, nem há discrepância entre o eu real e o ideal.

Algo comum entre as pessoas está se sentindo chateado ou sem esperança por não conseguir o que deseja, mas os psicopatas, sentindo-se excepcionais e superiores às outras pessoas, não vêem nada do que possam perder.

Amor e felicidade

Definimos “felicidade” como um estado emocional que deriva de obter e ter o que queremos e nos sentirmos bem. Cleckley não acreditava nesse sentimento pelo psicopata, mas outros autores acreditam nisso, embora o descrevam como algo transitório.

A ausência de empatia não permite ao psicopata sentir prazer observando a felicidade dos outros; Isso só causa inveja e ganância. Além disso, sua alegria seria severamente limitada pelo estado habitual de procurar sinais no ambiente que pudessem representar uma ameaça para ele ou uma oportunidade de tirar vantagem.

Alguns autores sugerem que o psicopata só pode sentir alegria através do controle e domínio de outras pessoas. Como eles não podem estabelecer relacionamentos reais com outras pessoas, também não podem amar.

Empatia

A empatia pode ser cognitiva ou emocional. O primeiro significa que alguém é capaz de entender intelectualmente o que uma pessoa pensa ou sente. A empatia emocional implica sentir-se como o outro, entrar em sintonia emocional com a pessoa com quem você está se comunicando.

É essa empatia que atua como um freio à violência e, embora isso não seja possível sem a empatia cognitiva, é possível ter apenas o primeiro sem chegar ao segundo.

É o que acontece com os psicopatas; eles podem atribuir estados mentais (de fato, se não pudessem, não seriam tão fáceis de manipular e enganar), mas não são capazes de se colocar no lugar de outra pessoa.

Relacionado:  Psicose orgânica: sintomas, diagnóstico, tratamento

Tipos de psicopatas

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 7

A classificação mais aceita sobre os tipos de psicopatas é dividida em duas: psicopatas integradas e psicopatas criminais.

Psicopatas integrados

São pessoas integradas que não conseguem se relacionar totalmente com os outros, que precisam aprender a gerenciar sem entender os sentimentos.

Podemos diferenciar aqui entre aqueles que apresentam psicopatia sendo reconhecidos pela sociedade como gênios ou autoridades artísticas (grupo A), aqueles psicopatas assassinos que não vieram à luz (grupo B) e, finalmente, os chefes de estado e pessoas que detêm alto poder como políticos, policiais, altos funcionários que podem acabar, no pior caso, como genocídio ou criminosos de guerra (grupo C).

Alguns psicopatas integrados podem passar de integrados para serem reconhecidos como criminosos ou criminosos (especialmente no caso daqueles pertencentes aos grupos B e C, dentro dos integrados).

Os pertencentes ao grupo B, por serem descobertos, e os pertencentes ao grupo C, por ocuparem posições de grande poder, podem acabar exercendo abuso de autoridade. Um exemplo deste último seria os chefes de governo que acabam se tornando genocidas ou criminosos de guerra.

Psicopatas criminosos ou criminosos reconhecidos

Aqui encontramos o subtipo de psicopata subcultural, que vem da subcultura do crime e geralmente é o mais brutal, e os psicopatas integrados anteriores, que não têm história anterior.

Deve-se notar que o número de psicopatas criminais reconhecidos é muito menor que o existente, já que muitos passam despercebidos diante de nossos olhos.

O desenvolvimento de um psicopata

Psicopatia: características do psicopata e como identificá-lo 8

A psicopatia tem raízes biológicas. Acredita-se que haja falhas no funcionamento da amígdala, o órgão responsável pelas emoções e o lobo pré-frontal, que lida com a deliberação e execução dos planos de ação.

O funcionamento anômalo do lobo pré-frontal explicaria a incapacidade dos psicopatas de tomar decisões razoáveis. Os estudos de Antonio Damasio com pessoas que sofreram ferimentos significativos nesse local mostram que parecem perder sua “sensibilidade”, ficam irritáveis ​​e parecem perder todo o senso de ética, mas parece não haver deterioração em sua inteligência ou capacidade de teoricamente, analise as diferentes situações.

A base biológica da psicopatia é o que a diferencia da sociopatia. Sociopatas são pessoas capazes de realizar atos psicopatas sem ter uma personalidade psicopática ao nascer.

Essas pessoas adquiriram essa personalidade através da brutalidade e ignorância de seus pais e das pessoas ao seu redor (“parceiro” vem da “sociedade”). Existem aspectos de seu temperamento que tornam mais fácil para eles se tornarem assim, mas em um ambiente diferente eles provavelmente não teriam chegado a esse ponto.

Referências

  1. Manual Estatístico de Diagnóstico de Transtornos Mentais – V
  2. Butcher, JN, & Rouse, SV (1996). Personalidade: diferenças individuais e avaliação clínica. Annu Rev. Psychol., 47, 87-111.
  3. Lynam, DR, & Gudonis, L. (2005). O desenvolvimento da psicopatia. Annu Rev. Clin. Psychol., A, 381-407.

Deixe um comentário