Tratado de Maastricht: objetivos, signatários e efeitos na economia

O Tratado de Maastricht, assinado em 1992, foi um marco importante na história da União Europeia, estabelecendo os fundamentos para a criação da moeda única, o euro, e aprofundando a integração econômica e política entre os países membros. Os principais objetivos do tratado eram fortalecer a cooperação entre os países europeus, promover a estabilidade econômica e monetária e criar as bases para uma cidadania europeia.

Os signatários do Tratado de Maastricht foram os 12 países que na época compunham a Comunidade Econômica Europeia, sendo eles: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal e Reino Unido.

Os efeitos do Tratado de Maastricht na economia foram significativos, pois estabeleceu critérios rigorosos para a entrada na zona do euro, como a estabilidade dos preços, das taxas de juros e do déficit orçamentário. Isso levou os países signatários a adotarem políticas de austeridade e reformas estruturais para se enquadrarem nos critérios estabelecidos, o que teve impactos tanto positivos quanto negativos na economia desses países. No entanto, a criação do euro e a maior integração econômica entre os países membros contribuíram para o aumento do comércio, dos investimentos e da competitividade no bloco europeu.

Tratado de Maastricht: objetivos e importância na integração europeia no século XX.

O Tratado de Maastricht foi assinado em 1992 por países membros da Comunidade Econômica Europeia, com o objetivo de aprofundar a integração europeia e criar a União Europeia. Os principais signatários foram Alemanha, França, Itália, Países Baixos, Bélgica e Luxemburgo.

Os objetivos do Tratado de Maastricht eram estabelecer uma união econômica e monetária entre os países membros, promover a cooperação política e fortalecer a cidadania europeia. Além disso, o tratado criou as bases para a introdução do euro como moeda única dos países participantes.

Os efeitos do Tratado de Maastricht na economia europeia foram significativos. A introdução do euro facilitou o comércio e os investimentos entre os países membros, promovendo o crescimento econômico e a criação de empregos. Além disso, a estabilidade monetária proporcionada pela união econômica e monetária ajudou a fortalecer a posição da Europa no cenário internacional.

Em resumo, o Tratado de Maastricht foi um marco na história da integração europeia no século XX, estabelecendo as bases para a criação da União Europeia e promovendo a cooperação econômica e política entre os países membros.

Qual o bloco econômico formado a partir do Tratado de Maastricht?

O Tratado de Maastricht, assinado em 1992, foi um marco na União Europeia, criando a União Económica e Monetária (UEM) e estabelecendo a base para a moeda única, o Euro. A partir desse tratado, foi formado o bloco econômico conhecido como União Europeia, composto por países que concordaram em compartilhar políticas econômicas e monetárias para promover a integração e fortalecimento da região.

Os principais signatários do Tratado de Maastricht foram os países membros da então Comunidade Econômica Europeia (CEE), que mais tarde se tornou a União Europeia. Com a assinatura desse tratado, os países se comprometeram a seguir critérios de convergência econômica, como manter a inflação baixa, controlar o déficit público e a dívida, entre outros.

Os efeitos na economia dos países membros da União Europeia foram significativos. A introdução do Euro como moeda única facilitou o comércio e as transações financeiras entre os países, promovendo o crescimento econômico e a estabilidade na região. Além disso, a união monetária permitiu uma maior integração dos mercados financeiros e uma maior coordenação das políticas econômicas dos países membros.

Em resumo, o Tratado de Maastricht foi um passo importante na história da União Europeia, criando a base para a formação de um bloco econômico forte e integrado, que promove a cooperação e o desenvolvimento econômico dos países membros.

Quais nações firmaram o Tratado de Maastricht?

O Tratado de Maastricht foi assinado em 1992 por doze países da Comunidade Económica Europeia, agora conhecida como União Europeia. Os países signatários foram Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal e Reino Unido.

Relacionado:  Coatlicue: história, significado e imagens

O principal objetivo do Tratado de Maastricht era a criação de uma União Económica e Monetária na Europa, com a introdução de uma moeda única, o Euro. Além disso, o tratado estabeleceu os critérios de convergência econômica que os países membros deveriam cumprir para adotar o Euro como sua moeda.

Os efeitos na economia dos países signatários foram significativos, com a criação de um mercado único e a livre circulação de bens, serviços, pessoas e capitais. A introdução do Euro facilitou o comércio entre os países membros e promoveu a estabilidade econômica na região.

Objetivos econômicos e políticos da União Europeia: um panorama abrangente e esclarecedor.

O Tratado de Maastricht: assinado em 1992, foi um marco importante na história da União Europeia, estabelecendo objetivos econômicos e políticos que visavam fortalecer a integração europeia. Os principais signatários foram os países membros da Comunidade Europeia, que se comprometeram a promover a cooperação econômica e política entre si.

Em termos econômicos, o Tratado de Maastricht tinha como objetivo principal a criação de uma moeda única para os países membros, o Euro. Isso implicava a convergência das políticas econômicas dos países, a fim de garantir a estabilidade financeira e promover o crescimento econômico. Além disso, o Tratado estabeleceu critérios de convergência econômica, como limites para o déficit orçamentário e a dívida pública, com o intuito de garantir a solidez da União Econômica e Monetária.

Do ponto de vista político, o Tratado de Maastricht tinha como objetivo fortalecer a cooperação entre os países membros em diversas áreas, como segurança, justiça e política externa. Isso incluía a criação de instituições supranacionais, como o Parlamento Europeu e a Comissão Europeia, que tinham o poder de tomar decisões em nome da União Europeia.

Os efeitos do Tratado de Maastricht na economia foram significativos. A introdução do Euro como moeda única facilitou o comércio entre os países membros, reduzindo os custos de transação e estimulando o crescimento econômico. Além disso, a convergência das políticas econômicas dos países contribuiu para a estabilidade financeira da União Europeia, evitando crises econômicas e promovendo o desenvolvimento sustentável.

Em resumo, o Tratado de Maastricht foi um passo importante na integração europeia, estabelecendo objetivos econômicos e políticos que visavam fortalecer a União Europeia como uma entidade coesa e próspera. Seus efeitos na economia foram positivos, promovendo o crescimento e a estabilidade financeira na região, e contribuindo para a criação de um mercado único europeu.

Tratado de Maastricht: objetivos, signatários e efeitos na economia

O Tratado de Maastricht ou tratado da União Europeia é uma das convenções mais importantes que foram feitas na organização desta união de países. Este contrato foi assinado em 7 de fevereiro de 1992 e começou a ser aplicado a partir de novembro do ano seguinte.

O principal objetivo deste tratado – considerado um dos pilares desta organização – era construir, através de uma série de acordos, uma união muito mais estreita entre os países que compõem o continente europeu, a fim de alcançar objetivos. comum em benefício da maioria dos países e cidadãos.

Tratado de Maastricht: objetivos, signatários e efeitos na economia 1

O Tratado de Maastricht é considerado a base fundamental da União Europeia. Fonte: pixabay.com

Portanto, esse acordo significou uma nova etapa nos processos políticos da União Europeia, pois buscava tomar decisões tão abertas e próximas dos cidadãos comuns, dentro de possibilidades e limites legais.

Este tratado baseia-se nos valores do respeito pela dignidade humana, democracia, igualdade, liberdade e Estado de Direito; Esta categoria inclui os direitos de todos os cidadãos, especificamente os pertencentes a minorias marginalizadas.

Outro objetivo estabelecido neste tratado foi a busca de promover a paz geral; Também busca promover os valores, a proteção e o bem-estar das pessoas, respeitando a cultura e as inclinações de cada uma delas.

Este acordo também permite a livre circulação de pessoas de nacionalidade européia no continente; No entanto, essa circulação deve ser regulada por medidas adequadas para evitar o caos e o crime entre os países da UE.

Relacionado:  Tratado de San Ildefonso: Causas e Consequências

Além disso, o Tratado de Maastricht estabelece as políticas necessárias para fortalecer o mercado interno, buscando o crescimento de uma economia equilibrada e o equilíbrio de preços. A União Europeia determinou que era necessário promover um mercado competitivo que favorecesse o emprego e o progresso social.

O que é o Tratado de Maastricht?

Tratado de Maastricht: objetivos, signatários e efeitos na economia 2

O Tratado de Maastricht consiste em um acordo que modificou os tratados europeus previamente estabelecidos com o objetivo de criar uma União Europeia baseada em três bases fundamentais.

Estas bases são as comunidades europeias, a cooperação nos domínios da justiça e assuntos internos (JAI) e a política externa e de segurança comum (PESC).

Com essas modificações, a extensão da União Européia foi ampliada. Da mesma forma, graças ao Tratado de Amsterdã (realizado posteriormente), procurou-se garantir o funcionamento efetivo e democrático da extensão proposta no tratado anterior.

O Tratado da União Européia teve que passar por três revisões antes de chegar ao postulado final; Essas revisões são conhecidas como Tratado de Amsterdã, Tratado de Nice e Tratado de Lisboa, sendo esta última a modificação definitiva.

Tendo em conta o tratado de Lisboa, pode-se estabelecer que o acordo de Maastricht procurou relembrar os principais objetivos da União Europeia, bem como suas origens e valores.

Além disso, este acordo se concentra nos elementos essenciais da organização, como o aprofundamento do caráter integral e a solidariedade que deve ser mantida entre os diferentes estados europeus.

Da mesma forma, este tratado lembra a importância do respeito pelos direitos dos cidadãos e da variedade cultural; Esses conceitos são estritamente considerados de natureza democrática.

Poderes estabelecidos no tratado

Neste acordo da União Europeia, foram estabelecidas uma série de competências que constituem três pilares fundamentais, conforme estabelecido nos parágrafos anteriores. São eles: a comunidade europeia, a PESC e a JAI.

Para manter a ordem dentro dessas três bases principais, era necessária cooperação intergovernamental; Isso foi alcançado através da participação de instituições comuns e de alguns elementos relacionados ao campo supranacional.

Por outras palavras, exigia a participação da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu.

Objetivos

Cada base do Tratado de Maastricht tem uma série de objetivos a serem cumpridos, sendo estes os seguintes:

Objetivo da Comunidade Europeia

A Comunidade Européia tinha o objetivo de garantir o bom funcionamento do mercado, bem como garantir o desenvolvimento equilibrado, suportável e harmonioso das diferentes atividades realizadas pelo setor econômico. Deve também garantir um alto nível de emprego e oportunidades iguais de emprego entre mulheres e homens.

Estes objetivos foram definidos no Tratado que institui a Comunidade Europeia (TEC); foram estabelecidos nos artigos 3, 4 e 5 do referido contrato.

Objetivo da política externa e de segurança comum (PESC)

Nos termos do tratado, a União Europeia deve implementar uma política externa e de segurança baseada em um método intergovernamental; Dessa forma, os estados pertencentes à organização são obrigados a apoiar os parâmetros estabelecidos, orientados pela solidariedade, lealdade e valores comuns.

Da mesma forma, esse pilar procurou garantir a promoção da cooperação internacional e também despertou interesse no respeito pelos direitos humanos e na consolidação da democracia.

Cooperação nos domínios da justiça e assuntos internos (JAI)

Um dos objetivos estabelecidos no Tratado de Maastricht foi a elaboração de uma ação comum nos campos da justiça e assuntos internos.

O objetivo é oferecer aos cidadãos um alto desempenho em termos de proteção em um espaço integrado por segurança, liberdade e justiça.

As implicações do exposto acima são que a UE teve que implementar uma série de regras de travessia nas fronteiras externas e fortalecer os controles. Também foi dada ênfase à luta contra o terrorismo, o tráfico de drogas e o crime, foi feita uma tentativa de erradicar a imigração irregular e uma política comum de asilo foi implementada.

Relacionado:  Francisco Carvajal: Biografia, Governo e Contribuições

Signatários

A União Europeia é composta por vários países representados por seus respectivos governantes, que têm o dever de ouvir as diferentes propostas que buscam o benefício comum dos Estados e de seus cidadãos.

Em 1992, não havia muitos países membros da União Europeia; portanto, apenas alguns dos principais representantes que compõem esta organização assinaram hoje. Os signatários do Tratado de Maastricht foram os seguintes:

-O rei dos belgas.

-A rainha da Dinamarca.

-O presidente da República Federal da Alemanha.

-O presidente da Irlanda.

-O presidente da República Helênica.

-O rei da Espanha.

-O Presidente da República Francesa.

-O Presidente da República Italiana.

-O Grão-Duque do Luxemburgo.

-A rainha da Holanda.

-O Presidente da República Portuguesa.

-A rainha do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.

Consequentemente, os países que assinaram o tratado foram Bélgica, Irlanda, Alemanha, Dinamarca, França, Espanha, Grécia, Itália, Holanda, Luxemburgo, Portugal e Reino Unido.

Outros países como Finlândia, Áustria, Suécia, Chipre, Eslovênia, República Tcheca, Eslováquia, Hungria, Estônia, Lituânia, Malta, Polônia e Letônia foram incorporados em 1995.

Posteriormente, em 2007, a Romênia e a Bulgária assinaram; Finalmente, a Croácia foi anexada ao Tratado da União Europeia, em 2013.

Impacto na economia

Uma das principais abordagens da União Européia, abordada no Tratado de Maastricht, foi o estabelecimento de bases comuns para contribuir para o desenvolvimento econômico.

Portanto, a incorporação da solidariedade coletiva foi essencial para realizar as ações necessárias que favoreciam o bem comum.

Apesar da busca da União Européia por facilitar empregos e contribuir para o crescimento econômico das nações, após a assinatura do tratado em 1992, o cenário europeu foi ofuscado por uma série de crises que retardaram os impulsos positivos da UE.

Por exemplo, durante as décadas seguintes, a taxa de desemprego disparou, o que significava que os governos tinham que se dedicar a resolver sua própria crise nacional, deixando de lado a solidariedade e a construção coletiva exigidas no tratado.

Além disso, foram desencadeadas tensões monetárias terríveis, que resultaram no estabelecimento do Sistema Monetário Europeu e no surgimento da UEM (União Econômica e Monetária).

Ação limitada

Por fim, segundo alguns especialistas, a União Europeia não estava à altura da solução dos problemas correspondentes à introdução da política externa e da segurança.

Isso pode ser exemplificado especificamente pelo caso da crise da Iugoslávia, que facilitou a entrada da guerra no continente europeu e encerrou as décadas de paz.

Apesar disso, a importância deste tratado não pode ser negada na Comunidade Européia, pois permitiu a abertura entre os diferentes países que compõem o Velho Continente.

Da mesma forma, facilitou as negociações econômicas dos Estados e a transferência de cidadãos de nacionalidade européia para o território, dando-lhes mais oportunidades.

Referências

  1. (SA) (2010) “Tratado da União Europeia”. Retirado em 17 de março de 2019 da UE Europa: europa.eu
  2. (SA) (2010) “Versão consolidada do Tratado da União Europeia”. Retirado em 17 de março de 2019 do Jornal Oficial da União Europeia: boe.es
  3. (SA) (2019) “Os tratados de Maastricht e Amsterdã”. Recuperado em 17 de março de 2019 do Parlamento Europeu: europarl.europa.eu
  4. Canalejo, L. (sf) “A revisão do tratado de Maastricht. Conferência intergovernamental de Amsterdã ”. Retirado em 17 de março de 2019 de Dialnetl: dialnet.com
  5. Fonseca, F. (sf) “A União Europeia: Genesis de Maastricht”. Retirado em 17 de março de 2019 de Dialnet: dialnet.com
  6. Orts, P. (2017) “O Tratado de Maastricht faz 25 anos.” Retirado em 17 de março de 2019 de BBVA: bbva.com

Deixe um comentário