Vertigem periférica: sintomas, causas e tratamento

A vertigem periférica é o tipo mais comum de vertigem. São episódios caracterizados por tonturas, perda de equilíbrio e zumbido nos ouvidos. O paciente pode sentir como se o ambiente estivesse se movendo, girando em torno dele ou como se tudo estivesse inclinado para um lado.

Geralmente, a vertigem periférica é causada por um problema no ouvido interno, que controla o equilíbrio.É importante notar que esse tipo de vertigem não é uma doença em si; pelo contrário, é um sintoma que reflete alguma condição médica subjacente.

Vertigem periférica: sintomas, causas e tratamento 1

As crises que ocorrem nessa condição aparecem e desaparecem abruptamente. Em termos de duração, é relativamente curto (permanecendo de alguns minutos a várias horas).

Para o diagnóstico de vertigem periférica, são observados movimentos oculares e oscilações corporais. Normalmente, é realizado um exame neurológico.

Uma vez diagnosticada essa condição, o tratamento visa aliviar os sintomas com medicamentos, realizar exercícios específicos para o sistema vestibular e tratar as causas que produziram vertigem periférica.

Sintomas de vertigem periférica

A vertigem periférica é uma sensação semelhante à que você sente depois de andar em uma atração de feira como a montanha-russa. Tudo parece girar em torno do paciente. Isso resulta em náusea, vômito, suor frio, diminuição da pressão arterial, palidez ou bradicardia (diminuição da freqüência cardíaca).

Esses sintomas aumentam quando a cabeça se move, pois, como mencionado, há algum envolvimento do ouvido interno. Portanto, a vertigem periférica pode ser acompanhada de sintomas cocleares. Esses sintomas são caracterizados por:

– Zumbido: consiste em um fenômeno perceptivo em que o toque ou o toque é ouvido nos ouvidos que não provêm do ambiente externo.

– Perda auditiva: é uma diminuição na capacidade de perceber sons.

– Sensação de pressão nos ouvidos.

No entanto, esses sintomas cocleares nem sempre estão presentes. Pelo contrário, um sintoma muito definidor da vertigem periférica é o nistagmo. Estes são déficits para focalizar o olhar, observando movimentos rápidos dos olhos de um lado para outro involuntariamente.

Outros sintomas são dores de cabeça, perda de equilíbrio, dificuldades de audição e visão e sensação de ser empurrado de um lado para o outro.

Causas

A maioria dos casos de vertigem periférica é causada por algum tipo de condição no ouvido interno, que regula o equilíbrio. Especificamente alguma alteração em uma das estruturas que formam o sistema vestibular.

As causas mais comuns que causam problemas no ouvido interno e associadas à vertigem periférica são vertigem posicional paroxística benigna (VPPB) benigna, neuronite vestibular, doença de Ménière e labirintite.

Vertigem posicional paroxística benigna (VPPB)

Esta é a causa mais comum de vertigem periférica. Nessa condição, os depósitos de cálcio se formam no fluido que está dentro de uma parte do ouvido interno chamada canais semicirculares.

Portanto, quando a cabeça se move, a vertigem aparece, pois esses pequenos cristais estimulam os “pêlos” finos que cobrem o ouvido interno. Isso causa confusão no cérebro, produzindo tonturas e tonturas.

A vertigem posicional paroxística benigna pode ser devida ao envelhecimento normal do sistema vestibular, alguma lesão no ouvido interno, labirintite, problemas de circulação na artéria que irriga essa área, medicamentos, enxaqueca etc.

A primeira vez que foi descrita foi em 1921 pelo médico Robert Bárány. Aparentemente, aproximadamente 2,5% da população sofre dessa condição em algum momento de sua vida. Principalmente durante a velhice. Além disso, parece ser mais frequente em mulheres do que em homens.

O tratamento da vertigem posicional paroxística benigna é baseado em exercícios para reposicionar os cristais da orelha interna. Esse método é conhecido como manobra de Epley e pode ser realizado pelo paciente em casa, com indicações previamente descritas pelo médico.

No entanto, na maioria das vezes, esse distúrbio desaparece apenas em alguns dias ou semanas. No entanto, se nunca for tratado, é comum reaparecer.

Neuronite vestibular

A neuronite vestibular ou neurite é causada por uma infecção transmitida no nervo vestibular. Isso geralmente aparece após uma infecção viral, como um resfriado ou gripe. Essa condição aparece de repente e pode durar cerca de duas ou três semanas. Alguns dos sintomas são: dor de ouvido, instabilidade, náusea e até vômito.

No entanto, nessa condição, a capacidade auditiva é preservada, diferentemente da labirintite.

O tratamento está focado na redução dos sintomas e do vírus subjacente. Muitas vezes é acompanhada de reabilitação vestibular, ou seja, controle postural ou exercícios oculares quando a posição da cabeça é alterada.

Labirintite

Essa condição é caracterizada pela inflamação de uma área do ouvido interno chamada labirinto. Geralmente aparece devido a uma infecção de vírus ou bactérias. Portanto, é comum surgir após febre, gripe ou alergia. Causa vertigem periférica, dor de ouvido e diminuição da capacidade auditiva e zumbido nos ouvidos.

Os tratamentos também visam aliviar os sintomas. Também é recomendado evitar dirigir veículos, operar máquinas e evitar luzes brilhantes, como as da televisão ou de telefones celulares.

Doença de Ménière

A doença de Ménière começa afetando um ouvido. Em muitos pacientes, após algum tempo, o problema se estende para o outro ouvido. Geralmente ocorre em pessoas entre 40 e 60 anos, embora qualquer pessoa possa sofrer.

A causa exata desta doença é desconhecida, embora se acredite que possa estar relacionada a um fluido encontrado no ouvido interno, chamado endolinfa. Especificamente, parece haver um acúmulo desse líquido, causando pressão no ouvido interno.

Verificou-se que pode haver fatores que o desencadeiam, como ingestão de sal, cafeína, álcool ou estresse.

Os episódios de vertigem periférica nesta doença aparecem abruptamente e podem durar até 24 horas. A vertigem é geralmente tão grave que causa náusea e vômito.

Além da vertigem periférica, esta doença causa perda auditiva flutuante, dor de ouvido, dor de cabeça, dor abdominal ou diarréia.

É tratado com medicamentos diuréticos para remover o excesso de líquidos e outros medicamentos para diminuir os sintomas.

Outras causas

Outras causas possíveis de vertigem periférica são doenças autoimunes da orelha interna, fístula perilinfática ou síndrome de deiscência do canal semicircular superior. Neste último, há uma lesão no osso que cobre o canal semicircular do ouvido interno.

No entanto, é importante destacar que episódios de vertigem periférica transitória causada por enjôo (quando viaja em um carro, em um navio ou em um avião), envenenamento por certas substâncias (chumbo ou arsênico), certas drogas, drogas ou para enxaqueca.

Diagnóstico

Para diagnosticar vertigem periférica, existem várias técnicas. Um único teste geralmente não é significativo, é melhor combinar vários.

Primeiro, o médico pode examinar os ouvidos para verificar se há sinais de infecção. Você também pode executar testes de audição, equilíbrio ou recomendar testes de varredura como ressonância magnética. Este último teste é útil para descartar outras causas de vertigem relacionadas ao pescoço ou ao cérebro.

P rueba de Romberg

Um dos testes mais utilizados é o teste de Romberg. Para começar, o paciente é solicitado a ficar com os pés juntos. O examinador verificará se a pessoa permanece reta ou tem oscilações. Ele é solicitado a fechar os olhos, embora seja necessário tomar cuidado, pois o paciente pode se mover de lado ou até cair no chão.

L ateropulsão

Um sinal de vertigem periférica seria a opulsão posterior. Ou seja, uma tendência involuntária de inclinar o corpo para o lado.

P rueba de Unterberger

Outro teste é o teste de Unterberger, usado para observar se há um desvio lateral do corpo durante a caminhada.

Nistagmo

O diagnóstico de vertigem periférica é confirmado por movimentos oculares rápidos, ou seja, com nistagmo. Observa-se principalmente que os olhos involuntariamente se desviam para o ouvido saudável.

Para explorar a existência de nistagmo, o paciente deve estar sentado. O examinador colocará o dedo a cerca de 50 centímetros do nariz do paciente e deve seguir os movimentos do examinador, que primeiro os moverá para frente; e depois à direita, esquerda, para cima e para baixo.

Os movimentos oculares também podem ser observados alterando a posição da cabeça ou agitando a cabeça de um lado para o outro.

Teste de Halmagyi

Outro teste amplamente utilizado é o teste de Halmagyi ou teste rápido de impulso da cabeça. Neste teste, o examinador move rapidamente a cabeça do paciente de um lado para o outro com força, para ver se os olhos tendem a olhar na mesma direção.

Um paciente com vertigem periférica não será capaz de executar movimentos compensatórios dos olhos, sendo incapaz de corrigi-los em um ponto durante o movimento da cabeça.

Dix-Hallpike M aniobra

Outro teste semelhante é a manobra de Dix-Hallpike. A cabeça do paciente também é movida enquanto muda de posição, deitando-se e levantando-o. Este teste é essencial para diagnosticar vertigem do tipo posicional beningno paroxístico. Serve para verificar a existência de nistagmo, além de náusea e tontura.

Tratamento

Para tratar a vertigem periférica, a melhor opção é intervir na condição que a causa. Assim como o tratamento farmacológico dos sintomas, a fisioterapia e a educação do paciente devem seguir certas recomendações diariamente.

Plaza Mayor, Onrubia e Hernández Carnicero (2009) afirmam que existem 4 componentes para o tratamento de pacientes com distúrbios de equilíbrio e vertigem:

– Informar e tranquilizar o paciente.

– Medicação para os sintomas de vertigem, náusea ou vômito.

– Tratamento para intervir nos fatores causais da vertigem.

– Reabilitação vestibular.

O tratamento deve ser individualizado para cada caso, de acordo com a causa da vertigem e o desenvolvimento da doença. Como a vertigem é um sintoma muito irritante, que geralmente causa ansiedade e preocupação, é importante acalmar e informar o paciente, bem como dar uma breve explicação sobre sua condição e o funcionamento do sistema vestibular.

Medicamentos anti-inflamatórios

Para aliviar os sintomas, medicamentos anti-inflamatórios às vezes podem ser úteis. Acima de tudo, se as causas são neuronite vestibular, labirintite ou doença de Ménière.

Os tratamentos farmacológicos costumam aliviar os sintomas, principalmente manifestações como náusea e vômito. No entanto, eles não eliminam o problema. Por isso, é importante evitar ao máximo esses medicamentos, pois eles podem criar dependência.

Os medicamentos mais comumente usados ​​são sedativos vestibulares que diminuem a atividade dos neurônios nos núcleos vestibulares da orelha. Dentro deste grupo estão anti-histamínicos, neurolépticos antidopaminérgicos ou benzodiazepínicos.

Outras drogas são antieméticos, que também têm um efeito de sedação vestibular.

O tratamento farmacológico também varia dependendo da causa subjacente da vertigem periférica. Dessa forma, se houver alguma infecção no ouvido, antibióticos podem ser prescritos.

Um medicamento chamado Betahistine pode ser prescrito para pacientes com doença de Ménière. Este medicamento ajuda a reduzir a pressão causada pelo acúmulo de líquido no ouvido.

Rest

Quando a vertigem periférica é muito intensa, é necessário que o paciente descanse na cama e receba fluidoterapia intravenosa.

Reabilitação vestibular R

Por outro lado, a reabilitação vestibular consiste em uma série de exercícios que ajudam a pessoa a manter a estabilidade postural e visual. O médico recomendará e explicará os melhores exercícios para cada caso, embora geralmente consistam em habituação vestibular (faça movimentos que produzem vertigem duas ou três vezes ao dia até que os sintomas diminuam).

Outros exercícios e terapias

Outros exercícios são baseados no foco do olhar em um ponto específico, enquanto move a cabeça de um lado para o outro.

Às vezes, recomenda-se fisioterapia com um fisioterapeuta para melhorar o equilíbrio. Dessa maneira, o cérebro aprenderia a compensar problemas no ouvido interno.

Cirurgia

Nos casos graves e persistentes em que todas as técnicas acima foram tentadas, a cirurgia pode ser recomendada. Isso envolve a remoção de parte ou de todo o ouvido interno.

Referências

  1. García de Hombre, AM (2006). Paciente com vertigem, situação frustrante para o médico e o paciente. In Annals of Internal Medicine. 23, 6: 299-299.
  2. Como gerenciar a vertigem periférica. (26 de abril de 2016). Obtido em Verywell: verywell.com.
  3. Sinto-me tonto: vertigem periférica. (29 de outubro de 2015). Obtido em Healthline: healthline.com.
  4. Mayor, GP, e Onrubia, T. (2009). Diagnóstico e tratamento da vertigem periférica. Janus: Medicine and humanities, (1749), p. 46.
  5. Síndrome de Deiscência do Canal Superior. (sf). Retirado em 31 de janeiro de 2017, da Cleveland Clinic: clevelandclinic.org.
  6. Tipos de vertigem. (sf). Recuperado em 31 de janeiro de 2017, de Webmd: webmd.com.
  7. Vertigem periférica. (sf). Recuperado em 31 de janeiro de 2017, de Montpellier: montpellier.com.ar.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies