Virtualidade teatral: em que consiste e elementos

A virtualidade teatro é a capacidade intrínseca de todo o texto dramático para ser representado no palco, ou seja, para se tornar uma peça. Precisamente, essa é uma das principais características que distinguem o gênero literário dramático da narrativa (romances, histórias, lendas, fábulas) e a letra (odes, elegias, eclogues).

Nesse sentido, a noção de virtualidade teatral está relacionada aos conceitos de texto dramático e texto teatral. Nesse ponto, vale a pena revisar a origem etimológica das palavras drama e teatro. O primeiro vem do grego dran , que traduz “do” ou “act”, e o segundo vem de theatron , também um termo grego que significa “lugar para ver”.

Virtualidade teatral: em que consiste e elementos 1

Assim, os dramaturgos concebem suas obras para serem representadas. Portanto, seus textos contêm indicações muito ricas, embora gerais, de como devem ser encenadas. Isso o faz apresentar dois níveis com diferentes graus de estabilidade: o texto manifestado verbalmente (mais ou menos estável) e o componente cênico (variável).

Quanto ao texto teatral, ele tem uma relação mais próxima com produção e atuação. A virtualidade teatral se materializa nesses espaços. Na encenação, existem elementos explicitamente exigidos pelo texto literário ou claramente implícitos. Mas também há elementos adicionados pela produção.

Qual é a virtualidade teatral?

Talvez um dos elementos do drama em que você possa apreciar melhor qual é a virtualidade teatral nas dimensões ou nas instruções cênicas. Tradicionalmente, o dramaturgo os escreve para informar os leitores sobre vários detalhes da montagem de seu trabalho.

Entre eles estão o período de tempo, as considerações estabelecidas, os requisitos de produção, as entradas e saídas, a ação cênica e as interpretações das linhas.

Em alguns casos, eles também fornecem informações sobre o estilo e o tom do trabalho.Além disso, eles oferecem orientação e inspiração para a equipe criativa.

Relacionado:  Marqués de Santillana: Biografia e Obras

Por outro lado, deve-se notar que estes não foram escritos para serem pronunciados em voz alta em uma produção completa. Essas instruções têm um formato diferente do diálogo e, embora não existam regras uniformes, elas geralmente são escritas em itálico e geralmente entre parênteses.

Elementos

Existem vários elementos técnicos que contribuem para a virtualidade teatral. Em grande parte, esses elementos determinam as possibilidades de um texto dramático se tornar um texto teatral. Em seguida, alguns deles serão descritos.

Act

Um ato é a parte do trabalho que ocorre entre interrupções. É a maior divisão do seu script e consiste em um grupo unificado de atividades. O ato contém divisões menores, como fotos e cenas.

Agora, obras modernas de longo prazo têm dois ou três atos. A estrutura em dois atos é mais popular porque uma pequena interrupção permite ao dramaturgo tornar a ação mais intensa.

No passado, a forma de cinco atos era o padrão, mas já está desatualizada. A estrutura de quatro atos nunca se materializou.

Scene

As cenas são segmentos tradicionais em textos dramáticos e cumprem várias funções. Isso pode indicar mudanças no tempo, mudanças no local, saltos de um subquadro para outro, introdução de novos personagens e reorganização dos atores no palco.

Por outro lado, as cenas não têm uma duração pré-estabelecida. Estes podem durar alguns minutos ou até o ato inteiro. Nas peças contemporâneas, é comum que a mudança entre as cenas seja indicada visualmente, geralmente fazendo alterações na iluminação. Mas estes também podem ser distinguidos pela entrada e saída dos atores.

Pinturas

As pinturas são ótimas sequências dentro das estruturas dramáticas. Sua superfície é muito mais vasta e seus contornos mais imprecisos do que os das cenas.

Relacionado:  Forragem: origem, produtos, como colocar um

Elas estão relacionadas às importantes mudanças de espaço, ambiente ou tempo. Como regra geral. Eles significam grandes mudanças no cenário.

Dimensionamento

As dimensões detalham os detalhes da preparação do trabalho. Entre outros, eles dizem aos atores onde se sentar, ficar em pé, se mover, entrar e sair.

Além disso, eles podem ser usados ​​para dizer a um ator como moldar sua performance. Essas notas podem descrever como o personagem se comporta física ou mentalmente e são usadas pelo dramaturgo para orientar o tom emocional da peça. Alguns scripts também contêm notas sobre iluminação, música e efeitos sonoros.

Nesse sentido, os dramaturgos abordam essas dimensões de várias maneiras. Alguns descrevem as instruções do estágio em grande detalhe. Outros escritores se concentram mais na ação no palco.

Alguns dramaturgos especificam como certas linhas devem ser interpretadas colocando um advérbio antes de uma linha de diálogo, como “furtivamente”.

Da mesma forma, algumas dessas instruções podem se tornar novas, poéticas ou não convencionais. Nesse caso, eles podem representar grandes desafios para a leitura.

Historicamente, as instruções da cena nos roteiros publicados foram retiradas do livro de orientação do diretor de cena. Atualmente, a quantidade, o conteúdo, o estilo e o formato dos trabalhos publicados são prerrogativas dos dramaturgos, com contribuições ocasionais do editor.

Apart

As seções são as intervenções dos personagens em voz alta e perante o público, mas não são “ouvidas” pelos outros atores.

Ao revelar o pensamento desses personagens, eles cumprem a função de descobrir suas verdadeiras intenções. Além disso, eles servem para o espectador estabelecer uma certa cumplicidade com os atores.

Referências

  1. Ferris, L. (2017). A Arte do Agora: Introdução ao Teatro e Performance. Ohio: Departamento de Teatro da Universidade Estadual de Ohio
  2. Villegas, J. (2005). História multicultural do teatro e da teatralidade na América Latina. Buenos Aires: Galerna Editorial.
  3. Culpeper, J.; Short, M. e Verdonk, P. (editores) (2002). Explorando a linguagem do drama: do texto ao contexto. Londres: Routledge.
  4. Pfister, M. (1991). A teoria e análise do drama. Nova York: Cambridge University Press.
  5. Urbinati R. (2016). Reproduzir leituras: um guia completo para praticantes de teatro. Burlington: Imprensa Focal.
  6. Catron, LE e Bert, NA (2017). Os elementos da dramaturgia. Illinois: Waveland Press.
  7. Garcia del Toro, A. (2011). Teatralidade: como e por que ensinar textos dramáticos. Barcelona: Grao.
  8. Del Moral, R. (2014). Retórica: Introdução às artes literárias. Madri: Editorial Verbum.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies