40 Palavras em Kichwa: Origens e Presente da Língua

40 Palavras em Kichwa: Origens e Presente da Língua

Deixo uma lista de palavras em Kichwa ou Quichua, uma língua cuja origem está nos Andes centrais da América do Sul, conhecida como a linguagem adaptada para a comunicação entre a população de Tahuantinsuyanos. Diz-se que Kichwano tem vínculos comprovados com outras famílias de idiomas.

Atualmente, o Kichwa ou o Quichua são falados por cerca de 7 milhões de pessoas no Peru, Equador, Colômbia e Bolívia. A população de Kichwa é composta por dezesseis aldeias na Sierra de los Andes, com o Kichwasu como língua oficial, e diz-se que sobreviveu ao longo do tempo. Essas línguas são usadas entre os habitantes de acordo com a idade, área geográfica e período. 

Você pode também estar interessado nessas palavras em Nahuatl .

Palavras da língua Kichwa

1- Mmashi: amigo

2- Kawsay: casa

3- Sumak: bonita

4- Tuta: noite

5- wawa: criança

6- Wata: ano

7- Kari: homem

8- Warmi: mulher

9- Kayakaman: até amanhã!

10- Puncha: dia

11- Kikin: você

12- Mashna: Quanto?

13- Nuka: eu

14- Mikuna: comida

15- Ilakta: cidade

16- Maypi: Onde?

17- Inti: Dom

18- Armhole: flor

19- Kaspi: vara

20- Huasi: casa

21- Pungu: porta

22- Billa: cidade

23- Mashi: companheiro

24- Sara: milho

25- Cucha: lago

26- Alpa: terra

27- Hallu: língua

28- Chiri: frio

29- Llachapa: roupas

30- Pirka: parede

31- Manay: doença

32- Shungu: coração

33- Tullu: osso

34- Lulum: ovo

35- Hujaltu: eucalipto

36- Jirro: ferro

37- Kunug: quente

38- Alku: cachorro

39- Misi: gato

40- Micha: luz

História da língua Kichwa

A história conta que Frei Domingo de Santo Tomás, durante sua missão no Peru, aprendeu a língua Runasini a se comunicar em sua evangelização com os nativos da região central conhecida como Qichwa, devido à sua altitude e calor climático, depois pregando em seu próprio idioma.

Em seu relacionamento com os nativos, ele percebeu que, quando perguntado o nome de sua língua, eles responderam a Qichwa e não a Runasini, o que resultou posteriormente em suas publicações afirmando que essa era a língua geral do Peru, sendo adotada até nossos dias.

Essa língua kichwa, em sua morfologia, tem uma origem regular que dá origem à formação de palavras não publicadas, ao não uso de artigos, conjunções e à não distinção de gêneros linguísticos.

Sua riqueza está na multiplicidade do dialeto, ou seja, nas comunidades existem palavras únicas e de entonação diferente, que permitem relacionar algo de diferentes maneiras.

Presente

Esse idioma continua sendo falado em países como Peru, Bolívia, norte do Chile, norte da Argentina, Colômbia e Equador. Além disso, seu uso se espalhou nos Estados Unidos e na Espanha graças ao grande número de migrantes . É considerada uma das línguas mais importantes da América do Sul por seu uso em mais de 7 milhões de habitantes.

Isso originou a Educação Intercultural Bilíngue nos países mencionados. No espaço acadêmico, esse idioma ocupa grandes áreas em universidades alternativas e interculturais, o que contribuiu para o fortalecimento e o progresso desse idioma.

Esse idioma varia de acordo com a região em que é falado, por exemplo, não possui as vogais e o seu alfabeto tem 15 consoantes e 3 vogais. É conhecida como uma linguagem vinculativa para a união de várias palavras, ou seja, a união de vários conceitos em uma palavra.

O fato de a nova educação em línguas indígenas considerar que ocorre em espaços agrícolas, artesanais ou de reunião, foi considerada uma grande conquista no desenvolvimento da identidade cultural, baseada no uso da língua indígena, do espanhol e do espanhol. a prática de valores.

Existem centros acadêmicos como a Universidade Andina Simón Bolívar e grupos universitários, que entre seus currículos de estudo incluem o estudo da língua e da cultura Kichwa, como forma de conscientizar a população, o que trouxe como conseqüência que alguns povos indígenas do novo gerações estão interessadas em resgatar sua língua original.

Linguagem escrita

Quanto à produção escrita, entre as décadas de 1960 e 1970, destacaram-se vários estudiosos, como Fray Domingo de Santo Tomás e Luis Enrique López, entre outros, que estudaram essa língua em profundidade e fizeram diferentes publicações, o que ajudou a avançar em universidades interculturais.

Atualmente, possui bibliografias escritas em Kichwa, como dicionários, histórias, músicas e módulos para aprender facilmente esse idioma.

Graças à implementação da Educação Bilíngue Intercultural, os alunos do primeiro ao sétimo ano têm livros didáticos em todo o idioma Kichwa.

No aspecto político, a língua Kichwa é o principal elo de comunicação entre os diferentes grupos organizados e os habitantes das cidades para obter uma participação analítica e reflexiva sobre os diferentes tópicos de interesse coletivo.

Tradições e organização

Na esfera religiosa, o povo indígena mantém a missão sagrada da natureza, cuidando de árvores, pedras, montanhas e lagos. Nas montanhas, é comum encontrar altares feitos de pedras ao lado da estrada, chamados “apachitas”, e é muito comum entre suas crenças adorar a divindade chamada Jatum Pacha Kamak.

As principais tarefas de Kichwa se destacam em ritos, festivais, artes, medicina, construção de casas, alimentos e bebidas; muitos deles apreciam seu conhecimento da medicina tradicional e o uso de ervas medicinais, governadas por um xamã.

Em relação à comunicação interna e externa entre as comunidades, são mantidas suas próprias formas, entre as quais encontramos o churo para realizar reuniões entre vizinhos. Como curiosidade, para demonstrar a força de seus povos, eles usam o grito “shukshunkulla”.

Na saúde, existe uma crença nos povos indígenas que surgem quando a harmonia é quebrada entre os seres humanos e as coisas criadas por Deus. Eles confiam que a “pacha mama” purificará e removerá todos os males.

Eles sustentam que os serviços públicos de saúde melhoram se tiverem melhor comida, água potável, manutenção da medicina tradicional ou construção de centros de saúde, entre outros.

As casas mantêm sua influência em termos de projeto e fabricação; no entanto, seu interesse em preservar os estilos originais e os materiais de construção diminuiu. Em vez disso, constroem suas casas com concreto que consiste em misturar cimento, areia, cascalho e água, mantendo funções tradicionais do espaço interior.

No campo da consciência ecológica, os Kichwas mantêm sua crença em aproveitar os recursos naturais. Eles usam suas próprias tecnologias para evitar erosão, fertilizantes naturais e rotação de culturas.

Para finalizar, a língua Kichwa faz parte da cultura peruana e, através dela, os modelos são transmitidos em termos de cultura, crenças e modos de vida.

Pensa-se que esse dialeto não deve ser ensinado apenas nas escolas, mas, pelo contrário, as demandas atuais são de que o governo peruano se esforce para preservá-lo.

Referências

  1. Almeida, N. (2005) Autonomia Indígena: enfrentando o estado-nação e a globalização neoliberal. Edições Abya-Yala. Quito.
  2. Cobo, M. (2016) Vamos entender o kichwa. Recuperado de: eltelegrafo.com.
  3. Contribuidores da Wikipedia (2017) Idiomas quíchuan. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  4. Fernández, S. (2005) Identidade linguística dos povos indígenas da região andina. Edições Abya-Yala. Quito.
  5. Dicionário Kichwa (2014) Kichwa. Recuperado de: kichwas.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies