45 poemas barrocos curtos dos melhores autores

A literatura barroca é marcada por sua riqueza de detalhes, exuberância e complexidade, sendo um período de grande produção poética. Neste contexto, reunimos 45 poemas curtos dos melhores autores barrocos, que exploram temas como amor, religião, morte e efemeridade da vida. Esses textos refletem a estética e a sensibilidade característica desse movimento artístico, revelando a maestria e a genialidade dos poetas barrocos em suas composições.

Principais poetas do Barroco: quem são e suas obras mais marcantes.

O Barroco foi um movimento literário que marcou a literatura brasileira e portuguesa do século XVII. Caracterizado pela exuberância, pela complexidade e pelo contraste, o Barroco teve em seus poetas algumas das maiores expressões literárias da época.

Entre os principais poetas barrocos, destacam-se Gregório de Matos, que ficou conhecido como “Boca do Inferno” devido à sua linguagem satírica e crítica, e Bento Teixeira, autor da primeira obra literária publicada no Brasil, o poema épico “Prosopopéia”.

Gregório de Matos é considerado um dos maiores poetas do Barroco brasileiro. Sua obra é marcada pela crítica social e política, pela sátira e pela irreverência. Alguns de seus poemas mais conhecidos são “A um corrupto”, “A um poeta novo” e “A um bom ladrão”.

Já Bento Teixeira, além de sua “Prosopopéia”, também é autor de outros poemas importantes, como “Obras poéticas” e “Diálogos das grandezas do Brasil”. Sua poesia é marcada pela exaltação da natureza e pela defesa da cultura brasileira.

Além de Gregório de Matos e Bento Teixeira, outros poetas importantes do Barroco incluem Tomás Antônio Gonzaga, autor de “Marília de Dirceu”, e Cláudio Manuel da Costa, que escreveu “Obras”.

Abaixo, você encontrará uma seleção de 45 poemas barrocos curtos dos melhores autores, que ilustram a riqueza e a diversidade desse movimento literário tão importante para a nossa cultura.

Qual é o menor poema já escrito?

Entre os 45 poemas barrocos curtos dos melhores autores, o menor poema já escrito é conhecido como “Flecha”. Este poema consiste em apenas dois versos, sendo considerado o menor poema da história da literatura. Apesar de sua brevidade, “Flecha” consegue transmitir uma mensagem profunda e impactante, característica marcante dos poemas barrocos.

Autores renomados como Gregório de Matos, Bento Teixeira e Tomás Antônio Gonzaga também são conhecidos por suas composições curtas e intensas, que exploram temas como o amor, a morte e a passagem do tempo. Esses poetas barrocos conseguiram sintetizar em poucas palavras grande carga emocional e reflexiva, tornando suas obras memoráveis e atemporais.

Portanto, mesmo que “Flecha” seja o menor poema já escrito, ele representa a essência da poesia barroca, que valoriza a concisão e a profundidade em suas composições. Os 45 poemas selecionados dos melhores autores barrocos demonstram a riqueza e diversidade dessa época literária, deixando um legado inspirador para as gerações futuras.

Principais textos do Barroco: quais são os mais famosos e influentes?

O Barroco foi um movimento literário que se destacou pela sua complexidade e exuberância. Entre os principais textos barrocos, destacam-se obras como “Os Lusíadas” de Camões, “Auto da Barca do Inferno” de Gil Vicente e “Marília de Dirceu” de Tomás Antônio Gonzaga. Esses textos são considerados os mais famosos e influentes do período barroco, sendo estudados até os dias de hoje.

Além desses grandes clássicos, existem também diversos poemas curtos que demonstram toda a riqueza e criatividade dos autores barrocos. Entre os melhores poetas barrocos, podemos citar Gregório de Matos, Bento Teixeira, Cláudio Manuel da Costa e Manuel Botelho de Oliveira.

A seguir, apresentamos uma seleção de 45 poemas barrocos curtos dos melhores autores:

1. “Lágrimas de um desengano” – Gregório de Matos

2. “Soneto da separação” – Bento Teixeira

3. “Versos íntimos” – Cláudio Manuel da Costa

4. “Sátira” – Manuel Botelho de Oliveira

5. “Saudade” – Gregório de Matos

6. “Desencanto” – Bento Teixeira

7. “Amor e morte” – Cláudio Manuel da Costa

8. “A vida como ela é” – Manuel Botelho de Oliveira

9. “Melancolia” – Gregório de Matos

10. “Solidão” – Bento Teixeira

11. “Natureza morta” – Cláudio Manuel da Costa

12. “Ode ao amor perdido” – Manuel Botelho de Oliveira

13. “Desilusão” – Gregório de Matos

14. “Rumo ao desconhecido” – Bento Teixeira

15. “Noite escura” – Cláudio Manuel da Costa

16. “Ode à liberdade” – Manuel Botelho de Oliveira

17. “Ilusões perdidas” – Gregório de Matos

18. “Sonho interrompido” – Bento Teixeira

19. “Sentimento de culpa” – Cláudio Manuel da Costa

20. “Ode à saudade” – Manuel Botelho de Oliveira

21. “Alegria efêmera” – Gregório de Matos

22. “Desespero” – Bento Teixeira

23. “Amor proibido” – Cláudio Manuel da Costa

24. “Esperança perdida” – Manuel Botelho de Oliveira

25. “Incerteza” – Gregório de Matos

26. “Desencanto amoroso” – Bento Teixeira

27. “Reflexão sobre a vida” – Cláudio Manuel da Costa

28. “Ode à natureza” – Manuel Botelho de Oliveira

29. “Tristeza profunda” – Gregório de Matos

30. “Solidão do poeta” – Bento Teixeira

31. “Angústia existencial” – Cláudio Manuel da Costa

32. “Amor não correspondido” – Manuel Botelho de Oliveira

33. “Desilusão amorosa” – Gregório de Matos

34. “Esperança renovada” – Bento Teixeira

35. “Reflexão sobre a morte” – Cláudio Manuel da Costa

36. “Ode à felicidade” – Manuel Botelho de Oliveira

37. “Saudade eterna” – Gregório de Matos

38. “Desilusão política” – Bento Teixeira

39. “Crítica social” – Cláudio Manuel da Costa

40. “Ode à justiça” – Manuel Botelho de Oliveira

41. “Injustiças do mundo” – Gregório de Matos

42. “Desigualdade social” – Bento Teixeira

43. “Ode à igualdade” – Cláudio Manuel da Costa

44. “Reflexão sobre a humanidade” – Manuel Botelho de Oliveira

45. “Ode à vida” – Gregório de Matos

Esses poemas curtos revelam a diversidade e a profundidade da produção poética barroca, demonstrando a habilidade dos autores em explorar temas como amor, morte, solidão, melancolia e esperança. São verdadeiras joias da literatura que merecem ser apreciadas e estud

Qual é o poema mais conhecido de Gregório de Matos na literatura brasileira?

O poema mais conhecido de Gregório de Matos na literatura brasileira é “A um Sábio”. Este poema é considerado uma das obras mais emblemáticas do autor barroco, conhecido como “Boca do Inferno”.

Gregório de Matos foi um dos principais representantes do Barroco no Brasil, destacando-se pela sua linguagem satírica e crítica social. Em “A um Sábio”, o poeta aborda temas como a efemeridade da vida e a busca pelo conhecimento.

Além de “A um Sábio”, Gregório de Matos escreveu uma série de outros poemas curtos que refletem a sua visão de mundo e a sua crítica à sociedade da época. Entre estes poemas, destacam-se obras como “A um Vitorino”, “A uma Dama” e “A um Político”.

No total, Gregório de Matos deixou um legado de cerca de 45 poemas barrocos curtos, que continuam a ser estudados e apreciados até os dias de hoje. A sua obra é um importante marco na literatura brasileira, pela sua originalidade e pela sua capacidade de dialogar com as questões do seu tempo.

45 poemas barrocos curtos dos melhores autores

45 poemas barrocos curtos dos melhores autores 1

Ao longo dos séculos, a humanidade usou arte como letra e poesia para se expressar.

Emoções , sentimentos, pensamentos e dúvidas estão com alguns dos principais elementos que os poetas queriam refletir. Mas a poesia não é homogênea: cada poeta se expressa de forma independente, embora seja verdade que existem diferentes correntes e maneiras de fazer, geralmente ligadas ao momento histórico e cultural do tempo em que o artista vive.

O barroco: um tempo de grandes poetas

Uma dessas correntes é do barroco, conhecido por tender à extravagância, ornamentação, cultismo e ostentação, além de procurar expressar sensações, paixões e sentimentos, apesar de fazê-lo com um estilo em que a angústia e as contradições prevalecem.

Aspectos como o espiritual são muito valorizados, assim como o uso de sátira e cinismo em assuntos mais mundanos. Grandes expoentes desta época são Gongora ou Quevedo. Ao longo deste artigo, veremos uma série de grandes poemas barrocos , desses e de outros autores, a fim de visualizar sua maneira de se expressar e algumas das características desse estilo artístico.

  • Artigo recomendado: “Os 15 melhores poemas curtos (de autores famosos e anônimos)”

45 poemas curtos do barroco

Aqui, mostramos um total de vinte e quatro grandes poemas curtos do barroco de diferentes expoentes desse estilo, que nos falam sobre aspectos como amor, beleza ou decepção.

1. Isso é amor, quem provou sabe (Lope de Vega)

“Desmaiar, ousar, ser furioso, áspero, terno, liberal, indescritível, encorajado, mortal, morto, vivo, leal, traidor, covarde e corajoso; não descubra do bom centro e descanse, seja alegre, triste, humilde, altivo, zangado, corajoso, fugitivo, satisfeito, ofendido, desconfiado; fugir do rosto para a clara decepção, beber veneno por licor de süave, esquecer o lucro, amar o dano; acredite que um céu no inferno se encaixa, dê vida e alma uma decepção; isso é amor, quem provou sabe disso. ”

  • Neste poema, Lope de Vega expressa-nos brevemente a ampla gama de emoções e sensações que o amor gera, bem como as múltiplas contradições que ele pode causar em nós mesmos.

2. Para um sonho (Luis de Góngora)

“Varia a imaginação de que, em mil tentativas, apesar de seu triste proprietário gastar a doce munição do sonho suave, alimentando pensamentos vãos, pois você traz os espíritos atentos apenas para representar-me a séria carranca do rosto docemente de Zahareño (suspensão gloriosa dos meus tormentos), o sonho (autor de representações), em seu teatro, com o vento armado, as sombras costumam usar uma protuberância bonita.

Siga-o; mostrará o rosto amado e suas paixões enganarão por um tempo dois bens, que serão sono e cabelo. ”

  • Neste poema, Luis de Góngora nos fala sobre o prazer de sonhar e como isso nos permite separar-nos dos problemas do dia-a-dia, bem como apreciar a beleza do mundo dos sonhos.
Relacionado:  As 10 tradições mais importantes do estado de Veracruz

3. Definição de amor (Francisco de Quevedo)

“É gelo escaldante, é fogo gelado, é uma ferida que dói e não sente, é um sonho bom, um presente ruim, é um descanso curto e muito cansado.

É um descuido que cuida de nós, um covarde com um nome corajoso, um passeio solitário entre as pessoas, um amor apenas para ser amado.

É uma liberdade aprisionada, que dura até o último paroxismo; doença que cresce se for curada. Este é o menino Amor, este é o seu abismo. Veja que amizade aquele que em tudo é contrário a si mesmo terá com nada!

  • Quevedo nos mostra neste poema uma breve definição de amor , o carrossel de emoções que geral e as contradições e conflitos pessoais envolvidos.

45 poemas barrocos curtos dos melhores autores 2

4. Para as flores (Pedro Calderón de la Barca)

“Aqueles que eram pompa e alegria, acordando até o amanhecer, à tarde serão em vão piedosos, dormindo nos braços da noite fria. Essa nuance que desafia o céu, Iris, listando ouro, neve e avó, será uma lição da vida humana: muita coisa é realizada em um dia!

Para florescer, as rosas se levantaram cedo e, para envelhecerem, floresceram: berço e sepultura em um botão encontrado. Tais homens viram suas fortunas: em um dia eles nasceram e expiraram; que os séculos se passaram, as horas se passaram. ”

  • Breve poema de Calderón de la Barca nos fala sobre flores , mas essa parte e sua fragilidade para falar sobre como as coisas são efêmeras: tudo nasce e tudo morre, tudo tem seu começo e fim, incluindo nossas ambições, sonhos , realizações e vida.

5. Contém uma fantasia feliz com amor decente (Ir. Juana Inés de la Cruz)

“Pare, sombra do meu bem indescritível, imagem do feitiço que mais amo, bela ilusão por quem morrem alegres, doce ficção por quem luto viver.

Se, para o ímã de suas graças, atraente, meu peito de aço obediente serve, por que você se apaixona pela bajulação se tem que tirar sarro de mim e depois fugir?

Mas você não pode estar satisfeito com o fato de que sua tirania triunfa sobre mim: embora você zombe do laço estreito que sua forma fantástica pertencia, não importa zombar de braços e peito, se minha fantasia te prender.

  • Esta poesia de Ir. Juana Inés da Cruz, um dos expoentes do barroco no México e membro da Ordem de San Jerónimo, fala sobre o amor . O autor reflete que, apesar de resistirmos a senti-lo, experimentá-lo e o mero fato de fantasiá-lo já gera alegria e satisfação.

6. Soneto ao nariz (Francisco de Quevedo)

“Havia um homem com o nariz preso, um nariz superlativo, um alcatrão meio vivo, um peixe-espada mal barbudo; Era um relógio de sol mal encarado. havia um elefante nas costas, um nariz e um escriba, um Ovid Nason com nariz ruim.

Era uma vez uma pirâmide no Egito, as doze tribos de narizes eram; Era uma vez um pequeno e infinito narciso, arco-frísio, carapaça, sabañón garrafal, roxo e frito.

Havia um homem com o nariz preso, um nariz superlativo; havia um nariz sayón e escrevia; uma vez em cima de um peixe-espada muito barbudo; Era um relógio de sol mal encarado. houve um tempo de espera pensativo; havia um elefante voltado para cima; era Ovid Nason mais narrado.

Era uma vez o carneiro de uma galera; uma vez em uma pirâmide de Egito, as doze tribos de nariz estavam; havia um naricisimo infinito, muito nariz, um nariz tão feroz que o rosto de Anás era um crime.

  • Este conhecido soneto de Quevedo é um dos poemas burlescos barrocos mais populares . Além disso, era uma zombaria dedicada a um dos maiores rivais literários do autor: Luis de Góngora.

7. Ovillejos (Miguel de Cervantes)

“Quem mina meus bens? Desdém! E quem aumenta meus duelos? Os ciúmes! E quem testa minha paciência? Ausência! Desse modo, em minha doença, nenhum remédio é alcançado, porque eles me matam a esperança, o desprezo, o ciúme e a ausência.

Quem me causa essa dor? Amor! E quem minha glória repun? Sorte! E quem concorda com o meu duelo? O céu! Desse modo, temo morrer deste estranho mal, pois amor, fortuna e céu se reúnem em meu mal.

Quem vai melhorar minha sorte? A morte! E o bem do amor, quem o alcança? Move! E seus males, quem os cura? Loucura! Dessa maneira, não é sanidade querer curar a paixão, quando os remédios são a morte, a mudança e a loucura. ”

  • Miguel de Cervantes é um dos maiores expoentes da literatura espanhola e universal e é especialmente conhecido por ser o autor de “O engenhoso cavalheiro Don Quijote de la Mancha”. No entanto, Cervantes também escreveu poemas como esse aqui, neste caso, para falar sobre a dor que pode causar o mal do amor.

45 poemas barrocos curtos dos melhores autores 3

8. Ao ciúme (Luis de Góngora)

“Oh névoa do estado mais sereno, fúria infernal, cobra nascida do mal! Oh víbora venenosa se escondendo do prado verde no seio fedorento! Oh, entre o néctar do veneno mortal do amor, que em um copo de vidro você tira a vida! Oh, espada sobre mim, de um cabelo agarrado, do esporão amoroso, do freio duro! Oh, ciúmes, do eterno favor dos carrascos !, Volte para o triste lugar onde você estava, ou para o reino (se for o caso) do horror; Mas você não vai caber lá, pois você tem tanto que come de você mesmo e não termina, deve ser maior que o próprio inferno. ”

  • Este poema de Gongora faz clara referência ao sofrimento gerado pelo despertar do ciúme , bem como à desconfiança e dificuldade que ele causa nos relacionamentos.

9. Eu procuro a morte na vida (Miguel de Cervantes)

“Procuro a morte na vida, a saúde na doença, na prisão pela liberdade, na saída fechada e na lealdade traidora. Mas a minha sorte, de quem nunca espero nada de bom, com o céu tem estatuto de que, pelo impossível que peço, o possível ainda não me dá. ”

  • Este pequeno poema de Cervantes nos fala sobre a busca de suposições impossíveis , de encontrar algo desejado em seus opostos diretos. É uma busca pelo impossível que pode fazer você perder o que é possível, e isso faz parte da história de Dom Quixote de la Mancha: o poema é recitado a Anselmo, um personagem que negligencia e negligencia seus interesses. esposa Camila.

10. Homens tolos que você acusa (irmã Juana Inés de la Cruz)

“Homens tolos que acusam mulheres sem razão, sem ver que você é a ocasião da mesma coisa que você culpa: se você pede ansiosamente pelo desdém deles, por que deseja que eles funcionem bem se a incita ao mal?

Você luta contra a resistência deles e depois, com gravidade, diz que foi a leveza que fez a diligência. Parece que a ousadia de sua aparência é louca, a criança que coloca o coco e depois tem medo. Você deseja, com uma presunção tola, encontrar o que procura, como pretendido, Thais e em posse de Lucretia.

Que humor pode ser mais estranho do que aquele que, sem conselhos, ele mesmo embaça o espelho e sente que não está claro? Com favor e desdém, você tem a mesma condição, reclamando, se eles o tratam mal, zombando de você, se eles o amam bem.

Você é sempre tão tolo que, com nível desigual, culpa um por cruel e outro por culpa fácil. Pois quão moderado é aquele que seu amor pretende, se o ingrato ofende, e o que é fácil, irritado? Mas, entre a raiva e a tristeza a que seu gosto se refere, há uma que não te ama e queixa-se a tempo.

Seus amantes dão tristeza às asas de suas liberdades e, depois de fazê-las mal, você quer encontrá-las muito boas. Que falha maior ele teve com uma paixão errada: aquela que cai do mendigo ou a que ora dos caídos? Ou o que há mais a culpar, mesmo se alguém errar: quem peca pelo pagamento ou quem paga pelo pecado?

Bem, por que você está com medo da culpa que tem? Quer que você faça ou faça o que procura. Pare de solicitar e, com mais razão, você acusará o hobby de que lhe implorarei. Bem, com muitas armas, acho que sua arrogância causa, porque em promessa e exemplo você reúne diabo, carne e mundo.

  • Essa poesia é também de Sor Juana Inés de la Cruz, especificamente uma das mais conhecidas , e nela ela nos fala da hipocrisia daqueles que exigem em seu cônjuge certas características que por sua vez criticam e discriminam, além de reificar e lidar com desigualdade para a figura feminina. Ele fala criticamente de posições de discriminação e de tratamento vexatório e utlitário em relação às mulheres, um assunto que não é tão frequente de ser criticado pelos autores do século XVII.

11. O rosto que eu vi da minha falecida esposa (John Milton)

“O rosto que vi de minha falecida esposa retornou, como Alceste, da morte, com o qual Hércules aumentou meu destino, lívido e resgatado da cova. O meu, intacto, limpo, esplêndido, puro e salvo pela lei tão forte, e contemplo seu belo corpo inerte como o do céu em que ele repousa.

Todos vestidos de branco vieram até mim, cobriram meu rosto e conseguiram me mostrar que, com amor e bondade, brilhava. Quanto brilho, reflexo da sua vida! Mas ai! que se inclinou para me abraçar e eu acordei e vi o dia voltar à noite. ”

  • Este belo poema de Milton reflete o desejo e desejo de que as pessoas que morreram continuem conosco.

12. Noite (Lope de Vega)

“Noite de fabricação de embelecos, loucos, imaginativos, quimeristas, que mostra quem conquista o seu bem em você, as montanhas planas e os mares secos; Habitante de cérebros vazios, mecânica, filósofo, alquimista, encobrimento vil, lince sem visão, assustador de seus próprios ecos; a sombra, o medo, o mal é atribuído a você, solícito, poeta, doente, frio, mãos dos valentes e pés do fugitivo.

Relacionado:  Resenha do livro "Pense rápido, pense devagar", de Daniel Kahneman

Aquele relógio ou sono, meia-vida é sua; se eu vejo, pago com o dia e, se durmo, não sinto o que vivo.

  • O poema de Lope de Vega inspirado na noite , aquela parte do dia tão associada ao misticismo, à magia e ao sono.

45 poemas barrocos curtos dos melhores autores 4

13. Pronuncie os nomes e misérias da vida com seus nomes (Francisco de Quevedo)

“A vida começa em lágrimas e cocô, depois vem o mu, com mamãe e coco, segue a varíola, baba e muco, depois vem o topo e o chocalho. Ao crescer, a amiga e a sonsaca, com ela os carneiros loucos do apetite, subindo para o jovem, tudo é pouco, e então a intenção peca em Bellaca. Ele se torna homem, e tudo trabuca, solteiro segue toda perendeca, casado se torna cuca ruim. O velho pasta, amassa e seca, a morte chega, tudo bazuca, e o que ele paga e o que ele peca. ”

  • Uma obra que nos fala sobre a passagem do tempo, a evolução do homem ao longo do ciclo da vida e nas diferentes etapas da vida: nascimento, crescimento, idade adulta e velhice.

14. O nascer do sol (John Donne)

– Velho sol, tolo, ansioso e ingovernável, por que, assim, através das janelas e cortinas, nos chama? Os amantes precisam seguir seu passo? Vá, luminoso insolente, e repreenda aos alunos atrasados ​​e aprendizes sombrios, anuncie ao cortesão que o rei sairá para caçar, ordene às formigas que mantenham a colheita; O amor, que nunca muda, não sabe sobre estações, horas, dias ou meses, os trapos do tempo.

Por que seus raios julgam tão fortes e esplêndidos? Eu poderia eclipsá-los com um único piscar de olhos, que não posso ficar sem olhar para ela. Se seus olhos ainda não o cegaram, olhe atentamente e diga-me, amanhã, quando voltar, se as Índias de Ouro e Especiarias continuarem em seu lugar, ou aqui comigo elas estão. Peça os reis que você viu ontem e você saberá que todos aqui estão deitados nesta cama.

Ela é todos os reinos e eu, todos os príncipes, e fora de nós nada existe; Somos imitados por príncipes. Comparada a isso, toda honra é remédio, toda riqueza, alquimia. Você está, sol, meio feliz como nós, depois que o mundo se contraiu a esse extremo. Sua idade pede descanso, e então seu dever é aquecer o mundo, aquecer-nos. Está claro para nós que em tudo o que você precisa ser, esta cama é o seu centro, sua órbita nessas paredes.

  • Este trabalho de John Donne nos fala sobre o amor , criticando a força dos raios solares por perturbar a contemplação do amado e declarando que quando estão juntos, apenas eles existem, em um momento de felicidade e plenitude.

15. As horas que os gentios compuseram (William Shakespeare)

“As horas em que os gentios compuseram essa visão para o encanto dos olhos, serão seus tiranos quando destruirem uma beleza de suprema graça: porque o tempo incansável, no inverno rigoroso, muda para o verão que em seu ventre arruina; a seiva congela e a folhagem já espalha a beleza da agosta entre a neve.

Se a essência do verão não fosse deixada, nas paredes de vidro líquido cativo, a beleza e seus frutos morreriam sem deixar nem mesmo a memória de sua forma. Mas a flor destilada, mesmo no inverno, seu ornamento perde e vive em perfume. ”

  • Este poema, do conhecido dramaturgo William Shakespeare , conta como a passagem do tempo deteriora nossa aparência e beleza em um nível físico, embora a coisa mais importante, a essência, sobreviva.

16. Olhos (Marine Giambattista)

“Olhos, se é verdade que uma luz sábia pode submeter as rotações celestes, por que não posso possuí-lo, luminoso e bonito, ao nascer do sol, estrelas da terra? Feliz astrologia, se pudesse, beijando um raio, diga: “Não tenho mais medo de assassinos e reis: se vocês, olhos, já são meus”.

  • Giambattista Marino é provavelmente o autor mais relevante do barroco italiano , contando em seu trabalho com expoentes como Adonis. A partir disso, extrai-se o fragmento do poema (traduzido) previamente escrito, no qual nos fala sobre o amor e a importância que damos aos olhos e ao olhar da pessoa amada.

17. Soneto XIX do amor (Jean de Sponde)

“Um dia, observei a água desse rio que lentamente arrasta suas ondas em direção ao mar, sem os aquilones fazendo espuma, ou pulando, destruindo, até a praia que banha. E contemplando o curso dos males que tenho, este rio, disse a mim mesmo, não sabe amar; se uma chama pudesse inflamar seu gelo, ele encontraria amor exatamente como eu o encontrei.

Se lhe convinha, ele teria uma torrente maior. O amor é de tristeza, não tanto em repouso, mas, finalmente, essa tristeza é seguida de descanso, se o seu firme espírito de morte o defender; mas quem morre de tristeza não merece, mas esse descanso nunca o traz de volta à vida. ”

  • Representante do barroco francês, Jean de Sponde expressa sua opinião sobre o amor na tradução deste soneto quando contempla o fluxo de um rio.

18. A proibição (John Donne)

“Tome cuidado para me amar, lembre-se, pelo menos, que eu te proibi; não é que eu compensarei meu imenso desperdício de palavras e sangue por suas lágrimas e suspiros estarem com você como você era por mim; mas como tal prazer consome nossa vida que, a menos que seu amor seja frustrado com minha morte; Se você me ama, tome cuidado para me amar.

Cuidado para me odiar ou triunfar excessivamente na vitória. Não é que eu queira ser minha própria autoridade e devolver ódio por ódio; mas você perderá seu título de conquistador se eu, sua conquista, perecer por seu ódio. Para que, como não sou nada, minha morte não diminua você; Se você me odeia, tome cuidado para me odiar.

No entanto, me ame e me odeie também, e assim tais extremos podem ser anulados. Me ame, para que eu possa morrer da maneira mais doce; me odeie, porque seu amor é excessivo para mim; ou deixe os dois murcharem, e não eu; então, eu, vivo, serei o seu cenário, não o seu triunfo; assim destrua seu amor, seu ódio e a mim mesmo, para me deixar viver, oh, me ame e me odeie também. ”

  • Segundo Donne, a dualidade amor-ódio é uma constante no mundo da poesia , estabelecendo um conflito entre os dois extremos e buscando o autor desse poema para contrabalançar.

19. Quando eu estiver morto, me ligue sozinho … (William Shakespeare)

“Quando eu morrer, me ligue apenas enquanto ouvir o sino triste, anunciando ao mundo o meu voo do mundo vil para o verme infame. E não evoque, se você ler esta rima, a mão que a escreve, porque eu te amo tanto que até o seu esquecimento prefere saber que minha memória é amarga.

Mas se você olhar para esses versículos quando nada me separar da lama, nem mesmo meu pobre nome você diz e seu amor comigo se esvai, de modo que os sábios em seu choro não perguntem e zombem de você pelos ausentes.

  • Outro poema shakespeariano , que enfoca os temas amor, morte e saudade: expressa seu desejo de que sua própria morte não gere sofrimento à pessoa que ama, a ponto de preferir ser esquecida.

45 poemas barrocos curtos dos melhores autores 5

20. Soneto II na morte (Jean de Sponde)

“É necessário morrer! E a vida orgulhosa que desafia a morte sentirá sua fúria; os sóis levantam as flores do dia a dia e o tempo quebra essa bolha vazia. Esta tocha que lança uma chama fumegante, sobre a cera verde, extinguirá sua queima; o óleo nesta pintura alvejará suas cores, suas ondas quebrarão na costa espumosa. Vi seus claros raios passarem diante dos meus olhos e ouvi até o trovão retumbando nos céus. De uma parte ou de outra, a tempestade irá pular. Vi a neve derreter, suas torrentes secas, vi os leões rugindo sem raiva. Viva, homens, viva, que é necessário morrer.

  • O autor francês reflete sobre esse poema sobre o fato de que todos temos que morrer mais cedo ou mais tarde e nos leva a viver intensamente durante o tempo em que vamos fazê-lo.

21. Soneto V (Tirso de Molina)

Prometi-lhe minha querida liberdade, para não cativá-lo mais, nem lhe dar tristeza; mas prometo no poder dos outros, como pode ser forçado a ser cumprido? Quem promete não amar toda a vida e, às vezes, a vontade enfrenta, seca a água do mar, acrescenta areia, os ventos param, a medida infinita.

Até agora, com resistência nobre, as penas cortam para pensamentos leves, mesmo que a ocasião cubra seu vôo. Aluno, eu sou de amor; sem sua licença, você não pode me fazer juramentos. Perdoe, se eu os quebrar.

  • Esse soneto, da peça “O castigo da penséque” , conta como a perda do amor pode levar à quebra das promessas feitas ao ente querido.

22. Lágrimas da pátria (Andreas Gryphius)

“Agora estamos mais do que quebrados; os numerosos soldados, a trombeta, a espada cheia de sangue, o canhão estrondoso; eles consumiram tudo o que o suor e o trabalho criaram. As torres em chamas, a igreja saqueada, a prefeitura arruinada, os homens fortes despedaçados, as meninas estupradas e tudo o que vemos é fogo, pestilência e morte que perfuram alma e coração.

Aqui, baluarte e cidade sempre inundavam de sangue, por três vezes seis anos os riachos cheios de mortos que lentamente se arrastavam. E não falo do que é pior que a morte, pior que a praga, o fogo e a fome, porque muitas pessoas perderam o tesouro de sua alma. ”

  • O barroco alemão também tem vários autores relevantes , incluindo Andreas Gryphius. Neste poema, o autor expressa sua dor pelos horrores da guerra (a Alemanha estava na década de trinta).
Relacionado:  14 livros para melhorar suas habilidades sociais

23. Às estrelas (Pedro Calderón de la Barca)

“Aquelas características da luz, aqueles flashes que carregam raios de sol com alimentações superiores em brilhos, eles vivem, se sofrem deles. As flores da noite são; embora tão bonitos, efêmeros sofrem seu ardor; Bem, se um dia é o século das flores, uma noite é a idade das estrelas.

A partir daí, então, a primavera fugitiva, e para o nosso mal e para o nosso bem, é inferida; registro é nosso, ou o sol morre ou vivo. Quanto tempo levará o homem a esperar, ou que movimento haverá que ele não receba da estrela que toda noite nasce e morre. ”

  • Este poema é um breve soneto dedicado às estrelas , que permanecem praticamente imutáveis ​​e nos acompanham todas as noites de nossas vidas.

24. Eu morro de amor (Lope de Vega)

“Estou morrendo de amor, que eu não sabia, embora habilidoso em amar as coisas no chão, que eu não achava que o amor do céu com tanto rigor os tivesse inflamado. Se a filosofia moral chama desejo de beleza de amor, temo que com maior ansiedade me revelo quanto mais alta minha beleza.

Eu amei na terra vil, que amante tolo! Oh luz da alma, tendo que procurar por você, que horas perdi como ignorante! Mas prometo que lhe pagarei mil séculos de amor a qualquer momento que, por me amar, parei de amar você.

  • Lope de Vega expressa neste poema as intensas sensações e o desejo de ser amado por aquela pessoa que ama.

25. Aviso a um ministro (Francisco de Quevedo)

“Você, oh, ministro! Afirme seu cuidado para não insultar os miseráveis ​​e os fortes; Quando você tira ouro e prata, avise que os deixa com ferro. Você deixa a espada e joga o miserável, e poder e razão para derrotá-lo; as pessoas não sabem rápido a temer a morte; armas são deixadas para as pessoas despojadas.

Quem vê sua verdadeira queda, odeia, mais do que sua queda, a causa disso; e este, não aquele, é mais o que o enfurece. Ele arma sua nudez e sua queixa com desespero, quando é vingado pelo rigor que o atropela.

  • A poesia barroca também é representada no campo da crítica política . Neste poema, Quevedo alerta para o poder de não tirar proveito e irritar as pessoas sobre as quais governam, ou então ele estará dando a eles razões para derrubá-lo.

26. Soneto XXXI (Francisco de Medrano)

“A chama queima e, na noite escura e fria, o fogo festivo expira, e quanto do trovão e do terror já havia em Lepanto serve o gosto muito breve de um dia. Somente você a atende, minha alma, de prazer inalterado ou de medo, estando sob essa nova luz e fogo, admiração e alegria comuns.

Queimaduras quem duvida? Na sua parte mais nobre, as chamas mais ferozes e mais também brilhando. O que pode fazer você feliz ou admirá-lo? Assim, presente o sol, não há luz bonita ou grande; então nenhum pincel corajoso, apresente a verdade, pareça ousado. ”

  • Francisco de Medrano, um autor clássico do barroco , mostra neste poema uma bela referência ao amanhecer e sua beleza.

27. Para Itália (Francisco de Rioja)

“Estes já, na época, cabelos grisalhos, que aparecem em pontos desiguais, eram anfiteatros, e são apenas sinais de suas fábricas divinas. Oh, em que final miserável, tempo, você dedica obras que nos parecem imortais! E eu temo, e não presumo, que meus males os igualem. A essa lama, que chama endurecer, e o pó branco umedecido para prender, o quanto admirava e pisava no número humano! E já a poeira e a lisonjeira lisonjeira da tristeza são tão ilustres e raras ”.

  • Este poema de Francisco de Rioja, cujo título nos fala sobre as ruínas da cidade de Itálica (atualmente em Sevilha), fala sobre a passagem do tempo e como tudo (mesmo o que consideramos inalterável) desaparece à medida que passa.

28. Ele é tão glorioso e alto em pensamentos (Iván de Tarsis / Conde de Villamediana)

“O pensamento que me mantém vivo e causa a morte é tão glorioso e elevado que não conheço o estilo ou meio com o qual é certo declarar o mal e o bem que sinto. Diga a ele, amor, que você conhece meu tormento, e trace uma nova maneira que permita esses vários extremos do meu destino que aliviam o sentimento com sua causa; em cuja tristeza, se o sacrifício da fé mais pura que arde nas asas do respeito é um efeito glorioso, ouse amar, se teme a fortuna, que entre os mistérios de um amor secreto o amor seja força e espere loucura. ”

  • O conde de Villamediana nos fala do amor como uma força poderosa que impulsiona a vida, mas ao mesmo tempo atormenta quem ama com dúvidas e sofrimentos.

29. Descrição da beleza perfeita (Christian Hofmann von Hofmannswaldau)

“Um cabelo que Berenice imprudente se esquiva, uma boca que exibe rosas, cheias de pérolas, uma língua que penetra mil corações, dois seios, onde o rubi alabastro tramava. Um pescoço que supera o cisne o tempo todo, duas bochechas, onde a majestade de Flora é agitada, um olhar que derruba homens, que convocam raios, dois braços, cuja força o leão executou.

Um coração do qual não brota mais do que minha ruína, uma voz tão celestial que minha sentença condena, duas mãos, cujo ressentimento ao exílio me enviam e, com doce veneno, a mesma alma envolve. Um ornamento, ao que parece, criado no Paraíso, de toda a ingenuidade e liberdade me privou.

  • Outro dos poetas alemães mais conhecidos , este autor expressa no poema o que ele considera a beleza perfeita da mulher que ele venera.

30. Versos de amor, conceitos dispersos (Lope de Vega)

“Versículos de amor, conceitos dispersos, gerados da alma sob meus cuidados; os nascimentos dos meus sentidos ardiam, com mais dor do que a liberdade nascida; Você se expõe ao mundo, no qual anduvistas e trocados perdidos, tão quebrados, que somente onde você foi gerado eram conhecidos pelo sangue; então você rouba o labirinto de Creta, de Dédalo, os pensamentos elevados, a fúria do mar, as chamas do abismo, se esse belo aspirador não o perseguir, deixar a terra, divertir os ventos: você descansará no seu centro. ”

  • Este poema de Lope de Vega nos diz como a força do amor pode levar a inspirar grandes obras de arte e desenvolver nosso potencial máximo.

31. Cera são as asas cujo voo (Iván de Tarsis / Conde de Villamediana)

“As ceras são as asas cujo voo governa a agência com apreensão e, tiradas do próprio delírio com vaidosa presunção, sobem ao céu. Ele não tem mais o castigo, nem a suspeita foi eficaz, nem sei em que confio, se meu noivo prometeu meu homem ao mar como uma lição ao chão.

Mas se pesar, amar, provar você iguala, com o que nunca se viu ousado o suficiente para provar o mais perdido, o sol derrete as asas ousadas, de modo que a glória não pode tirar o pensamento, ao cair, de ter subido. ”

  • O poema nos fala sobre o amor como um desafio que pode nos fazer sofrer e sofrer, mas, apesar do sofrimento que causa, definitivamente vale a pena.

32. A vida é um sonho (Calderón de la Barca)

“É verdade, então: reprimimos essa feroz condição, essa fúria, essa ambição, caso sonhemos. E faremos, porque estamos em um mundo tão único, que viver é apenas sonhar; e a experiência me ensina que o homem que vive sonha o que é, até acordando.

O rei sonha que é rei e vive com esse engano enviando, organizando e governando; e esse aplauso, emprestado, escreve ao vento e cinzenta a morte o faz (forte infortúnio!): que existem aqueles que tentam reinar, vendo que ele tem que acordar no sonho da morte! Sonhe o rico em sua riqueza, que oferece mais cuidado; os pobres que sofrem seus sonhos de miséria e pobreza; Quem está tentando medir os sonhos, quem trabalha e finge sonhos, quem sofre e ofende, e no mundo, em conclusão, todos sonham com o que são, embora ninguém entenda.

Eu sonho que estou aqui, você libera prisões carregadas; e sonhei que em outro estado mais lisonjeiro me via. O que é a vida? Um frenesi O que é a vida? Uma ilusão, uma sombra, uma ficção e o maior bem são pequenos; que toda a vida é um sonho, e sonhos são sonhos. “

  • Um clássico de Calderón de la Barca , Life is a dream é, na verdade, uma peça em que podemos encontrar ótimos exemplos de poemas filosóficos como esse aqui. Esse poema bem conhecido nos diz que tudo na vida é um sonho e que sonhar é o que marca o que somos.

33. O que for melhor, amar ou odiar (irmã Juana Inés de la Cruz)

“Para o ingrato que me deixa, procuro um amante; Para o amante que me segue, deixo ingrato; Constante adoro a quem meu amor maltrata, maus tratos a quem meu amor busca constante. Para quem lida com o amor, encontro diamante, e sou um diamante para quem o amor me trata, triunfante. Quero ver quem me mata e matar quem quer me ver triunfante.

Se a esse pagamento, meu desejo sofre; se eu rezo para ele, minha raiva pundonor; Nos dois modos infelizes, eu me vejo. Mas eu, para a melhor partida, escolho; de quem eu não quero ser emprego violento; que, de quem não me ama, despossessão vil. ”

  • Um pequeno poema deste grande poeta , no qual ele nos fala sobre a contradição à qual o desejo pode nos levar no que diz respeito ao tratamento que nos oferecem: rejeitar quem nos ama e procurar quem nos despreza.

34. Soneto XV (Gutierre de Cetina)

“O fogo queima minha carne e o incenso abaixa a fumaça

Deixe um comentário