5 dicas para educadores de jovens com autolesão não suicida

5 dicas para educadores de jovens com autolesão não suicida 1

Em estudo realizado internacionalmente por Brunner et al. (2013), as estatísticas refletiram uma porcentagem média de 27,6% em estudantes europeus que disseram ter cometido pelo menos um episódio de auto-mutilação em suas vidas. Entre eles, 7,8% executaram mais de cinco dessas ações. Os dados do estado espanhol indicaram uma posição muito semelhante à média internacional (28,9% e 7,6%, respectivamente), fato que indica uma prevalência significativa desses comportamentos tão perturbadores em nossa juventude.

Auto-mutilação não-suicida no ambiente educacional e escolar

Estudos concluíram que esse tipo de comportamento geralmente começa entre os 13 e os 14 anos de idade e, apesar do alarme que possa surgir, raramente está diretamente relacionado a uma clara idéia suicida . Mesmo assim, quando uma recorrência é observada nesses tipos de ações, o risco real de suicídio se torna um perigo maior. Isso é explicado pelo fato de que, após um período de habituação no nível de dor que a autolesão acarreta no indivíduo, ele tende a executar comportamentos que relatam um nível mais alto de sensação de dor, e a própria morte pode ser infligida dessa maneira ( Straub, 2018).

Por todas essas razões, sua detecção precoce se torna extremamente fundamental, pois esses tipos de ações geralmente são causados ​​pela experiência de intenso sofrimento emocional e são realizados como uma maneira de aliviar essas tensões psicológicas. Nestes casos, um papel relevante recai sobre a figura do jovem educador acadêmico . Parece essencial, portanto, fornecer a esta figura diretrizes iniciais de ação para que o professor possa lidar adequadamente com uma situação tão complexa e delicada.

  • Você pode estar interessado: ” Depressão grave: sintomas, causas e tratamento “

Indicadores

Existem alguns indicadores que podem alertar o educador sobre a presença desse tipo de comportamento, como: observação de lesões corporais causadas por situações ambíguas ou difíceis de explicar, roupas pouco adequadas à época do ano (uso de mangas compridas ou gola alta). verão), a posse de objetos pontiagudos entre os objetos pessoais das crianças ou a presença de ausências repentinas e recorrentes para ir ao banheiro durante as aulas.

Relacionado:  4 chaves para encontrar harmonia em uma casa com crianças

Dicas para educadores

Estas são várias diretrizes a serem seguidas pelos educadores que lidam com jovens que sofrem autolesões não suicidas .

1. Não julgue

Um primeiro ponto básico é deixar de lado atitudes de mal-entendidos, rejeição ou pânico quando o adolescente concorda em verbalizar o cometimento dessas ações. Para os últimos, o fato de compartilhar sua experiência de angústia emocional já se torna um processo extremamente difícil; portanto, a resposta recomendada como educadores deve ser calma, solidária, confiante e empática em relação a suas inseguranças.

O objetivo desse tipo de tratamento deve ser que o aluno entenda que é valorizado como pessoa (embora não seja seu comportamento) e que perceba que as pessoas ao seu redor se preocupam com ele e com o seu bem-estar. Sem recorrer a pressões ou demandas, recomenda-se motivar o jovem a procurar ou acessar para receber ajuda profissional. Em aproximadamente metade dos casos em que se baseiam as pesquisas acima mencionadas, verifica-se que os estudantes desejam abandonar esse tipo de comportamento e parecem receptivos ao tratamento.

  • Você pode estar interessado: ” Os 5 tipos de bullying ou bullying “

2. Saiba como ouvir

Em segundo lugar, os fatores que motivam esses comportamentos, bem como sua frequência e gravidade, podem ser abordados diretamente com o adolescente. Isso possibilita avaliar o encaminhamento a um profissional que pode lhe oferecer assistência terapêutica individualizada e ajudá-lo a adquirir estratégias psicológicas para gerenciar suas emoções e desconforto de maneira adequada e adaptável.

Perguntas como: “Você já pensou em não continuar vivendo devido a um problema que acha que não tem solução?” Ou “Você já pensou em um plano específico para realizá-lo?” Pode ser muito útil para determinar o nível risco de comportamento suicida real, uma vez que, geralmente, em auto-mutilação não-suicida, a pessoa não considera realisticamente qual método seguirá para implementar esse objetivo.

Relacionado:  Adolescentes rebeldes: 6 dicas e reflexões para os pais angustiados

3. Não deixe o ambiente reforçá-lo

Outro aspecto relevante reside em não reforçar os comportamentos autolesivos do adolescente , de modo que o educador deve manter uma postura discreta em relação aos colegas de classe e pedir ao adolescente para manter as feridas cobertas sem lhes dar importância excessiva. Essa medida evita o efeito de “contágio” do comportamento por imitação de outras crianças, potencialmente frequente nas faixas etárias dos adolescentes. No entanto, é aconselhável consultar o problema com o especialista em psicologia do centro educacional, para que eu possa aconselhá-lo sobre como abordar a abordagem direta da disciplina ao aluno.

4. Conheça as causas e controle-as

Um quarto elemento a considerar reside no fato de que problemas familiares, conflitos no grupo de amigos ou dificuldades no ambiente escolar são os principais fatores associados a uma maior frequência de execução desses comportamentos. Apesar disso, observou-se que uma maior probabilidade de risco de suicídio real está associada à autopercepção de solidão ou isolamento, ausência de apoio social e presença de histórico psiquiátrico.

Dada a constatação de alto risco de suicídio, a criança pode ser encaminhada para acompanhamento terapêutico na admissão em um centro de saúde mental. Pelo contrário, nos casos de comportamentos não prejudiciais e autolesivos, pode ser realizado um acompanhamento ambulatorial.

5. Aplique técnicas e métodos apropriados

Por fim, embora o aluno em questão esteja realizando um acompanhamento terapêutico individual de sua parte, vale ressaltar que há uma série de orientações que podem favorecer a remissão da tendência auto-prejudicial . Assim, exercícios de meditação e relaxamento, a realização de atividades de desconexão, como esporte ou música, o estabelecimento de planos de ação alternativos ao comportamento autolesivo ou ao trabalho cognitivo sobre possíveis distorções na interpretação de situações pessoais estão incluídos como elementos efetivos na intervenção psicoeducacional com esses jovens.

Relacionado:  Psicologia educacional: definição, conceitos e teorias

Como conclusão

In-Albon et al. (2015) apresentam um breve guia de ação para educadores que resume o que foi exposto até agora. Especificamente, os autores indicam as seguintes diretrizes como relevantes:

  • Solicite assistência médica em caso de ferimentos recentes.
  • Evite reações de pânico , pois, a princípio, o risco de suicídio real é baixo.
  • Entenda o comportamento como um método para aliviar o sofrimento emocional percebido a curto prazo.
  • Ofereça apoio, valorize a pessoa, evitando julgamentos críticos e pressões pelo abandono imediato do comportamento prejudicial.
  • Dirija-se diretamente se o jovem apresentar uma ideação suicida real, investigando a frequência de auto-mutilação e a existência de um plano de ação premeditado.
  • Motive a criança a procurar ajuda psicológica, além de consultar e procurar aconselhamento profissional como educador para lidar com a situação de maneira adequada.

Referências bibliográficas:

  • Brunner, R., Kaess, M., Parzer, P., Fischer, G., Carli, V., Hoven, CW, … & Balazs, J. (2014). Prevalência ao longo da vida e correlatos psicossociais do comportamento autolesivo direto do adolescente: um estudo comparativo de achados em 11 países europeus. Jornal de Psicologia Infantil e Psiquiatria, 55 (4), 337-348.
  • Straub, J. (2018) Jovem, magoado e cansado de viver? Mente e Cérebro (90), p.12-17.

Deixe um comentário