6 Diferenças entre Criminologia e Criminalística para destacar

As diferenças entre criminologia e criminalística são bastante visíveis. Apesar de termos semelhantes que pertencem à mesma ciência e um tipo de psicologia jurídica, eles são diferentes em suas aplicações e conceitos.

Essa confusão é gerada com grande regularidade entre pessoas que são novas no entendimento dessas ciências e, portanto, é importante identificar as diferenças desses dois conceitos, bem como sua definição específica.

6 Diferenças entre Criminologia e Criminalística para destacar 1

Principais diferenças entre criminologia e criminalística

1- Na sua classificação científica

A criminologia é uma ciência social e é considerada um dos ramos da sociologia e baseia-se na análise comportamental desviante dos criminosos, servindo na dedução de casos apoiados pela psicologia, psiquiatria e também pela filosofia.

A criminologia busca o conhecimento dos motivos, conseqüências, reações e prevenção ao crime, tanto individual quanto socialmente. Ou seja, tudo o que acontece nos níveis mental, antropológico e social do autor e no contexto de um crime.

Enquanto criminalística é uma ciência natural que se baseia no método científico, na física, na química e na biologia.

Por esse motivo, abrange outras ciências para alcançar a aplicação prática de métodos de investigação para atingir seu objetivo, que é esclarecer o material coletado da cena do crime para entregar os resultados das descobertas às autoridades correspondentes.

2- No objeto de estudo

A criminalística estuda o crime como um evento social, ou seja, o analisa com a aplicação das ciências naturais e jurídicas, ou seja, coleta todas as evidências, identifica-as e analisa-as com o apoio da medicina, toxicologia, antropologia e outras ciências.

Ele se concentra em comportamentos inapropriados e se baseia no direito penal, analisando a reação social aos eventos realizados pelos criminosos.

Enquanto a criminologia estuda padrões de comportamento, tendências sociais em relação ao crime e as consequências que ele pode causar na sociedade.

Relacionado:  Bandeira dos Emirados Árabes Unidos: história e inflamada

Ele se concentra em estudar o motivo de um crime, procurando e analisando as evidências ou materiais que fornecem evidências para as evidências de um caso específico.

3- No aspecto jurídico

Uma das diferenças mais claras entre esses dois termos é que a criminologia é o estudo científico dos aspectos não legais do crime, incluindo suas causas e possíveis soluções para o comportamento criminoso.

É totalmente preventivo e ajuda a formular leis de penalização para impor medidas que impedem comportamentos desviantes que levam a atos anti-sociais.

O criminoso, por outro lado, procura determinar a pessoa responsável pelo crime, receber o veredicto e aplicar as leis conforme determinado pela autoridade legal no processo criminal.

Ou seja, no campo criminal, a criminalística está ligada a ações repressivas contra o autor de um crime, buscando a verdade dos fatos, provando culpa e identificando os indivíduos envolvidos no evento criminal.

4- No processo investigativo

No processo investigativo, a criminologia está no nível teórico, devido à sua qualidade de estudar o comportamento, as causas, as conseqüências e as reações do crime tanto dos envolvidos quanto da sociedade e do governo.

Baseia-se em teorias psicológicas e antropológicas para encontrar possíveis causas e soluções viáveis.

Na criminalística, o processo de investigação é prático, pois examina minuciosamente a cena do crime por meio de técnicas especializadas em ciências forenses, para recriar a cena e apresentá-la às autoridades com todas as pistas e a memória geral do fato. Ele depende de outras ciências para determinar o procedimento do crime.

5- Como e por quê

É importante notar que cada um responde a uma pergunta. A criminalística responde às perguntas de como, quando, onde e quem, contando com as diferentes disciplinas para determinar a causa do crime.

Relacionado:  As 5 lendas mais populares de Moquegua

A criminologia responde a razão do crime, ou seja, qual é a causa que motiva o criminoso a cometer um crime e quais são as consequências que afetam o crime na esfera social e individual.

6- Carreiras para jogar

Na criminologia, existem carreiras em órgãos governamentais, tribunais e serviços policiais, tais como: agente de drogas, oficial de justiça, especialista em assistência a vítimas, investigador, agente de litígio, agente de inteligência, entre outros.

Por outro lado, os profissionais de criminalística são desenvolvidos em departamentos de polícia, laboratórios criminais e hospitais.

Existem várias posições na ciência forense, cuja qualificação dependerá do grau acadêmico, especializações ou experiência de cada profissional.

No entanto, as carreiras que também podem ser desempenhadas na área criminalística são: examinador da cena do crime, cientista forense, analista de laboratório, psicólogo forense, entre outros.

Conceitos expandidos de criminologia e criminalista

A criminologia é uma ciência multidisciplinar que se baseia no estudo do fenômeno criminal, ou seja, no estudo científico do crime, na ação criminal e na aplicação da lei em determinados crimes, de acordo com seu nível.

Estude o crime para descobrir quais são suas causas, maneiras pelas quais ele se manifesta e quais são as consequências na sociedade. Ou seja, explica e determina as causas de um evento criminal.

A parte fundamental da criminologia é prevenir o crime e encontrar mecanismos para remediar ações anti-sociais.

A criminologia examina as causas psicológicas, hereditárias e ambientais do crime; e baseia-se no conhecimento sociológico e antropológico da sociedade, delimitado no direito penal.

Também explora os modos de investigação criminal e condenação adequada para cada crime cometido.

A criminologia também analisa a eficácia dos métodos de sanção ou correção em comparação com as formas de tratamento ou reabilitação.

Relacionado:  Para que serve uma pesquisa? 5 usos freqüentes

O profissional de criminologia está preparado para reduzir o crime, conduzir investigações em territórios específicos e estudar os perfis e comportamentos dos criminosos.

Por outro lado, a criminalística é basicamente a ciência aplicada, na qual determina a maneira pela qual um crime foi praticado e quem o cometeu.

Permite a realização do reconhecimento, coleta, identificação e interpretação de evidências físicas e a aplicação das ciências naturais às ciências jurídicas de maneira científica.

Criminalística é a aplicação de técnicas científicas para casos criminais e é frequentemente considerada uma ciência aplicada.

Algumas aplicações na criminalística são impressões digitais, mecânica, planimetria ou fotografia, entre outras.

Os estudos de criminalística são baseados em métodos e técnicas de várias disciplinas para complementar as investigações, entre as quais: antropologia forense, documentos, cópia, entomologia forense, toxicologia forense, etc.

Embora os dois termos possam ficar confusos, estabelecer suas diferenças ajuda a fornecer uma idéia clara e concisa da aplicação e das características individuais de cada um nas ciências jurídicas e na sociedade.

Referências

  1. Brianna Flavin Criminologia vs. Justiça Criminal vs. Criminalística (2017). Fonte: rasmussen.edu
  2. Thomson Gale Criminalística (2005). Fonte: encyclopedia.com
  3. Associação de Criminalistas da Califórnia. Fonte: cacnews.org
  4. Criminalística vs. Criminologia (2016). Fonte: orensiclaw.uslegal.com
  5. Criminalística e Criminologia. (2014). Fonte: laweblegal.com

1 comentário em “6 Diferenças entre Criminologia e Criminalística para destacar”

  1. Como voluntário que fui dentro do complexo carcerário da Casa de Detenção de São Paulo, o extinto Carandiru. Num periodo de 2 anos e meio pude avaliar criteriosamente os aspectos mais íntimos dessas ciências. Sendo ainda detentor de um Curso Superior de Teologia, somei tal experiência na análise que pessoalmente e corpo a corpo me ocupava. O Carandiru, como o maior Complexo Carcerário da América Latina continha os elementos mais selecionados para serem averiguados no âmbito criminal. Por conseguinte criei o neologismo: “Pneumopata” para rotular pessoas com inclinações criminosas por possessões espirituais, detalhe super importante, porém ignorado e menosprezado pelas ciência forense.
    A sutileza diferencial dessas matérias, residente no campo da natureza das mesmas se faz distinguir por: concreto e abstrato. As avaliações de cada caso utilizam-se de: recursos cientificos e discernimento. Assim sendo as aplicações da criminalistica e da criminologia, somam-se na elucidação do ato criminoso para gerar a penalização adequada ou sugerida. Necessario é no campo abstrato, uma perspicácia sutil por parte do agente analisador. Bem como no meu ver, pela pratica, a necessidade da ausência de qualquer tipo de preconceito, ou uma avaliação isenta de qualquer inclinação para a discriminação.

    Responder

Deixe um comentário