Criacionismo: origem, princípios e representantes

Criacionismo: origem, princípios e representantes

O criacionismo ou teoria do criacionismo afirma que a terra, os seres vivos e o universo foram criados por Deus. Nesse sentido, a maioria dos seguidores dessa crença não aceita a teoria da evolução das espécies.

O primeiro a usar o termo criacionista foi, precisamente, Charles Darwin. Em uma carta, ele usou essa expressão para descrever aqueles que se opunham à ciência por ir contra suas crenças religiosas. Com as diferentes descobertas arqueológicas e biológicas, o criacionismo estava perdendo vigor.

A teoria do criacionismo está relacionada aos diferentes relatos que cada religião oferece sobre a criação do mundo, embora o termo criacionista seja geralmente aplicado àqueles que professam o cristianismo. Entre os apoiadores desta tese, existem várias correntes, desde os que interpretam a Bíblia literalmente aos seguidores do design inteligente.

No século 20, o criacionismo manteve alguma força nos Estados Unidos. Figuras como Henry M. Morris ou Harold W. Clark alcançaram notoriedade e seguidores graças a suas posições em defesa dessa teoria e em alguns estados dos EUA uma verdadeira batalha legal se desenvolveu sobre sua presença na educação.

Origem e história

O criacionismo é baseado nos relatos de diferentes religiões sobre como o universo foi formado e diferentes formas de vida apareceram. Para seus seguidores mais clássicos, os livros religiosos devem ser entendidos literalmente.

Tais histórias ofereciam ao ser humano uma resposta para as perguntas que ele não podia responder, começando com a origem da vida e terminando com o motivo pelo qual ela ocorre após a morte.

Apesar disso, o criacionismo apareceu como uma corrente de pensamento quando a ciência começou a dar suas próprias respostas às perguntas acima. Assim, os estudos de Charles Darwin sobre a origem das espécies e a evolução natural foram recebidos com indignação por muitos crentes.

O próprio Darwin usou o termo criacionista para se referir a seus detratores. Eles eram, segundo ele, aqueles que colocam suas crenças religiosas acima das descobertas científicas.

Criacionistas

O avanço da ciência no século 18 causou descobertas que contradiziam os escritos bíblicos a serem publicados. Alguns teólogos e cientistas tentaram conciliar os dois aspectos: ciência e religião.

Já no século 19, o conceito criacionista começou a ser usado para designar aqueles que pensavam que cada espécie havia sido concebida separadamente, como Philip Gosse. À medida que o confronto entre evolucionistas e criacionistas crescia, estes também começaram a ser chamados de “anti-evolucionistas”.

O criacionismo desse período é o chamado criacionismo clássico. Essa corrente englobava tanto aqueles que pensavam que um deus criador existia, mas não negava o evolucionismo, quanto os fundamentalistas que defendiam a literalidade do que está relacionado em Gênesis .

EUA

Um dos países em que o criacionismo teve mais força foi nos Estados Unidos. Lá, a partir de 1929, essa teoria se associou àqueles que rejeitaram totalmente a idéia de evolução. Este setor alegava que a Terra tinha apenas entre 5700 e 10000 anos, ignorando qualquer descoberta arqueológica.

Relacionado:  As 5 festas mais populares de Guayaquil

No entanto, outro setor de criacionistas que apoiaram a idéia da Terra Jovem também cresceu nos EUA, bem como um terceiro composto por criacionistas evolucionistas. Nos dois casos, eles aceitaram parte do que foi afirmado pela ciência, sem deixar de considerar que o todo foi criado por Deus.

Criacionismo contemporâneo

Diante do criacionismo clássico, o contemporâneo tenta demonstrar suas crenças usando disciplinas pertencentes às ciências naturais. Essa corrente foi chamada de criacionismo científico por seus apoiadores.

Para apresentar suas evidências científicas, esses criacionistas não seguem o método científico ou produzem hipóteses falsificáveis. Por esse motivo, seus trabalhos não são aceitos pela grande maioria da comunidade científica.

Design inteligente

Outra tendência atual do criacionismo, especialmente presente nos Estados Unidos, é o chamado design inteligente. Segundo seus seguidores, a complexidade de algumas estruturas biológicas só pode ser explicada se alguma intervenção divina tiver interferido.

Criacionismo pró-evolução

Todos os grupos acima se posicionaram contra a evolução. Diante deles, existe outro criacionismo que aceita que os seres vivos apareceram através da evolução natural. Pelo contrário, é uma tendência filosófica que não se destina a substituir a teoria evolucionária, mas a complementá-la com a religião.

Princípios do criacionismo

Todo criacionismo contrário à evolução compartilha uma série de princípios básicos. Com eles, eles tentam discutir a origem divina do universo e dos seres vivos.

Causalidade

O primeiro dos princípios que os criacionistas usam para justificar suas posições é o da causalidade. É que todo fenômeno deve ter uma causa, portanto o universo e a vida também devem ter uma.

Segundo suas crenças, isso supõe que deve ter havido algum objetivo ao criar o mundo e, obrigatoriamente, uma figura divina que o realizou.

Os criacionistas tentaram usar leis científicas como as da termodinâmica, de Mendel ou da biogênese para oferecer uma base para suas posições.

Relacionado:  Escudo de Veracruz: História e Significado

Deus criou tudo

Para os criacionistas, existe um princípio fundamental: Deus criou o universo, a Terra, a vida e, acima de tudo, os seres humanos. Dependendo da corrente, alguns podem admitir um certo processo de evolução.

Ao tentar explicar a causa das extinções, muitos criacionistas afirmam que Deus pode querer exterminar, por algum motivo, espécies específicas.

Idade da terra

A era da criação é uma questão controversa para os criacionistas. Um setor, o da jovem Terra, afirma que a Terra tem apenas entre 6.000 e 10.000 anos de idade. Essa figura é baseada em uma leitura literal da Bíblia e no estudo da idade de seus personagens.

Por outro lado, outro setor leva em consideração os achados arqueológicos e os estudos astronômicos realizados e aceita que a Terra é muito mais antiga. No entanto, eles sustentam que a vida estava presente desde o início e que a evolução foi projetada por Deus.

Relação entre criacionismo e biologia

Os criacionistas clássicos não aceitam muitas das conclusões dos biólogos. Outros, por outro lado, são mais abertos nesse campo e admitem algumas descobertas.

Controvérsia

Em sua discussão com biólogos, os criacionistas freqüentemente afirmam que a teoria da evolução se tornou um dogma religioso. Dessa forma, tente negar a validade dos estudos científicos realizados e reduzir a controvérsia a uma controvérsia entre duas crenças religiosas.

Criacionismo científico

O confronto entre a biologia como ciência e os criacionistas foi intensificado na década de 1960. A pesquisa de biólogos desmantelou a maioria dos argumentos dos criacionistas e eles reagiram organizando para espalhar suas idéias.

Henry M. Morris, um dos representantes mais proeminentes do criacionismo americano, fundou o Creation Science Research Center na Califórnia. Esta instituição publicou numerosos livros de biologia nos quais tentou unir as descobertas dessa ciência às teses do criacionismo. Assim, nasceu o chamado criacionismo científico.

Complexidade irredutível

Um dos argumentos mais amplamente utilizados pelos criacionistas científicos e defensores do design inteligente é o da complexidade irredutível.

Segundo suas teses, estruturas extremamente complexas são encontradas na natureza que não poderiam ter surgido naturalmente de estruturas mais simples. Alguns dos exemplos que eles apresentam são mecanismos biológicos presentes nas bactérias ou o mecanismo que permite a adaptação do sistema imunológico.

Para eles, essas estruturas não poderiam ter surgido da seleção natural; portanto, devem ter sido criadas por Deus.

Representantes do criacionismo

Como as religiões moldaram as crenças por séculos, pode-se argumentar que, com exceções, todos eram criacionistas até a ciência começar a se desenvolver.

Relacionado:  Comunicação indireta: características, tipos, exemplos

É a partir do surgimento de teorias que contradizem relatos religiosos que uma reação de defesa do criacionismo aparece, com alguns representantes muito proeminentes.

James Usher

James Usher era arcebispo do Trinity College Dublin quando assumiu a tarefa de calcular quando Deus criou o mundo. Para fazer isso, ele estudou documentos hebraicos e a Bíblia e concluiu que a criação ocorreu em 22 de outubro de 4004 aC. C.

Pouco depois, John Lightfoot, da Universidade de Cambridge, corrigiu Usher e afirmou que a data verdadeira era setembro de 3928 a. C.

Harold W. Clark

Um dos representantes mais importantes do criacionismo no início do século XX foi Harold W. Clark.

Young Clark foi educado na Igreja Adventista do Sétimo Dia. Em 1929, ele publicou um dos livros mais influentes entre os defensores da teoria criacionista. O título era Retorno ao criacionismo e seu conteúdo fez com que Clark fosse considerado o maior teórico sobre essa crença nos tempos modernos.

Henry M. Morris e John C. Whitcomb

Morris e Whitcomb foram os autores do dilúvio de Gênesis , outro dos trabalhos mais influentes do criacionismo. De fato, muitos de seus seguidores chamam este livro de “a Bíblia do criacionismo”.

O primeiro dedicou sua vida inteira à busca de argumentos científicos que pudessem apoiar o que está relacionado no Antigo Testamento . Para Morris, a teoria da evolução era totalmente falsa e sustentava que a Terra havia sido criada pouco antes do dilúvio universal.

John C. Clement, por sua vez, foi distinguido por sua forte crença na literalidade da Bíblia. Assim, ele afirmou que o mundo foi criado por Deus em seis dias e que permaneceu inalterado desde então.

Referências

  1. Castillero Mimenza, Oscar. Criacionismo: o que é e por que é controverso. Obtido de psicologiaymente.com
  2. EcuRed. Criacionismo. Obtido de ecured.cu
  3. Ciência ABC. A nova estratégia do criacionismo contra a ciência. Obtido de abc.es
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Criacionismo. Obtido em britannica.com
  5. BBC. Criacionismo e design inteligente. Obtido de bbc.co.uk
  6. Ruse, Michael. Criacionismo. Obtido de plato.stanford.edu
  7. Swift, Art. Nos EUA, a crença na visão criacionista dos seres humanos na Nova Baixa. Obtido em news.gallup.com
  8. Pappas, Stephanie. Criacionismo vs. Evolução: 6 grandes batalhas. Obtido de livescience.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies