A corrente libertadora do norte e as principais batalhas

A Corrente Libertadora do Norte foi um movimento revolucionário liderado por Francisco de Miranda que teve como objetivo libertar os países da América Latina do domínio espanhol. Este movimento teve como principal palco as batalhas travadas na região norte do continente, onde os exércitos patriotas lutavam contra as forças realistas.

Dentre as principais batalhas travadas durante a Corrente Libertadora do Norte, destacam-se a Batalha de La Victoria, a Batalha de Los Horcones, a Batalha de San Félix e a Batalha de Carabobo. Nessas batalhas, os patriotas conseguiram importantes vitórias que contribuíram para o avanço do movimento independentista na região.

A Corrente Libertadora do Norte foi um marco na luta pela independência da América Latina e teve um papel fundamental na libertação de diversos países da influência espanhola. Suas batalhas e estratégias militares foram essenciais para o sucesso do movimento e para a consolidação da independência dos países da região.

Que nações foram libertadas por San Martin durante seu período de liderança revolucionária?

Durante seu período de liderança revolucionária, José de San Martin foi responsável por libertar as nações da América do Sul da dominação espanhola. As principais nações libertadas por San Martin foram a Argentina, o Chile e o Peru.

A corrente libertadora do norte, liderada por San Martin, foi responsável por várias batalhas decisivas que contribuíram para a independência dessas nações. Algumas das principais batalhas incluem a Batalha de Chacabuco, a Batalha de Maipú e a Batalha de Ayacucho.

A Batalha de Chacabuco, por exemplo, foi uma vitória crucial que permitiu a San Martin libertar o Chile da dominação espanhola. Já a Batalha de Maipú foi outro confronto importante que consolidou a independência chilena. E a Batalha de Ayacucho foi o confronto final que garantiu a libertação do Peru.

Graças à liderança de San Martin e à corrente libertadora do norte, essas nações puderam finalmente conquistar sua independência e se tornar países soberanos. A contribuição de San Martin para a libertação da América do Sul é inestimável e seu legado como herói da independência perdura até os dias de hoje.

Qual era a proposta de Bolívar para a América Latina em seu projeto de independência?

Bolívar tinha como proposta unificar a América Latina em uma grande nação, chamada de “Grande Colômbia”. Seu objetivo era libertar os países latino-americanos do domínio espanhol e criar uma república democrática, baseada nos princípios de liberdade, igualdade e fraternidade.

A corrente libertadora do norte, liderada por Bolívar, foi responsável por algumas das principais batalhas pela independência na América Latina. Entre elas, destacam-se a Batalha de Carabobo, que garantiu a independência da Venezuela, e a Batalha de Boyacá, que assegurou a independência da Colômbia.

Essas batalhas foram fundamentais para o avanço do projeto de independência de Bolívar e para a consolidação da América Latina como um continente livre e soberano. A corrente libertadora do norte deixou um legado de luta e resistência que inspirou outros movimentos de independência em toda a região.

O papel dos líderes latino-americanos na independência dos países sul-americanos.

O processo de independência dos países sul-americanos foi marcado pela liderança de diversos líderes latino-americanos que desempenharam um papel fundamental na luta contra o domínio colonial. A corrente libertadora do norte, liderada por figuras como Simón Bolívar, José de San Martín e Bernardo O’Higgins, foi responsável por conduzir as principais batalhas que resultaram na independência de países como Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Chile e Argentina.

Relacionado:  Tratado de Mon-Almonte: características, consequências

Estes líderes latino-americanos foram responsáveis por organizar exércitos, mobilizar a população e coordenar estratégias de combate contra as forças coloniais. Suas habilidades políticas e militares foram essenciais para garantir o sucesso dos movimentos de independência e para consolidar a soberania dos novos Estados.

Algumas das principais batalhas travadas durante a corrente libertadora do norte incluem a Batalha de Boyacá, onde Simón Bolívar obteve uma importante vitória que levou à independência da Colômbia, e a Batalha de Maipú, liderada por José de San Martín, que resultou na libertação do Chile do domínio espanhol.

Qual foi a contribuição de Bolívar para a independência da região?

A corrente libertadora do norte, liderada por Simón Bolívar, foi fundamental para a independência de diversos países da América Latina. Bolívar, conhecido como o Libertador, desempenhou um papel crucial na luta contra o domínio espanhol na região, contribuindo significativamente para a conquista da liberdade dos povos latino-americanos.

Uma das principais contribuições de Bolívar foi a organização e liderança das tropas que participaram das principais batalhas da independência. Sua estratégia militar e sua coragem inspiraram milhares de soldados a se juntarem à causa da liberdade, tornando possível a derrota das forças espanholas em batalhas decisivas, como a Batalha de Boyacá e a Batalha de Carabobo.

Além disso, Bolívar foi responsável pela elaboração de importantes documentos políticos, como a Carta de Jamaica, que defendiam a independência das nações latino-americanas e estabeleciam os princípios de um governo democrático e republicano na região. Sua visão de uma América Latina unida e livre do jugo colonial foi fundamental para a consolidação dos novos Estados independentes.

A corrente libertadora do norte e as principais batalhas

A Corrente Libertadora do Norte (1810-1826) foi uma campanha militar-militar liderada pelo venezuelano Simón Antonio, da Santíssima Trindade Bolívar Palacios, mais conhecido como Simón Bolívar, libertador das Américas. O conflito começou no que era conhecido como Nueva Granada (Colômbia-Venezuela-Equador) e culminou na independência do Peru e da Bolívia.

Esta campanha inclui numerosos estratagemas da mão de Simón Bolívar, nos quais foram travadas a famosa Batalha de Boyacá na Colômbia, a Batalha de Carabobo na Venezuela e a Batalha de Pichincha no Equador, que levaram à Independência do Peru e com ela. o fim do jugo da coroa espanhola.

A corrente libertadora do norte e as principais batalhas 1

Antecedentes da Corrente Libertadora do Norte

Em 1810, após a demissão do vice-rei espanhol Vicente Emparan, a Venezuela passava por várias revoltas que colocavam em risco a supremacia espanhola.

Naquele momento, Bolivar já estava tomando medidas para iniciar o movimento de independência que o levaria a recrutar Francisco de Miranda em Londres, que acabara de liderar parte das campanhas da Revolução Francesa na Europa.

Em março de 1811, um congresso nacional se reuniu em Caracas. Embora não tenha sido delegado, Bolívar fez seu primeiro discurso em público: «Vamos lançar a pedra angular da liberdade americana sem medo. Hesitar é perecer ».

A Primeira República foi declarada em 5 de julho na Venezuela, tornando-se a primeira colônia a tentar se libertar do império espanhol.

Embora não tivesse treinamento militar formal nem experiência no campo de batalha, Bolívar foi nomeado tenente-coronel sob Miranda. Ele participou de seu primeiro compromisso em 19 de julho, realizando um ataque ao bastião espanhol de Valência. No entanto, as forças rebeldes foram repelidas e, posteriormente, um cerco forçou a capitulação em 19 de agosto, após grandes perdas de ambos os lados.

Como resultado, Miranda e Bolívar começam a ter diferenças no tratamento de conspiradores contra-revolucionários. Enquanto isso, na frente política, os republicanos sofriam com a falta de experiência do governo e, em poucos meses, o verdadeiro tesouro, obtido sob brigas, foi gasto em um bloqueio espanhol que levou ao agravamento da situação econômica da região.

Bolívar estava encarregado do porto republicano mais importante, Puerto Cabello, na Venezuela, onde um grande número de prisioneiros era mantido no forte principal, além de uma grande coleção de armas e artilharia.

A combinação foi fatal: um traidor libertou os prisioneiros que se armaram e começou a bombardear a posição de Bolívar. Ele e seus homens mal escaparam com vida.

Bolivar ficou envergonhado com a perda e furioso por Miranda não atender aos pedidos de ajuda. Pouco depois, ele e outros oficiais entregaram Miranda aos espanhóis. Quando os espanhóis concluíram sua reconquista do país, Bolívar escapou para Cartagena em Nueva Granada, imersa em uma sangrenta guerra civil.

Batalha de Boyacá (Colômbia)

A Batalha de Boyacá ocorreu em 7 de agosto de 1819, perto de Bogotá, os insurgentes sul-americanos vitoriosos sobre as forças espanholas. Essa batalha libertaria Nueva Granada, atualmente na Colômbia.

Um exército de cerca de 3.000 homens, sob o comando dos generais Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander, surpreendeu e derrotou os espanhóis em confrontos preliminares em Gámeza (12 de julho), Pantano de Vargas (25 de julho) e capturou Tunja 5 de agosto.

Em Boyacá, o Santander interrompeu o avanço espanhol perto de uma ponte sobre o rio Boyacá, enquanto as tropas de Bolívar atacaram a força principal a 800 metros, levando mais de 1.800 prisioneiros e o comandante espanhol.

Bolívar conquistou Bogotá em 10 de agosto e foi aclamado como o libertador de Nova Granada. Constituiu um governo provisório deixando o Santander como vice-presidente e chefe interino e partiu para Angostura na Venezuela, onde anunciou seu plano de estabelecer a República da Gran Colômbia.

Batalha de Carabobo (Venezuela)

Uma das vitórias cruciais para a libertação do território sul-americano foi a chamada Batalha de Carabobo (24 de junho de 1821), que tornou a Venezuela independente do controle espanhol.

Sob as indicações do governo liberal recentemente instalado na Espanha, o general Pablo Morillo assinou um armistício com Simón Bolívar, comandante das forças revolucionárias no norte da América do Sul, em novembro de 1820. Posteriormente, os patriotas quebraram os termos do acordo movendo-se contra A guarnição realista no lago Maracaibo.

Em Carabobo, Bolívar liderou seu exército numericamente superior de cerca de 6.500 soldados, incluindo voluntários das Ilhas Britânicas, até a vitória sobre os espanhóis, comandada pelo general La Torre. O general José Antonio Páez e seus llaneros e voluntários britânicos e irlandeses derrotaram o exército espanhol enquanto a cavalaria patriótica esmagava seu centro.

A vitória patriótica resultante garantiu a independência da Venezuela, uma vez que os espanhóis decidiram que nunca tentariam controlar a região.

Com os espanhóis expulsos, a Venezuela começaria a se reformar após anos de guerras e, por sua vez, Bolívar fundaria a República da Gran Colômbia, que incluiria Venezuela, Colômbia, Equador e Panamá na época. Posteriormente, esta república foi dissolvida.

Batalha de Pichincha

A corrente libertadora do norte e as principais batalhas 2

A capitulação da batalha de Pichincha

Em 24 de maio de 1822, o exército rebelde sob o comando do general Antonio José de Sucre e as forças espanholas lideradas por Melchor Aymerich entraram em conflito nas encostas do vulcão Pichincha, em vista da cidade de Quito, Equador.

Relacionado:  Cultura Machalilla: características, localização, economia, arte

Ao norte, Simón Bolívar havia lançado o vice-reinado de Nueva Granada em 1819 e, ao sul, José de San Martín havia libertado a Argentina e o Chile e estava se movendo em direção ao Peru. Os últimos grandes bastiões das forças realistas do continente foram no Peru e em torno de Quito.

Na noite de 23 de maio, Sucre ordenou que seus homens se mudassem para Quito. Ele queria que eles tomassem o terreno alto do vulcão Pichincha, que domina a cidade, e esperem os primeiros raios de luz do dia enfrentarem as encostas íngremes e enlameadas do vulcão.

As forças de Sucre se espalharam por toda a marcha e os espanhóis foram capazes de dizimar seus principais batalhões antes que a retaguarda chegasse. Quando o batalhão rebelde escocês-irlandês Albion aniquilou uma força de elite espanhola, os monarquistas foram forçados a se retirar.

Em 25 de maio, Sucre entrou em Quito e aceitou formalmente a rendição de todas as forças espanholas. Bolivar chegou em meados de junho para multidões felizes.

A batalha de Pichincha seria o aquecimento final das forças rebeldes antes de enfrentar a fortaleza mais forte dos monarquistas do continente: o Peru. A Batalha de Pichincha consolidou Sucre como um dos principais oficiais rebeldes da Campanha liderada por Bolívar.

Independência do Peru: Batalha de Junín e Ayacucho

A corrente libertadora do norte e as principais batalhas 3

Batalha de Ayacucho

Em 6 de agosto de 1824, Simón Bolívar e Antonio José de Sucre derrotaram o exército espanhol no lago Junín, no alto das montanhas peruanas. Essa vitória preparou o terreno para a Batalha de Ayacucho, onde outro impressionante triunfo patriótico garantiu a liberdade para o Peru e toda a América do Sul.

Em Junín, Bolívar aproveitou que seus inimigos estavam divididos para atacar, movimentando cerca de 9.000 homens.

A cavalaria argentina de Bolívar chegou ao fim primeiro, levando o general britânico William Miller, cuja cavalaria pretendia se retirar antes de acender e atacar a cavalaria realista. Os patriotas avançaram ao cair da noite e De Canterac, general-chefe das forças espanholas, recuou com medo de enfrentar o exército patriótico nas planícies.

A Batalha de Ayacucho ocorreria em 9 de dezembro de 1824, sendo uma vitória sobre os monarquistas nas terras altas perto de Ayacucho, Peru. Ele libertou o Peru e garantiu a independência das nascentes repúblicas sul-americanas da Espanha.

As forças de cerca de 6.000 homens, incluindo venezuelanos, colombianos, argentinos e chilenos, além de peruanos, estavam novamente sob a direção de Bolívar e Sucre.

Sucre iniciou o ataque com uma brilhante carga de cavalaria liderada pelo ousado colombiano José María Córdoba, e em pouco tempo o exército realista foi derrotado, com cerca de 2.000 homens mortos.

O vice-rei espanhol e seus generais foram feitos prisioneiros. Os termos da rendição estipulavam que todas as forças espanholas fossem retiradas do Peru e Charcas (Bolívia).

Referências

  1. Batalha de Ayacucho. Recuperado de Britannica.com.
  2. Batalha de Ayacucho, 1824 – A Arte da Batalha.
  3. A Batalha de Boyaca Recuperado de Thoughtco.com.
  4. Simon Bolivar e Jose de San Martin. Recuperado de Thoughtco.com.
  5. Batalha de Carabobo – Referência Oxford. Recuperado de Oxfordrefernce.com.
  6. Batalha de Carabobo (1821) – Regras rápidas e fáceis para estudantes. Recuperado de Juniorgeneral.org.
  7. Biografia de Simon Bolivar. Recuperado de militaryheritage.com.

Deixe um comentário