Abandono das cidades maias: causas do colapso maia

O abandono das cidades maias é um dos enigmas que os pesquisadores mais pensam e sobre os quais investigam constantemente. Algumas das causas mais prováveis ​​estão relacionadas a uma importante mudança na ordem política e à deterioração do meio ambiente, entre outras.

Por três mil anos, a civilização maia dominou grandes territórios da América Central, construindo cidades importantes, acumulando riqueza, construindo monumentos religiosos em larga escala, fortalecendo sua economia, diversificando a produção agrícola e constituindo poderes políticos e sistemas sociais muito sofisticados.

Abandono das cidades maias: causas do colapso maia 1

Entre as razões mais aceitas para o colapso das cidades maias, há mudanças políticas, um aumento nos problemas de saúde e o surgimento de epidemias. Fonte: tato grasso [CC BY-SA 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5)]

Arqueólogos e antropólogos estudaram profundamente as características dos maias para tentar explicar os motivos que os levaram a abandonar as cidades em que habitavam. Entre os possíveis elementos determinantes estão sua cultura, sua dinâmica e outros elementos, como clima, guerras, doenças e desastres naturais.

Aproximadamente em 1000 a. C., a população maia alcançou cerca de três milhões de pessoas e desapareceu quase completamente deixando poucas evidências de sua existência. Quando os espanhóis chegaram às cidades abandonadas, eles queimaram os únicos vestígios (livros e documentos) que poderiam explicar o motivo de seu desaparecimento.

Mesmo assim, sua cultura vigorosa deixou um legado de obras – especialmente arquitetônicas e alguns códigos resgatados pelos missionários – que atualmente serviram de base para indagar sobre essa civilização e entender tanto sua evolução quanto sua extinção.

Possíveis causas do colapso maia

Diferentes teorias tentam explicar os múltiplos fatores que desencadearam o abandono das cidades maias. Algumas delas estão inclinadas ao clima, mudanças sociais e políticas, escassez de alimentos e alterações ecológicas.

Os maias ocupavam grande parte da península de Yucatan, no sul do México, Guatemala e Belize. Cidades como Copán passaram de 25.000 habitantes para 5000 entre 850 e 1100.

Relacionado:  6 símbolos nazistas, seus significados e história

Estima-se que o trânsito entre o declínio e o declínio da civilização maia tenha ocorrido durante o período pós-clássico, entre 900 e 1521 dC. C.

Houve um processo de militarização e divisões sociais que causou, entre outras coisas, o desaparecimento de rituais e cerimônias como elementos de coesão social.

Fatores ecológicos

Diferentes investigações mostram que uma das possíveis causas do colapso maia foi a deterioração do meio ambiente, causada pelos próprios habitantes.

O corte de árvores para a construção e preparação de terras para as culturas afetou muito o ecossistema, causando mudanças no clima e outros elementos naturais.

Fazenda

O aumento excessivo da população produziu crescimento agrícola, uma vez que as culturas devem ser suficientes para atender à demanda dos habitantes. Para isso, os maias conseguiram ter novas terras adequadas através de enormes sistemas de canais para drenar e irrigar o plantio.

As grandes construções de estuque – um gesso feito de calcário em chamas – produziram a exploração excessiva do vale e, com ele, porções gigantescas de terra foram desmatadas.

Com o tempo, esse crescimento populacional e suas atividades causaram longos períodos de seca, que terminaram com as lavouras e reduziram drasticamente os recursos naturais e alimentares necessários para alimentar a força de trabalho e a população em geral.

Dizem que esses períodos duraram décadas e duraram em maior ou menor extensão por quase um século. Segundo pesquisadores especializados, essa pode ter sido uma das causas naturais mais importantes que esgotaram a civilização maia.

Desastres naturais

Outras hipóteses se apresentam como causas de seu desaparecimento de fenômenos naturais e desastres que ocorreram ao longo de sua evolução, como terremotos, deslizamentos de terra, inundações e furacões.

Fatores políticos

Entre 987 e 1007, aproximadamente, houve uma mudança importante na ordem política: a chamada Liga Mayapán (a aliança tripla) foi criada. Foi uma confederação de três grupos – os cocomes de Mayapán, os xiúes de Uxmal e os itzáes de Champotón – que subjugaram e dominaram os grupos sociais mais frágeis.

Relacionado:  Exército Trigarante: Antecedentes, Desenvolvimento

Após 200 anos de rivalidades e lutas políticas entre Itza e os cocomes, estes foram vencedores e mantiveram o domínio político por mais de dois séculos e meio.

Nova aliança

Após a tirania insustentável desse governo centralizado, os cocomes e os xiús formaram uma nova aliança. Eles encerraram a ordem política estabelecida, mas isso produziu uma desestabilização significativa na esfera política e social.

Esse desequilíbrio, prolongado por muitos séculos como resultado de guerras entre cidades-estados, levou ao colapso de todos os sistemas tradicionais e destruiu a base fundamental da sociedade maia, resultando em seu desaparecimento repentino.

Durante esse desastre, rituais, cerimônias e outros elementos sagrados também foram abandonados. O caos reinou, diluindo todas as formas de organização social e religiosa, reduzindo todas as capacidades sociais necessárias para restaurar novas comunidades.

Fatores sociais

A dinâmica social evoluiu à medida que o crescimento da população começou sem parar. Esse crescimento excessivo estava gradualmente esgotando e deteriorando a quantidade e a qualidade dos recursos, impactando negativamente a saúde dos maias.

O enfraquecimento do sistema imunológico permitiu o aparecimento de epidemias e outras doenças que aumentaram o número de mortes. Os indivíduos foram vítimas fáceis de doenças e exaustão devido à construção pesada e obras de terra.

Longos períodos de fome, miséria, pragas e doenças começaram a flagelar os moradores e se espalhar por todas as cidades. Isso gerou um êxodo maciço em diferentes períodos, pois os habitantes procuravam melhores condições de vida.

Crime

A degradação social avançou rapidamente, dando lugar à destruição, roubo e pilhagem de edifícios, profanação de sepulturas para obter pedras e metais preciosos e a disseminação de grupos que tomaram os palácios, uma vez que estavam vazios após o vôo de os governantes que os ocuparam.

Relacionado:  Plano Jalapa: antecedentes, motivos, desenvolvimento e protagonistas

Os maias abandonaram as grandes construções do monumento com inscrições elaboradas e deram lugar à criação de cabanas. Até as praças eram o local de moradia para pessoas sem-teto e criminosos.

Em 1517, os espanhóis navegaram para a América Central com a intenção de dominar a população maia; no entanto, já os próprios habitantes, o poder político e a natureza haviam feito o trabalho de destruí-los como civilização.

Referências

  1. De la Garza, Mercedes. “No” colapso “nas cidades maias das planícies.” Em Arqueologia Mexicana. Recuperado em 11 de maio de 2019 de Arqueologia mexicana: arqueologiamexicana.mx
  2. “Colapso maia” na Wikipedia. Recuperado em 12 de maio de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org
  3. “Qual foi a causa dos maias deixando suas cidades majestosas?”, Na Rede Matador. Recuperado em 11 de maio de 2019 de Matador Network: matadornetwork.com
  4. “Causas do declínio dos maias” em O visualizador. Recuperado em 11 de maio de 2019 de O visualizador: elespectador.com
  5. “O colapso dos maias foi devido à má administração de seus recursos, afirma o arqueólogo” nas Tendências 21. Recuperado em 12 de maio de 2019 a partir das tendências 21: trends21.net
  6. O que realmente acabou com a civilização maia? na BBC News. Retirado em 12 de maio de 2019 da BBC News: bbc.com
  7. “Por que os maias desapareceram” na cultura maia. Recuperado em 12 de maio de 2019 de Cultura Maia: cultura maya.org

Deixe um comentário