Triênio Liberal: Declaração de Irrigação e Reforma

O triênio liberal ou triênio constitucional foi um período de três anos na história da Espanha (de 1820 a 1823) em que o exército foi revelado contra a autoridade do rei Fernando VII. O levante ocorreu devido à recusa do rei em cumprir a Constituição de 1812.

O movimento foi liderado pelo coronel Rafael de Riego, que se levantou contra o rei com um pequeno grupo de rebeldes. Apesar das fraquezas relativas dos rebeldes, o rei Fernando concordou em reconhecer a Constituição de 1812, que iniciou o Triênio Liberal.

Triênio Liberal: Declaração de Irrigação e Reforma 1

Declaração de Irrigação

Desde 1819, o rei Fernando VII reunia uma enorme quantidade de tropas para enviar à América do Sul e lutar nas várias guerras de independência que estavam sendo travadas em território latino-americano.

Rafael de Riego havia sido designado como um dos batalhões que ele comandaria em nome da Espanha, mas quando chegou a Cádiz com suas tropas, iniciou uma revolta em 1 de janeiro de 1820.

Embora sua insurreição não tenha tido efeito na província, as repercussões ressoaram por toda a Espanha e, em pouco tempo, um grande número de soldados chegou a Madri e cercou o palácio real.

Intenção de restaurar a monarquia constitucional

A revolta procurou incentivar o regime a restabelecer uma monarquia constitucional que já funcionava há dois anos, de 1812 a 1814. As mudanças propostas já haviam sido rejeitadas pela monarquia.

No entanto, a pressão era tão forte que, quando as tropas insurgentes apareceram em frente ao palácio real para pressionar o rei, ele decidiu acessar as demandas militares e reconhecer a Constituição novamente.

Esses eventos deram origem ao surgimento do Triênio Liberal, etapa intermediária do reinado de Fernando VII e segunda validação da Constituição de 1812, que durou de 1820 a 1823.

Relacionado:  Fernando VII da Espanha: Biografia

A Constituição de 1812

Esta Constituição foi criada com um pensamento único para a época: a criação de uma nação hispânica que funcionava como uma das colônias das Américas. É considerada uma das constituições mais liberais do mundo para aquele momento da história da humanidade.

Essa Constituição foi eliminada em 1814 pelo próprio Fernando VII, pois reduziu o poder à monarquia e estabeleceu uma democracia parlamentar que se inclinava mais para a visão dos regimes modernos. Obviamente, isso não caiu bem para a realeza, dado seu óbvio declínio no poder.

Tão liberal foi essa Constituição, criada em conjunto com vários líderes sul-americanos. Esses líderes ficariam encarregados de redigir as fundações das constituições de seus países obtendo independência alguns anos depois.

Uma das principais demandas que as colônias tinham era o fato de quererem ser reconhecidas como nações independentes pela Espanha.

A negação da monarquia em atender às demandas americanas causou revoltas armadas na América do Sul, que se tornaram as guerras de independência.

Troca comercial fluente

Esta Constituição permitiu uma troca comercial fluida entre a Espanha e as colônias, que era principalmente apoiada pelas elites crioulas, dada a quantidade de benefícios econômicos que trouxe.

No entanto, a Constituição nunca pôde definir corretamente muitos aspectos das leis do país e da distribuição de poder na América Latina, porque na época de sua promulgação a Espanha foi invadida pelos franceses.

Reformas

Formação Província

O governo liberal que foi estabelecido após o reconhecimento da Constituição por Fernando VII concentrou-se em dividir a Espanha em 52 províncias para procurar eliminar a força regionalista que havia sido construída há séculos. Isso foi bastante rejeitado pelas províncias mais autônomas, como Catalunha e Aragão.

Relacionado:  Ramón Freire Serrano: Biografia e Obras

Políticas contra a Igreja

O governo liberal teve vários atritos consideráveis ​​com a Igreja Católica, cuja presença sempre foi ampla na Espanha e seu poder foi notável.

O governo procurou remover poderes da Igreja para eliminar a influência de uma força religiosa no mandato da nação.

Prisão do rei

Fernando VII, que em teoria permaneceu o chefe de Estado, passou o Triênio inteiro trancado em sua casa, onde o governo o manteve em prisão domiciliar.

Desestabilização espanhola nas colônias

Durante o Triênio Liberal, os movimentos de independência na América do Sul estavam em um estado bastante avançado. Eles tentaram chegar a um acordo com os líderes das regiões latinas, mas tudo isso falhou porque a Espanha se recusou a reconhecê-los como países independentes.

Em 1821, o chefe político da Nova Espanha (que incluía todas as colônias e vice-reis) assinou um tratado no qual a Coroa reconheceu a independência da Nova Espanha. Este tratado foi assinado sem acordo prévio com o rei ou o governo, o que significou uma catástrofe política para o país ibérico.

No entanto, as políticas do governo haviam mudado a repressão política e militar para a abertura de negociações com as colônias.

Cancelamento dos trabalhos do Triênio Liberal

Durante os três anos do Triênio Liberal, Fernando VII teve contatos com a Aliança Quíntupla, uma coalizão formada pelo Reino Unido, França, Prússia, Rússia e Áustria.

Esta aliança foi formada após a queda de Napoleão Bonaparte, para impedir um futuro regime da mesma natureza e para a formação de governos e revoluções liberais na Europa.

Dada a natureza dessa aliança, os países que a formaram estavam preocupados com o estado da Espanha durante o regime liberal no Triênio.

Em 1823, um congresso da aliança que ocorreu em Viena deu à França permissão para invadir a Espanha e pôr fim ao regime atual, a fim de restabelecer a monarquia de Fernando VII e restaurar a paz na península.

Relacionado:  Rodrigo de Bastidas: Biografia, Viagens e Rotas

A França enviou cem mil soldados para a Espanha, com os quais eles facilmente levaram Madri e retornaram a Fernando VII ao poder, encerrando o Triênio Liberal e restaurando a ordem monárquica no país.

Referências

  1. Triênio Liberal, Wikipedia, em inglês, 17 de julho de 2017. Extraído de Wikipedia.org
  2. Triênio Liberal (1820-1823), (sd). Retirado de mcu.es
  3. O movimento liberal na Espanha: da Constituição de Cádiz à espada de Pavia, (s), Alejandro Vidal Crespo. Retirado de bancamarch.es
  4. Rafael de Riego, Wikipedia em inglês, 14 de janeiro de 2018. Retirado de Wikipedia.org
  5. Quíntupla Aliança, Wikipedia em inglês, 26 de fevereiro de 2018. Retirado de Wikipedia.org

Deixe um comentário