Missão Klein Saks: antecedentes, causas, por que falhou?

A Missão Klein Saks era uma comissão composta por um grupo de especialistas americanos contratados pelo governo colombiano para tentar melhorar a economia do país. O presidente que decidiu entrar em contato com esse consultor foi Carlos Ibáñez del Campo, em 1955, durante seu segundo mandato.

A economia chilena sofreu uma série de sérios problemas estruturais. Estes foram bastante agravados depois que a Grande Depressão de 1929 afetou o país nos anos seguintes. Após essa crise global, a tentativa de implementar um modelo baseado na industrialização de substituição de importações não deu os resultados esperados.

Missão Klein Saks: antecedentes, causas, por que falhou? 1

Presidente Ibáñez del Campo – Fonte: Alejandro Hales Archive sob a licença Creative Commons Attribution 3.0 Chile

O controle da inflação se tornou um dos maiores desafios do país. Na década de 1950, os preços aumentaram até 80%, enquanto as taxas de desemprego também aumentaram consideravelmente.

Diante dessa situação, Ibañez del Campo decidiu contratar uma consultoria americana para analisar e tentar encontrar soluções. A missão Klein Saks desenvolveu uma série de recomendações, embora nem todas tenham sido implementadas. A forte resposta social fez com que não dessem o resultado desejado.

Antecedentes

Durante vários anos, o Chile implementou um modelo econômico baseado na industrialização de substituição de importações, com influências do keynesianismo. Esse sistema visava ao Estado aprimorar a industrialização, mas o resultado foi a criação de déficits e o desequilíbrio entre a cidade e o mundo rural.

Além disso, as consequências da depressão econômica global, que atingiu o Chile na década de 1930, fizeram com que os preços tivessem comportamento irregular.

Carlos Ibáñez del Campo

Carlos Ibáñez del Campo foi uma das figuras mais proeminentes na política chilena por quarenta anos. Durante seu estágio de influência, e não apenas como presidente, ele procurou fortalecer o papel do Estado na sociedade.

Seu primeiro mandato presidencial começou em 1927, após a renúncia de Emiliano Figueroa. Ao ocupar o cargo, Ibáñez exerceu a presidência com um estilo autoritário, reprimindo a oposição e estabelecendo censura à imprensa.

No entanto, seu governo teve muita aceitação entre parte da população, favorecido pelo aumento dos preços do salitre e pelos benefícios obtidos com a exploração do cobre.

Relacionado:  Cultura Mochica: História, Localização e Características

Ibáñez aproveitou a oportunidade para empreender um grande programa de obras públicas e promover a produção por meio de créditos e tarifas protecionistas.

Saída do governo

As políticas de Ibáñez acabaram causando um alto nível de endividamento público. Isso, e os erros cometidos na gestão monetária após a crise de 29, levaram a uma grande crise econômica.

Em 1931, as manifestações contra ele eram enormes e o presidente tinha pouco apoio. Dado isso, Ibáñez foi forçado a renunciar e, pouco depois, os militares ocuparam o poder.

Ibáñez retornou do exílio em 1937 para se candidatar às eleições que ocorreriam no ano seguinte. Sua candidatura foi apoiada pelo movimento Nacional Socialista, mas uma tentativa de golpe estrelando um grupo de jovens nazistas e o massacre do Seguro dos Trabalhadores o fez desistir.

Antes de recuperar a presidência, em 1952, Ibáñez compareceu às eleições de 1942, embora sem sucesso. Em 1949, ele foi eleito senador pelo Partido Trabalhista.

Gestão econômica

Em sua segunda presidência, Ibáñez manteve a política de desenvolvimento iniciada pelos radicais. Assim, tento aumentar a produção, apoiando empresas públicas como a Pacific Steel Company (CAP). Ele também fundou a Indústria Nacional de Açúcar (IANSA), sendo um dos últimos presidentes a criar empresas para a CORFO.

Além disso, ele foi o criador do Banco Estatal do Chile e modificou os estatutos do Banco Central do Chile.

Socialmente, Ibáñez estabeleceu um salário mínimo para os agricultores, o que tirou milhares de trabalhadores da pobreza.

Toda essa política significou um gasto público muito alto, o que causou um aumento da inflação. A situação piorou tanto que, em 1955, Ibáñez chamou o consultor econômico Klein-Sacks para ajudar a limpar a economia.

Causas

O modelo econômico adotado em grande parte da América Latina, baseado no “estatismo keynesiano”, mostrou suas limitações durante a década de 50 do século XX.

Esse modelo foi apoiado pela busca de desenvolvimento interno, substituindo importações por industrialização. Na prática, os governos promoveram a promoção da industrialização nacional orientada para o mercado doméstico.

Crise de 29

A Grande Depressão de 1929 começou nos Estados Unidos, mas acabou afetando todo o planeta. No Chile, suas consequências causaram enorme instabilidade social. Um exemplo foi a imigração de trabalhadores de salitre para Santiago por causa da pobreza que estavam enfrentando.

Relacionado:  As 5 intervenções estrangeiras mais importantes no México

O Chile, como outros países latino-americanos, recorreu à missão Kemmerer para tentar corrigir os desequilíbrios criados. No entanto, a introdução do padrão ouro e o contrato entre o governo chileno e a família Guggenheim para fundar a Saltpeter Company, medidas recomendadas pelo Kemmerer, só pioraram a situação.

Inflação

A inflação foi a grande dor de cabeça para a economia chilena durante as décadas anteriores à chegada da missão Klein-Saks.

Os dois primeiros anos da presidência de Ibáñez, antes de contratar o consultor americano, apresentaram números muito negativos. Assim, entre 1953 e 1955, a inflação atingiu valores de 71,1% e 83,8%.

Déficit

A inflação mencionada causou desequilíbrios significativos em todos os setores econômicos. Nos dois anos anteriores à chegada da missão, o tesouro público apresentou um déficit significativo, principalmente devido ao aumento dos gastos correntes, além da ineficiência do sistema tributário.

Finalmente, para financiar esse déficit, o governo teve que usar recursos do Banco Central e, em menor medida, bancos privados.

Outras causas

Além dos já mencionados, houve outros motivos que levaram à contratação da missão Klein-Saks. Entre eles, algumas más colheitas e a instabilidade das políticas econômicas. Tudo isso levou a um ambiente de incerteza que era muito desfavorável para os investimentos chegarem.

Da mesma forma, o Chile sofreu flutuações no mercado de cobre, um de seus únicos produtos de exportação. O desemprego, por outro lado, cresceu consideravelmente durante os primeiros anos do governo Ibáñez.

Por que falhou?

Inicialmente, o Klein – Saks foi muito bem recebido pela direita chilena. A esquerda, por outro lado, rejeitou sua presença.

O primeiro passo da missão foi analisar a economia do país. A conclusão foi que o problema era estrutural: o Chile consumiu mais do que produziu. Foi isso que causou o aumento da inflação, pois causou escassez de moeda e aumento dos gastos sociais.

As recomendações da missão, entre outras, foram fazer ajustes salariais para alguns setores, especialmente funcionários públicos e aumentar preços, eliminando o controle do governo sobre eles. Ele também enfatizou a necessidade de melhorar a administração do país.

Relacionado:  Cenolítico: características e estágios

Essas medidas eram contrárias às políticas populistas, segundo especialistas, do governo Ibáñez. Na prática, eles elevavam impostos e diminuíam salários. No entanto, aceitou algumas recomendações, reduzindo a inflação.

Modelo neoliberal

A missão recomendou mudar completamente o modelo econômico chileno, introduzindo um sistema neoliberal.

As sugestões foram reduzir o déficit fiscal e limitar o crédito bancário ao setor privado; eliminar aumentos automáticos de salários e que estes sejam negociados diretamente entre empresas e trabalhadores; aumentar importações e diversificar exportações; buscar capital estrangeiro; e reforma tributária.

Efeitos sociais

Os efeitos sociais das medidas não demoraram muito para provocar protestos. O congelamento dos salários gerou forte resistência dos sindicatos, que chamaram greves gerais.

Por outro lado, as novas políticas de comércio exterior acabaram prejudicando os pequenos empresários e seus trabalhadores. A redução dos gastos sociais interrompeu a redução das taxas de pobreza e aumentou a desigualdade social.

Protestos

Em abril de 1957, as ruas chilenas estavam cheias de manifestantes contra a nova política econômica. A causa imediata foi o aumento dos preços do transporte público, embora os motivos, como indicado acima, fossem mais profundos.

Os estudantes universitários e os trabalhadores foram os que tomaram a iniciativa dos protestos. Ocorreram queimaduras de micróbio e episódios de pilhagem. Estima-se que cerca de 20 pessoas morreram e o governo teve que enviar o exército para controlar as ruas.

Tudo isso causou a fraqueza do governo do presidente Ibáñez. Para tentar se recuperar, ele decidiu atender às demandas sociais e não renovar o contrato com a Missão.

Referências

  1. Escola Missão Klein-Saks. Obtido em school.net
  2. Mais que história A missão KLEIN-SAKS e os primeiros sinais de desregulamentação econômica. Obtido de morethanhistoryblog.wordpress.com
  3. Simunovic Gamboa, Pedro. O fracasso das políticas econômicas no Chile: a missão Kemmerer e a missão
    Klein-Saks (1925-1958). Recuperado do Estudiosnuevaeconomia.cl
  4. Edwards, Sebastian. O papel dos consultores estrangeiros no Chile de 1955 a 1958. Programa de Estabilização Obtido em nber.org
  5. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Carlos Ibáñez del Campo. Obtido em britannica.com
  6. Segurança global Carlos Ibáñez del Campo. Obtido em globalsecurity.org
  7. Biblioteca do Congresso dos EUA Políticas Econômicas, 1950-70. Obtido em countrystudies.us

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies