Abraham Mauricio Salazar: Biografia e Obras

Abraham Mauricio Salazar é um artista indiano de pintura nahuatl, nascido em 1957 em San Agustín de Oapán, México. Salazar desenvolveu sua carreira artística com o uso de técnicas ancestrais que foram transmitidas a ele por seu pai e outros parentes desde criança.

Essas técnicas ainda são usadas por vários artistas, não apenas mantendo essa tradição ancestral preservada, mas também servindo como plataforma para transmitir a história de uma maneira diferente. O local onde Salazar nasceu é uma pequena cidade rural no município de Tepecoahuilco del Trujano, estado de Guerrero, a sudoeste do México.

Abraham Mauricio Salazar: Biografia e Obras 1

Atualmente, o artista mora no estado de Oaxaca, sudoeste do país. Salazar nasceu em uma família da comunidade Nahuatl , o que influenciou significativamente seu desenvolvimento pessoal e até as técnicas que ele usou em seus trabalhos.

Biografia de Salazar

Descendente dos Nahuatl

Abraham Mauricio Salazar nasceu e foi criado em uma família pertencente a uma comunidade composta principalmente por camponeses aborígenes descendentes dos antigos maias, especificamente da tribo Nahuatl.

Pertencer à linha Nahuatl é decisivo. Os Nahuatl eram herdeiros de um poderoso grupo muito avançado em economia e artes militares: os antigos anahuacs. Quando os nahuatl foram dobrados pelo poder de guerra dos europeus, tornaram-se chamados astecas ou mexica.

Os Nahuatl costumavam transmitir seus conhecimentos mais importantes (tanto em assuntos espirituais quanto terrestres) através de imagens. Prova disso são os códices maias feitos em folhas de fibra vegetal seculares antes da chegada dos invasores europeus. Abraão usa essa técnica de seus ancestrais e pinta em papel amado.

Uso de papel amado

O papel amate é feito usando métodos antigos a partir da casca de uma árvore chamada Jonote. Antes da invasão européia de terras americanas, este documento era usado pelos nativos para transmitir determinadas informações. Além disso, foi usado para registrar os dados que consideravam mais importantes.

Relacionado:  Teatro Isabelino: Autores e Obras Mais Importantes

No entanto, após a invasão, os europeus descartaram essa técnica e forçaram os colonos a usar o jornal europeu.

Os invasores não apenas procuraram destruir a riqueza material que encontraram no continente recém-chegado, mas também pretenderam eliminar a cultura que caracterizava os habitantes originais e impor a sua.

Um exemplo disso é a construção de grandes edifícios religiosos nas ruínas de lugares antigos que eram sagrados para os habitantes originais.

Da mesma forma, os invasores chegaram ao extremo de proibir os habitantes originais de usarem sua própria língua e forçá-los a “civilizar” através do aprendizado do espanhol. Os invasores também proibiram a prática de certos ritos, que foram até condenados com a morte.

Tradição contínua

As estratégias originais para sua cultura sobreviver eram muitas. Apesar dos mandatos dos europeus de proibir a produção e o uso de papel amado, ele continuou. A produção de papel amate nunca desapareceu completamente.

As instalações continuaram com a produção de amadores e com as atividades e ritos relacionados a ela. Isso aconteceu especialmente nas áreas montanhosas de Puebla e Veracruz, precisamente nos estados vizinhos de Oaxaca, onde atualmente vive Salazar.

Trabalhos

Neste artigo vegetal é que Abraham Mauricio Salazar realiza sua obra pictórica. Com o uso deste formato vegetal mostra orgulho e tenacidade para continuar o que séculos atrás custou a vida de tantas pessoas.

Temático

Salazar não apenas usa papel de casca, ou papel amado, como forma de preservar as tradições do povo de seus antepassados, mas o tema que ele desenvolve nesse formato também transmite fatos relacionados à identidade dos nativos ao público.

Quem observa suas obras pode conhecer parte dos costumes, hábitos, tradições e maneiras de ver e se relacionar com o mundo de seus irmãos aborígines. Salazar também usa suas habilidades artísticas para denunciar as condições e os abusos contra sua dignidade, costumes, espaços e natureza.

Relacionado:  Os 15 recursos mais importantes do teatro

Pesquisa de reflexão

A expressão artística de Salazar busca não apenas encantar e surpreender a platéia momentaneamente, mas vai além. Através das histórias contadas, Salazar tenta fazer o público refletir e fazer com que eles estendam um vínculo de solidariedade com o caso relatado.

Para que sua mensagem fosse além, Salazar procurou formar alianças. Fez parceria em cooperação com o irmão Roberto Mauricio Salazar e dois amigos pintores: Felix Camilo Ayala e Juan Camilo Ayala. Com eles, ele fez muitos trabalhos e participou de várias exposições.

Exposições

Uma das maneiras de divulgar seu trabalho, em aliança com seu irmão e seus amigos, era exibi-lo em exposições nacionais, para deleite e reflexão do público visitante. Algumas dessas exposições são as seguintes:

– “Aproveite! Uma amostra da coleção permanente ”, em 1999.

– “Multiplicidade: impressões da coleção permanente”, em 2001.

– «A presença africana no México: de Yanga até o presente», em 2006.

Livros e ilustrações

Segundo o worldcat.org, os livros publicados por Salazar são:

  • Janelas mágicas: desenhos . Princeton, NJ: The Squibb Gallery, 1985.
  • O ciclo mágico dos dias: testemunho de uma vila indígena mexicana . Antonio Saldívar; Abraham Mauricio Salazar; Conselho Nacional de Desenvolvimento Educacional (México); México Secretária de Educação Pública. Direcção Geral de Publicações.
  • Girón, Nicole e Abraham Mauricio Salazar, El Barrio . Pátria, Cidade do México, 1983.

Referências

  1. Macías, P. (2015). Los Algodones BC O CD. Mais ao norte do México. Recuperado de: cuervos.com.mx
  2. Hersch, P. (2014). Pintura em papel de casca de árvore como expressão de sensibilidade e luta: o calendário da luta contra a barragem de San Juan Tetelcingo, em Guerrero. Revista no Vulcão Insurgente. Recuperado de: enelvolcan.com
  3. Monzón, M. (2009). As atividades econômicas de migrantes de povos indígenas. Revista Aldea Mundo. Recuperado de: sabre.ula.ve
  4. Raby, D. (2014). Refeições Zopilote. Revista Americana de História e Mémoire. Les Cahiers ALHIM. Recuperado em: journals.openedition.org
  5. Paper Amate, legado pré-hispânico do México. Travel By Mexico Magazine. Recuperado de: travelbymexico.com
  6. Minha cidade se chama San Agustín. Livros México .MX. Recuperado de: librosmexico.mx

Deixe um comentário