Agar LIA (Lysine Iron): fundação, preparação e usos

O AIL ágar (Lisina do ferro) é um teste bioquímico utilizada para identificar bactérias da família Enterobacteriaceae . Este meio foi criado por Edwards e Fife, com base na fórmula de Falkow.

Originalmente, esse teste era um caldo que continha peptonas, extrato de levedura, glicose, L-lisina, roxo de bromocresol e água destilada . Edwards e Fife adicionaram ágar-ágar, citrato de amônio férrico e tiossulfato de sódio.

Agar LIA (Lysine Iron): fundação, preparação e usos 1

Teste de descarboxilação de lisina positivo e negativo. Fonte: Foto e esquema de propriedade do autor MSc. Marielsa Gil

O teste consiste basicamente em demonstrar a presença da enzima lisina descarboxilase, capaz de reagir com o grupo carboxila do aminoácido L-lisina.Uma desaminação do aminoácido também pode ocorrer devido à presença da enzima lisina desaminase.

Além disso, a composição do meio permite demonstrar a capacidade de alguns gêneros bacterianos de produzir sulfeto de hidrogênio. Por fim, também é possível observar a geração ou não de gás no meio.

Fundação

Peptonas e extrato de levedura

Como a maioria dos meios de cultura , o ágar lisina-ferro contém componentes que fornecem a fonte de nutrientes necessários para o crescimento bacteriano. Esses componentes são representados por peptonas e extrato de levedura.

Glicose

Além disso, este ágar contém glicose como carboidrato fermentável. Sabe-se que todas as bactérias da família Enterobacteriaceae fermentam glicose.

Essa etapa é crucial, pois será responsável pela acidificação do meio, uma condição essencial para a enzima lisina descarboxilase – se presente – atuar sobre seu substrato.

Em alguns gêneros bacterianos, a produção de gás pode ser observada devido à fermentação da glicose.

O gás é evidenciado quando ocorre um deslocamento do ágar no tubo, deixando um espaço vazio no fundo do tubo ou fraturando o meio em duas ou mais porções.

L-lisina

Uma vez que a lisina é descarboxilada, uma diamina (cadaverina) e dióxido de carbono são formados.

Relacionado:  Trichinella spiralis: características, morfologia, ciclo biológico

A descarboxilação ocorre na presença de fosfato de coenzima piridoxal. Essa reação é irreversível.

Indicador de PH (roxo de bromocresol)

Todas as alterações no pH ocorridas no meio pelas várias reações são detectadas pelo indicador de pH roxo do bromocresol.

Nesse sentido, quando há acidificação, o meio fica amarelo e, quando há alcalinização, o meio retorna à cor púrpura ou púrpura original.

Quando a desaminação da lisina ocorre devido à presença da enzima lisina desaminase, forma-se uma cor avermelhada na superfície, típica dos gêneros Proteus, Providencia e algumas espécies de Morganella.

Isso ocorre porque durante o processo de desaminação é formado o ácido alfa-ceto-carbônico, que reage com o citrato de amônio na presença de oxigênio, causando a cor mencionada.

Citrato férrico de amônio e tiossulfato de sódio

Além disso, as bactérias que produzem sulfureto de hidrogénio será evidenciado pela presença de tiossulfato de sódio (fonte de enxofre) e citrato de amónio férrico, que é o desenvolvedor de H 2 S.

As bactérias possuem a enzima redutase de tiossulfato têm a capacidade de agir por redução de tiossulfato de sódio presente, formando sulfito e sulfureto de hidrogio (H 2 S).

Este último é um gás incolor, mas reagir com o sal de ferro forma sulfeto de metal ferroso, que é um composto insolúvel (precipitado preto visível).

No entanto, a formabilidade do H 2 S, com este meio não é muito fiável, porque algumas bactérias negativas lisina descarboxilase capazes de produzir H 2 não é formar o precipitado preto, como a acidez do meio interfere. Portanto, é recomendável corroborar com outros meios contendo ferro.

Interpretação do teste

Descarboxilação da lisina

Os tubos devem ser lidos após o final das 24 horas de incubação, caso contrário, existe o risco de interpretar mal a reação, relatando falsos negativos.

Deve-se lembrar que a primeira reação que ocorrerá será a fermentação da glicose, portanto todos os tubos ficarão amarelos após 10 a 12 horas.

Relacionado:  Cogumelo comum: características, propriedades, reprodução

Se no final do tempo de incubação (24 horas) for observado um fundo amarelo com uma superfície roxa ou roxa, a reação será negativa. A cor púrpura da superfície corresponde à alcalinização do meio pelo uso de peptons.

Uma reação positiva é aquela em que o fundo e a superfície do tubo são completamente roxos, ou seja, retornam à cor original.

Portanto, quem determina a positividade do teste é a base ou o histórico do meio.Em caso de dúvida sobre a cor, ela pode ser comparada com um tubo de LIO não inoculado.

Desaminação da Lisina

Um tubo que evidencie a desaminação da lisina terá uma superfície avermelhada granada e um fundo amarelo (ácido), ou todo o tubo avermelhado granada.

Esta reação é interpretada como negativa para descarboxilação da lisina, mas positiva para desaminação da lisina.

Essa reação é definida e interpretada no chanfro.

Produção de sulfureto de hidrogénio (H 2 S)

Uma reação positiva é observada pelo aparecimento de um precipitado preto em todo o meio ou parte dele. Geralmente entre o limite do chanfro e a base.

Se o precipitado ocorrer em todo o tubo, ele não mostrará as outras reações que ocorrem no meio.

Registro dos resultados

Ao interpretar o teste, os resultados são registrados da seguinte maneira:

Primeiro, o painel frontal é lido, em seguida, a parte inferior ou calcanhar, depois da produção de H 2 S, e, finalmente, a produção de gás.

Exemplo: K / A + (-).Isso significa:

  • K: Moldura alcalina (cor roxa)
  • A: Fundo ácido (amarelo), isto é, reação de descarboxilação negativa e desaminação negativa.
  • +: Produção de sulfeto de hidrogênio
  • (-): sem gás.

Preparação

Pesar 35 g do ferro desidratado do ágar lisina médio e dissolver em um litro de água destilada.

Aqueça até o ágar estar completamente dissolvido, para isso, deixe ferver por um minuto, mexendo sempre. Distribua 4 ml do meio nos tubos de ensaio 13/100 com tampa de algodão.

Relacionado:  Árvore Kiri: características, habitat, propriedades, crescimento

Esterilizar em autoclave a 121 ° C por 15 minutos. Retire da autoclave e deixe repousar em uma inclinação, para que haja uma base profunda e um chanfro curto.

Conservar no frigorífico 2-8 ° C. Deixe temperar antes de semear a cepa bacteriana.

A cor do meio desidratado é bege e o meio preparado roxo avermelhado.

O pH final do meio preparado é 6,7 ± 0,2

O meio fica amarelo com pH igual ou inferior a 5,2 e é roxo a pH 6,5 acima.

Usos

Este teste, juntamente com outros testes bioquímicos , é utilizado para a identificação de bacilos da família Enterobacteriaceae.

O meio é semeado com uma agulha ou agulha reta, uma ou duas perfurações são feitas no fundo do tubo e, em seguida, a superfície do meio é em zigue-zague.

Incubar por 24 horas a 35-37 ° C em aerobiose. Se necessário, deixe incubar por mais 24 horas.

É principalmente útil para diferenciar espécies negativas de Citrobacter lactose de Salmonellas sp.

Agar LIA (Lysine Iron): fundação, preparação e usos 2

Fonte: Koneman E, Allen S, Janda W, Schreckenberger P, Winn W. (2004). Diagnóstico microbiológico 5a ed. Editorial Panamericana SA Argentina.

Referências

  1. Mac Faddin J. (2003). Testes bioquímicos para a identificação de bactérias de importância clínica. 3rd ed. Editora Panamericana. Bons ares. Argentina
  2. Forbes B, Sahm D, Weissfeld A. (2009). Diagnóstico microbiológico de Bailey & Scott. 12 ed. Editorial Panamericana SA Argentina.
  3. Koneman E, Allen S, Janda W, Schreckenberger P, Winn W. (2004). Diagnóstico microbiológico 5a ed. Editorial Panamericana SA Argentina.
  4. Laboratórios britânicos. Ágar de lisina e ferro. 2015. Disponível em: britanialab.com
  5. Laboratórios BD Inclinações de ágar de ferro de lisina BBL. 2007. Disponível em: bd.com
  6. Laboratórios Valtek Médio LIA 2009. Disponível em: andinamedica.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies