Agitação antes de dormir: espasmos mioclônicos

Os espasmos mioclônicos são movimentos involuntários e súbitos dos músculos que podem ocorrer durante o sono, especialmente na transição entre a vigília e o sono. Essa agitação antes de dormir pode ser um fenômeno comum e benigno, mas também pode ser um sintoma de distúrbios do sono ou de condições médicas subjacentes. Neste texto, discutiremos mais sobre esses espasmos mioclônicos e suas possíveis causas.

Por que ocorrem os espasmos musculares antes de dormir?

Os espasmos musculares que ocorrem antes de dormir, conhecidos como espasmos mioclônicos, são contrações involuntárias dos músculos que podem causar sensação de agitação no corpo. Esses espasmos são comuns e geralmente inofensivos, mas podem ser desconfortáveis e interferir no sono.

Existem várias teorias sobre por que esses espasmos musculares acontecem antes de dormir. Uma das explicações é que eles são causados pelo sistema nervoso central tentando relaxar e desligar os músculos para entrar no estado de sono. Quando esse processo não ocorre suavemente, pode resultar em espasmos musculares.

Outra teoria sugere que os espasmos mioclônicos são uma forma de liberação de energia acumulada nos músculos durante o dia. À medida que o corpo se prepara para dormir, essas contrações podem ocorrer como uma forma de descarregar essa energia.

Além disso, fatores como estresse, ansiedade, cafeína ou falta de exercício físico podem contribuir para a ocorrência dos espasmos musculares antes de dormir. É importante manter um estilo de vida saudável e praticar técnicas de relaxamento para ajudar a reduzir a incidência desses espasmos.

Adotar hábitos saudáveis e técnicas de relaxamento podem ajudar a reduzir a ocorrência desses espasmos e melhorar a qualidade do sono.

Principais fatores desencadeantes da mioclonia do sono no corpo humano.

Os espasmos mioclônicos, também conhecidos como mioclonia do sono, são movimentos involuntários que ocorrem durante a transição entre a vigília e o sono. Esses espasmos podem ser desencadeados por diversos fatores no corpo humano.

Um dos principais fatores desencadeantes da mioclonia do sono é o estresse. Quando uma pessoa está sob grande pressão ou ansiedade, o corpo pode reagir com movimentos bruscos durante o sono. Além disso, a falta de sono adequado e a má qualidade do sono também podem contribuir para a ocorrência desses espasmos.

Outro fator que pode desencadear a mioclonia do sono é o consumo de estimulantes, como café, chá preto ou energéticos, antes de dormir. Essas substâncias podem interferir no ciclo do sono e causar movimentos involuntários durante a noite.

Além disso, distúrbios neurológicos, como a epilepsia, podem estar associados à mioclonia do sono. Nesses casos, os espasmos podem ser mais frequentes e intensos, sendo necessário um acompanhamento médico especializado.

É importante identificar a causa desse problema e buscar orientação médica para um tratamento adequado.

Dicas para reduzir os espasmos musculares durante o sono de forma eficaz.

Os espasmos musculares durante o sono, também conhecidos como espasmos mioclônicos, podem ser muito desconfortáveis e interferir na qualidade do descanso. Felizmente, existem algumas dicas que podem ajudar a reduzir esses espasmos e proporcionar uma noite de sono mais tranquila.

Relacionado:  Sistema nervoso parassimpático: funções e rota

Uma das principais recomendações é manter uma boa postura ao dormir. Evite dormir de barriga para cima, pois essa posição pode aumentar a incidência de espasmos musculares. Procure dormir de lado, com um travesseiro entre as pernas para alinhar a coluna e reduzir a pressão nos músculos.

Além disso, é importante manter o corpo bem hidratado. Beber bastante água ao longo do dia pode ajudar a prevenir cãibras e espasmos musculares durante a noite. Evite consumir bebidas alcoólicas antes de dormir, pois elas podem desidratar o corpo e aumentar a ocorrência de espasmos.

Praticar atividades físicas regularmente também pode ser benéfico. Exercícios como alongamentos suaves antes de dormir podem ajudar a relaxar os músculos e reduzir a tensão que leva aos espasmos musculares. Evite exercícios intensos próximo ao horário de dormir, pois eles podem estimular os músculos e aumentar a probabilidade de espasmos.

Por fim, é importante manter um ambiente propício para o sono. Evite estímulos como luzes brilhantes e telas de dispositivos eletrônicos antes de dormir, pois eles podem interferir no ciclo do sono e aumentar a ocorrência de espasmos musculares. Crie uma rotina relaxante antes de dormir, como ler um livro ou tomar um banho quente, para preparar o corpo e a mente para uma boa noite de sono.

Seguindo essas dicas simples, é possível reduzir os espasmos musculares durante o sono e desfrutar de uma noite tranquila e revigorante. Experimente incorporar esses hábitos saudáveis em sua rotina e sinta a diferença na qualidade do seu descanso.

Causas de espasmos musculares noturnos: entenda o que pode estar por trás deste problema.

Os espasmos musculares noturnos são contrações involuntárias dos músculos que ocorrem durante o sono. Eles podem ser causados por diversos fatores, incluindo fadiga muscular, desidratação, deficiência de minerais como magnésio e potássio, estresse, ansiedade e até mesmo o uso de medicamentos.

Um dos tipos de espasmos musculares noturnos mais comuns é a agitação antes de dormir, conhecida como espasmos mioclônicos. Este tipo de espasmo pode estar relacionado a distúrbios do sono, como a síndrome das pernas inquietas, que causa sensações desconfortáveis nas pernas e leva a movimentos involuntários durante o sono.

Outras possíveis causas de espasmos musculares noturnos incluem lesões musculares, compressão de nervos, má postura durante o sono e até mesmo condições médicas como a fibromialgia.

É importante consultar um médico se os espasmos musculares noturnos forem frequentes e interferirem na qualidade do sono. O profissional de saúde poderá investigar as causas subjacentes e recomendar o tratamento adequado, que pode incluir fisioterapia, suplementação de minerais, mudanças nos hábitos de sono e medicamentos específicos.

Agitação antes de dormir: espasmos mioclônicos

Agitação antes de dormir: espasmos mioclônicos 1

São três horas da noite. Você acorda abruptamente, praticamente com um pulo na cama, com a sensação de cair de um prédio de oito andares . Notas como as vísceras ainda estão reagindo com algum pânico.

Seu parceiro acorda você às três da manhã, um pouco surpreso e chateado. Diz a você que enquanto você dormia, você acertou vários chutes. Esses dois pequenos fragmentos refletem a existência de um fenômeno que ocorre com muita frequência na maioria da população: a realização de pequenos movimentos repentinos e involuntários durante o sono .

Esses movimentos são chamados de espasmos mioclônicos noturnos .

O que é mioclonia?

Quando se fala de espasmos mioclônicos, é feita referência a uma série de contrações musculares repentinas e breves e completamente involuntárias que causam um deslocamento do corpo ou de uma parte dele. Eles geralmente são causados ​​por contrações musculares repentinas ou relaxamento muscular .

Embora esse tipo de espasmo possa ser encontrado em alguns distúrbios, como a epilepsia, também existem os chamados mioclonos benignos. Estes geralmente não são considerados patológicos, sendo considerados normais em pessoas sem patologia associada. De fato, um fenômeno tão comum quanto os soluços seria um exemplo válido de espasmo mioclônico benigno .

Esses espasmos podem aparecer tanto na vigília quanto durante o sono, com o presente artigo focando neste último.

Espasmos mioclônicos noturnos

Embora a definição geral de mioclonia reflita o tipo de fenômeno sobre o qual estamos falando, os que ocorrem durante o sono têm uma peculiaridade: como é o caso das alucinações hipnagógicas e hipnopompicas, elas ocorrem em um estado alterado de consciência: sono ou a transição entre ela e a vigília. Os espasmos mioclônicos seriam, neste caso, um tipo de parassonia , fenômeno ou distúrbio episódico que ocorre durante o sono e é caracterizado pela presença de sintomas vegetativos ou motores.

É um fenômeno não patológico geral, com alta prevalência na população. Estima-se que cerca de 70% da população tenha apresentado em algum momento espasmo mioclônico durante o sono. No entanto, se os sintomas ocorrerem repetidamente e constantemente, seria aconselhável procurar um médico, pois, se persistirem, isso poderia indicar a presença de um distúrbio .

Lembre-se de que é possível confundir esse tipo de alteração, não perigosa, com uma crise epiléptica. Nesse aspecto, uma das poucas maneiras de diferenciá-los é por eletroencefalograma, espasmos mioclônicos não assumindo o mesmo tipo de alteração observada nos casos de epilepsia.

Causas neurológicas de espasmos mioclônicos durante o sono

A razão para esses espasmos durante o sono tem uma explicação neurocientífica.

O aparecimento de mioclonia noturna é devido à presença de uma descoordenação, à manutenção da atividade, de duas áreas cerebrais específicas . Especificamente, a formação reticular ou sistema de ativação reticular (SAR) e o núcleo pré-óptico ventrolateral.

Sistema de ativação reticular

Este sistema localizado no tronco cerebral é o principal responsável por nos manter vivos, porque é o sistema cerebral que dirige processos inconscientes, como respiração , digestão ou ritmo cardíaco. Além desses processos fisiológicos, também participa da manutenção do alerta e do foco da atenção, mantendo o estado de vigília.

Relacionado:  Noradrenalina (neurotransmissor): definição e funções

Núcleo pré-óptico ventrolateral

O núcleo pré-óptico ventrolateral pode ser encontrado no hipotálamo anterior, próximo e em contato com o lobo occipital . Esse núcleo é responsável por “saciar a consciência”, induzindo o estado do sono, além de proteger o organismo durante o sono, causando paralisia corporal que nos impede de se mover e danificar durante o sono profundo.

Quando ocorrem espasmos mioclônicos

Para entender a aparência dos espasmos, deve-se levar em consideração que, embora durante o sono reduza seu funcionamento, a SAR não cessa de funcionar (pois isso causaria a morte da pessoa afetada).

Assim, esse sistema ainda possui uma certa ativação que às vezes pode entrar em contradição com o funcionamento durante o sono do núcleo pré-óptico ventrolateral que nos leva a dormir.

Essa contradição, cuja causa ainda é desconhecida, pode causar reações motoras parciais, típicas da vigília durante o sono . Em outras palavras, é a origem dos espasmos mioclônicos durante o sono.

Tipos de mioclonia noturna

Os espasmos mioclônicos durante o sono não são uniformes e homogêneos, mas existem três tipos básicos .

Um primeiro tipo é encontrado em movimentos repetitivos durante o sono. Semelhante aos movimentos típicos das crises epilépticas, esses movimentos aparecem durante o sono não paradoxal, no caso de movimentos repetitivos de curta duração. Embora o tratamento geralmente não seja necessário, formas muito graves podem ser tratadas farmacologicamente.

Um segundo tipo de espasmo de apresentação mioclônica durante o sono é agitação noturna ou mioclonia surpreendente. O exemplo mais claro desse tipo de espasmo é o movimento típico que é feito ao acordar de um sonho no qual temos a sensação de cair . Geralmente ocorrem no sono superficial, ou seja, nas duas primeiras fases do sono, causando o despertar do sofredor com alguma brusquidão. Eles geralmente são empurrões maciços de todo o corpo, especialmente das extremidades inferiores.

Finalmente, alguns espasmos podem ser encontrados no momento da transição entre a vigília e o sono. Esse tipo de mioclonia, classificado como inespecífico, atua sobre os músculos da face e das extremidades.

Referências bibliográficas:

  • Ferber, R. & Kryger, M. (1995). Princípios e Prática da Medicina do Sono na Criança. WBSaunders Company.
  • Besag, FMC (1995). Mioclonia e espasmos infantis. In: Robertson MM, Eapen V, orgs. Movimento e distúrbios aliados na infância. Chichester: John Wiley e Sons, Ltd.; p. 149-76.
  • Fejerman, N.; Medina, CS e Caraballo, RN (1997). Distúrbios paroxísticos e sintomas episódicos não epiléticos. In: Fejerman N, Fernández-Álvarez E, orgs. Neurologia pediátrica. 2nd ed. Madri: Editorial Médica Panamericana SA; p. 584-99.
  • Fernández-Álvarez, E. & Aicardi, J. (2001). Distúrbios do movimento na infância. Londres: Mac Keith Press.
  • Morairty, S.; Rainnie, D.; McCarley, R. & Greene, R. (2004). Desinibição de neurônios ativos na área pré-óptica ventrolateral pela adenosina: um novo mecanismo para a promoção do sono. Neurociência; 123: 451-7
  • Svorad, D. (1957). “Sistema de ativação reticular do tronco cerebral e hipnose animal”. Science 125 (3239): 156-156.

Deixe um comentário