Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios

A agroecologia é a aplicação da ecologia na agricultura. Surge como uma abordagem que apóia a produção de alimentos e outros produtos, por meio de processos que protegem o meio ambiente e pequenos produtores agrícolas.

Considera-se que muitos dos princípios agroecológicos são tão antigos quanto a própria agricultura (cerca de 10.000 anos), no entanto, sua recente popularidade e expansão estão relacionadas aos efeitos sociais e ambientais adversos que a chamada “agricultura industrializada” gerou.

Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios 1

Figura 1. Uso da prática agroecológica denominada: consorciação de lavouras, neste caso o tomate é ensanduichado na lavoura de café. Fonte: Neil Palmer [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) ou CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], via Wikimedia Commons

O termo agroecologia é atualmente usado na ciência e também como uma descrição de um movimento sociocultural e de práticas agrícolas. Todos esses significados têm significados muito diferentes.

A abordagem agroecológica aplica simultaneamente conceitos e princípios ecológicos e sociais; à concepção e gestão de sistemas alimentares e agrícolas.

História da Agroecologia

Revolução verde

A chamada “revolução verde” na agricultura, que ocorreu entre as décadas de 1940 e 1970, foi um movimento técnico-industrial que promoveu a adoção de novas tecnologias, a fim de aumentar o rendimento das culturas.

Essas tecnologias envolviam basicamente a implementação das seguintes estratégias:

  • Sistemas de monocultura
  • Uso de variedades melhoradas.
  • Aplicação de fertilizantes químicos.
  • Aplicação de pesticidas sintéticos.
  • Uso de sistemas de irrigação.

Essas estratégias geraram um aumento na produção agrícola, em um esforço para alimentar uma crescente população global. No entanto, várias consequências prejudiciais não intencionais também surgiram.

Impactos socioambientais da revolução verde

Entre as conseqüências prejudiciais da revolução verde, hoje sabemos que as novas variedades agrícolas de alto rendimento substituíram as variedades tradicionais, que foram bem adaptadas às condições locais e constituíram uma fonte de diversidade genética.

Além disso, a aplicação de monoculturas de alto rendimento, como as utilizadas na produção de milho, trigo e arroz, ocasionou a redução da qualidade nutricional da dieta humana, substituindo frutas, hortaliças e lavouras tradicionais.

Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios 2

Figura 2. Produtos vegetais cultivados agroecologicamente. Fonte: Elina Mark [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], do Wikimedia Commons

Outros impactos ambientais decorrentes da adoção desses sistemas de produção em massa são: perda de biodiversidade e habitat; poluição dos recursos hídricos por pesticidas; de solos e águas devido ao uso excessivo de fertilizantes; a redução na quantidade de água disponível para irrigação; entre outros.

Os movimentos ambientais globais alertam para esses impactos ambientais gerados pela atividade agrícola convencional desde os anos 60. No entanto, essas formas de produção agrícola global ainda prevalecem.

Evolução do conceito de agroecologia

Bensin

O uso do termo agroecologia remonta à década de 1930 e foi usado pelo engenheiro agrônomo russo Bensin, que o usou para descrever o uso de métodos ecológicos na pesquisa comercial de plantas.

No entanto, o termo agroecologia passou a ser interpretado de muitas maneiras diferentes.

Em seu sentido mais clássico, a agroecologia se refere ao estudo de fenômenos puramente ecológicos no campo de cultivo, como relações predador / presa ou competição entre culturas e ervas daninhas.

Miguel Altieri

Em termos gerais, a agroecologia geralmente incorpora idéias sobre uma abordagem ambiental e socialmente mais sensível à agricultura, que se concentra não apenas na produção, mas também na sustentabilidade ecológica do sistema de produção agrícola.

Relacionado:  Ecossistemas aquáticos: características, tipos, exemplos, diversidade

Foi assim que a agroecologia definiu um dos teóricos mais importantes dessa disciplina, Miguel Altieri, que afirma que o uso “normativo” do termo implica uma série de suposições sobre sociedade e produção, que ultrapassam os limites do campo agrícola. .

Alexander Wezel e seus colaboradores

Essa multiplicidade de interpretações da agroecologia foi abordada por Alexander Wezel e seus colaboradores (2009). Eles relatam que o desenvolvimento da agroecologia começou como uma disciplina científica na década de 1970 e em épocas anteriores.

Então, nos anos 80, como um conjunto de “práticas” e, finalmente, como um movimento social nos anos 90. Hoje, o termo “agroecologia” pode ser entendido como:

  • Uma disciplina científica
  • Uma prática agrícola
  • Um movimento político ou social.

Em conclusão, a agroecologia envolve várias abordagens para solucionar os reais desafios da produção agrícola. Embora a agroecologia tenha lidado inicialmente com aspectos de produção e proteção de culturas, nas últimas décadas, trata de questões ambientais, sociais, econômicas, éticas e de desenvolvimento sustentável.

A agroecologia busca otimizar as interações entre plantas, animais, seres humanos e meio ambiente, considerando os aspectos sociais que devem ser abordados para um sistema alimentar justo e sustentável.

Abordagens Agroecológicas

Hoje, três abordagens principais persistem na pesquisa agroecológica, dependendo da escala estudada:

  • Escala de parcelas e campos.
  • Uma escala de agroecossistemas e fazenda.
  • Pesquisa que abrange todo o sistema alimentar global.

Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios 3

Figura 3. Diversidade, uma das premissas da agroecologia. Fonte: Keith Weller, USDA [domínio público], via Wikimedia Commons

Princípios agroecológicos

-O que diferencia a agroecologia de outras abordagens do desenvolvimento sustentável?

A agroecologia é fundamentalmente diferente de outras abordagens ao desenvolvimento sustentável nos seguintes aspectos:

Processos “bottom – up” ( de baixo para cima)

Agroecologia depende de processos “bottom-up” ( de baixo para cima em Inglês), o que significa que as soluções para os problemas decorrentes do local e particular, então ascendente escala para global e geral.

As inovações agroecológicas são baseadas na criação conjunta de conhecimento, combinando ciência com o conhecimento tradicional, prático e local dos produtores.

Autonomia local

A agroecologia treina produtores e comunidades como principais agentes de mudança, melhorando sua autonomia e capacidade de se adaptar aos desafios produtivos existentes.

Soluções abrangentes de longo prazo

Em vez de mudar as práticas de sistemas agrícolas insustentáveis, a agroecologia procura transformar sistemas alimentares e agrícolas, abordando as causas profundas dos problemas existentes de maneira integrada. Assim, a agroecologia fornece soluções abrangentes e de longo prazo.

Dimensão social

A agroecologia inclui um foco explícito nas dimensões sociais e econômicas dos sistemas alimentares. Ele se concentra especialmente nos direitos das mulheres, jovens e povos indígenas.

-Princípios da agroecologia de acordo com a FAO

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) identificou uma série de 10 elementos inter relacionados principais .

Esses 10 elementos são um guia para os formuladores de políticas públicas e as partes interessadas no planejamento, gerenciamento e avaliação da transição para um modelo global de agricultura sustentável.

Cada um dos elementos levantados pela FAO é resumido abaixo:

Diversidade

A diversificação é fundamental para as transições agroecológicas, com base na garantia da segurança e nutrição alimentar, enquanto conserva, protege e melhora os recursos naturais.

Relacionado:  Protocolos ambientais: o que são e principais protocolos

Os sistemas agroecológicos são caracterizados por sua alta diversidade.

Sinergias

A criação de sinergias melhora as principais funções dos sistemas alimentares, melhorando a produção e múltiplos serviços ecossistêmicos.

As sinergias envolvem ações conjuntas entre vários fatores que se reforçam, produzindo um efeito final superior à soma de seus efeitos isolados.

Eficiência

Práticas agroecológicas inovadoras produzem mais, utilizando menos recursos externos. Isso minimiza a exploração de recursos naturais na produção agrícola mundial.

Resiliência

A resiliência expressa uma alta resiliência de pessoas, comunidades e ecossistemas, após um impacto negativo. Este é um aspecto fundamental para alcançar sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis.

Os sistemas agroecológicos diversificados tendem a ser mais resilientes, apresentando maior capacidade de recuperação de distúrbios, incluindo eventos climáticos extremos (como secas, inundações ou furacões) e de resistir ao ataque de pragas e doenças.

Reciclagem

Maior reciclagem durante os processos agrícolas significa reduzir os custos associados a essa atividade econômica e os danos ambientais gerados.

Criação conjunta e conhecimento compartilhado

As inovações agrícolas respondem melhor aos desafios locais, quando criadas em conjunto por meio de processos participativos. Daí a importância do compromisso das comunidades locais com a aplicação e o desenvolvimento desses sistemas agrícolas.

Valores humanos e sociais

A proteção e melhoria dos meios de subsistência rurais, equidade e bem-estar social, são essenciais para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis.

A agroecologia dá ênfase especial aos valores humanos e sociais, como dignidade, equidade, inclusão e justiça.

Cultura e tradição alimentar

Ao apoiar dietas tradicionalmente saudáveis, diversificadas e culturalmente adequadas, a agroecologia contribui para a segurança alimentar e a boa nutrição, mantendo a saúde dos ecossistemas.

Governo responsável

Agricultura e alimentos sustentáveis ​​requerem mecanismos de governança transparentes, responsáveis ​​e eficazes em diferentes escalas, do local ao nacional e global.

Esses mecanismos transparentes de governança são requisitos para a criação de um ambiente propício que permita aos produtores transformar seus sistemas, seguindo conceitos e práticas agroecológicas.

Economia circular e solidária

A economia circular implica o uso máximo de recursos e a reutilização de resíduos em outros processos.

Esses tipos de economias, considerados solidários, reconectam produtores e consumidores, fornecendo soluções inovadoras para viver dentro dos nossos limites planetários. A agroecologia busca essa reconexão.

Além disso, a economia circular garante a base social para o desenvolvimento inclusivo e sustentável.

Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios 4

Figura 4. A ferrugem do caule do trigo está desenvolvendo novas cepas virulentas que ameaçam muitas cultivares de baixa diversidade. Problemas com pragas são aprimorados em modelos de produção intensivos. Fonte: Foto de Yue Jin. [http://www.ars.usda.gov/is/graphics/photos/jun04/k11192-1.htm Número da imagem K11192-1] {{PD-USGov-USDA-ARS}}.

Aplicações agroecológicas

Problemas do modelo produtivo atual

Os sistemas atuais de alimentos e agricultura têm sido bem-sucedidos no fornecimento de grandes volumes de alimentos aos mercados globais. No entanto, estão gerando resultados socioambientais negativos, devido a:

  • A degradação generalizada da terra, da água e dos ecossistemas globais.
  • Altas emissões de gases de efeito estufa.
  • Perdas de biodiversidade
  • A persistência da pobreza e desnutrição nos países subdesenvolvidos, juntamente com o rápido aumento da obesidade e doenças relacionadas à dieta nos países desenvolvidos.
  • Pressão sobre os meios de subsistência dos agricultores em todo o mundo.

Muitos desses problemas atuais estão ligados à “agricultura industrial”. Por exemplo, monoculturas intensivas e lotes de cultivo em escala industrial, que agora dominam as paisagens agrícolas, exterminaram a biodiversidade local, aumentando a dependência de fertilizantes químicos e pesticidas tóxicos.

Relacionado:  As 5 principais aplicações de hidrocarbonetos

Essas práticas também levam ao estabelecimento de sistemas agrícolas altamente vulneráveis.

Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios 5

Figura 5. A agricultura intensiva ou industrial apresentou vários problemas de longo prazo, demonstrando sua insustentabilidade. Fonte: Soil-Science.info [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

Benefícios da agroecologia

Diante de todos os problemas do atual modelo de produção agrícola industrial, a agroecologia surge como um modelo de agricultura sustentável, baseado na preservação do meio ambiente e no equilíbrio social.

A agroecologia considera: a diversificação de fazendas e paisagens agrícolas, a substituição de insumos químicos por insumos biodegradáveis ​​naturais, a otimização da biodiversidade e a estimulação das interações entre diferentes espécies de ecossistemas agrícolas.

As inúmeras técnicas agrícolas da agroecologia envolvem o projeto de sistemas adaptados às condições locais, com o uso de práticas de mínimo impacto ambiental, como compostagem, vermicultura, manejo integrado de pragas e rotação de culturas.

Além disso, a agroecologia inclui aspectos sociais que sustentam o modelo produtivo agrícola.

Sistemas Agroecológicos Diversificados (SAD)

Os sistemas agroecológicos diversificados mantêm o carbono no solo, promovem a biodiversidade, recuperam a fertilidade do solo e mantêm os rendimentos ao longo do tempo, fornecendo uma base para os meios de subsistência da fazenda.

Agroecologia: história, princípios, aplicações e benefícios 6

Figura 6. Agricultura familiar, uma alternativa que continua a ser a de maior produção mundial (família produtora em El Salvador). Ao contrário da crença popular, a agricultura industrial não é a mais produtiva. Fonte: flickr.com

Numerosas pesquisas mostraram que os SADs podem competir com a agricultura industrial em termos de produção total, com desempenho particularmente robusto sob estresse ambiental.

Os sistemas agroecológicos diversificados também promovem a diversificação de diversas dietas e melhorias na saúde da população.

A tendência atual

Os sistemas convencionais de produção agroindustrial geraram efeitos socioambientais muito negativos que são evidentes hoje.

É por isso que existe um crescente interesse mundial na criação de conhecimento aplicável à produção agroecológica (sustentável), no desenvolvimento de novas formas de cooperação e até novas relações de mercado, que evitam os circuitos de varejo convencionais.

Considera-se que um maior incentivo político global favoreceria o surgimento de alternativas adaptadas às necessidades regionais e locais, além de uma mudança no modo de produção dos sistemas alimentares globais.

Referências

  1. Altieri, M. (2018). Agroecologia: A Ciência da Agricultura Sustentável. CRC Press. 2a edição, 448 pp.
  2. Francis C, Lieblein G, Gliessman S, Breland TA, Creamer N, et al. 2003. Agroecologia: a ecologia dos sistemas alimentares. J. Sustain. Agric 22: 99-118
  3. IPES-Alimentação. 2016. Da uniformidade à diversidade: uma mudança de paradigma da agricultura industrial para sistemas agroecológicos diversificados. Painel Internacional de Especialistas em Sistemas Alimentares Sustentáveis. www.ipes-food.org.
  4. Os dados foram analisados ​​por meio de questionários, entrevistas, entrevistas e entrevistas. Agroecologia: uma revisão de uma perspectiva de mudança global. Revisão Anual de Meio Ambiente e Recursos, 36 (1), 193-222. doi: 10.1146 / ano-ambiente-012110-121302
  5. Wezel, A., Bellon, S., Doré, T., Francis, C., Vallod, D. e David, C. (2009). Agroecologia como ciência, movimento e prática. Uma revisão Agronomia para o Desenvolvimento Sustentável, 29 (4), 503-515. doi: 10.1051 / agro / 2009004

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies