Alcalóides: Estrutura, Biossíntese, Classificação e Usos

Os alcaloides são compostos orgânicos nitrogenados que possuem propriedades farmacológicas e são produzidos pela maioria das plantas superiores, bem como por alguns animais e microrganismos. Sua estrutura química é caracterizada por um ou mais anéis nitrogenados, o que confere propriedades biológicas diversificadas. A biossíntese dos alcaloides ocorre por meio de diversas vias metabólicas, com a participação de enzimas específicas. Quanto à classificação, os alcaloides podem ser divididos em diferentes grupos, como alcaloides derivados de aminoácidos, alcaloides derivados de terpenos e alcaloides derivados de fenilalanina, entre outros. Além disso, os alcaloides têm uma ampla gama de usos na medicina, na indústria farmacêutica e na agricultura, sendo utilizados como analgésicos, antibióticos, pesticidas, entre outras aplicações.

Classificação dos alcaloides: descubra a classificação dessas substâncias naturais com propriedades medicinais.

Os alcaloides são uma classe de compostos orgânicos nitrogenados encontrados em plantas, fungos e animais. Eles possuem propriedades medicinais e são amplamente utilizados na indústria farmacêutica. A classificação dos alcaloides é feita com base em suas estruturas químicas e propriedades biológicas.

Existem várias formas de classificar os alcaloides, sendo uma das mais comuns a classificação de acordo com a estrutura química. Os alcaloides podem ser divididos em várias classes, como indólicos, isoquinolínicos, pirrolizidínicos, entre outros. Cada classe possui características únicas que influenciam suas propriedades medicinais e usos terapêuticos.

Outra forma de classificar os alcaloides é de acordo com sua fonte. Alguns alcaloides são encontrados em plantas específicas, como a morfina na papoula e a nicotina no tabaco. Outros são produzidos por fungos, como a ergotamina, e até mesmo por animais, como a bufotenina encontrada em sapos.

Além disso, os alcaloides também podem ser classificados de acordo com suas propriedades farmacológicas. Alguns atuam como analgésicos, como a morfina, enquanto outros têm propriedades estimulantes, como a cafeína. Há também alcaloides com propriedades alucinógenas, como a psilocibina encontrada em cogumelos.

Em resumo, os alcaloides são uma classe diversificada de compostos naturais com propriedades medicinais variadas. Sua classificação é importante para entender suas estruturas, biossíntese e usos terapêuticos na medicina moderna.

Qual é a utilidade do alcaloide na indústria farmacêutica e medicinal?

Os alcalóides são compostos orgânicos nitrogenados que possuem diversas propriedades terapêuticas e medicinais, sendo amplamente utilizados na indústria farmacêutica. Sua estrutura química complexa e diversificada permite a criação de medicamentos eficazes para o tratamento de diversas doenças.

Os alcalóides podem atuar como analgésicos, anti-inflamatórios, antimicrobianos, entre outros, sendo essenciais para o desenvolvimento de novos fármacos. Alguns exemplos de alcalóides amplamente utilizados na medicina são a morfina, a quinina e a codeína, que possuem propriedades analgésicas e antipiréticas.

A biossíntese dos alcalóides é um processo complexo que envolve diversas etapas e enzimas específicas. Eles são classificados de acordo com suas estruturas químicas e propriedades biológicas, o que facilita sua aplicação na indústria farmacêutica.

Em resumo, os alcalóides desempenham um papel crucial na indústria farmacêutica e medicinal, contribuindo para o desenvolvimento de novos medicamentos e tratamentos eficazes para diversas doenças. Sua diversidade estrutural e propriedades terapêuticas fazem deles uma fonte valiosa de compostos bioativos para a saúde humana.

Estrutura fundamental de um alcaloide: o que é e como é formada.

Os alcalóides são compostos orgânicos nitrogenados que possuem propriedades farmacológicas e são encontrados em diversas plantas, fungos e animais. Eles possuem uma estrutura fundamental característica, que consiste em um anel heterocíclico contendo átomos de nitrogênio. Este anel é conhecido como anel alcaloide e é responsável pelas propriedades biológicas dos compostos.

A formação dos alcalóides ocorre através de rotas biossintéticas complexas, que envolvem diversas etapas de reações enzimáticas. Geralmente, a biossíntese dos alcalóides começa com a condensação de aminoácidos, seguida de modificações estruturais como oxidações, reduções e rearranjos químicos. Essas modificações são essenciais para a diversidade estrutural dos alcalóides e para a sua atividade biológica.

Relacionado:  15 Plantas em risco de extinção na Colômbia

Existem diversas classes de alcalóides, que são classificados de acordo com a estrutura do anel alcaloide e com os grupos funcionais presentes na molécula. Alguns exemplos de classes de alcalóides são os indólicos, isoquinolínicos e tropanos.

Os alcalóides possuem uma ampla gama de usos, sendo utilizados na medicina, na indústria farmacêutica, na agricultura e até mesmo na culinária. Eles podem atuar como analgésicos, antibióticos, estimulantes, entre outras funções terapêuticas.

Como são sintetizados os alcaloides na biossíntese?

Os alcaloides são compostos orgânicos nitrogenados que são amplamente encontrados em plantas e alguns animais. Eles possuem uma grande diversidade estrutural e são conhecidos por suas propriedades farmacológicas, sendo utilizados em medicamentos, pesticidas e até mesmo em rituais religiosos.

A biossíntese dos alcaloides ocorre através de vias metabólicas complexas nas plantas. Esses compostos são sintetizados a partir de precursores básicos, como aminoácidos, acetato e mevalonato. A primeira etapa envolve a formação de um esqueleto básico, que pode ser modificado por diversas enzimas para gerar a diversidade estrutural dos alcaloides.

Uma das vias mais comuns de biossíntese de alcaloides é a via do shikimato, que leva à produção de compostos como a nicotina e a morfina. Nessa via, o aminoácido fenilalanina é convertido em tirosina, que por sua vez é transformada em alcaloides como a codeína e a tebaina.

Outra via importante é a via do terpenoide, que leva à síntese de alcaloides como a quinina e a strychnina. Nessa via, o mevalonato é convertido em isoprenoides, que passam por diversas reações até formarem o esqueleto dos alcaloides.

Em resumo, a biossíntese dos alcaloides envolve uma série de reações enzimáticas complexas que transformam precursores básicos em compostos nitrogenados com propriedades farmacológicas diversas. O estudo dessas vias metabólicas é fundamental para entender a diversidade estrutural e as aplicações dos alcaloides na medicina e em outras áreas.

Alcalóides: Estrutura, Biossíntese, Classificação e Usos

Os alcalóides são moléculas que contêm átomos de carbono e azoto na sua estrutura molecular, os quais geralmente formam complexos anéis. O termo alcalóide, proposto pela primeira vez pelo farmacêutico W. Meissner em 1819, significa “semelhante ao alcalino”.

A palavra alcalino refere-se à capacidade de uma molécula de absorver íons hidrogênio (prótons) de um ácido. Os alcalóides são encontrados como moléculas individuais, portanto são pequenos e podem absorver íons hidrogênio, tornando-os uma base.

Alcalóides: Estrutura, Biossíntese, Classificação e Usos 1

Biossíntese alcalóide

Algumas bases comuns incluem leite, carbonato de cálcio em antiácidos ou amônia em produtos de limpeza. Os alcalóides são produzidos por alguns seres vivos, principalmente pelas plantas. No entanto, não está claro qual o papel dessas moléculas nos vegetais.

Independentemente do seu papel nas plantas, muitos alcalóides têm usos na medicina para seres humanos. Analgésicos derivados da planta da papoula, como a morfina, existem desde 1805. Outro exemplo é o quinino antimalárico, usado pelas tribos da Amazônia há mais de 400 anos.

Alcalóides: Estrutura, Biossíntese, Classificação e Usos 2

Papaver somniferum, ou planta de papoula de ópio

Estrutura

As estruturas químicas dos alcalóides são extremamente variáveis. Geralmente, um alcalóide contém pelo menos um átomo de nitrogênio em uma estrutura semelhante a amina; isto é, um derivado de amônia substituindo átomos de hidrogênio por grupos hidrogênio-carbono chamados hidrocarbonetos.

Este ou outro átomo de nitrogênio pode ser ativo como base nas reações ácido-base. O nome do alcalóide foi originalmente aplicado a essas substâncias porque, como álcalis inorgânicos, eles reagem com ácidos para formar sais.

A maioria dos alcalóides possui um ou mais átomos de nitrogênio como parte de um anel de átomos, geralmente chamado de sistema cíclico. Os nomes dos alcalóides geralmente terminam no sufixo “-ina”, uma referência à sua classificação química como aminas.

Biossíntese

A biossíntese de alcalóides nas plantas envolve muitas etapas metabólicas, catalisadas por enzimas que pertencem a uma ampla gama de famílias de proteínas; Por esse motivo, as vias de biossíntese de alcalóides são consideravelmente complexas.

No entanto, é possível comentar algumas generalidades. Existem alguns ramos principais na síntese de alcalóides que incluem:

Biossíntese de alcaloides trópicos e nicotínicos

Neste grupo de alcalóides, a biossíntese é feita a partir dos compostos L-Arginina e Ornitina. Estes sofrem um processo de descarboxilação mediado por suas respectivas enzimas: arginina descarboxilase e ornitina descarboxilase.

O produto dessas reações são moléculas de putrecina. Após outras etapas, que incluem a transferência de grupos metil, são produzidos derivados nicotínicos (como a nicotina) e derivados trópicos (como atropina e escopolamina).

Biossíntese de alcalóides benzilisoquinolina

A síntese de alcalóides benzilisoquinolina começa a partir de moléculas de L-tirosina, que são descarboxiladas pela enzima tirosina descarboxilase para dar origem a moléculas de tiramina.

A enzima norcoclaurina sintase usa a tiramina produzida na etapa anterior e o L-DOPA para formar moléculas de norcoclaurina; estes sofrem outra série de reações complexas para dar origem aos alcalóides berberina, morfina e codeína.

Biossíntese de alcaloides indólicos terpênicos

Este grupo de alcalóides é sintetizado a partir de duas rotas: uma que parte do L-triptofano e outra do geraniol. Os produtos dessas rotas são triptamina e secolaganina, essas moléculas são o substrato da enzima estrectosidina sintase, que catalisa a síntese da estritosidina.

Os diferentes alcalóides terpênicos do indol são produzidos a partir da estrectosidina, como ajmalicina, catarantina, serpentina e vinblastina; Este último tem sido utilizado no tratamento da doença de Hodgkin.

Nos campos da bioquímica estrutural, biologia molecular e celular e aplicações biotecnológicas, a caracterização de novas enzimas biossintéticas alcalóides tem sido o foco de pesquisas nos últimos anos.

Classificação

Devido à sua diversidade e complexidade estrutural, os alcalóides podem ser classificados de diferentes maneiras:

De acordo com sua origem biossintética

De acordo com sua origem biossintética, os alcalóides são classificados em três grandes grupos:

Alcalóides verdadeiros

Eles são aqueles que são derivados de aminoácidos e têm o átomo de nitrogênio como parte do anel heterocíclico. Por exemplo: higrina, cocaína e fisostigmina.

Protoalcaloides

Eles também são derivados de aminoácidos, mas o nitrogênio não faz parte do anel heterocíclico. Por exemplo: efedrina e colchicina.

Pseudoalcalóides

São alcalóides que não são derivados de aminoácidos e o nitrogênio faz parte da estrutura heterocíclica. Por exemplo: aconitina (alcaloide terpénico) e solanidina (alcaloide esteróide).

De acordo com seu precursor biogenético

Nesta classificação, os alcalóides são agrupados dependendo da molécula a partir da qual sua síntese começa. Assim, alcalóides derivados de:

– L-fenilalanina.

L-tirosina.

L-triptofano.

– L-ornitina.

L-lisina.

L-histidina.

– ácido nicotínico.

– ácido antranílico.

– bases puricas.

– metabolismo terpênico.

De acordo com sua estrutura química ou núcleo básico

– pirrolidina.

– Piridina-pirrolidina.

Isoquinolina.

– imidazol.

– Piperidina

– Piridina-Piperidina.

Quinolina.

Purina.

Tropane.

– indol .

Usos

Os alcalóides têm múltiplos usos e aplicações, tanto na natureza quanto na sociedade. Na medicina, o uso de alcalóides é baseado nos efeitos fisiológicos que eles causam no organismo, que é uma medida da toxicidade do composto.

Relacionado:  Reduções de açúcares: métodos para determinação, importância

Sendo moléculas orgânicas produzidas por seres vivos , os alcalóides têm a capacidade estrutural de interagir com sistemas biológicos e afetar diretamente a fisiologia de um organismo. Essa propriedade pode parecer perigosa, mas o uso de alcalóides de maneira controlada é muito útil.

Apesar de sua toxicidade, alguns alcalóides são úteis quando usados ​​nas doses corretas. Uma dose em excesso pode causar danos e ser considerada venenosa para o corpo.

Alcalóides são obtidos principalmente de arbustos e ervas. Eles podem ser encontrados em diferentes partes da planta, como folhas, caule, raízes, etc.

Alcalóides podem ser usados ​​como medicamentos

Alguns alcalóides têm atividade farmacológica significativa. Esses efeitos fisiológicos os tornam valiosos como remédios para curar alguns distúrbios graves.

Por exemplo: Vinca roseus vincristina é usada como medicamento contra o câncer e Ephedra distachya efedrina é usada para regular a pressão sanguínea.

Outros exemplos incluem curarina, que é encontrada no curare e é um poderoso relaxante muscular; atropina, usada para dilatar as pupilas; codeína, que é usada como supressor da tosse; e alcalóides eróticos, usados ​​para aliviar a enxaqueca, entre muitos outros.

Alcalóides podem ser usados ​​como narcóticos

Muitas substâncias psicotrópicas, que atuam no sistema nervoso central, são alcalóides. Por exemplo, a morfina do ópio ( Papaver somniferum ) é considerada uma droga e um analgésico. A dietilamida do ácido lisérgico, mais conhecida como LSD, é um alcalóide e um medicamento psicodélico.

Esses narcóticos têm sido utilizados desde os tempos antigos como instrumentos para excitação mental e euforia, embora sejam considerados prejudiciais pela medicina moderna.

Alcalóides podem ser usados ​​como pesticidas e repelentes

A maioria dos pesticidas e repelentes naturais são derivados de plantas, onde exercem sua função como parte do próprio sistema de defesa da planta contra insetos, fungos ou bactérias que os afetam. Estes compostos são geralmente alcalóides.

Como mencionado anteriormente, esses alcalóides são tóxicos por natureza, embora essa propriedade dependa amplamente da concentração.

Por exemplo, a piretrina é usada como repelente de insetos, em uma concentração mortal para mosquitos, mas não para humanos.

Alcalóides podem ser usados ​​em pesquisas científicas

Devido aos seus efeitos específicos no corpo, os alcalóides são amplamente utilizados em estudos científicos. Por exemplo, o alcalóide da atropina pode causar dilatação da pupila.

Portanto, para avaliar se uma nova substância tem efeitos similares ou opostos, ela é comparada ao efeito da atropina.

Alguns alcalóides são estudados com grande interesse devido às suas propriedades antitumorais, como a vinblastina e a vincristina.

Outros alcalóides importantes na pesquisa científica incluem quinino, codeína, nicotina, morfina, escopolamina e reserpina, entre outros.

Referências

  1. Cordell, G. (2003). The Alkaloids: Chemistry and Biology, Volume 60 (1ª ed.). Elsevier
  2. De Luca, V. e St Pierre, B. (2000). A biologia celular e do desenvolvimento da biossíntese de alcalóides. Trends in Plant Science , 5 (4), 168-173.
  3. Facchini, PJPJ (2001). Biossíntese alcalóide em plantas: bioquímica, biologia celular, regulação molecular e aplicações de engenharia metabólica. Revisão Anual de Biologia Vegetal , 52 (1), 29-66.
  4. Kutchan, TM (1995). Biossíntese alcalóide [mdash] A base para a engenharia metabólica de plantas medicinais. The Plant Cell Online , 7 (7), 1059-1070.
  5. Pelletier, S. (1983). Alcalóides: Perspectivas Químicas e Biológicas, Volume 11 ( ). Wiley
  6. Roberts, M. (2013). Alcalóides: Bioquímica, Ecologia e Aplicações Medicinais. Springer Science & Business Media.
  7. Wenkert, E. (1959). Biossíntese alcalóide. EXPERIENTIA , XV (5), 165–204.
  8. Ziegler, J. e Facchini, PJ (2008). Biossíntese alcalóide: metabolismo e tráfico. Anual Review of Plant Biology , 59 (1), 735-769.

Deixe um comentário