Ameaça de reconquista e necessidade de reconhecimento internacional

Ao falar sobre a ameaça de reconquista e a necessidade de reconhecimento internacional, nos referimos às tentativas do exército espanhol de recuperar os territórios mexicanos durante o mandato do rei Fernando VII.

Esses combates ocorreram até 1829. No entanto, a Espanha não reconheceu o México como república livre até 28 de dezembro de 1836, quando foi assinado um tratado de paz entre as nações.

Ameaça de reconquista e necessidade de reconhecimento internacional 1

Depois de alcançar a independência, o México teve que lidar com tentativas de reconquistar Fernando VII. Fonte: Francisco Goya [Domínio público]

A independência do México começou em 27 de setembro de 1821; No entanto, os territórios desta nação não estavam protegidos de possíveis reconquistas espanholas. Por exemplo, as terras de San Juan de Ulúa ainda estavam sob o comando da Península Ibérica.

Por esse motivo, o primeiro ministro da guerra, Antonio de Medina Miranda, decidiu tomar o castelo de San Juan de Ulúa, por temer algum ato de invasão da Coroa. Além disso, naquela época o México possuía fraquezas notáveis ​​no poder naval, por isso teve que agir antes que os espanhóis enfraquecessem suas defesas com maior rigor.

Confrontos de guerra no território de San Juan de Ulúa

Em San Juan de Ulúa estava José García Dávila, um espanhol que havia sido nomeado governador de Veracruz.

Dávila havia proposto defender a fortaleza com duzentos soldados de artilharia, infantaria e munição, com a ajuda de Antonio López de Santa Anna. Essa quantia encorajou os mexicanos, pois era uma defesa reduzida.

No entanto, a Espanha decidiu enviar 2.000 soldados de Cuba, não apenas para proteger a fortificação de San Juan de Ulúa, mas também para tentar penetrar nos territórios que já eram considerados legalmente mexicanos.

Devido às esmagadoras forças espanholas, o imperador Agustín de Iturbide decidiu negociar com os espanhóis, já que os mexicanos não tinham os navios necessários para enfrentar os 2.000 soldados vindos de Cuba.

Essas negociações não chegaram a um acordo entre as partes; no entanto, eles estabeleceram um período de paz entre as duas nações.

Chegada de Antonio López de Santa Anna e colocação de Francisco Lemaur

Com a chegada de Santa Anna à cidade de Veracruz, em 1822, as negociações entre as autoridades mexicanas e espanholas começaram a fracassar, especialmente quando a Coroa decidiu demitir Dávila para colocar Francisco Lemaur, cujas inclinações políticas e militares eram muito mais radicais. do que os do seu antecessor.

Lemaur transformou a fortaleza em um lugar seguro para a coleção de comerciantes estrangeiros. Ele também implementou leis que ameaçavam a soberania mexicana. Além disso, esse exército considerou que todos os pontos adjacentes à fortaleza deveriam ser espanhóis, como nos casos de ancoragem e sacrifícios.

Em 1823, as negociações terminaram quando os espanhóis decidiram bombardear o porto de Veracruz, fazendo com que mais de seis mil civis tivessem que se mudar para escapar do local.

Após este atentado, o governo mexicano decidiu terminar de uma vez por todas com as tentativas de reconquista espanhola, embora este não tivesse um exército naval adequado para cumprir o objetivo.

O plano de José Joaquín de Herrera

José Joaquín de Herrera, secretário de Guerra e Marinha, decidiu ir ao Congresso mexicano para exigir que as autoridades adquirissem todos os tipos de embarcações militares, a fim de impedir a entrada dos espanhóis e atacar suas tropas.

Em outras palavras, Herrera propôs bloquear os reforços que a Espanha recebeu dos territórios cubanos.

Graças a isso, as autoridades mexicanas compraram um esquadrão que estava sob o comando de Pedro Sainz de Baranda e Borreiro, que conseguiu recuperar os territórios de San Juan de Ulúa em 23 de novembro de 1825.

Tentativa de reconquista em 1829

Em 1829, a Espanha tentou reconquistar os territórios mexicanos de Cuba novamente, então Isidro Barradas foi nomeado para conter o exército da Coroa. No entanto, os espanhóis exilados queriam convencer Barradas de que os cidadãos mexicanos queriam voltar ao jugo espanhol.

Depois de lidar com a maré e os soldados rebeldes, os mexicanos finalmente conseguiram tomar o Fortín de la Barra, que culminou no confronto entre mexicanos e espanhóis.

Por sua parte, Barradas conseguiu a capitulação em Pueblo Viejo e reafirmou a capitulação em Tampico. Graças a essa vitória, as autoridades mexicanas conseguiram consolidar a independência.

Necessidade de reconhecimento internacional

Após a independência do México em 1821, um dos principais problemas enfrentados pela nova nação latino-americana foi obter reconhecimento internacional.

O reconhecimento mais necessário foi o da Espanha; no entanto, como mencionado nos parágrafos anteriores, a Península Ibérica permaneceu relutante em assumir a perda de outro território das Índias.

Participação da Grã-Bretanha e dos primeiros países a reconhecer o México como um território independente

É necessário ter em mente que a independência do México, juntamente com a necessidade de seu reconhecimento como nação, se desenvolveu em um contexto internacional no qual as rotas marítimas e de viagens eram de extrema importância. Por esse motivo, países como a Grã-Bretanha tiveram um papel muito importante.

A participação da Grã-Bretanha foi decisiva no conflito hispano-mexicano, uma vez que a independência do México significava que a Grã-Bretanha poderia preservar a liberdade de tráfego das viagens marítimas, com as quais havia se desenvolvido nas últimas décadas.

Em outras palavras, o Império Britânico precisava garantir a importação de matérias-primas, por isso era conveniente estabelecer uma rede de mercados que se estendiam além da Europa. Por esse motivo, a Grã-Bretanha foi uma das primeiras nações a aceitar o México como um país livre.

Da mesma forma, vários países latino-americanos também aceitaram quase que imediatamente a independência do México, juntamente com os Estados Unidos (com os quais o México enfrentou posteriormente para recuperar o território do Texas).

Últimos países a reconhecer o México

Os últimos países a reconhecer o México como nação independente foram o Vaticano e a França, que finalmente renderam entre 1830 e 1836. Para obter a aprovação dos franceses, as autoridades mexicanas tiveram que realizar várias negociações.

Por outro lado, o Vaticano se recusou a admitir a independência do México devido a suas estreitas relações com a Espanha. No entanto, em meados do século XIX, ambos os países renderam e assinaram acordos de paz e comércio com a nação mexicana.

Referências

  1. Landavazo, M. (2018) A reconquista, o príncipe e a ilha: Grã-Bretanha e o reconhecimento espanhol da independência do México. Retirado em 5 de junho de 2019 da UNAM: historicas.unam.mx
  2. Piñeirua, L. (sf .) Conflitos internacionais e expropriação territorial: ameaça de reconquista. Retirado em 5 de junho de 2019 de Red Magisterial: redmagisterial.com
  3. A. (2015) História II do México: conflitos internacionais e desapropriação territorial. Retirado em 5 de junho de 2019 de Mexican History: historiamexicana04.blogspot.com
  4. A. (sf) O espanhol tenta reconquistar o México. Retirado em 5 de junho de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org
  5. A. (sf) Relações internacionais do México entre 1821 e 1855 . Retirado em 5 de junho de 2019 de Wikiwand: wikiwand.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies