Amigos imaginários em crianças: essas fantasias são normais?

Amigos imaginários são uma parte comum do desenvolvimento infantil, onde crianças criam personagens fictícios com quem interagem e compartilham experiências. Muitos pais e cuidadores podem se preocupar com a presença de amigos imaginários em seus filhos, questionando se essa fantasia é normal ou saudável. Neste contexto, é importante entender que a criação de amigos imaginários é uma forma natural e saudável de expressão, criatividade e desenvolvimento emocional na infância. Este fenômeno pode ajudar as crianças a lidar com emoções complexas, praticar habilidades sociais e desenvolver a imaginação. Portanto, é fundamental que os adultos respeitem e apoiem a presença de amigos imaginários nas vidas das crianças, entendendo que faz parte de seu processo de crescimento e aprendizado.

É comum crianças ter amigos imaginários?

É comum crianças ter amigos imaginários? Essa é uma pergunta frequente entre pais e educadores que observam seus filhos interagindo com personagens que só eles conseguem ver. Mas afinal, ter amigos imaginários é algo normal na infância?

Estudos mostram que a maioria das crianças desenvolve amigos imaginários em algum momento de seu desenvolvimento. Isso geralmente acontece entre os 3 e 7 anos de idade, quando a criatividade e a imaginação estão em alta. Ter um amigo imaginário pode ser uma forma saudável de explorar o mundo ao redor e lidar com sentimentos complexos.

Os amigos imaginários muitas vezes são descritos como companheiros de brincadeiras, confidentes e até mesmo protetores. Eles podem ajudar a criança a se sentir menos sozinha, a lidar com situações difíceis e a experimentar diferentes papéis sociais. Além disso, ter um amigo imaginário pode estimular a criatividade e a capacidade de empatia da criança.

É importante ressaltar que ter um amigo imaginário não é sinal de solidão ou problemas emocionais. Pelo contrário, é uma forma saudável e natural de expressar a imaginação e a fantasia típicas da infância. No entanto, se os amigos imaginários começarem a interferir nas relações sociais da criança ou causar sofrimento, pode ser necessário buscar ajuda profissional.

Essas fantasias ajudam as crianças a explorar o mundo, desenvolver habilidades sociais e lidar com emoções. Portanto, não se preocupe se seu filho tiver um amigo imaginário – é uma fase passageira e saudável da infância.

Amigo imaginário: companheiro criado pela criança para brincar e se divertir.

Amigo imaginário é um fenômeno comum na infância, onde a criança cria um companheiro fictício para interagir, brincar e se divertir. Essa fantasia pode ser vista como uma forma saudável de expressão da criatividade e imaginação infantil.

É importante ressaltar que a presença de um amigo imaginário na vida de uma criança não deve ser motivo de preocupação por parte dos pais ou responsáveis. Essa é uma fase natural do desenvolvimento infantil, onde a criança está explorando o mundo ao seu redor e criando suas próprias narrativas.

Algumas pessoas podem achar estranho ou até mesmo preocupante o fato de uma criança ter um amigo imaginário, mas é importante lembrar que isso faz parte do processo de crescimento e amadurecimento. É uma forma da criança exercitar suas habilidades sociais, criativas e emocionais.

Por isso, é essencial que os adultos respeitem e apoiem a fantasia do amigo imaginário da criança, sem tentar desencorajá-la ou ridicularizá-la. É uma fase passageira e saudável, que contribui para o desenvolvimento da criança.

Portanto, não há motivo para preocupação, pois essa fantasia é uma parte importante do crescimento e desenvolvimento das crianças.

Qual a idade do amigo fictício que vive na imaginação da criança?

Os amigos imaginários são comuns na infância e fazem parte do desenvolvimento emocional e social das crianças. Muitas vezes, esses amigos fictícios são personagens criados pela própria criança, que podem ter diferentes idades. Mas afinal, qual a idade do amigo fictício que vive na imaginação da criança?

Relacionado:  A regulação das emoções na infância

O amigo imaginário geralmente reflete a idade e as experiências da criança que o criou. Portanto, é comum que o amigo fictício tenha a mesma idade da criança ou até mesmo um pouco mais velho. Isso ocorre porque a criança projeta em seu amigo imaginário características que estão presentes em sua própria vivência, como a forma de falar, agir e se comportar.

Por exemplo, se uma criança de cinco anos cria um amigo imaginário, é provável que esse amigo também tenha cinco anos, pois a criança está se identificando com sua própria idade e estágio de desenvolvimento. No entanto, alguns amigos imaginários podem ser mais velhos, representando uma figura de autoridade ou sabedoria na vida da criança.

É importante ressaltar que ter um amigo imaginário é uma parte saudável do crescimento infantil. Essas fantasias ajudam as crianças a lidar com emoções, desenvolver habilidades sociais e exercitar a criatividade. Portanto, é fundamental que os adultos respeitem e valorizem a presença do amigo imaginário na vida da criança, sem desencorajá-la ou desconsiderar suas experiências.

Essas fantasias são normais e fazem parte do desenvolvimento saudável das crianças, contribuindo para sua criatividade, empatia e habilidades sociais.

Amigos imaginários aos 13 anos: uma fase comum no desenvolvimento infantil.

Amigos imaginários são comuns em crianças pequenas, mas o que acontece quando essa fantasia persiste até os 13 anos de idade? Muitos pais podem se preocupar com esse comportamento, questionando se é algo anormal ou prejudicial para o desenvolvimento de seus filhos. No entanto, é importante ressaltar que ter amigos imaginários aos 13 anos é uma fase bastante comum no desenvolvimento infantil.

As crianças criam amigos imaginários como uma forma de lidar com suas emoções, explorar sua criatividade e praticar habilidades sociais. Essas fantasias são uma maneira saudável de expressar sentimentos e desenvolver a imaginação. É uma forma de a criança se sentir mais segura e confiante, especialmente em situações de solidão ou ansiedade.

É importante os pais não se alarmarem com a presença de amigos imaginários em seus filhos. Em vez disso, eles podem encorajar a criança a compartilhar mais sobre seus amigos imaginários, incentivando a criatividade e a comunicação. Além disso, é fundamental manter um diálogo aberto com a criança para entender suas necessidades emocionais e ajudá-la a lidar com seus sentimentos de forma saudável.

Essas fantasias podem ajudar a criança a crescer emocionalmente e aprimorar suas habilidades sociais. Os pais devem apoiar e compreender seus filhos nesse processo, garantindo um ambiente seguro e acolhedor para que possam explorar sua imaginação sem julgamentos.

Amigos imaginários em crianças: essas fantasias são normais?

Amigos imaginários em crianças: essas fantasias são normais? 1

A capacidade de socializar e manter contatos positivos além do puramente familiar, estabelecer vínculos com as pessoas em nosso ambiente e compartilhar situações positivas, momentos e experiências com elas é essencial para o nosso desenvolvimento completo.

As amizades serão muito importantes ao longo da vida, mas ter alguém com características semelhantes àquelas com quem compartilhar e experimentar é especialmente relevante durante a infância e a adolescência. E, em muitos casos, algumas crianças chegam a fazer amigos que realmente não existem no mundo real, mas que são de grande importância para elas: estamos falando de amigos imaginários . É sobre esse conceito que falaremos ao longo deste artigo.

Relacionado:  O uso do covisionado antes do impacto da mídia na infância

O que é um amigo imaginário?

Um personagem invisível e inexistente na realidade é considerado um amigo imaginário que é considerado real ou parcialmente real por uma criança com quem ele brinca interage com freqüência e diretamente e que é nomeada e reconhecida na frente de outras pessoas. A interação e a consideração da existência desse ser pelo menor podem ter uma duração variável. Embora tenhamos falado sobre seres inexistentes, às vezes o amigo imaginário é um objeto ou elemento ao qual a criança concede a capacidade de estar vivo ou interagir, como uma boneca.

A criação e manutenção de amigos imaginários geralmente ocorre em crianças pequenas , entre dois e oito anos. O amigo em questão geralmente tem uma função protetora ou lúdica, sendo sua própria presença de situações em que a criança está brincando ou sente medo. O personagem em questão pode ser uma criança como ele ou ela ou seres animados, com características animais ou mesmo fantásticas. Geralmente, o amigo começa a ser esquecido ou desaparece quando a criança começa a ter um contato mais fluido e positivo com as crianças e a fazer amigos, embora possa levar algum tempo para desaparecer.

  • Você pode estar interessado: ” O poder do jogo: por que é necessário para as crianças? “

Explicações para esse fenômeno na infância

A criação de amigos imaginários por crianças tem sido um aspecto de pesquisa com grande interesse ao longo da história, com diferentes abordagens nesse sentido. Inicialmente, havia a ideia de que era e era valorizada como a expressão de algum problema clínico, embora pesquisas tenham mostrado que, com exceções, isso não é verdade.

Inicialmente, considerou-se que amigos imaginários eram a expressão de problemas afetivos ligados a deficiências, como falta de afeto por parte dos pais, solidão ou falta de pessoas do mesmo nível maturacional ou como mecanismo de compensação pelo que as crianças consideram suas fraquezas. . Embora em alguns casos seja assim, principalmente em crianças abandonadas ou que sofreram algum trauma, observou-se que esse fenômeno pode aparecer em qualquer tipo de contexto.

Autores como Jean Piaget , conhecido por seus estudos sobre desenvolvimento infantil e as fases de aquisição de diferentes habilidades mentais sob uma perspectiva cognitiva, interpretaram a presença de amigos imaginários como uma elaboração da criança como uma tentativa de explicar a realidade. que ele não foi capaz de entender, tendo dificuldade em separar o real do imaginário na idade típica de aparecimento desse fenômeno (entre 3-6 anos). No entanto, as crianças são capazes de separar a realidade da ficção nessas idades , muitas vezes sabendo que seus amigos imaginários não são perceptíveis para ninguém além deles ou mesmo que são o produto da fantasia.

Outra teoria mais recente valoriza que amigos imaginários são simulações de seres reais que as crianças usam para praticar situações de interação real e que servem para melhorar a compreensão da teoria da mente (suponha e entenda que outras pessoas têm opiniões, pensamentos e suas próprias perspectivas).

É algo patológico?

Embora isso não ocorra em todas as crianças, a presença de amigos imaginários é algo geralmente aceito como algo normal que acontecerá com o tempo. No entanto, muitos pais demonstram grande preocupação quando acontece com os filhos a possibilidade de testemunhar algum tipo de transtorno mental ou patologia.

Relacionado:  Insucesso escolar: algumas causas e fatores determinantes

Essa preocupação faz algum sentido, pois a verdade é que o conceito de amigos imaginários implica a existência de algumas características que podem se assemelhar às de uma alucinação ou delírio (a existência de um ser que não existe além é percebida e considerada real da mente do sujeito, que é mantida ao longo do tempo).

No entanto, na grande maioria dos casos, não é um evento patológico, mas um evento normativo , sendo extremamente frequente (embora não haja consenso, alguns estudos indicam que mesmo cerca de metade das crianças poderiam tê-los) e que geralmente ocorre numa fase da vida em que o pensamento mágico é geralmente muito ativo e em que há grande criatividade.

Além disso, o amigo em questão pode ter um papel no desenvolvimento infantil : aliviar as necessidades da empresa, projetar seu eu ideal ou sua própria auto-imagem, praticar para interações reais, ensaiar sua teoria da mente e a capacidade de entender o outro, ou liberar-se. ansiedade gerando um mundo fictício no qual você pode se abstrair de vários problemas.

De fato, alguns estudos parecem até indicar que a geração de amigos imaginários (desde que não se torne expressão de deficiências afetivas ou gere distância ativa do contato real com outras pessoas) longe de serem patológicos, pode até permitir o desenvolvimento de diferentes habilidades, melhorando sua futura competência social, apatia, abstração e criatividade.

O que fazer?

Muitos pais podem se perguntar como agir na presença de amigos imaginários em seus filhos , sendo uma preocupação normal e legal. Mas, como regra geral, ter amigos imaginários não é algo que requer tratamento.

Não é aconselhável punir, negar ou ignorar a existência do amigo imaginário, embora valha a pena avaliar o tipo de amigo ou personalidade que ele possui. Você também não tenta forçar a criança a fazer atividades ocupando demais seu tempo para evitar a existência desse amigo. Também pode ser útil tentar favorecer (sem se tornar uma prática forçada e insistente que gera ansiedade para a criança) a abordagem de situações nas quais você pode interagir com outras crianças.

O assunto deve ser tratado com respeito. Lembre-se de que pode ser uma projeção dos medos de nossos filhos ou até mesmo uma maneira de se conectar com o mundo e se comunicar com você ; portanto, pode ser relevante ouvir quando ele aparecer e as opiniões que a criança diz que Seu amigo tem respeito pelo mundo.

Aspectos menos comuns que podem gerar uma resposta e que não devem ser permitidos é o fato de o amigo imaginário ser usado como justificativa ou bode expiatório para os próprios atos aversivos.

Também pode ser mais preocupante se observar que a criança prefere interagir com seu amigo invisível do que com o resto do mundo e isso o leva ao isolamento , ou que a personalidade do amigo é extremamente violenta ou destrutiva. Embora existam casos em que amigos imaginários permanecem até a adolescência, isso não é muito comum e deve-se avaliar que a criança pode estar tendo algum tipo de problema.

Referências bibliográficas:

  • Benavides Delgado, J. (2007). A criação de amigos imaginários em crianças: um problema clínico? Tese Psicológica [online] Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=139012670006.
  • Taylor, M. (1999). Companheiros imaginários e as crianças que os criam. Oxford: Oxford.

Deixe um comentário