Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo

A arzamora z ( Rubus ulmifolius ) é um arbusto espinhoso pertencente à família Rosaceae, nativo da bacia do Mediterrâneo e do sul da Europa. Também conhecida como amora, está localizada em regiões temperadas e frias do hemisfério norte, embora também se adapte às condições tropicais.

É uma espécie geralmente selvagem caracterizada por seu caule sarmentoso com numerosos espinhos curvos difíceis de erradicar quando age como uma espécie invasora. Os frutos constituídos por pequenas bagas agrupadas em cachos são utilizados comercialmente por seu aroma agradável e sabor levemente ácido.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 1

Amora (Rubus ulmifolius). Fonte: pixabay.com

Cresce em áreas de vegetação rasteira, terrenos e barrancos interferidos, bem como em solos úmidos perto de córregos ou estradas rurais. De fato, ele consegue se tornar um arbusto de espinha densa impenetrável para o homem, mas excelente refúgio para a vida selvagem.

A fruta amora tem um alto teor de água, açúcares, vitamina C, minerais, fibras e vários ácidos orgânicos. Entre eles, os ácidos cítrico, lático, málico, salicílico, succínico e oxálico, que proporcionam diversas propriedades medicinais, como adstringente, antidiabética, diurética, hemostática e odontológica.

As amoras amadurecem durante o verão e o início do outono, sendo uma fruta altamente valorizada por comer fresca ou em compotas. Tradicionalmente, eles são consumidos frescos e usados ​​para fazer geléias, doces, bolos, compotas, salada de frutas, bebidas e bebidas espirituosas.

Características gerais

Morfologia

A amora-preta é um arbusto ou videira torturante que cresce em um escalador ou pêndulo com numerosos espinhos ao longo do caule. De fato, espinhos firmes e curvos para trás favorecem seu apoio sobre qualquer meio natural de crescimento.

Folhas

As folhas compostas e ímpares de 3 a 5 folhetos ovais pontiagudos e peciolados, com bordas irregulares e a costela central espinhosa ocasional na parte inferior. Verde intenso, mais escuro pela viga e ligeiramente tomentoso na parte inferior.

Flores

As pequenas flores de pentâmero branco ou rosa são agrupadas em grupos, formando inflorescências ovais ou piramidais. De fato, as pétalas separadas têm 10 a 15 cm de comprimento e as sépalas cinza pálidas têm uma aparência tomentosa.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 2

Flores de amora-preta (Rubus ulmifolius). Fonte: pixabay.com

Fruta

A fruta conhecida como amora ou amora é uma polidrupa ou grupo de pequenas drupas agrupadas em cabeças globosas. Quando amadurece, adquire um sabor doce e agradável, levemente ácido, com tons de verde no início, passando do vermelho ao violeta ou preto.

Sementes

Em cada polidrupa está localizada uma única semente de couro. Geralmente, as aves favorecem sua dispersão, pois consomem a semente que não é digerida pelo sistema digestivo e é dispersa com seus depoimentos.

Composição:

A amora é uma excelente fonte de vitaminas A (ácido retinóico ou retinol) e C (ácido ascórbico). Além disso, flavonóides, antocianinas e carotenóides que, juntamente com seu baixo conteúdo de carboidratos, o tornam um potente antioxidante natural.

As folhas têm um alto teor de galotaninos solúveis em água e elagitaninos diméricos; bem como flavonóides e hidroquinona arbutina. Da mesma forma, compostos terpênicos, como ácido rubítico, e certas quantidades de óleo essencial, lipídios e gengivas.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 3

Frutos e folhas maduras de amora. Fonte: pixabay.com

Taxonomia

– Reino: Plantae

– Divisão: Magnoliophyta

– Classe: Magnoliopsida

– Ordem: Rosales

– Família: Rosaceae

– Subfamília: Rosoideae

– Tribo: Rubéias

– Gênero: Rubus

– Subgênero: Rubus

– Seção: Rubus

– Série: Discolores

– Espécie: Rubus ulmifolius Schott, em Oken, Isis, fasc. v. 821, 1818

Etimologia

Rubus : o nome genérico deriva do latim « rŭbus, -i », de amora, « ruber », pela cor de seus frutos em geral.

ulmifolius : o adjetivo específico está relacionado à semelhança de suas folhas com as do olmo ( Ulmus minor ).

Relacionado:  Os 10 animais mais destacados do Chile

Habitat e distribuição

O amora-preta é uma espécie de crescimento rápido e alto potencial invasivo capaz de colonizar encostas, montanhas degradadas e áreas intervenientes. De fato, a capacidade de gerar raízes adventícias em seus galhos favorece a reprodução vegetativa, formando sebes densas em pouco tempo.

Na natureza, cresce e se desenvolve em áreas úmidas, margens de rios, aterros, limites de culturas ou em cercas naturais. Seu desenvolvimento é vertiginoso quando as condições ambientais são favoráveis, sendo uma planta invasora difícil de combater e erradicar.

A espécie Rubus ulmifolius é nativa da região do Mediterrâneo e de grande parte da Europa, incluindo o norte da África e o Oriente Médio. Também tem sido selvagem na Austrália e na América, sendo considerada uma praga invasora em alguns países da América do Sul.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 4

Planta de amora. Fonte: Samornet [CC BY-SA 3.0 pt (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/es/deed.en)]

Propriedades

Medicinal

O amora contém vários elementos como flavonóides, taninos, minerais, vitaminas e ácidos orgânicos que favorecem suas propriedades terapêuticas e medicinais. De fato, praticamente todas as suas partes são utilizadas nesta planta, incluindo caules, folhas e frutos.

O macerado das hastes sensíveis é usado como uma compressa quente para curar úlceras e feridas na pele. De fato, as compressas agem como desinfetantes e curam feridas externas.

Com as folhas secas, é preparada uma infusão de propriedades anti-sépticas, adstringentes e diuréticas. Além disso, essa infusão é aplicada como um lavador de olhos para aliviar problemas de conjuntivite.

O amora contém vitaminas e minerais que, devido ao seu alto teor, são adequados para prevenir e controlar a anemia. Por outro lado, a presença de flavonóides permite reduzir os níveis de colesterol no sangue e prevenir certos tipos de câncer.

Os frutos contêm altos níveis de taninos utilizados no tratamento sintomático da diarréia devido ao seu efeito adstringente. Também é recomendado para aliviar problemas das mucosas orais, amigdalite e faringite.

Industrial

A casca firme e forte de galhos ou caules é usada como matéria-prima para a produção de cordas e cestos artesanais. Dos caules, um pigmento é usado para tingir a lã de cor preta e, em algumas culturas, as folhas substituem o tabaco.

Alimento

O amora-preta é uma das principais frutas silvestres usadas em confeitaria para fazer geleias, doces e sobremesas e até bolos e doces. Da mesma forma, a partir deste suco fermentado e destilado, um álcool é usado para a elaboração do tradicional vinho ou licor de amora.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 5

Sobremesas com amora. Fonte: pixabay.com

Cultivo

Solos

A amora é uma cultura rústica, pouco exigente em termos de solos, pois se adapta a uma grande variedade de terrenos. No entanto, devido à sua alta capacidade de aclimatação, requer solos bem drenados, pois não tolera alagamentos.

De fato, desenvolve-se bem em solos de argila argilosa, com alto teor de matéria orgânica e pH levemente ácido. Além disso, é necessária a presença de elementos minerais, como fósforo e potássio, que favorecem seu desenvolvimento vegetativo.

Tempo

Esta cultura se adapta às condições ambientais frescas e ensolaradas, embora seja pouco tolerante à geada. A temperatura deve manter uma média de 20-25 ºC na fase de produção, tolerando 16-25 ºC na fase de desenvolvimento vegetativo.

Existem cultivares adaptadas a baixas temperaturas que requerem 700 horas de frio a 4-6 ° C para descansar e iniciar a produção. A umidade relativa deve variar entre 70-90%, condições de alta umidade influenciam a ocorrência de doenças fúngicas e o amadurecimento dos frutos.

Os requisitos de precipitação estão localizados acima de 1000 mm de precipitação anual, com maior intensidade na fase de crescimento. O blackberry se adapta a uma ampla faixa altitudinal, obtendo a mais alta qualidade de produção em 1200-2000 msnm.

Relacionado:  Gregor Mendel: Biografia e Contribuições

Rega

O amora-preta é resistente à seca, no entanto, sua produção comercial requer rega frequente sem atingir as inundações. A irrigação localizada é a técnica mais recomendada, aplicações curtas e frequentes favorecem maior rendimento e qualidade dos frutos.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 6

Detalhe dos espinhos de amora-preta. Fonte: Denis Barthel [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Propagação

Amora se espalha através de sementes – propagação sexual – ou através de estruturas vegetativas – propagação assexuada. Sendo a propagação vegetativa através de estacas ou camadas, a mais utilizada comercialmente.

– Propagação por sementes

A obtenção de mudas através das sementes é um processo lento que requer tratamento pré-germinativo e condições ambientais especiais. De fato, esse método é usado experimentalmente em condições de laboratório para cruzar e obter híbridos ou novas variedades.

– Propagação vegetativa

Camadas

Em camadas é uma técnica de propagação vegetativa que consiste em obter um caule ou galho para criar raízes diretamente na planta. Uma vez que a porção do caule ou do ramo se enraíza, ela é separada da planta mãe como uma nova muda.

Camada rastejante

No blackberry, duas técnicas de camadas podem ser usadas: camadas rastejantes usando hastes longas; ou ponta, aproveitando ramos vigorosos. Para a camada rasteira, são selecionadas hastes flexíveis de 2 a 3 metros de comprimento, que serão fixadas no chão a cada 25 a 30 cm.

Este método favorece a formação de raízes nas porções enterradas após 30 a 45 dias. Após esse período, a união com a planta mãe é cortada, mantendo as mudas nas condições iniciais.

Posteriormente, aos 20 a 30 dias, a muda já é firme e vigorosa para ser transplantada para o solo final. Com esse método, são obtidas 3-5 mudas fortes e saudáveis ​​por haste, com as mesmas características produtivas da planta mãe.

Camada de ponta

Para a técnica de tricô, é selecionado um ramo produtivo que arqueia e enterra a uma profundidade de 10 cm. Outra modalidade é cobrir e fixar a extremidade do referido ramo com um substrato fértil e desinfetado.

Aos 30 a 45 dias, o galho enterrado ou coberto com substrato iniciou o desenvolvimento de raízes adventícias. Este é o momento certo para se separar da planta original e obter uma nova planta vigorosa.

A única desvantagem desse método é que apenas uma planta por filial é obtida. Ao contrário da camada rasteira, que permite obter até 5 plantas por ramo.

Stakes

Para a propagação por estacas, são selecionadas porções de hastes ou galhos com 30-35 cm de comprimento e 1-1,5 cm de diâmetro. Tentando manter 3-4 botões vegetativos para cada estaca.

Para o sucesso no enraizamento, a estaca deve ser introduzida nos hormônios do enraizamento e cobrir a parte superior com parafina. Isso evita a desidratação da estaca e o ataque de fitopatógenos.

A semeadura é realizada em sacos de polietileno com substrato orgânico desinfetado, mantendo a umidade e a temperatura constantes. Após 30 a 45 dias, as mudas estarão prontas para transplante no local de plantio; Com esse método, você obtém mais plantas.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 7

Planta de frutificação de amora. Fonte: Dick Culbert, de Gibsons, BC, Canadá [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)]

Manuseio

O estabelecimento de uma plantação requer análise do solo para determinar possíveis alterações e deficiências nutricionais da nova safra. Para o cultivo do amora-preta é necessário condicionar a terra por subsolagem e aração e, com ela, melhorar a estrutura e a drenagem.

Da mesma forma, recomenda-se a aplicação de fertilizantes orgânicos durante a preparação da terra e o estabelecimento de cordilheiras para facilitar o manejo agrícola. O plantio geralmente é feito entre 1,2-1,5 metros entre plantas e 2-3 metros entre linhas.

Relacionado:  Aracnologia: história, campo de estudo e aplicações

Sementeira

A melhor estação de plantio é no final do outono ou início do inverno, tentando manter o solo úmido na fase de estabelecimento. As mudas são depositadas em buracos com 40 cm de profundidade por 40 cm de diâmetro.

Entutorado

Devido ao crescimento rastejante da amora, é necessário o entutorado ou fixação e guia da cultura através de estacas. Com efeito, isso facilita o manuseio e a aeração da colheita.

Entre as técnicas de entutorado estão a treliça simples em linha, a treliça dupla em linha ou em -T- e a treliça em dupla -T-. Assim como a treliça em caixa ou gaveta usada para entutorar uma única planta.

Poda

Devido ao crescimento emaranhado da colheita de amora, o treinamento de poda, a manutenção, a frutificação e a renovação são tarefas essenciais. A poda da formação é realizada na fase de crescimento, mantendo apenas 6 a 10 galhos por planta e descartando galhos retorcidos ou quebrados.

A poda de frutificação é realizada após cada colheita, a fim de estimular novos rebentos laterais e ramos produtivos. O processo consiste em eliminar os galhos recém-colhidos e os galhos vegetativos que apresentam crescimento vertiginoso.

A poda da renovação é realizada aproximadamente aos 8 a 10 anos de vida da planta. Consiste em realizar uma poda severa para restaurar o vigor e a produtividade da planta.

Fertilização

Todas as aplicações de fertilizantes devem ser suportadas por uma análise do solo ou análise foliar da colheita. A aplicação de nitrogênio é necessária durante o desenvolvimento da cultura, a fim de favorecer o crescimento de caules e área foliar.

O fósforo contribui para o estabelecimento de um sistema radicular firme, a produção e o amadurecimento de frutas. O potássio favorece a qualidade da fruta, e os microelementos fornecem uma solução para danos específicos, como problemas de murcha ou crescimento de folhagem.

A aplicação do fertilizante deve ser feita após a colheita, no início da floração e frutificação e antes da frutificação. A contribuição dos micronutrientes tem uma melhor utilização através de aplicações foliares.

Amora-preta: características, habitat, propriedades e cultivo 8

Detalhe das flores de amora-preta. Fonte: pixabay.com

Doenças

Antracnose ( Glomerella cingulata ou Colletotrichum spp .)

Os principais sintomas são a presença de pequenas manchas marrons nas hastes e manchas circulares com um anel violeta nas folhas. O controle preventivo através do trabalho cultural é o meio mais eficaz para evitar a incidência desta doença.

Podridão de frutas ( Botrytis cinerea )

O dano se manifesta no nível da fruta madura, causando amolecimento e apodrecimento, bem como a presença de micélio nas hastes e folhas. O controle com fungicidas sistêmicos e a aplicação de trabalho, como poda e aeração, é a maneira mais eficaz de controlar o patógeno.

Verticillium ( Verticillium spp .)

Fungo fitopatogênico que afeta as raízes e os caules, causando manchas escuras que afetam o sistema vascular, promovendo a murcha e a necrose tecidual. No controle preventivo, isso é feito facilitando a drenagem da colheita. Em caso de ataques graves, é aconselhável eliminar o material infectado.

Referências

  1. Ávila Fonseca, F. (2015) O cultivo de amora-preta. Universidade Agrária Autônoma “Antonio Narro”. Divisão de Agronomia. (Trabalho de graduação). 49 pp.
  2. Blasco-Zumeta, J. (2015) Flora de Pina de Ebroy, sua região. Família Rosaceae.
  3. Cultivo de amora (2019) Agromatica. Recuperado em: agromatica.es
  4. O cultivo de Blackberry (2018) Infoagro. Recuperado em: infoagro.com
  5. O Blackberry (2019) Blackberry. Recuperado em: zarzamorapedia.com
  6. Moreno, GAL, Espinosa, N., Barrero, LS, & Medina, CI (2016). Variabilidade morfológica de variedades nativas de amora-preta (Rubus sp.) Nos Andes da Colômbia. Revista Colombiana de Ciências da Horticultura, 10 (2), 211-221.
  7. Rubus ulmifolius. (2019). Wikipedia, A Enciclopédia Livre. Recuperado em: en.wikipedia.org
  8. Tzouwara-Karayanni, SM, & Philianos, SM (1981). Constituintes químicos de Rubus ulmifolius Schott. Quarterly Journal of Crude Drug Research, 19 (2-3), 127-130.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies