Androginia: história e características dos andróginos

A androginia é propriedade de organismos que têm ambos os sexos masculino e feminino características. No caso dos humanos, seriam pessoas que não têm um sexo definido ou não parecem claramente pertencer ao gênero com o qual nasceram.

O termo apareceu pela primeira vez em “O Banquete “, de Platão . Neste trabalho, o filósofo falou do mito dos andróginos, seres que tinham metade do corpo da mulher e metade do homem. A partir deste momento, e ao longo da história, a androginia esteve presente na maioria das culturas.

Androginia: história e características dos andróginos 1

Hoje, na civilização ocidental, o termo androginia foi amplamente substituído por outros como “transgêneros”, “queer” ou “não-binário”. Pessoas que apresentam essas características geralmente são incluídas no coletivo LGBT +. Isso ocorre porque a identidade deles não corresponde ao social mais comum.

História

Primeiras manifestações

A androginia está presente ao longo da história em todas as culturas humanas. Na antiga Suméria, homens andróginos e hermafroditas estavam diretamente relacionados ao culto à deusa Inanna. Era um tipo de sacerdote conhecido como “gala”.

Estes Gala, apesar de serem homens, usavam nomes femininos e falavam em um dialeto normalmente usado apenas por mulheres. Além disso, segundo alguns registros históricos, eles mantinham relações homossexuais entre eles. O trabalho deles era dirigir o culto à deusa, e eles gozavam de um certo respeito entre a população.

Na Mesopotâmia, enquanto isso, a deusa Ishtar (equivalente a Inanna) também tinha pessoas andróginas entre seus sacerdotes. Nesse caso, eles eram homens que se vestiam de mulher e representavam danças em homenagem à divindade.

Novamente, acredita-se que eles tenham relacionamentos homossexuais; Na cultura popular da época, dizia-se que Ishtar era capaz de transformar homens em mulheres.

Grécia Antiga

Mas o conceito de androginia não emergiu como tal até a chegada da civilização helênica. Existem vários mitos que falam desse fenômeno na Grécia antiga.

Assim, por exemplo, podemos encontrar a história de Hermafrodito, um ser mitológico que tinha características masculinas e femininas.

Hermafrodito era o filho ilegítimo de Hermes e Afrodite (daí o nome dele, que mistura os dessas duas divindades). Sua mãe, sentindo-se culpada, abandonou-o aos cuidados das ninfas do Monte Ida, onde o menino cresceu e se tornou um jovem bonito.

Enquanto visitava as terras gregas, um dia ele decidiu se banhar em um lago para esfriar o calor. No entanto, a náiade (um espírito da água) que habitava o lago se apaixonou por ele e pediu aos deuses que unissem seus corpos em um para que nunca pudessem se separar.

Segundo o mito, os deuses concederam o desejo da naíada e fundiram seus corpos. Assim, Hermafrodito se tornou um ser que combinava os sexos masculino e feminino.

Chateado, o jovem perguntou a seus pais que qualquer homem que se banhasse no lago tinha o mesmo destino. Segundo a história, o lugar foi amaldiçoado e foi capaz de roubar a masculinidade de quem entrasse na água.

O Banquete de Platão

Por outro lado, Platão cunhou o termo “andrógino” em sua obra O Banquete. Nesse mito, ele descreveu pessoas com características de ambos os sexos como as mais poderosas e completas entre todos os seres humanos.

Idade Média e Modernidade

Após a Idade Antiga, havia muitas disciplinas preocupadas com o conceito de androginia. Assim, a existência de pessoas com características de ambos os sexos interessou pensadores de correntes tão diferentes quanto a alquimia, o cristianismo ou a astrologia.

Em muitas dessas disciplinas, as pessoas andróginas eram consideradas seres completos. Isso ocorre porque, na maioria deles, a natureza é entendida como o contraste de dois pólos: Sol e Lua, claro e escuro, dia e noite, masculino e feminino.

Os andróginos, portanto, seriam pessoas capazes de se abrigar dentro dos dois pólos da natureza, tornando-os seres completos. Para alguns teólogos, a androginia teria sido o estado natural do ser humano antes da expulsão do Paraíso.

Na atualidade

Hoje, o termo androginia foi substituído por outros como “intersexualidade” ou “sexo não binário”. Ocasionalmente, essas palavras são usadas para descrever pessoas que nascem com características de ambos os sexos devido a um distúrbio genético.

Às vezes, no entanto, eles também podem ser usados ​​para se referir a indivíduos que não se sentem confortáveis ​​com o sexo de seu nascimento e desejam fazer uma mudança de gênero.

Nesse caso, estaríamos falando de pessoas trans, “gênero queer” ou “não binário”. Nos últimos anos, a visibilidade desse fenômeno aumentou bastante.

Mito andrógino

O mito andrógino apareceu pela primeira vez em “O Banquete”, uma peça de Platão na qual o filósofo reuniu vários mitos e ensinamentos diferentes. A história nos diz que, há milhares de anos, o mundo era habitado por seres a quem ele chamava de andrógino.

Estes andróginos eram formados por duas partes unidas, pelo que tinham quatro pernas, quatro braços e duas cabeças. Alguns deles vieram da união de dois homens; outros, de duas mulheres. Mas os mais poderosos deles foram aqueles que uniram um homem e uma mulher em um corpo.

Esses seres estavam acima do resto. No entanto, seu poder subiu à cabeça; É por isso que eles tentaram conquistar o Monte Olimpo, lar dos deuses. Como punição, Zeus dividiu todos os habitantes do planeta em dois, condenando-os a passear a vida toda em busca da outra metade.

Esse mito também é a base para o que posteriormente foi conhecido como “amor platônico”. Nele, o filósofo explicou que todos temos uma “meia laranja”; a outra metade da qual os deuses nos separaram.

Curiosamente, para Platão, nem todo mundo tem metade melhor do sexo oposto. Em seu mito, alguns dos andróginos originais tinham duas partes de homem ou mulher. Assim, com essa lenda, o filósofo tentou explicar a homossexualidade como normal.

Platão, portanto, acreditava que todos nós possuímos uma metade dentro de nós e que precisamos complementá-la com a outra para estar completa.

Isso se encaixa em algumas outras teorias, que consideram que os relacionamentos entre casais são formados devido a uma atração de energias opostas.

Características das pessoas andróginas

A seguir, veremos algumas das características mais comuns das pessoas andróginas. No entanto, é importante lembrar que não é um grupo homogêneo.

Portanto, nem todas as pessoas andróginas terão todas as características; e aqueles que fazem, não no mesmo grau.

Aparência

Em geral, a aparência de uma pessoa andrógina não é típica da aparência de alguém do sexo. Assim, um homem andrógino parecerá muito mais feminino que o habitual, e vice-versa.

Isso pode ocorrer naturalmente ou ser um esforço consciente por parte da pessoa. Assim, alguns indivíduos acreditam que a imagem característica de seu sexo não os representa. Nesses casos, estaríamos falando de uma pessoa queer de gênero.

Rejeição de estereótipos de gênero

No mundo moderno, as pessoas que se consideram andróginas (como não binárias ou queer de gênero) rejeitam categoricamente os estereótipos de gênero.

Assim, consideram que não deve haver diferenças de comportamento entre homens e mulheres com base apenas no sexo.

Portanto, essas pessoas geralmente exibem comportamentos característicos de ambos os sexos ao mesmo tempo. Isso pode se traduzir em maneiras de se vestir, comportamentos, hobbies, modos de pensar ou maneiras de se relacionar.

Adaptabilidade

Em geral, os homens mostram uma série de características abrangidas pelo termo “competição”. Assim, eles tendem a ser mais assertivos, independentes, dominantes, competitivos, ambiciosos e capazes de tomar decisões facilmente.

As mulheres, por outro lado, têm características que podem ser resumidas como “expressividade”. Esses indivíduos tendem a expressar seus sentimentos mais facilmente, são mais emocionais, melhor em seus relacionamentos interpessoais e mais capazes de viver no presente.

Indivíduos andróginos estariam a meio caminho entre os dois tipos de características. Assim, eles geralmente apresentam uma mistura de traços de competência e expressividade.

Por outro lado, eles geralmente são capazes de se adaptar a cada situação; portanto, suas habilidades tendem a ser mais versáteis.

Problemas biológicos

Finalmente, em alguns casos, a androginia é causada por problemas genéticos ou biológicos. Nessas ocasiões, a pessoa que tem características de ambos os sexos geralmente requer intervenção médica.

Devemos aprender a diferenciar, então, entre os casos em que a androginia é uma escolha pessoal e aqueles em que é um sintoma de um distúrbio biológico ou genético. A maneira de agir diante de cada uma dessas situações deve ser totalmente diferente.

Referências

  1. “Androginia” em: Wikipedia. Retirado em: 24 de junho de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  2. “Hermafrodito” em: Wikipedia. Retirado em: 24 de junho de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  3. “Intersexualidade” em: Wikipedia. Retirado em: 24 de junho de 2018 da Wikipedia: en.wikipedia.org.
  4. “Androginia: Masculino e Feminino” em: A Line on Life. Retirado em: 24 de junho de 2018 de A Line on Life: virgil.azwestern.edu.
  5. “Androginia” em: boa terapia. Retirado em: 24 de junho de 2018 de Good Therapy: goodtherapy.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies