Anexo seguro: recursos, como construí-lo e exemplo

O apego seguro é um dos quatro estilos relacionais descritas pelos psicólogos John Bowlby e Mary Ainsworth. O termo refere-se, sobretudo, ao tipo de conexão que um bebê tem com seus pais ou cuidadores primários; mas também pode ser estendido para abranger outros tipos de relacionamento na vida adulta, especialmente os românticos.

O apego seguro é formado quando uma criança, nos dois primeiros anos de vida, pode contar com a presença de seus cuidadores e cuidar das suas necessidades sempre que precisar. Dessa maneira, o bebê adquire certas características, como a confiança em si mesmo e nos outros ou a capacidade de explorar seu ambiente.

Anexo seguro: recursos, como construí-lo e exemplo 1

Fonte: pixabay.com

A formação de um vínculo de apego seguro durante a infância tem consequências muito tangíveis ao longo da vida da pessoa. Quando adultos, esses indivíduos tendem a ter melhor auto-estima. Além disso, eles são capazes de estabelecer limites com outras pessoas de maneira mais eficaz e têm maior facilidade para criar relacionamentos significativos.

Devido a isso, nas últimas décadas, inúmeras investigações foram realizadas sobre o que exatamente é um anexo seguro e como ele é formado. Neste artigo, você encontrará os pontos mais importantes relacionados a essa maneira de se conectar com outras pessoas.

Caracteristicas

Anexo seguro: recursos, como construí-lo e exemplo 2

Pessoas capazes de formar vínculos de anexo seguros com outras pessoas têm várias características comuns. Eles variam dependendo do estágio da vida em que estão, mas as bases são sempre as mesmas. A seguir, veremos o mais importante.

Confiança de que suas necessidades serão atendidas

Desde o nascimento, os cuidadores de um bebê com apego seguro estão cientes de que todas as suas necessidades são atendidas. Quando a criança chora, sente fome ou manifesta qualquer outro problema, os pais fazem o possível para deixá-la confortável novamente e para resolver a situação.

Por esse motivo, os bebês com esse tipo de apego confiam em seus pais ou cuidadores e não sentem medo de serem abandonados, como é o caso em outros estilos de relacionamento. Além disso, essa confiança também se manifesta na vida adulta, embora o faça de maneiras diferentes.

Quando atingem a maturidade, as pessoas com apego seguro têm uma crença inconsciente de que a maioria das pessoas é boa por natureza.

Assim, eles geralmente confiam nos outros e acreditam que aqueles com quem eles interagem farão todo o possível para atender às suas necessidades.

Procurar suporte

Graças à crença de que as pessoas ao seu redor tentarão ajudá-las a atender às suas necessidades, as pessoas com apego seguro têm muito mais facilidades do que as demais para pedir ajuda. Isso geralmente faz com que eles realmente recebam mais ajuda de outras pessoas.

Assim, bebês que desenvolveram um vínculo seguro com os pais choram ou tentam chamar sua atenção quando têm um problema.

Além disso, demonstram insatisfação ao se separarem dos principais cuidadores e expressam com gestos e vocalizações seu desejo de encontrá-los novamente.

Como adultos, essa tendência a buscar apoio nos outros permanece. Por exemplo, várias investigações mostraram que, quando uma pessoa com apego seguro rompe com seu parceiro, ela tende a procurar a companhia de outras pessoas e a pedir ajuda para lidar com seus sentimentos. Esse comportamento provou ser um dos mais eficazes no processamento de luto.

Por outro lado, os adultos com apego seguro tendem a procurar colaborar com as pessoas com quem interagem. Dessa forma, eles são capazes de buscar um benefício mútuo em vez de tentar tirar vantagem dos outros ou esquecer suas próprias necessidades para atender às do resto.

Independence

Como suas necessidades sempre foram atendidas, as crianças com um padrão de apego seguro desenvolvem maior autoconfiança.

Isso faz com que, desde a mais tenra infância, eles demonstrem uma tendência a querer se defender e um grande interesse em serem autônomos e não depender dos outros.

Embora isso possa parecer paradoxal, realmente faz muito sentido. As crianças que não têm suas necessidades atendidas não podem se preocupar em desenvolver sua autonomia.

Em vez disso, aqueles com apego seguro podem se preocupar com algo que, em princípio, não é tão importante para sua sobrevivência imediata.

Assim, crianças com esse padrão de relacionamento mostram comportamentos como uma maior exploração do ambiente e uma aquisição mais rápida de certas habilidades, como vestir-se sozinho ou comer sem ajuda.

Como adultos, essa tendência à independência se manifesta de várias maneiras. Em geral, esses indivíduos correm maior risco, confiam mais em si mesmos e são capazes de estabelecer limites em seus relacionamentos com os outros. Por outro lado, eles geralmente têm objetivos em que trabalham e geralmente acham mais fácil conseguir o que desejam.

Maior regulação emocional

Freqüentemente, mudanças repentinas de humor nas crianças ou explosões de raiva ou tristeza são maneiras de o bebê chamar a atenção de seus cuidadores.

Quando esses comportamentos não são necessários porque todas as suas necessidades são atendidas, os pequenos aprendem a regular seu próprio estado emocional com mais eficácia.

Assim, crianças com apego seguro são mais capazes de entender suas próprias emoções e as dos outros, e têm maior controle sobre elas. Além disso, eles também tendem a desenvolver um maior grau de empatia do que o resto.

Na vida adulta, essa característica geralmente se traduz em níveis mais altos de estabilidade emocional. Também pode facilitar a compreensão dos sentimentos dos outros, o que facilita a manutenção de relacionamentos satisfatórios e duradouros com outras pessoas.

Como construir um anexo seguro?

Anexo seguro: recursos, como construí-lo e exemplo 3

Como você pode ver, o desenvolvimento de um vínculo de apego seguro com um bebê é fundamental para o seu desenvolvimento como pessoa. Atingir esse objetivo terá todos os tipos de consequências benéficas ao longo da vida e pode afetar muito o tipo de adulto em que você se tornará um dia.

Mas como um vínculo de apego seguro pode ser gerado com uma criança? Nesta seção, veremos algumas das chaves mais importantes para alcançá-lo.

Tente responder às suas necessidades

A coisa mais importante ao desenvolver um vínculo de apego seguro com um bebê é estar atento às suas chamadas de atenção e responder tentando resolver a necessidade que ele está expressando o tempo todo.

Por exemplo, se uma criança chora, é provável que ele esteja com fome, precise trocar a fralda ou precise de atenção.

O importante aqui não é tanto que você descubra exatamente o que acontece com o bebê. O que realmente fortalecerá o vínculo de apego seguro é o fato de você tentar responder às chamadas de atenção deles e a criança perceber isso. É essencial que isso ocorra na maioria das vezes que a criança expresse algo acontecendo com ela.

Passe um tempo de qualidade com a criança

Criar um vínculo de apego seguro com um bebê é um processo que leva tempo e muitas interações com ele.

Não basta alimentá-lo e trocar fraldas; Para se sentirem cuidadas e protegidas, as crianças precisam saber que seu cuidador principal cuida delas e as aprecia.

Portanto, estabelecer esse vínculo emocional com seu filho implica que você precise fazer coisas como conversar com ele em um tom amoroso, brincar com ele ou simplesmente interagir de uma posição amorosa.

Obviamente, para passar um tempo de qualidade com seu filho, você também precisa se preocupar com seu próprio bem-estar. Descanse adequadamente, coma bem e garanta um tempo livre para si. Somente dessa maneira você poderá atender às necessidades da criança quando interagir com ela.

Lembre-se de que você não precisa ser perfeito

Apesar da importância de formar um vínculo de apego seguro com nossos filhos, também é necessário lembrar que ninguém é perfeito.

Portanto, mesmo que estejamos totalmente cientes de suas necessidades e desejemos fazer tudo corretamente, às vezes cometemos erros e agimos da maneira certa.

Nesse momento, o mais importante é lembrar que não é necessário ser perfeito para ajudar o bebê a se desenvolver adequadamente. Apenas tente aprender com seus erros e continue ciente de suas necessidades no futuro para obter o melhor resultado possível.

Exemplo de uma criança com anexo seguro

Já vimos a importância de desenvolver esse tipo de vínculo com nossos filhos. Mas como se comporta um bebê que desenvolveu apego seguro? Alguns dos códigos de conduta mais importantes são os seguintes:

– Na presença do cuidador, a criança explora e conduz a abordagem com outras pessoas. No entanto, quando ele se afasta ou se esconde, o bebê concentra toda sua atenção em encontrá-lo.

– A criança mostra uma clara preferência por estar em contato com o cuidador principal na frente de qualquer outra pessoa.

– O bebê responde às tentativas de socialização do cuidador, como sorrisos, caretas ou ruídos.

– Geralmente, a simples presença do cuidador é suficiente para acalmar a birra de uma criança.

– A criança mostra alegria quando o cuidador retorna e é capaz de mostrar emoções negativas (como medo ou tristeza) em sua presença.

Referências

  1. “Os diferentes tipos de estilos de anexo” em: VeryWell Mind. Retirado em: 06 de janeiro de 2019 de VeryWell Mind: verywellmind.com.
  2. “Como cultivar um anexo seguro com seu filho” em: Greater Good Magazine. Retirado em: 06 de janeiro de 2019 da Greater Good Magazine: Greatergood.berkeley.edu.
  3. “O estilo de apego seguro” em: The Love Compass. Retirado em: 06 de janeiro de 2019 de The Love Compass: the-love-compass.com.
  4. “Construindo um vínculo de anexo seguro com seu bebê” em: Guia da Ajuda. Retirado em: 06 de janeiro de 2019 no Guia de Ajuda: helpguide.org.
  5. “Teoria do anexo” em: Wikipedia. Retirado em: 06 de janeiro de 2019 da Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies