Antonio Borrero e Cortázar: biografia

Antonio María Vicente Narciso Borrero e Cortázar (1827-1911) foi um político, jurista e jornalista equatoriano, que ocupou a Presidência da República do Equador de 9 de dezembro de 1875 a 18 de dezembro de 1876.

Apesar de vir de uma família com uma boa posição social, econômica e cultural, ele se interessou por causas populares e progresso coletivo. Sua ética profissional o levou a explorar o campo da jurisprudência com o jornalismo, que foram suas grandes paixões profissionais.

Antonio Borrero e Cortázar: biografia 1

Autor desconhecido: [Domínio público], via Wikimedia Commons
O jornalismo lidou com isso com um estilo direto e crítico em relação aos valores antigos, mostrando uma visão mais liberal e conectada às necessidades do povo. Ele participou e fundou vários jornais, tanto em Cuenca quanto em Quito.

Dada sua conexão popular, em 1875 ele foi eleito Presidente da República até sua violenta derrubada em 1876. Ele ocupou outros cargos políticos importantes em seu país, até se aposentar da vida pública.

Biografia

Antonio Borrero nasceu em 29 de outubro de 1827, na cidade de Cuenca, província de Azuay (Equador). Seu pai sempre se dedicou à política. Sua mãe era descendente de uma família colombiana com grande influência econômica, política e social.

Desde a infância, ele esteve intimamente ligado à classe dominante e ao exercício do poder político e religioso, predominante na época. Vários de seus ancestrais ocupavam fileiras de importância e poder em muitas instituições.

Ele estudou desde tenra idade, alcançando o grau de Doutor em Direito Público na Universidade de Quito aos 21 anos de idade. Casou-se com Rosa Lucía Moscoso Cárdenas em janeiro de 1854, com quem teve 6 filhos.

Sua paixão pelo jornalismo

Borrero era um comunicador social entusiasmado que permaneceu relacionado a diferentes jornais por muitos anos. Em 1849, escreveu para o jornal “El Cuencano”, onde conheceu e teve uma longa amizade com seu diretor Fray Vicente Solano.

Relacionado:  O que é a teoria do produtor? Características principais

Ele escreveu para “The Constitutional”. Ele também fundou os jornais “La República” em 1856 e o ​​jornal “The Sentinel” em 1862. Ambos foram fechados por razões políticas pelo governo nacional.

Dessas posições, Borrero era um defensor incansável de valores democráticos e iguais, com uma posição firme contra o autoritarismo e a ditadura.

O oponente de ferro do Presidente García Moreno usou sua capacidade discursiva para transmitir às massas suas idéias novas e progressivas, contra o poder e a hegemonia exercidos pelo Presidente e seu ambiente.

A popularidade adquirida pelo jornalismo, a sinceridade de suas idéias, juntamente com seus princípios éticos inabaláveis, lançaram as bases para sua futura nomeação e eleição como Presidente da República.

Finalmente, ele dirigiu a página “Porvenir”, um órgão de difusão cultural, pertencente à igreja de Quito.

Período como presidente

Em 1863, foi eleito vice-presidente, cargo que renunciou, dado que o presidente eleito García Moreno na época era seu inimigo político e era contrário a suas idéias progressistas e liberais.

Ao cargo de vice-presidente, ele renunciou, com o argumento de que a política oficial seria contrária a seus princípios e valores, pelo que ele preferiu não se envolver com uma administração do governo que não compartilhava.

Em 1875, foram realizadas novas eleições, onde ele foi eleito por uma ampla vantagem. Ele iniciou seu mandato em 9 de dezembro de 1875. Durante seu curto mandato, ele promoveu a criação de uma nova Constituição Nacional, através da eleição de uma Assembléia Constituinte que ele nunca poderia especificar.

Seu objetivo sempre foi o progresso e o desenvolvimento dos direitos sociais e individuais. Nesse sentido, ele guiou a presidência com a intenção de fortalecer os direitos de voto, a liberdade de expressão e a educação.

Relacionado:  Situação astronômica da Venezuela: características

Em particular, alcançou importantes mudanças no setor educacional, com a criação de muitas escolas rurais. Ele também criou institutos para a educação das mulheres, que até o momento eram proibidas.

Também promoveu a comunicação, com a promulgação de leis relacionadas à liberdade de imprensa ou expressão, bem como o sufrágio livre.

Devido às profundas mudanças constitucionais que ele estava fazendo, ele foi vítima de uma conspiração do general Veintimilla, que estrelou um golpe de estado. Ele foi deposto do poder como presidente em 18 de dezembro de 1876.

Últimos anos

Após sua derrubada, ele foi preso por vários meses e depois passou 7 anos no exílio no Peru, onde continuou sua luta por liberdades e expressões sociais. Ele continuou a defender o estabelecimento da República com eleições livres em seu país natal, o Equador.

Em 1883, voltou ao Equador, com sentimentos confusos, pois seu filho Manuel María Borrero havia morrido na luta pela liberdade, na cidade de Quito, pouco antes da queda da ditadura de Veintimilla.

Foi governador da província de Azuay, de 1888 a 1892. Também ocupou cargos importantes no Superior Tribunal de Justiça e foi membro correspondente da Academia Espanhola de Línguas, após o que se aposentou da vida pública.

Ele morreu em 9 de outubro de 1911 na cidade de Quito. Paradoxalmente, ele morreu na pobreza, tendo investido toda a fortuna da família em seu exílio e despesas pessoais.

Obras literárias publicadas

Antonio Borrero deixou uma extensa lista de escritos, textos e opiniões, ao longo de sua longa carreira jornalística.

Ele deixou 2 livros escritos, em particular:

  1. Refutação do livro do Reverendo Padre A. Berthe, intitulado: García Moreno, Presidente do Equador, vingador e mártir da lei cristã . Editorial: Casa da Cultura Equatoriana. Núcleo Azuay. 1889
  2. Biografia do Padre Vicente Solano em: Obras de Fray Vicente Solano .

No entanto, existem vários trabalhos escritos por outros autores, que dedicam fragmentos à sua vida política, suas contribuições à liberdade de expressão e ao exercício do jornalismo.

Relacionado:  Gamal Abdel Nasser: biografia, pensamento político e contribuições

Referências

  1. Dr. Antonio Borrero em transparência: segunda série. (1879). Quito Editorial. Equador Juan Sanz impressão.
  2. Borrero Veintimilla, A. (1999). Filosofia, política e pensamento do Presidente Antonio Borrero y Cortázar: 1875-1876: aspectos da política do Equador no século XIX. Editorial Cuenca. Universidade de Azuay.
  3. Marchán F. (1909). 10 de agosto; Independência, seus heróis e mártires: o eminente publicitário Dr. Antonio Borrero Cortázar.
  4. Hurtado, O. (1895) Sobre política ecuatoriana.
  5. Borrero, A. (1893). Biografia do Padre Solano. Tipografia “A Formiga Dourada”. Barcelona Disponível online: Biblioteca Pública de Nova York.
  6. MacDonald Spindler F. (1987). Equador do século XIX: uma introdução histórica. Universidade George Mason.
  7. Schodt, D. (1987). Equador: um enigma andino. Westview Press

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies