Gerardo Diego: biografia, estilo, frases e obras

Gerardo Diego foi um poeta, crítico literário e ensaísta espanhol, nascido em Santander em 1896 e falecido em 1987. Ele foi um dos principais representantes da geração literária de 27, movimento que revolucionou a literatura espanhola no século XX. Seu estilo poético era marcado pela experimentação, utilizando formas tradicionais como o soneto e o verso livre, além de explorar temas como a natureza, o amor e a melancolia.

Entre suas frases mais conhecidas estão: “A música é a poesia que não pode ser escrita” e “A poesia é o encontro do verbo e a música”. Suas obras mais famosas incluem “Versos humanos”, “Soria” e “Manual de espumas”. Gerardo Diego foi um dos mais importantes poetas espanhóis do século XX, deixando um legado de inovação e sensibilidade em sua produção literária.

Principais obras de Gerardo Diego: uma análise das contribuições literárias do autor.

Gerardo Diego, nascido em 1896 em Santander, foi um dos poetas mais importantes da geração de 27 na Espanha. Sua obra é caracterizada por uma linguagem lírica e sensorial, que explorava temas como a natureza, o amor e a espiritualidade.

Um dos poemas mais conhecidos de Gerardo Diego é “Alondra de verdad”, que reflete sua habilidade em capturar a beleza e a simplicidade da vida cotidiana. Outras obras importantes do autor incluem “Soria”, “Manual de espumas” e “Poesía española”.

O estilo de Gerardo Diego é marcado por uma linguagem precisa e uma métrica cuidadosa, que reflete sua formação acadêmica em filologia. Sua escrita é fluida e musical, com uma atenção especial aos detalhes e às sensações.

Algumas frases marcantes de Gerardo Diego incluem: “La poesía es un rayo de luna que se cuela por la ventana del alma” e “El poeta es un alquimista que convierte las palabras en versos de oro”. Essas citações demonstram a profundidade e a sensibilidade de seu trabalho.

Em resumo, as principais obras de Gerardo Diego são um reflexo de sua genialidade e sensibilidade poética. Sua contribuição para a literatura espanhola é inestimável e seu legado perdura até os dias de hoje.

Poesias de Gerardo Diego: Versos inspiradores e emocionantes em sua obra literária.

Gerardo Diego é um dos poetas mais renomados da literatura espanhola do século XX. Nascido em Santander em 1896, Diego foi um escritor prolífico, tendo produzido uma vasta obra que abrange diversos estilos e temas.

O estilo de Gerardo Diego é marcado pela sua capacidade de criar versos inspiradores e emocionantes. Sua poesia é caracterizada pela riqueza de imagens, pela musicalidade das palavras e pela profundidade dos sentimentos que transmite. Em suas obras, Diego aborda temas como o amor, a natureza, a solidão e a passagem do tempo, sempre com uma sensibilidade e uma delicadeza que cativam o leitor.

Alguns dos versos mais conhecidos de Gerardo Diego são verdadeiras pérolas da poesia espanhola. Frases como “Amor, verte teu riso sobre a fonte” ou “A música é o silêncio que fala” demonstram a habilidade do poeta em expressar emoções complexas de forma simples e direta.

Entre as obras mais importantes de Gerardo Diego estão “Manual de espumas”, “Versos humanos” e “Sombra del paraíso”. Nestes livros, o poeta explora temas universais de forma original e criativa, deixando uma marca indelével na literatura espanhola.

Em resumo, as poesias de Gerardo Diego são verdadeiras joias da literatura, capazes de emocionar e inspirar os leitores com sua beleza e profundidade. Seu estilo único e suas frases memoráveis fazem dele um dos poetas mais importantes do seu tempo, cuja obra continua a encantar e a fascinar os amantes da poesia até os dias de hoje.

Características das obras de Gerardo Diego: poesia modernista, experimentalismo, musicalidade e imagens vívidas.

Gerardo Diego foi um poeta espanhol nascido em Santander em 1896. Conhecido por sua poesia modernista, experimentalismo, musicalidade e imagens vívidas, suas obras se destacam pela originalidade e inovação.

O estilo de Gerardo Diego é marcado pela busca constante por novas formas de expressão, rompendo com as convenções poéticas tradicionais. Sua poesia experimental explora diferentes técnicas e recursos, como a utilização de linguagem coloquial, a fragmentação do discurso e a mistura de gêneros literários.

Além disso, a musicalidade presente em sua obra é evidente, com versos ritmados e rimas elaboradas que conferem um caráter melódico aos seus poemas. A ênfase nas sonoridades e na cadência das palavras contribui para a criação de uma atmosfera envolvente e sensorial.

Por fim, as imagens vívidas presentes nos poemas de Gerardo Diego transportam o leitor para universos sensoriais e emocionais intensos. A riqueza de detalhes e a capacidade de evocar sensações e sentimentos tornam sua poesia uma experiência estética única e impactante.

Em resumo, as obras de Gerardo Diego são um reflexo de sua genialidade e sensibilidade artística, combinando poesia modernista, experimentalismo, musicalidade e imagens vívidas de forma magistral.

Síntese dos poemas humanos de Gerardo Diego: a expressão da condição humana.

Gerardo Diego foi um poeta espanhol nascido em Santander em 1896. Ele é considerado um dos principais representantes da geração de 27, movimento literário que revolucionou a poesia espanhola no século XX. Além de poeta, Diego também foi crítico literário, professor e músico.

Relacionado:  Quais aplicações o estudo da linguagem tem?

O estilo de Gerardo Diego é marcado pela sua linguagem precisa e imagética, explorando temas como a natureza, o amor, a solidão e a condição humana. Suas obras refletem uma profunda sensibilidade e uma visão crítica da sociedade.

Um exemplo disso são os poemas humanos de Gerardo Diego, que se destacam pela sua capacidade de expressar as emoções e conflitos do ser humano. Em seus versos, ele aborda questões universais como a passagem do tempo, a morte, a esperança e a busca pela felicidade.

Na sua poesia, Diego revela uma profunda reflexão sobre a existência humana, convidando o leitor a se identificar com as experiências e sentimentos retratados nos seus versos. Sua escrita é marcada pela sinceridade e pela autenticidade, tocando o coração do leitor e despertando uma profunda reflexão sobre a vida.

Em suma, os poemas humanos de Gerardo Diego são uma verdadeira ode à condição humana, revelando a complexidade e a beleza da experiência de ser humano. Sua poesia ecoa através dos tempos, continuando a inspirar e emocionar os leitores com a sua profundidade e sensibilidade.

Gerardo Diego: biografia, estilo, frases e obras

Gerardo Diego Cendoya (1896-1987) foi um escritor e poeta espanhol que fez parte da Geração de 27 . Seu trabalho foi influenciado por seu amigo Juan Ramón Jiménez e foi caracterizado por sua inclinação a aspectos populares e de vanguarda.

O escritor fez seu trabalho poético sob dois aspectos. O primeiro foi relacionado ao relativo e ao tradicional, onde se destacaram o romance e os sonetos; e, em segundo lugar, ele tentou o absolutismo, que se referia ao significado da própria linguagem poética, pura poesia, como era chamada.

Gerardo Diego: biografia, estilo, frases e obras 1

Gerardo Diego. Fonte: Emeric Tauss Torday [CC BY 2.5 pt], do Wikimedia Commons

Gerardo Diego iniciou sua atividade literária quando publicou, em 1918, The Grandfather’s Box, uma obra que pertencia ao gênero narrativo, na categoria história. O escritor também atuou como professor e foi um viajante incansável em busca de novas experiências, conhecimentos e aprendizados.

Biografia

Nascimento, família e infância

Gerardo Diego nasceu em 3 de outubro de 1896 na cidade de Santander, na Cantábria. Seus pais eram Manuel Diego Barquín e Ángela Cendoya Uría. O escritor era o caçula de sete filhos neste casamento. Seu pai teve três filhos de um relacionamento anterior.

A infância do poeta foi passada em sua cidade natal, realizando atividades em criança, brincando e aprendendo. Aos seis anos, começou a estudar canto e fez sua primeira comunhão na igreja da vila. Caracterizou-se por ser de constituição fina e alta estatura, às vezes reservada e retirada.

O estudo de Gerardo Diego

Gerardo Diego estudou no ensino fundamental e médio em Santander, foi aluno aplicado e obteve boas notas. Desde tenra idade, ele mostrou seu gosto pela leitura. Aos catorze anos, ele já havia começado a escrever, inspirado por autores da época.

Quando ele obteve seu diploma de bacharel, em 1913, ele ainda não tinha certeza de qual diploma universitário estudar. Então, com a ajuda e o entusiasmo de seus pais, ele foi para Madri, onde seu irmão já estava. Depois de um tempo, ele decidiu estudar filosofia e literatura na Universidade de Deusto.

Ele terminou o curso e o diploma foi concedido pela Universidade de Madri. A partir desse momento, iniciou sua atividade como professor de língua e literatura em várias casas de estudos no país, como as universidades de Soria e Santander.

Passando amor

Gerardo Diego teve que ir a Salamanca várias vezes para fazer os exames, porque a Universidade de Deusto não estava autorizada a fazê-lo. Foi lá que ele se apaixonou por uma jovem professora, amiga de suas irmãs, que o inspirou em uma de suas obras.

O romance juvenil foi curto, no entanto, motivou o escritor a dedicar muitos versos, e mesmo um de seus primeiros trabalhos, Romancero de la novia, de 1920. Assim como o nome do amado não era conhecido, a causa da a separação desse amor carregada de cartas e encontros secretos.

Passos no mundo literário

A primeira publicação que Gerardo Diego fez foi em 1918 no El Diario Montañés, com uma história intitulada “The Grandfather’s Box”. Além disso, ele começou a colaborar em mídia impressa, como as revistas Graal e Castellana , e em outras de vanguarda, como Grécia , Cervantes e Reflector .

Durante o período em que ele estava na cidade de Gijón, trabalhando como professor universitário, Diego decidiu fundar Carmen e Lola , duas revistas de conteúdo literário e cultural. Além disso, ele se tornou um seguidor fiel da poesia espanhola de vanguarda.

Os passos firmes do escritor e poeta nos caminhos da literatura lhe renderam o Prêmio Nacional de Literatura em 1925. Por outro lado, seu contato permanente com os membros da Geração dos 27 o levou a produzir a Antologia, uma obra poética que lhe permitiu dar conhecer muitos escritores dessa organização.

Relacionado:  José María Méndez Calderón: Biografia e Contribuições

Casamento do poeta

Em uma das viagens que o poeta fez a Paris, ele conheceu Germaine Marín, uma jovem estudante francesa. Eles se casaram em 1934 e ela se tornou sua parceira de vida, diretora e apoio. Fruto do amor, o casamento teve seis filhos.

O poeta e a guerra civil

Em 1936, quando a Guerra Civil Espanhola estourou , Gerardo Diego estava na França, na cidade de Sentaraille, de férias com sua esposa. Ele permaneceu lá até 1937. Ele não precisou sair do país ao contrário de muitos colegas; Ele simpatizou com os rebeldes.

Ao retornar à Espanha, ele retomou seu trabalho como professor, mas desta vez como professor no Instituto Beatriz Galindo, em Madri. O período da guerra e do pós-guerra não o impediu de continuar escrevendo. Em 1940, Anjos de Compostela veio à luz , e um ano depois Alondra realmente .

Os últimos anos de Gerardo Diego

O escritor e poeta sempre permaneceu ativo em sua obra, conquistou reconhecimento e prestígio. Em 1947, ele ocupou um lugar na Real Academia Espanhola, além de ganhar vários prêmios, incluindo Cervantes, em 1979. Ele morreu em 8 de julho de 1987 em Madri.

Estilo

A obra poética de Gerardo Diego caracterizou-se por ter duas formas ou variantes. O primeiro foi relacionado aos elementos tradicionais, onde o soneto, o décimo e o romance se destacaram como estilos de versos. Por outro lado, o segundo tinha a ver com a inovação da corrente de vanguarda.

A linguagem que ele usava era clara e simples, com um uso constante de símbolos e metáforas. Em muitos de seus versos, ele deixou de fora os sinais de pontuação e também se dedicou ao desenvolvimento de diversos temas, como música, amor, arte, natureza e religião.

Dentro de seu estilo, o escritor também desenvolveu poemas relativos e absolutos. A poesia relativa foi a que surgiu da necessidade de expressar as circunstâncias como eram; Ele o aplicou a argumentos de natureza social, religiosa, artística e amorosa.

Gerardo Diego: biografia, estilo, frases e obras 2

Monumento a Gerardo Diego, em Madri. Fonte: JL de Diego [domínio público], via Wikimedia Commons

No caso da poesia absoluta, ele deixou a realidade em segunda ordem para se conectar com o criativo, isto é, com o que saiu de si mesmo. O Evasion, o Manual de Espumas e os Poemas entraram deliberadamente nessa categoria , apenas para citar alguns.

Nomeações em destaque

Abaixo estão algumas das citações ou frases destacadas por Gerardo Diego como uma amostra de seu pensamento filosófico e sensibilidade poética:

– “Meus pensamentos são montanhas, mares, selvas, blocos de sal ofuscante, flores lentas.”

– “Poesia é linguagem incorruptível”.

– “Sua figura era a flor de um nimbus dos sonhos.”

– “Levante seus olhos para mim, seus olhos lentos, e feche-os pouco a pouco comigo por dentro.”

– “Não sou responsável por me sentir simultaneamente atraído pelo campo e pela cidade, tradição e futuro; que eu amo a nova arte e a antiga está em êxtase; que a retórica me fez enlouquecer, e o capricho de enlouquecer de novo – de novo – pelo meu uso particular e intransferível ”.

– “No momento da verdade, que é buscar-se no objetivo, esquece-se de tudo e se dispõe a ser fiel apenas à sua própria sinceridade.”

– “Desenhado carrego meu sangue e meu corpo, corpo e sangue do meu país.”

– “Se você é a rosa e as rosas, a noite do meu verso e as estrelas, a quem dedicarei este breve céu, este arbusto, esta fonte, este desenvolvimento?”

– “O violão é um poço com vento em vez de água”.

– “E através dos seus olhos a tempestade, a nevasca e o medo das fadas.”

Trabalhos

A seguir, são apresentadas as obras mais importantes da abundante literatura de Gerardo Diego:

– O romance da noiva (1920).

– imagem. Poemas (1918-1921).

Soria. Galeria de gravuras e derrames (1923).

– Manual de espumas (1924).

– Versos Humanos (1925, trabalho com o qual ganhou o Prêmio Nacional de Literatura).

– Viacrucis (1931).

– Fábula de Equis e Zeda (1932).

– Poemas de propósito (1932).

– Anjos de Compostela (1940).

– Cotovia real (1941).

– Antologia (1941).

– Romances (1918-1941).

– Poemas de propósito (1943, edição completa).

A surpresa (1944).

Até sempre (1948).

– a lua no deserto (1949).

– Limbo, Las Palmas de Gran Canárias (1951).

– Visitação de Gabriel Miró (1951).

– Dois poemas (1952).

– Biografia incompleta (1953).

– Segundo sonho: homenagem à irmã Juana Inés de la Cruz (1953).

– Variação (1954).

Amazona (1956).

– Ele continuou com: Égloga a Antonio Bienvenida (1956).

– Paisagem com figuras (1956).

– Amar sozinho (1958).

– Canções para Violante (1959).

– Gloss para Villamediana (1961).

Relacionado:  Os 13 personagens de La Celestina e suas características

– O ramo (1961).

– Meu Santander, meu berço, minha palavra (1961).

– Sonetos a Violante (1962).

– Sorte ou morte. Poema do toureiro (1963).

– Chopin Night (1963).

– O jándalo (1964), poesia de amor 1918-1961 (1965).

– Córdoba elucidada e retorno do peregrino (1966).

– Moral Odes (1966).

– Variação 2 (1966).

– Segunda antologia de seus versos, 1941-1967 (1967).

– A fundação do amor (1970).

– Entre seus últimos escritos foram: Divine Verses (1971).

– Cemitério civil (1972).

– Carmen Jubilar (1975).

– Cometa errante (1965).

Breve descrição dos trabalhos mais representativos de Diego

Gerardo Diego: biografia, estilo, frases e obras 3

Casa de Madri onde Gerardo Diego morava. Fonte: Luis García [CC BY-SA 3.0 en]

Como você pode ver, a obra literária deste autor espanhol foi constante, prolífica e cheia de temas variados. Os trabalhos mais representativos deste escritor serão descritos abaixo:

O Romance da Noiva (1920)

Este trabalho foi um livro inspirado no amor, onde o autor deixou sua personalidade manifesta . Os versos que compõem os poemas se enquadram na métrica de octossílabos e endecossílabos. As estrofes também têm uma rima assonante e são de natureza tradicional; por outro lado, possuem alguns elementos autobiográficos.

Fragmento de “Sonhos”

“Ontem à noite sonhei com você.

Não me lembro mais do que era.

Mas você ainda era minha

Você era minha namorada, que mentira linda!

Eu te vi noite passada

deixe a igreja devagar,

nas mãos o rosário,

cabizbaja e recoleta.

Quem poderia ser seu namorado?

(alma, festa de vestir)

em um sonho eterno e doce,

branco como as estrelas!

Manual de espumas (1924)

Este livro foi o agrupamento de um conjunto de poemas em que Gerardo Diego se separou de sua concepção de realidade, para escrever de sentimentos. Os versos são mais complexos porque o tema ficou conectado com emoções e um alto nível de sensibilidade.

Fragmento de “chuva”

“Ponte para cima, ponte para baixo

a chuva está andando

Minhas asas nascem do rio

E a luz é dos pássaros.

Nós estamos tristes,

você também é

quando a primavera chegará

andar de skate na plataforma …

Atravesse a chuva para a outra margem.

Eu não vou maltratá-la,

ela acelera o moinho

e regular o relógio.

O sol vai nascer amanhã

e a chuva vazia

voará para se refugiar no sino ”.

Fábula de Equis e Zeda (1932)

Gerardo Diego: biografia, estilo, frases e obras 4

Gerardo Diego, certo. Fonte: Fotógrafo anônimo [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

Esta escrita era uma representação de histórias mitológicas, onde se observa criatividade e paixão. Gerardo Diego fez uso da liberdade para compor, através de metáforas , e com uma estrutura de seis versos e seis estrofes, com uma métrica de maior arte.

Lembre-se, para apreciar o poema que será apresentado abaixo, que o autor decidiu, em muitas ocasiões, dispensar os sinais de pontuação, daí a estrutura “livre” de muitos de seus escritos.

Fragmento de “Amor”

“Ela usava um vestido combinado

um projeto de arcanjo em relevo

do ombro ao pé sua linha exata um losango

quem se harmoniza com o cravo ousa

em seu caminho em duas luas ou em dois frutos

os espaços absolutos foram abertos.

Amor amor obesidade irmã

Golpe de fole até que as horas dominem

e encontrar quando sair uma manhã

que Deus é Deus sem colaboradores

e que a mão azul é azul

-amor amor amor- das seis às sete …

E resumindo o amante seu ditado

pegou os suspiros redondos

e abandonado pela fumaça do capricho

ele se deixou deslizar por dois trilhos

uma sessão de circo começou

na décima oitava constelação. “

Cotovia Real (1941)

Este trabalho foi um dos livros mais reconhecidos do autor e também influenciou o trabalho de poetas que fizeram nome após a guerra na Espanha. Foi a combinação de vanguarda e costumbrismo, em pleno ato de criação do poeta.

O peso deste manuscrito é tal que permitiu que Diego fosse considerado uma das figuras mais representativas da Geração 27.

Fragmento de “Sucessivo”

“Deixe-me acariciar você lentamente,

deixe-me ver você lentamente

veja que você é realmente, continue

de si mesmo para si mesmo extensivamente.

Então, eu te amo de forma fluente e sucessiva,

primavera de você, água furtiva,

Música para o toque preguiçoso.

Então eu te amo, em pequenos limites,

aqui e ali fragmento, lírios, rosa,

e sua unidade depois, luz dos meus sonhos ”.

Referências

  1. Gerardo Diego. Biografia (1991-2019). Espanha: Instituto Cervantes. Recuperado de: cervantes.es.
  2. Moreno, R. (2011). Gerardo Diego . (N / a): Língua e literatura. Recuperado de: rosamorenolengua.blogspot.com.
  3. Tamaro, E. (2004-2019). Gerardo Diego . (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  4. Contemporâneos de Miguel Hernández: Gerardo Diego Cendoya. (S. f.). Espanha: Fundação Cultural Miguel Hernández. Recuperado de: miguelhernandezvirtual.es.
  5. Gerardo Diego. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org.

Deixe um comentário