Antropologia Forense: História, Quais Estudos e Ramos

A antropologia forense é um ramo da antropologia biológica, que por sua vez é um derivado da antropologia, ciência que é responsável por estudar o comportamento humano tanto do passado e do presente.

As pessoas que trabalham nesta profissão, conhecidas como antropólogos forenses, analisam os casos legais de esqueletos cujo status dificulta o reconhecimento ou simplesmente precisa ser identificado.

Antropologia Forense: História, Quais Estudos e Ramos 1

Fonte: Pixabay

Os antropólogos forenses trabalham em conjunto com outros profissionais que aplicam a lei ou a ciência médica, como especialistas em balística, patologias, sorologia, toxicologia e explosivos.

A antropologia forense, como as outras especialidades da antropologia, usa evidências empíricas, informações genéticas e tecnologia para conduzir estudos correspondentes a restos mortais.

História

Começos

Durante os primeiros anos, os antropólogos forenses usaram técnicas de medição para determinar certas características biológicas comuns na mesma população de seres humanos; técnica conhecida como antropometria. Com isso, eles conseguiram diferenciar os membros de uma comunidade e de outra.

Apesar da dificuldade para esse ramo da antropologia ser aceito como ciência, a aplicação da antropologia forense surgiu após a carreira de base, sendo adotada como disciplina científica.

O estudo dessa ciência foi estendido após antropólogos criminais garantirem que a frenologia e a fisionomia pudessem vincular o comportamento humano a uma série de características específicas.

Adiantamentos

Em 1893, o criminologista austríaco Hans Gross fez um manual que permitia o estabelecimento da medicina forense como ciência. Nele, ele disse que o crime era uma série de conhecimentos que permitiam à metodologia da pesquisa se concentrar nos dados obtidos a partir de evidências físicas.

O estudo de impressões digitais, fibras capilares e o local onde os restos foram encontrados faziam parte da proposta de Gross em sua publicação, que lhe permitiu ampliar o estudo da antropologia forense.

Por outro lado, os grupos sanguíneos A, B, AB e O foram descobertos no início do século XX, o que fez do sangue um fator fundamental no desenvolvimento desse ramo da antropologia.

Anos mais tarde, foram descobertas as características genéticas únicas encontradas no DNA , impressões digitais, cabelos, sangue, tecidos e sêmen, o que tornou possível diferenciar um ser humano de outro com maior facilidade.

Crescimento

A antropologia forense ganhou força a partir de 1940, quando o antropólogo americano Wilton Krogman promoveu importantes campanhas publicitárias para destacar essa ciência como um valor agregado fundamental. Segundo Krogman, essa ciência ajudaria as agências policiais a identificar restos humanos.

Relacionado:  Para que serve a ética?

Como a medida foi bem-sucedida, os antropólogos forenses passaram a fazer parte da equipe da agência federal durante essa década.

Mais tarde, em 1950, os antropólogos ajudaram o exército dos Estados Unidos a identificar os corpos dos soldados que morreram em batalha. Alguns sugerem que a aplicação da antropologia forense começou formalmente naquele tempo.

A oportunidade também significou um benefício importante para os praticantes nessa área, porque o grande número de cadáveres que alcançaram suas mãos lhes permitiu expandir seus conhecimentos.

Alguns anos depois, William Bass, um antropólogo forense dos Estados Unidos, abriu a primeira instalação para desenvolver pesquisas antropológicas forenses. A participação dos especialistas desta ciência em casos importantes da época aumentou o interesse da população em antropologia forense.

O que estuda a antropologia forense?

O corpo

Os antropólogos forenses trabalham com corpos que podem ser encontrados em várias condições: investigam múmias, ossos individuais, corpos em estado avançado de decomposição ou restos calcinados.

Hoje, sua participação na identificação de vítimas de desastres naturais ou acidentes aéreos é notória.

As investigações começam com um grupo de pesquisa em um determinado campo, um processo que pode levar à descoberta de um cadáver ou esqueleto. Os antropólogos geralmente participam das primeiras etapas da investigação para fazer a análise correspondente do local onde o corpo a ser estudado foi encontrado.

Depois de fazer as análises do local onde o corpo foi encontrado, o osso é levado a um laboratório forense para classificar os ossos por tamanho e uni-los até que a forma do corpo seja construída, se possível.

Uma vez reconstruído o corpo, o antropólogo forense estuda os ossos. Nesse momento, entre outras coisas, ele analisa os traumas que a pessoa pode ter sofrido antes, durante ou após a morte.

Sexo

Se os ossos encontrados diferem do sexo do corpo encontrado, é possível ao antropólogo forense determinar se era homem ou mulher.

Uma das peças mais importantes para alcançar um resultado decisivo é a pelve. A forma do arco pubiano e a análise do sacro são essenciais para obter um resultado preciso do sexo da pessoa a quem o osso pertence.

Relacionado:  Mohamed Hadid: Biografia e Carreira

Além da pelve, o crânio também fornece elementos característicos nos homens que diferem dos das mulheres. A linha temporal, a cavidade ocular, a crista da sobrancelha, as linhas nucais e o processo mastóide do osso temporal são as partes com elementos mais distintos entre os dois sexos.

Apesar dessas análises, as diferenças morfológicas existentes entre cada ser humano e as faixas etárias às vezes impedem a definição de sexo.

Por esse motivo, os antropólogos forenses realizam uma classificação que reduz a tendência a cometer um erro: masculino, possivelmente masculino, indeterminado, possivelmente feminino e feminino.

Estatura

Uma das maneiras mais comuns de determinar a altura da pessoa a quem o osso pertence é medir os ossos da perna: a fíbula, a tíbia e o fêmur. No entanto, os ossos do braço também oferecem informações sobre a altura da pessoa.

Embora esses ossos forneçam informações valiosas para a determinação da altura, é aconselhável conhecer o sexo, ascendência e idade da pessoa antes de avaliar o ponto de altura; isto devido a diferenças morfológicas entre populações.

Idade

Uma das maneiras de determinar a idade de uma pessoa é através da análise do estágio de crescimento ósseo. Em pessoas com menos de 21 anos, a evidência geralmente é fornecida pelos dentes; No entanto, certas características de outros ossos, como o crânio, a tíbia e a clavícula, podem produzir essa informação.

Determinar a idade de uma criança é mais simples do que a de um adulto, porque durante a infância os ossos passam por mudanças mais visíveis, mas quando a idade adulta é atingida, o processo normal de crescimento para.

Apesar disso, o osso continua em constante renovação; Uma das mudanças que experimenta com o tempo é a evolução das osteonas, que são estruturas cilíndricas de tamanho consideravelmente pequeno, encontradas no próprio osso.

As alterações da osteona são uma parte fundamental da determinação da idade de um osso de alguém que passou dos 21 anos antes de morrer. Por outro lado, a idade da pessoa no momento da morte também pode ser determinada pelas alterações degenerativas que o osso apresenta.

Ancestrais

Antropólogos historicamente forenses fizeram uma classificação em grupos históricos para determinar a ancestralidade da pessoa com base em sua origem.

Relacionado:  30 exemplos de ética e moral na vida cotidiana

No entanto, alguns consideram que essa determinação é cada vez mais complicada ao longo dos anos devido a casamentos entre pessoas de diferentes raças.

A maxila é o osso comumente usado para determinar a ancestralidade do cadáver; resultado, eles chegam depois de executar processos matemáticos de alta complexidade, dependendo das características da peça.

Ramos

Arqueologia Forense

São pessoas especializadas na extração da forma correta dos ossos do local onde estão. Sua função é coletar o osso da maneira correta para evitar qualquer tipo de alteração em sua estrutura que possa dificultar a pesquisa.

A observação do terreno onde o corpo está localizado é uma parte fundamental de seu estudo. Esse espaço pode incluir sepulturas clandestinas, poços ou locais subaquáticos; no entanto, extrações em último lugar são raras.

Tafonomia Forense

As pessoas encarregadas dessa área são encarregadas de estudar as mudanças que o corpo experimenta após sua morte, dependendo de sua decomposição e das mudanças ambientais do local onde está localizado.

A influência do solo, da água e a ação dos animais sobre ele são elementos a serem levados em consideração pelo taxonomista forense.

Osteologia forense

O especialista encarregado desse ramo da antropologia forense tem como objetivo principal o estudo dos ossos. Profissionais nesta área prestam atenção especial aos ossos de corpos que têm uma idade importante.

É um dos ramos que busca revelar quais eram as populações que habitavam diferentes partes do mundo no passado, então alguns a consideram a área que permite uma abordagem mais próxima das origens do ser humano.

Referências

  1. Antropologia Forense, H. James Birx, Encyclopedia Britannica, (sd). Retirado de britannica.com
  2. Antropologia Forense, Wikipedia em inglês, (s). Retirado de wikipedia.org
  3. Antropologia Forense, David Hunt, Portal do Museu Nacional de História Natural Smithsonian, (sd). Retirado de qrius.si.edu
  4. Descrição do trabalho do antropólogo forense, Portal Crime Scene Investigator EDU, (sd). Retirado de crimesceneinvestigatoredu.org
  5. Antropologia Forense, Portal Investigating Forensics, (sd). Retirado de sfu.museum
  6. Arqueologia forense: contexto, métodos e interpretação, Derek Congram, Portal Research Gate, (2016). Retirado de researchgate.net

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies