Apicomplexa: características, taxonomia, subgrupos, morfologia

O filo Apicomplexa é composto por um grupo diversificado de organismos parasitas intracelulares, caracterizados pela presença de um complexo apical especializado que auxilia na invasão das células hospedeiras. Esses organismos são encontrados em uma variedade de ambientes e são responsáveis por causar diversas doenças em animais e seres humanos. A taxonomia dos Apicomplexa é complexa, com várias espécies agrupadas em diferentes subgrupos, como os coccídios, os piroplasmídeos e os haemosporídeos. Em termos de morfologia, os Apicomplexa possuem estruturas especializadas, como os conoides e os microtúbulos do citoesqueleto, que desempenham papéis importantes na sua biologia celular e patogenicidade. Esses parasitas são de grande importância médica e veterinária, sendo alvo de intensas pesquisas na busca por estratégias de controle e tratamento.

Características essenciais dos Apicomplexos: conheça as principais características dessa classe de parasitas.

Os Apicomplexos são um grupo de parasitas intracelulares obrigatórios pertencentes ao filo Apicomplexa. Eles são caracterizados por possuírem um complexo apical especializado, que é utilizado para penetração nas células hospedeiras. Esses parasitas apresentam uma grande diversidade de formas e tamanhos, sendo responsáveis por diversas doenças em humanos e animais.

Uma das características essenciais dos Apicomplexos é a presença de um ciclo de vida complexo, que envolve a alternância entre formas sexuadas e assexuadas. Essa alternância de gerações permite a adaptação dos parasitas a diferentes ambientes e hospedeiros, tornando-os bem-sucedidos em sua sobrevivência.

Em relação à morfologia, os Apicomplexos possuem um corpo coberto por uma membrana externa resistente, conhecida como películo. Além disso, eles apresentam organelas especializadas, como os micronemas e os roptrias, que desempenham um papel crucial na invasão das células hospedeiras.

Do ponto de vista taxonômico, os Apicomplexos são divididos em vários subgrupos, como os coccídios, os haemosporídeos e os piroplasmídeos. Cada subgrupo possui características específicas que os distinguem dos demais, mas todos compartilham a capacidade de causar doenças graves em seus hospedeiros.

Em resumo, os Apicomplexos são parasitas intracelulares com um ciclo de vida complexo, morfologia especializada e uma grande diversidade de formas. Eles são responsáveis por várias doenças em humanos e animais, tornando-se alvos importantes para estudos e pesquisas na área da parasitologia.

Qual é a importância do complexo apical na biologia celular?

O complexo apical é uma estrutura crucial para o sucesso dos organismos do filo Apicomplexa. Esses seres unicelulares parasitas possuem um complexo apical especializado que desempenha um papel fundamental na invasão das células hospedeiras.

O complexo apical é responsável pela liberação de enzimas que ajudam na penetração das células hospedeiras, garantindo a sobrevivência e replicação do parasita. Além disso, o complexo apical também está envolvido na formação de estruturas de fixação, que permitem ao parasita permanecer aderido à célula hospedeira.

Por conta de sua importância na invasão e sobrevivência dos Apicomplexa, o complexo apical tem sido alvo de estudos para o desenvolvimento de novas estratégias de combate a doenças causadas por esses parasitas, como a malária e a toxoplasmose.

Em resumo, o complexo apical é uma estrutura fundamental para a biologia celular dos Apicomplexa, sendo essencial para a sua capacidade de invasão e sobrevivência nas células hospedeiras. Seu estudo é essencial para o desenvolvimento de novas terapias e estratégias de controle desses parasitas.

Conheça os apicomplexos mais famosos e conhecidos pela ciência e biologia.

Os apicomplexos são um grupo de organismos unicelulares parasitas que possuem um complexo apical especializado para invadir as células hospedeiras. Eles são conhecidos por causar doenças em humanos e animais, como a malária, toxoplasmose e criptosporidiose. Alguns dos apicomplexos mais famosos e estudados pela ciência incluem Plasmodium, o agente causador da malária, e Toxoplasma gondii, o parasita responsável pela toxoplasmose.

Em termos de taxonomia, os apicomplexos pertencem ao filo Apicomplexa, que é dividido em várias ordens, incluindo os coccídios, os piroplasmídeos e os haemosporídeos. Cada grupo possui características distintas e é capaz de infectar diferentes tipos de células hospedeiras.

Quanto à morfologia, os apicomplexos geralmente possuem uma forma de “meia-lua” ou “banana” devido ao seu complexo apical. Eles também possuem um sistema de organelas especializado, conhecido como apicoplasto, que desempenha um papel crucial na produção de energia e síntese de nutrientes.

Relacionado:  Flora da Puna do Peru: Principais Características

Em resumo, os apicomplexos são um grupo fascinante de organismos parasitas que têm um impacto significativo na saúde humana e animal. Conhecer os apicomplexos mais famosos, como Plasmodium e Toxoplasma gondii, é essencial para entender melhor suas características, taxonomia, subgrupos e morfologia.

Formas infectantes do parasita com complexo apical: quais são e como identificá-las.

Os parasitas do filo Apicomplexa são organismos unicelulares que possuem um complexo apical, uma estrutura especializada que auxilia na invasão das células hospedeiras. Existem diversas formas infectantes desses parasitas, que são responsáveis por causar doenças em humanos e outros animais.

As formas infectantes mais comuns do parasita com complexo apical são os esporozoítos, os merozoítos e os ookinetes. Os esporozoítos são a forma encontrada nas glândulas salivares dos vetores, como os mosquitos, e são responsáveis pela transmissão da doença para o hospedeiro. Os merozoítos são a forma que se multiplica dentro das células do hospedeiro, causando danos e sintomas da doença. Por fim, os ookinetes são formas infectantes que ocorrem no processo de reprodução sexual do parasita no intestino do vetor.

Para identificar essas formas infectantes do parasita com complexo apical, é necessário realizar exames laboratoriais específicos, como a análise de esfregaços sanguíneos ou de fezes, dependendo do tipo de parasita e da doença em questão. Além disso, técnicas de biologia molecular, como a reação em cadeia da polimerase (PCR), podem ser utilizadas para identificar o DNA do parasita e confirmar o diagnóstico.

Em resumo, as formas infectantes do parasita com complexo apical, como esporozoítos, merozoítos e ookinetes, são responsáveis por causar doenças em humanos e animais. A identificação dessas formas requer exames laboratoriais específicos e técnicas de biologia molecular para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado.

Apicomplexa: características, taxonomia, subgrupos, morfologia

Os Apicomplexa são um filo de protistas unicelulares que compreendem cerca de 5000 espécies, todas elas parasitas alveoladas. Muitas dessas espécies são de importância médica e econômica.

Eles apresentam uma estrutura chamada complexo apical, que se refere ao nome do grupo. Este complexo compreende um tipo de plastídeo chamado apicoplasto e uma rede de microtúbulos .

Apicomplexa: características, taxonomia, subgrupos, morfologia 1

Cisto de um hemogregarine (Phyllum Apicomplexa) no fígado de um Gabão (Miniopterus inflatus) Tirado e editado de commons.wikimedia.org

A função do complexo apical parece ser permitir que o parasita seja fixado a uma célula hospedeira e liberar uma substância que causa sua invaginação. Essa invaginação permite que o parasita entre na célula.

Apicomplexa incluem vários grupos de organismos, como coccídios, gregarinas, piroplasmas, hemogregarinas e plasmódios. Eles causam inúmeras doenças em animais e no homem. Entre essas doenças estão toxoplasmose, malária, criptosporidiose e ciclosporose.

Caracteristicas

A principal característica do grupo é a presença do complexo apical. Este complexo consiste em um cone ou conjunto de microtúbulos dispostos em espiral; um roptria com função secretora e um ou mais anéis polares.

Além disso, eles podem ter outros corpos secretores finos chamados micronems. Micronems estão rodeados por um ou dois anéis polares.

Distribuídos por toda a célula estão organelas esféricas chamadas grânulos densos. Estes têm função secretora e medem cerca de 0,7 μm.

A célula é cercada por um filme e vesículas alveolares penetradas por microporos. Eles têm um núcleo haplóide. As mitocôndrias têm cristas tubulares. Plastídeos estão presentes apenas em algumas espécies.

O movimento é do tipo deslizante, graças ao uso de aderências e moléculas de proteína contrátil (miosina). Algumas espécies produzem gametas que podem ser deslocados pela presença de flagelos ou pela capacidade de produzir pseudópodes.

Outra característica é a produção de oocistos. Os oocistos contêm esporozoítos que são a forma infecciosa.

Taxonomia

As espécies que compõem esse táxon em várias ocasiões foram incluídas em grupos tão diversos quanto os microsporídios, os clorofitos, entre outros.

Relacionado:  Por que os cogumelos não produzem sua própria comida?

A primeira espécie de Apicomplexa, Gregarina ovata , foi descrita por Dufour em 1828. Para essa descrição, ele usou amostras isoladas de intestinos de perucas. Nessa data, foi incluído entre os Vermes.

Leuckart, em 1879, montou o táxon Sporozoa, incluído entre os Protozoa, onde localizou alguns Apicomplexa. O táxon de esporozoários foi posteriormente rejeitado, e a maioria de seus membros foi alojada no táxon de Apicomplexa, criado em 1970.

Atualmente, alguns autores consideram o táxon como um subfilo dentro dos mixozoários, mas mais comumente são aceitos como um filo.

Subgrupos

Os apicomplexos são divididos em quatro subclasses: gregarinas e coccídios, localizados na classe Conoidasida, e hemossporídios e piroplasmas, na classe Aconoidasida.

Gregarinas (Gregarinasina)

São parasitas grandes (cerca de 0,5 mm) que vivem principalmente no intestino de anelídeos, artrópodes e moluscos, embora também possam invadir outros tecidos. A maturação dos gamontes geralmente ocorre na forma celular e dá origem a múltiplos gametócitos.

Cocciídios (Coccidiasina)

Os indivíduos desta subclasse são parasitas intracelulares obrigatórios principalmente de células epiteliais intestinais, mas também são encontrados no sangue, fígado e outros órgãos.

Eles parasitam tanto os vertebrados quanto os invertebrados superiores. A camurça se desenvolve intracelularmente e o zigoto geralmente é imóvel. Cada gamão se torna um único macrogametócito.

Apicomplexa: características, taxonomia, subgrupos, morfologia 2

Cocciidia (Coccidiasina), Coccidia sp. Tirada e editada em https://commons.wikimedia.org/w/index.php?search=coccidia&title=Special%3ASearch&profile=default&fulltext=1#/media/File:Coccidia.JPG

Hemosporidia (Haemosporide)

Os hemosporídeos são parasitas intra-eritrocíticos capazes de causar doenças graves em animais e humanos. Eles têm ciclos de vida complexos que alternam entre um hospedeiro artrópode que atua como vetor e um hospedeiro vertebrado, o hospedeiro final.

Os trofozoítos parasitam os glóbulos vermelhos ou outros tecidos do hospedeiro vertebrado. Entre os hemossporídeos está o Plasmodium , a causa da malária.

Piroplasmas (Piroplasmida)

Piroplasmas são parasitas de vertebrados que usam carrapatos ou sanguessugas como vetores. Eles recebem esse nome porque as primeiras espécies descritas produziram hipertermia nos hospedeiros bovinos que infectaram.

Eles têm ciclos de vida semelhantes aos da hemossporídia. Eles se distinguem destes por não formarem oocistos ou esporos. Outra diferença é que, na fase trofozoíta, eles são separados do eritrócito por uma única membrana. Outros parasitas do sangue geralmente têm pelo menos duas membranas.

Morfologia

Todos os Apicomplexa apresentam o complexo apical. As gregarinas são divididas em dois grupos pela morfologia do trofozoíto ou gamão.

Nas gregarinas cefalinas, o corpo é dividido em 3 partes, uma epimerita, correspondente ao órgão apical para adesão; um protomerito ou seção anterior da célula; e um deuteromerito, que corresponde à seção posterior da célula.

As gregarinas acefalinas carecem de epimerito. No Acephaniloidea, o trofozoíto não é segmentado, enquanto os Cephaniloidea dividem o corpo em dois compartimentos por um septo ectoplasmático. Os gametócitos são arredondados.

A forma do trofozoíto da hemossporídia pode mudar ao longo do tempo, apresentando uma forma em anel nos estágios iniciais e amadurecendo até uma forma amebóide. O esquizon é grande e irregular, enquanto os gametócitos são arredondados ou ovais.

Os piroplasmas geralmente têm formato de pera, no entanto, algumas espécies são pleomórficas, podendo ser ovóides, arredondadas, amebóides, vírgulas, bastonetes ou anéis alongados. Formas de pêra são encontradas em pares recebendo o nome de bigéminas.

Habitat

Apicomplexa são endoparasitas obrigatórios, o que significa que eles sempre vivem dentro de seus hospedeiros. Algumas espécies são parasitas intracelulares, outras podem amadurecer extracelularmente.

O número de hosts pode variar entre um e dois. No caso de ser dois, geralmente o hospedeiro definitivo é um vertebrado. O intermediário é geralmente um artrópode.

Reprodução

Os apicomplexos se reproduzem sexualmente e assexuadamente . Existem mudanças nos ciclos de vida e mecanismos de reprodução, dependendo do grupo de organismos.

-Gregarinas

Reprodução assexuada

O trofozoito se desenvolve em esquizont, dividido pela esquizogonia, dando origem a numerosos merozoítos. Os merozoítos são liberados da célula hospedeira por lise e invadem novas células.

Relacionado:  20 plantas em perigo de extinção no México

Este processo pode ser repetido várias vezes. Em algum momento, formam-se gametócitos que são liberados por lise das células hospedeiras.

Reprodução sexual

Um gametócito forma um grande número de gametas. Os gametas se fundem em pares para formar oocistos. Estes últimos deixam seu anfitrião para encontrar um novo.

-Cocciidia (Coccidiasine)

Reprodução assexuada

Semelhante ao das gregarinas

Reprodução sexual

Alguns trofozoítos aumentam de tamanho para se tornarem macrogametas individuais, outros se dividem várias vezes para formar microgametas. Os últimos são móveis e buscam o macrogameto para fertilizá-lo.

O macrogameto fertilizado se torna um zigoto de vida curta que se torna um oocisto. O oocisto normalmente sai do hospedeiro.

-Hemosporidia (Haemosporide)

Durante a reprodução sexual, as microgametas se fundem com as macrogametas. O zigoto agora se torna um ooceto, que é então transformado em oocisto. O último é inicialmente dividido por meiose e depois por mitose, resultando em esporozoítos.

-Piroplasmas (piroplasmida)

Esses organismos têm ciclos de vida semelhantes aos da hemossporídia. Eles diferem deles por não formarem oocistos ou esporos.

Apicomplexa: características, taxonomia, subgrupos, morfologia 3

Diferentes estágios do ciclo de vida do Plasmodium falciparum: Oocineto (zigoto móvel), esporozoito (móvel) e merozoito (imóvel). Tirada e editada em http://www.wikiwand.com/es/Apicomplexa

Doenças

Todos os apicomplexos são parasitas, alguns deles de importância médica e veterinária. Entre as doenças que causam estão:

Malária

Também chamada malária, é uma doença causada por parasitas do gênero Plasmodium . Os sintomas variam com febre e calafrios periódicos e recorrentes, sudorese e dor de cabeça.

Náuseas, vômitos, tosse, fezes com sangue, dores musculares, icterícia e defeitos de coagulação do sangue também ocorrem. Quando a doença piora, pode ocorrer choque, insuficiência renal ou hepática. Além disso, podem ocorrer distúrbios do sistema nervoso central, coma e até morte.

Os vetores da doença são mosquitos do gênero Anopheles . As fêmeas deste mosquito quando se alimentam do sangue de uma pessoa infectada podem transmitir a doença a outras pessoas saudáveis.

Uma forma de infecção direta é através da placenta da mãe para o feto. As transfusões de sangue de doadores que tiveram a doença são outra forma de infecção.

Toxoplasmose

Causada pelo protozoário Toxoplasma gondii , um parasita intracelular obrigatório. É transmitido de animais para humanos através de diferentes vias de infecção.

Várias espécies de felinos são os hospedeiros definitivos. A toxoplasmose pode causar infecções leves, sem sintomas. As infecções mortais são aquelas que afetam principalmente o feto, causando a chamada toxoplasmose fetal ou congênita.

A doença também pode ser complicada quando afeta pacientes com sistema imunológico reprimido, como pessoas infectadas pelo HIV.

Ciclosporidiose

Doença oportunista causada pelo parasita Cryptosporidium , presente em alguns alimentos ou em água contaminada. A infecção é autolimitada em pessoas imunocompetentes, mas potencialmente letal em pacientes imunossuprimidos.

No primeiro caso, apresenta-se como diarréia aquosa, com presença de muco, febre, náusea, vômito, dor abdominal e perda de peso. Neste último caso, os sintomas são complicados com perda de até 10% do peso corporal, icterícia e má absorção grave.

Ciclosporose

Esta doença é causada por Cyclospora cayetanensis e transmitida pela via fecal-oral pela ingestão de água ou alimentos contaminados. Não é transmitido de pessoa para pessoa.

É uma causa comum de diarréia em viajantes. Os sintomas são diarréia grave, flatulência, febre, dores de estômago e dores musculares. Os principais hospedeiros são humanos e outros primatas.

Referências

  1. Apicomplex. Na Wikipedia Recuperado de en.wikipedia.org/wiki/Apicomplexa
  2. R. Brusca, GJ Brusca (2003). Invertebrados 2ª Edição Sinauer Associates.
  3. MT Gleeson (2000). O plastídeo em Apicomplexa: de que serve? Revista Internacional de Parasitologia.
  4. ND Levine (1971). Terminologia uniforme para o subfilo protozoário Apicomplexa. Jornal de Microbiologia Eucariótica.
  5. ND Levine (1988). Progresso em taxonomia dos protozoários Apicomplexan. O Jornal de Protozoologia.
  6. DA Morrison (2009). Evolução dos Apicomplexa: onde estamos agora? Tendências em Parasitologia.
  7. E. Siński, JM Behnke (2004). Parasitas apicomplexos: contaminação e transmissão ambiental. Revista Polonesa de Microbiologia.

Deixe um comentário