Arquitetura asteca: origem, recursos e obras

A arquitetura asteca foi uma expressão artística e cultural desenvolvida pela civilização asteca, que habitava a região central do México entre os séculos XIV e XVI. Com influências da arquitetura mesoamericana pré-colombiana, os astecas criaram construções impressionantes e grandiosas que refletiam sua organização social, crenças religiosas e conexão com a natureza.

Utilizando recursos como a pedra, tijolos de adobe, madeira e folhas de palmeira, os astecas construíram templos, palácios, pirâmides, calçadas e canais aquáticos, que se destacavam pela complexidade arquitetônica e pela beleza de seus detalhes decorativos. Entre as obras mais famosas da arquitetura asteca estão o Templo Mayor, em Tenochtitlán, e a Pirâmide do Sol, em Teotihuacán.

A arquitetura asteca é um legado cultural importante que revela a grandeza e a sofisticação dessa civilização pré-colombiana, e continua a ser estudada e admirada até os dias de hoje.

A arquitetura dos astecas: características e influências culturais na construção de suas edificações.

A arquitetura asteca é conhecida por sua grandiosidade e complexidade, refletindo a rica cultura e tradições desse povo indígena. Suas construções eram feitas principalmente de pedra e argamassa, com detalhes esculpidos em relevo, relevando a habilidade artística dos astecas.

As edificações astecas eram influenciadas por sua religião e crenças. Os templos eram construídos em locais estratégicos, como o topo de pirâmides, simbolizando a conexão entre os deuses e a terra. Os palácios eram espaçosos e ornamentados, demonstrando o poder e a hierarquia social dos astecas.

Além disso, as construções astecas eram adaptadas ao clima e ao ambiente em que viviam. Utilizavam materiais locais, como a pedra vulcânica, e técnicas de construção eficientes para resistir a terremotos e inundações.

Um dos exemplos mais famosos da arquitetura asteca é o Templo Mayor, localizado na Cidade do México. Este complexo de templos dedicados aos deuses astecas mostra a importância da religião na sociedade asteca e a grandiosidade de suas construções.

Suas construções são um legado importante da civilização asteca, que ainda hoje impressiona e inspira.

Materiais fundamentais na arte asteca: descubra quais eram os mais utilizados pelos artistas.

Os artistas astecas utilizavam uma variedade de materiais em suas obras de arte, que iam desde pedra e argila até tecidos e plumas. Entre os materiais fundamentais na arte asteca, podemos destacar o barro, a pedra, o metal e as plumas.

O barro era frequentemente utilizado na criação de cerâmicas e esculturas, enquanto a pedra era empregada na construção de monumentos e templos. Já o metal era utilizado em objetos de adorno e em instrumentos musicais, e as plumas eram utilizadas na confecção de trajes cerimoniais e em objetos de arte decorativa.

Além desses materiais, os artistas astecas também faziam uso de pigmentos naturais para colorir suas obras, obtidos a partir de plantas e minerais. Esses pigmentos eram aplicados em pinturas murais, em tecidos e em objetos de cerâmica, conferindo-lhes cores vibrantes e detalhes elaborados.

Com uma habilidade excepcional e uma conexão profunda com a natureza, os artistas astecas criaram obras de arte magníficas que refletiam sua rica cultura e suas crenças espirituais. Através do uso de materiais como barro, pedra, metal e plumas, eles deixaram um legado duradouro que continua a inspirar e fascinar até os dias atuais.

Principais construções da civilização asteca: quais são e onde estão localizadas?

A arquitetura asteca é uma das mais impressionantes da Mesoamérica, com construções grandiosas que ainda hoje impressionam pela sua complexidade e beleza. Entre as principais construções da civilização asteca, destacam-se o Templo Mayor, localizado na cidade de Tenochtitlán (atual Cidade do México), o Templo de Quetzalcóatl em Teotihuacán, e as Pirâmides de Teotihuacán.

Relacionado:  As 5 zonas arqueológicas mais importantes de Yucatan

O Templo Mayor era o centro religioso e político dos astecas, sendo dedicado a duas divindades principais: Huitzilopochtli, deus da guerra, e Tlaloc, deus da chuva. Sua localização estratégica no coração de Tenochtitlán o tornava um ponto de referência importante na cidade. Já o Templo de Quetzalcóatl em Teotihuacán é conhecido por sua arquitetura decorada com serpentes emplumadas, símbolo do deus Quetzalcóatl. As Pirâmides de Teotihuacán, por sua vez, são impressionantes estruturas que serviam como templos e centros cerimoniais.

As construções astecas eram feitas principalmente de pedra e argamassa, com detalhes esculpidos em relevo que mostravam cenas da mitologia e da história asteca. Os recursos naturais, como a pedra vulcânica e o calcário, eram amplamente utilizados na construção das obras, conferindo-lhes durabilidade e resistência.

A arquitetura asteca refletia a complexidade da sociedade e a importância da religião em sua cultura. Cada construção tinha um propósito específico, seja para rituais religiosos, cerimônias públicas ou como moradia para a elite. A grandiosidade e a beleza das construções astecas são um testemunho da habilidade e da criatividade desse povo antigo.

Origem dos astecas: de onde veio esse povo da antiga Mesoamérica.

Os astecas eram um povo indígena da antiga Mesoamérica, que habitava a região que hoje compreende o México central. Sua origem remonta ao século XII, quando um grupo de nômades chegaram à região e se estabeleceram em uma ilha no meio de um lago, onde fundaram a cidade de Tenochtitlán.

Os astecas eram conhecidos por sua arquitetura grandiosa e complexa, que refletia sua rica cultura e crenças religiosas. Eles utilizavam recursos naturais como pedra, madeira e argila para construir templos, palácios e pirâmides impressionantes.

Entre as obras mais famosas dos astecas destacam-se o Templo Mayor, dedicado aos deuses Huitzilopochtli e Tlaloc, e o Palácio de Moctezuma, que servia como residência dos líderes astecas. Essas construções eram ricamente decoradas com esculturas, pinturas e relevos que retratavam a história e mitologia do povo asteca.

A arquitetura asteca era marcada pela simetria, monumentalidade e harmonia com o meio ambiente. Suas construções eram planejadas de acordo com princípios astronômicos e religiosos, o que demonstra a complexidade e sofisticação da sociedade asteca.

Em suma, a arquitetura asteca é um legado impressionante que nos permite conhecer e apreciar a riqueza cultural e artística desse povo da antiga Mesoamérica.

Arquitetura asteca: origem, recursos e obras

Arquitetura asteca: origem, recursos e obras

A arquitetura asteca é uma das formas de arte mais importantes da civilização mesoamericana, juntamente com escultura, pintura, jóias, música e arte com penas. É caracterizada por seu caráter monumental e grandeza, e por servir à veneração de seus deuses.

A arquitetura e toda a arte asteca foram desenvolvidas com base nos interesses do Estado, pois serviam como linguagem para transmitir sua visão particular do mundo na sociedade e contra outras culturas. Como toda arte mexica, a arquitetura cumpria uma função político-religiosa.

Através da arquitetura, os astecas queriam demonstrar o poder de seu império. Isso explica por que eles construíram edifícios monumentais como o Templo Mayor, a pirâmide de Tenayuca ou as pirâmides redondas. Através dessas construções, a magnificência e a identidade da sociedade asteca foram reforçadas.

Suas principais construções eram templos, pirâmides, palácios e outros edifícios administrativos. Os templos foram construídos no topo das pirâmides e em pedra e terra.

Esses pequenos recintos cerimoniais, adornados com imponentes esculturas de monstros e relevos finos, eram acessados ​​através de degraus.

Origem

Na arte asteca, a arquitetura foi uma das modalidades que mais sofreu com a conquista e colonização espanhola, uma vez que a maioria de seus edifícios foi reduzida a ruínas.

Restam poucas estruturas para aprofundar o estudo da organização do espaço e outras características arquitetônicas em centros cerimoniais e outros edifícios.

Isso evita um conhecimento mais profundo sobre a origem e influências recebidas de seus ancestrais e de outras culturas do período pós-clássico mesoamericano. Essas influências incluem a civilização olmeca e as culturas maia, tolteca e zapoteca, que contribuíram para o desenvolvimento de seu próprio estilo arquitetônico.

Infere-se que, como ocorreu com outras expressões da arte asteca, como escultura ou ourivesaria, a arquitetura asteca é o resultado da fusão de diferentes estilos de construção que evoluíram na Mesoamérica ao longo de quase dois milênios.

México – Tenochtitlan

Tenochtitlan, fundada em 1325, era a cidade sagrada dessa civilização desenvolvida, mostrando a grandeza e a magnificência da arquitetura asteca. Esta cidade imponente, reconhecida como uma das cidades mais bem planejadas de todas as civilizações antigas da América, foi construída na ilha de Tenoch, localizada no lago Tezcoco.

Originalmente, Tenochtitlán, cujo significado é “local onde os cactos crescem nas rochas”, era uma vila onde existiam apenas pequenas cabanas de cana. Então a primeira grande pirâmide, o Templo Mayor, foi construída em homenagem a Huitzilopochtli, o deus do sol e da guerra.

Antes do Templo Mayor, no entanto, os astecas construíram um santuário provisório de madeira e palha, principalmente devido à falta de pedras. Quando finalmente conseguiram obter os materiais de construção necessários, começaram a construção de um centro cerimonial mais digno de seu deus.

Caracteristicas

– Uma das características da arquitetura asteca é seu forte senso de ordem e simetria, muito semelhante ao observado em outras culturas mesoamericanas.

– A arquitetura Mexica é menos elegante que a arquitetura maia.

– As linhas amplas e os desenhos geométricos são expressões simbólicas do poder do Estado e do caráter religioso de sua arquitetura.

– A arquitetura Mexica usou baixos-relevos em vários lugares: praças, muros e plataformas, como complemento para comunicar seus ideais e representação religiosa.

– Os modelos arquitetônicos astecas mais representativos são os templos (Teocali), as pirâmides, os palácios, entre outros edifícios públicos.

– Um dos modelos de arquitetura mais frequentes é a pirâmide circular. Esse tipo de construção é atribuído aos templos em homenagem ao deus Ehécatl, a divindade do vento, que tem a aparência de um redemoinho. Por exemplo, Calixtlahuaca e o localizado na estação de metrô Pino Suárez na Cidade do México.

Relacionado:  Os 10 sobreviventes do Titanic e suas histórias

– Outro tipo de arquitetura eram as plataformas decoradas com caveiras, que serviam de base ao tzompantli, um altar amplamente utilizado pelas culturas mesoamericanas. Um exemplo desse tipo de altar ainda é preservado no Museu Nacional de Antropologia do México.

Trabalhos representativos

O Templo Maior

Também conhecido como o Grande Templo do México, era composto por vários edifícios e torres, juntamente com o Recinto del Templo Mayor, onde ocorreram os eventos religiosos, políticos e econômicos mais importantes de Tenochtitlan.

Este lugar cumpria várias funções simbólicas-religiosas, pois servia para fazer oferendas sagradas, mas também para fazer depósitos funerários. Era um santuário dedicado à veneração das divindades astecas da chuva e da guerra, simbolizando o poder do estado imperial mexica contra seus inimigos.

Os templos com escadarias gêmeas dispostas como uma coroa na base piramidal simbolizam a dicotomia da visão cosmológica asteca: céu – terra, chuva – seca, solstício de inverno – solstício de verão. O estilo arquitetônico deste templo corresponde ao período pós-clássico tardio.

Nesse lugar, os deuses astecas eram adorados: Tlaltecuhtli, Tláloc, Coatlicue, Coyolxauhqui e Cihuacóatl.

A Grande Pirâmide de Cholula

A pirâmide de Tlachihualtépetl, que por seu nome na língua Nahuatl significa “colina feita à mão”, é a maior estrutura de pirâmide do mundo em termos de volume, com 4.500.000 m³. De um lado, mede 400 metros e, na frente, tem 65 m de altura, como a Pirâmide do Sol em Teotihuacan (64 m).

Está localizado na zona arqueológica de Cholula, estado de Puebla. Sua característica particular é que está escondido debaixo de uma montanha na qual uma igreja foi erguida.

Não se sabe exatamente quando sua construção começou, mas acredita-se que foi em 300 aC e 500 ou 1000 anos depois foi concluída pela Mexica.

Pirâmide de Tenayuca

É considerada uma das obras mais representativas da arquitetura mexicana, cuja construção aparentemente durou de 1300 a 1500. A pirâmide foi construída em etapas durante as quais foi ampliada.

As duas primeiras fases pertencem à cultura Chichimeca e as seis seguintes correspondem à própria arquitetura asteca.

As pirâmides redondas

Essas estruturas foram construídas principalmente em Calixtlahuaca, Toluca, em homenagem ao deus do vento, Ehecatl. Sua forma circular foi projetada com precisão para facilitar a circulação do vento através deles, sem impedir sua entrada, de acordo com a crença dos mexicas e de outras culturas pré-colombianas.

Graças ao deus do vento (Ehecatl), que soprou através dos quatro pontos cardeais, Tlaloc enviou a chuva para fertilizar as ricas terras astecas.

Assuntos de interesse

Religião asteca .

Calendário asteca .

Lista de deuses astecas .

Literatura asteca .

Escultura asteca .

Arte asteca .

Economia asteca .

Referências

  1. Arquitetura asteca: características, materiais e símbolos. Consultado de cultura-azteca.com
  2. Guachimontones. As pirâmides circulares de Teuchitlán. Consultado em guachimontonesoficial.com
  3. Pirâmide de Tenayuca. Consultado de arte.laguia2000.com
  4. As pirâmides na arquitetura asteca. Consultado em arkiplus.com
  5. Templo maior. Consultado em es.wikipedia.org
  6. Arquitetura asteca. Consultado em arkiplus.com
  7. Arte asteca. Consultado de typesdearte.com

Deixe um comentário