Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura

A arte gótica é um estilo artístico que se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV. Caracterizada por sua grandiosidade e verticalidade, a arte gótica se manifestou principalmente na arquitetura das catedrais e igrejas, mas também na escultura, pintura e vitrais. Este estilo foi influenciado pela religiosidade da época e buscava transmitir uma sensação de transcendência e espiritualidade. As características marcantes da arte gótica incluem a utilização de arcos ogivais, rosáceas, gárgulas, esculturas detalhadas e vitrais coloridos. Na pintura gótica, destaca-se o uso de cores vibrantes e a representação de temas religiosos, muitas vezes em painéis de retábulos ou em afrescos. A arte gótica deixou um legado duradouro na história da arte e é considerada uma das mais importantes expressões artísticas da Idade Média.

Características da pintura na arte gótica: cores vibrantes, temas religiosos e detalhes minuciosos.

A arte gótica é um estilo que se desenvolveu na Europa durante a Idade Média, entre os séculos XII e XV. Caracterizada por suas construções imponentes e detalhadas, a arte gótica também se destacou na pintura, com características marcantes que refletiam a espiritualidade e a grandiosidade da época.

Na pintura gótica, as cores vibrantes eram uma das principais características. Os artistas utilizavam pigmentos intensos, como o azul ultramarino e o vermelho carmesim, para criar obras impactantes e cheias de vida. Essas cores intensas eram usadas principalmente em pinturas religiosas, que eram muito comuns na época.

Além das cores vibrantes, os temas religiosos eram predominantes na pintura gótica. As obras muitas vezes retratavam cenas da Bíblia, santos, anjos e virgens, reforçando a importância da religião na sociedade medieval. Essas pinturas tinham o objetivo de inspirar devoção e transmitir mensagens espirituais aos fiéis.

Outra característica marcante da pintura gótica era a atenção aos detalhes minuciosos. Os artistas dedicavam horas a fio para criar obras ricas em texturas, padrões e ornamentos. Cada elemento da pintura era cuidadosamente trabalhado, resultando em composições complexas e cheias de simbolismo.

Em resumo, a pintura gótica se destacou pelas cores vibrantes, temas religiosos e detalhes minuciosos. Essas características refletiam a espiritualidade e a grandiosidade da época, tornando as obras góticas verdadeiras obras de arte que ainda fascinam e encantam os espectadores até os dias de hoje.

Características principais da arte gótica: o que definem essa expressão artística?

A arte gótica é um estilo artístico que surgiu na Europa durante a Idade Média, especialmente entre os séculos XII e XIV. Caracterizada por sua grandiosidade, verticalidade e ornamentação detalhada, a arte gótica se destacou principalmente na arquitetura das catedrais, mas também se estendeu para a pintura, escultura e outras formas de arte.

Uma das principais características da arte gótica é a verticalidade, que se manifesta na construção de edifícios altos e esguios, com torres e pináculos que apontam para o céu. Essa verticalidade tinha uma intenção simbólica, representando a ligação entre o terreno e o divino, além de proporcionar uma sensação de elevação espiritual aos fiéis que adentravam as igrejas.

Outra característica marcante da arte gótica é a luminosidade, obtida através de grandes janelas de vitral que permitiam a entrada de luz natural no interior das igrejas, criando um ambiente celestial e místico. Os vitrais também eram utilizados para contar histórias da Bíblia e ensinamentos religiosos de forma visual.

Além disso, a decoração detalhada é uma marca registrada da arte gótica, com esculturas elaboradas, relevos intrincados e ornamentos exuberantes que adornavam as fachadas e interiores das catedrais. Essa riqueza de detalhes refletia a crença na beleza como uma forma de manifestação do divino.

Na pintura gótica, as obras eram marcadas pela expressão de sentimentos religiosos, com figuras humanas estilizadas e gestos simbólicos que transmitiam emoções e significados espirituais. As cores vibrantes e a narrativa visual eram utilizadas para ensinar a fé e inspirar a devoção dos fiéis.

Em resumo, a arte gótica se destaca por sua verticalidade, luminosidade, decoracão detalhada e expressão de sentimentos religiosos, criando um estilo único e impactante que marcou a história da arte ocidental.

Descubra os 7 elementos principais da arte gótica neste guia informativo completo.

A arte gótica é um estilo artístico que surgiu na Europa durante a Idade Média, entre os séculos XII e XIV. Caracterizada por suas grandes catedrais e igrejas elaboradamente decoradas, a arte gótica reflete a grandiosidade e espiritualidade da época. Neste guia informativo completo, vamos explorar os 7 elementos principais da arte gótica: arquitetura, escultura, pintura, vitrais, iluminuras, tapeçaria e música.

A arquitetura gótica é um dos aspectos mais marcantes desse estilo artístico. As catedrais góticas são conhecidas por suas altas torres, arcos apontados e rosáceas impressionantes. A verticalidade é uma característica importante da arquitetura gótica, representando a ligação entre o céu e a terra.

A escultura gótica também desempenha um papel significativo na arte gótica, com figuras esculpidas em pedra que adornam as fachadas das igrejas. Os escultores góticos frequentemente representavam figuras religiosas e santos com expressões intensas e detalhes minuciosos.

A pintura gótica é outra forma de arte presente nesse período, com destaque para os afrescos e retábulos que decoravam o interior das igrejas. As pinturas góticas frequentemente retratavam temas religiosos com cores vibrantes e detalhes delicados.

Os vitrais são elementos distintivos da arte gótica, com janelas coloridas que filtram a luz do sol para criar um efeito místico no interior das catedrais. Os vitrais góticos frequentemente representavam cenas bíblicas com cores intensas e simbolismo religioso.

Relacionado:  Os 35 guitarristas mais famosos da história

As iluminuras são ilustrações decorativas presentes em manuscritos medievais, que eram elaboradamente decorados com padrões intrincados e detalhes delicados. As iluminuras góticas frequentemente apresentavam letras ornamentadas e figuras simbólicas.

As tapeçarias góticas eram tecidos decorativos que adornavam as paredes das igrejas e castelos. As tapeçarias góticas frequentemente retratavam cenas históricas e mitológicas com detalhes realistas e cores ricas.

Por fim, a música gótica era uma forma de arte importante nesse período, com corais polifônicos e melodias complexas que eram executadas nas catedrais. A música gótica frequentemente evocava uma sensação de misticismo e espiritualidade.

Em resumo, a arte gótica é um estilo artístico rico e diversificado, que incorpora uma variedade de elementos distintivos. Desde a arquitetura imponente das catedrais até as ilustrações detalhadas dos manuscritos, a arte gótica continua a fascinar e inspirar artistas e espectadores até os dias atuais.

As três fases da arte gótica: conheça os períodos que marcaram a história.

A arte gótica é um estilo artístico que surgiu na Europa durante a Idade Média, entre os séculos XII e XV. Caracterizada por seus arcos apontados, vitrais coloridos e esculturas detalhadas, a arte gótica se desenvolveu em três fases distintas: o gótico inicial, o gótico pleno e o gótico tardio.

No período do gótico inicial, que se estendeu do século XII ao XIII, as catedrais góticas começaram a ser construídas. Nesse momento, a arquitetura gótica era marcada por suas altas abóbadas, colunas esguias e rosáceas nas fachadas. As esculturas eram mais simples e as pinturas ainda seguiam o estilo românico.

A segunda fase, conhecida como gótico pleno, ocorreu entre os séculos XIII e XIV. Nesse período, as catedrais góticas atingiram o auge de sua grandiosidade, com vitrais gigantes que enchiam os espaços de luz colorida. As esculturas se tornaram mais complexas e detalhadas, retratando figuras religiosas e cenas bíblicas com grande realismo.

Por fim, o gótico tardio se estendeu do século XIV ao XV, marcado por uma maior ornamentação e detalhamento nas obras de arte. As catedrais góticas continuaram a ser construídas, porém com um estilo mais extravagante, repleto de detalhes florais e rendilhados. A pintura gótica tardia também se destacou, com a produção de retábulos e afrescos que retratavam temas religiosos com intensidade emocional.

Em resumo, as três fases da arte gótica refletem a evolução e a complexidade desse estilo artístico ao longo dos séculos. Da simplicidade e sobriedade do gótico inicial à exuberância e detalhamento do gótico tardio, a arte gótica deixou um legado duradouro na história da arte ocidental.

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura

A arte gótica era um estilo de arte medieval que se desenvolveu no norte da França, no século XII, liderado pelo desenvolvimento da arquitetura gótica. Além disso, foi caracterizada como uma arte que evoluiu do românico e durou até o final do século XVI em algumas áreas da Europa.

Arquitetura e artes menores, como pintura e escultura gótica, conseguiram se espalhar e florescer na Europa ocidental e central durante a Idade Média .

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura 1

Fonte: pixabay.com

O termo “gótico” foi cunhado pelos escritores clássicos da Renascença italiana , que atribuíram a invenção às tribos bárbaras góticas que destruíram o Império Romano e sua cultura clássica. De fato, o gótico para eles era sinônimo de “feiúra não clássica”.

Como a arte românica, a arte gótica era caracterizada como uma arte cristã e mariana profundamente religiosa por excelência; podendo observar nas esculturas, pinturas e até na essência simbólica dos vitrais góticos das catedrais.

Origem e História

Crise da Idade Média

Quando o Império Romano entrou em colapso em 475 DC. C, as tribos germânicas, ou os godos, absorveram o que restava do império antigo. No entanto, essas tribos não foram caracterizadas por sua unificação; caso contrário, eles brigavam entre si.

O medo fez com que o comércio parasse, a expansão da cultura e o declínio do progresso cultural, que começou a Idade das Trevas. O crescente medo fez a sociedade estagnar e parar de viajar, resultando no surgimento da sociedade medieval e feudal.

Durante esta fase da Idade Média, os trabalhadores eram responsáveis ​​pelo cultivo da terra, enquanto os senhores lhes davam proteção em troca, pois as áreas dos trabalhadores eram muitas vezes inseguras.

O obscurantismo medieval foi caracterizado como um período de atraso, com violenta estagnação intelectual. Por esse motivo, começou a construção de grandes castelos, que deram origem à arquitetura gótica, nomeada para as tribos bárbaras.

Primeiros desenvolvimentos da arte gótica

A arte gótica surgiu na França, no início do século XII, com a Igreja da Abadia de Saint Denis construída pelo Suger eclesiástico francês. O estilo se espalhou por toda a Europa, desde arquitetura, escultura monumental e de tamanho pessoal, até arte têxtil, pintura, vitrais e manuscritos iluminados.

Pensa-se que as ordens monásticas (especialmente os cistercienses e os cartuxos) foram os construtores importantes que espalharam o estilo e desenvolveram variantes por toda a Europa.

Uma grande parte da arte gótica durante o período era religiosa, encomendada pela igreja ou pelos leigos. Esse tipo de arte foi caracterizado por refletir as crenças dos eventos do Antigo e do Novo Testamentos. Por esse motivo, diz-se que o gótico foi a evolução da arte românica na Europa.

Muitos artistas e arquitetos da época reclamaram dos novos estilos bárbaros que estavam surgindo. Portanto, a palavra “gótico” foi atribuída como sinônimo do que era considerado confuso, monstruoso e bárbaro.

Caracteristicas

Tema cristão

A arte gótica era um estilo exclusivamente religioso. A Igreja Romana teve um grande peso no desenvolvimento deste estilo artístico. Não apenas permitiu que o público e seus líderes seculares se inspirassem, mas também estabeleceu a conexão entre religião e arte.

O período gótico coincidiu com um grande surgimento de devoção à Virgem Maria, onde as artes visuais tiveram um papel fundamental.

As imagens da Virgem Maria foram desenvolvidas a partir da arte bizantina, através da Coroação da Virgem, mas com características muito mais humanas e reais. Temas como os ciclos da vida da virgem eram muito populares na arte gótica.

A exibição de cenas de Cristo e seus sofrimentos foram muito populares; foram realizadas exposições de pinturas e esculturas de Jesus Cristo, geralmente exibindo as feridas de sua paixão como sinônimo de redenção humana, além dos santos e anjos que apareciam na arte gótica das igrejas.

Semelhanças e diferenças da arte românica

A arte românica era o estilo antecessor da arte gótica, também caracterizada por ser profundamente religiosa, representada por catedrais localizadas em todo o continente europeu.

Enquanto isso, os góticos recriavam catedrais emblemáticas cheias de luz, com grande altura como características principais e diferentes da arte românica.

Por outro lado, nas artes menores, como pintura e escultura, eles se separaram quase completamente da arquitetura românica; não apenas por suas diferenças de estilo, mas também por sua evolução particular.

Também cumpre a continuidade de certos elementos: o mosteiro permaneceu a principal instituição que apenas variava em certos detalhes e de adaptação a novas idéias de arte.

O piso das igrejas góticas continuava sendo uma cruz latina como o românico, com uma abside voltada para o leste. A diferença está na incorporação do transepto; uma nave central curta adicional em um piso cruzado latino, além de navios, capelas e giroscópios.

Importância da luz para a arte gótica

A arte gótica enfatizava o objetivo de libertar o homem das trevas e do pecado para aproximá-lo da luz. Os novos edifícios cristãos queriam convidar o homem a cumprir os valores religiosos da época.

Por esse motivo, as técnicas de construção gótica foram caracterizadas pela incorporação de luz dentro das igrejas. Para a sociedade da época, Deus era sinônimo de luz e iluminação artística.

Nesse sentido, a luz era física e não muito conformada pelas pinturas; Foi uma simulação da luz divina que veio do céu para iluminar os rostos dos fiéis.

Através da criação de vitrais, rosetas e com o jogo de cores marcantes, foi feito para se transformar em um espaço irreal e simbólico.

Arquitetura

Arquitetura gótica inicial

A Abadia Real de Saint Denis, localizada na França, acolheu a arquitetura gótica caracterizada por suas coroas de capela e vitrais que os construtores queriam imitar ao longo do século.

Nesta fase, queríamos continuar com o modelo das antigas igrejas românicas, mas com algumas mudanças, como as extensões elegantes, a cadeia de capelas e as populares janelas luminosas da arquitetura gótica.

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura 2

Por Eric Pouhier [CC BY-SA 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5)], do Wikimedia Commons

Outra característica importante é o chamado “cross vault”; formado pelo cruzamento de duas abóbadas pontiagudas. Todos os arcos têm suas coroas aproximadamente no mesmo nível, um feito que os arquitetos românicos não conseguiram.

Arquitetura gótica alta

Meio século após a formação da arquitetura gótica, em 1194, um grande incêndio destruiu a cidade de Chartres, na França, e sua catedral.

A única parte da catedral que foi salva foi a cripta, as torres ocidentais e o Portal Real. A partir daí, eles pensaram em sua reconstrução, observando que as roupas da virgem na cripta haviam permanecido intactas.

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura 3

Fonte: pixabay.com

A nova catedral de Chartres é considerada a primeira construção do alto estilo gótico. A marca do alto estilo gótico é o uso de altos contrafortes e a eliminação das paredes românicas.

Por outro lado, a nova elevação do alto navio tripartido de estilo gótico apresentava arco e flecha, trifório e grandes janelas. Com esse resultado, ele conseguiu obter muito mais luz do que as primeiras construções góticas.

Sugerir

Suger foi um abade francês, estadista e historiador, nascido em 1081, conhecido por ser um dos primeiros patronos da arquitetura gótica e que é creditado por popularizar o estilo.

Segundo algumas referências, Suger estava confiante nos reis franceses Louis VI e Louis VII, então eles decidiram confiar-lhe, por volta de 1137, a reconstrução da grande Igreja de Saint Denis; Uma igreja fúnebre para os monarcas franceses.

Suger começou com a reconstrução da fachada carolíngia e projetou outra para ser um eco do Arco Romano de Constantino, com sua divisão em três partes, além de grandes portais para aliviar o congestionamento.

Por outro lado, ele desenhou um coro no qual colocou vitrais com a intenção de trazer luz para dentro. Além disso, ele projetou o arco pontudo e o cofre com nervuras.

Relacionado:  Arquitetura no romantismo: origem, características e obras

A Abadia Real de Saint Denis

A Abadia Real de Saint Denis é uma igreja medieval localizada em um subúrbio do norte de Paris. A igreja tem uma importância histórica e arquitetônica; Seu coro, concluído em 1144, mostra o primeiro uso dos elementos da arquitetura gótica.

É conhecido por ser o primeiro templo construído em estilo gótico pela mão do renomado Suger, além de ser o local de sepultamento da monarquia francesa.

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura 4

Por Arnaud 25 [Domínio público], do Wikimedia Commons

Graças a este templo, os vitrais foram introduzidos à arte gótica, que permitia o acesso à luz natural, causando efeitos visuais ao passar pelas cores marcantes do vidro.

Pintura

Características gerais da pintura gótica

A pintura gótica era caracterizada por suas formas rígidas, simples e, em alguns casos, naturais. Começou a ser usado para decorar o retábulo (painel ornamental atrás do altar), principalmente com cenas e figuras do Novo Testamento, da paixão de Cristo e da Virgem Maria.

A cor dourada foi usada como pano de fundo das pinturas, com uma decoração refinada com detalhes detalhados. Mais tarde, as pinturas estavam mudando de tema para menos religioso e mais cavalheiresco com os eventos históricos.

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura 5

Por Jjrodriguezp (Juan J. Rodriguez) [CC BY-SA 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.5)], do Wikimedia Commons

Além disso, temas religiosos e seculares foram retratados em manuscritos iluminados com estilos góticos.

O uso do vidro cresceu na Europa devido aos trabalhos artísticos feitos com esse material, além de ser utilizado em grandes extensões, como rosetas e janelas. Para pintar o vidro, tinta preta, foram usadas cores brilhantes e, posteriormente, o uso do amarelo foi aumentado.

Duccio

Duccio Buonunsegna foi um dos maiores pintores italianos da Idade Média e fundador da escola de Siena. A arte de Duccio foi baseada na tradição ítalo-bizantina, reformada por uma evolução clássica, com uma nova espiritualidade do estilo gótico.

A maior de todas as suas obras é o retábulo da catedral de Siena, conhecida como “Maestà”. O estilo de Duccio era semelhante ao da arte bizantina, com fundo dourado e cenas religiosas familiares. O pintor gótico italiano conseguiu conquistar o meio ambiente graças à sua precisão e delicadeza.

Maestà

La Maestà é um retábulo composto por uma série de pinturas individuais encomendadas pela artista italiana Duccio pela cidade de Siena, entre 1308 e 1311, localizadas na Catedral de Siena, na Itália.

Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura 6

Duccio di Buoninsegna [Domínio público], via Wikimedia Commons

Os painéis frontais compõem uma grande Virgem com uma criança cercada por santos e anjos, além de uma cena de infância de Cristo com os profetas.

Escultura

Características gerais da escultura gótica

A escultura gótica estava intimamente ligada à arquitetura por seu uso para decorar o exterior das catedrais. As primeiras esculturas góticas eram figuras de pedra dos santos da Sagrada Família e decoravam as portas das catedrais.

Durante os séculos XII e XIII, as esculturas tornaram-se mais relaxadas e naturalistas em seu tratamento, em comparação com a escultura românica.

Embora a escultura retivesse a monumentalidade do românico, eles tinham rostos e figuras individualizados, além de gestos naturais que mostram um equilíbrio clássico que sugere uma consciência dos antigos modelos romanos.

No século XIV, a escultura gótica se tornou mais refinada, elegante e delicada. Ele se espalhou por toda a Europa e era conhecido como “estilo gótico internacional”.

Veit Stoss

Veit Stoss foi um dos maiores e mais renomados escultores e entalhadores da Alemanha do século XVI e característico do final do gótico.

Seu estilo enfatizava o pathos e a emoção, ajudados por um trabalho virtuoso de cortinas onduladas. Stoss é conhecido por ter feito o retábulo na Basílica de Santa Maria em Cracóvia, Polônia; um altar majestoso esculpido em madeira e pintado entre 1477 e 1489.

A escultura do gótico tardio, ou gótico internacional, revela uma moderação maior. Sua clareza de composição foi além do monumental, embora Stoss tenha conseguido fazer grandes esculturas em madeira pintada.

Retábulo da Basílica de Santa Maria

A Basílica de Santa Maria, em Cracóvia, Polônia, de estilo gótico, é fundamentalmente conhecida pelo retábulo de madeira pintado feito pelo alemão Veit Stoss no final do século XV.

A escultura consistia em um tríptico esculpido em madeira e conhecido por ser um dos maiores retábulos do mundo. Tem aproximadamente 13 metros de altura e 11 metros de largura quando os painéis de tríptico estão completamente abertos.

As figuras realistas esculpidas têm aproximadamente 2,7 metros de altura e cada uma foi esculpida em um tronco de tília. Quando os painéis são fechados, são exibidas doze cenas da vida de Jesus e Maria.

Referências

  1. Arte gótica, editores da Encyclopedia Britannica, (sd). Retirado de britannica.com
  2. Arte gótica, Wikipedia em inglês, (nd). Retirado de Wikipedia.org
  3. Arte Gótica, Portal Encyclopedia of Art History, (sd). Extraído de visual-arts-cork.com
  4. Arte gótica, editores da Enciclopédia do Novo Mundo, (sd). Retirado de newworldencyclopedia.org
  5. Veit Stoss, editores da Encyclopedia Britannica, (sd). Retirado de Britannica.com
  6. Escultura Gótica, Portal Encyclopedia of Art History, (sd). Extraído de visual-arts-cork.com

Deixe um comentário