As 21 lendas mexicanas mais populares

As curtas lendas mexicanas são anedotas folclóricas da tradição oral que são transmitidas de voz em voz e, portanto, não têm um autor específico. São histórias sobre eventos naturais ou sobrenaturais que nasceram em tempos e lugares reais, dando credibilidade às histórias.

Eles costumam falar sobre milagres ou eventos históricos embelezados pelo vox populi . Dentro das lendas o mito entra; Isso conta histórias sobre deuses e faz parte da tradição religiosa ancestral das civilizações antigas. Por seu lado, a lenda em geral fala sobre eventos cotidianos que aconteciam com pessoas comuns.

As 21 lendas mexicanas mais populares 1

Ilha dos bonecos, Xochimilco

Conhecer as lendas de um povo é conhecer em grande parte sua cultura, porque nas lendas podem ser observados os interesses, o folclore, os valores ou até os medos do grupo de pessoas que os compartilham. No México, essa tradição vocal descende dos tempos pré-hispânicos.

Naquela época, a história oral era o método preferido para compartilhar conhecimento sobre a história e a origem de algumas tradições. Por outro lado, durante a era do vice-jurídico – com a chegada do catolicismo – começou a tradição de lendas sobre milagres ou fantasmas da sepultura.

Com o passar do tempo, esse costume foi usado para espalhar misteriosos eventos diários, criando assim a lenda urbana que também é compartilhada de alto-falante para alto-falante. A seguir, é apresentada uma lista de lendas mexicanas, segmentadas de acordo com sua origem histórica.

Lista das lendas curtas mais conhecidas do México

A ilha dos bonecos

As 21 lendas mexicanas mais populares 2

No canal turístico de Xochimilco, na Cidade do México, há um lugar completamente coberto por milhares de bonecas. O proprietário da área, Don Julián, colocou-os por toda a ilha para espantar o espírito de uma garota que morreu afogada entre os lírios e o perseguiu à noite.

Com o tempo, o local atraiu um grande número de visitantes, que trouxeram a Don Julián mais bonecas para proteção. Quando ficou mais velho, Don Julian disse que uma sereia do rio o visitava há muito tempo para levá-lo. Quando o homem morreu de parada cardíaca, seu corpo foi encontrado pela água.

Engomar

As 21 lendas mexicanas mais populares 3

Eulalia, uma enfermeira gentil e paciente, trabalhava no hospital Juarez, na Cidade do México. Todos a reconheceram por sua boa atitude, seus cuidados e suas roupas impecáveis ​​e sempre bem passadas.

No hospital, ele se apaixonou por um médico, com quem prometeu se casar; no entanto, ele nunca disse que já estava noivo. Após a decepção, Eulália ficou doente, negligenciou seus pacientes e finalmente morreu.

Milhares de pessoas que choram na cidade alegaram ter sido tratadas pela enfermeira, que agora percorre o hospital como uma alma dolorida, cuidando dos pacientes que precisam.

O charro preto

As 21 lendas mexicanas mais populares 4

Diz a lenda que à noite, próximo às estradas das aldeias, geralmente aparece um homem vestido de charro montado em um belo cavalo preto. Se você é gentil com ele e ele pode acompanhá-lo até sua casa, ele o deixará em paz e continuará seu caminho.

No entanto, em uma ocasião, Adela, uma jovem despreocupada, encontrou-o enquanto vagava. Para aliviar o ritmo, ele pediu ao homem que subisse no cavalo. Quando ele cavalgou, o cavalo aumentou de tamanho e pegou fogo; o charro revelou sua identidade: era o diabo.

Ao ouvir os gritos da jovem, os vizinhos foram embora, mas não puderam fazer nada e a viram queimar diante dos olhos. Ela agora era de propriedade do diabo, que a levou enquanto queimava.

O chupacabra

As 21 lendas mexicanas mais populares 5

Em meados dos anos 90, um grupo de camponeses mexicanos entrou em pânico; à noite, uma criatura estranha atacava o gado, sugando o sangue de cabras e vacas. Todos os animais tinham as mesmas características: uma mordida no pescoço.

O pânico foi tal que os biólogos americanos começaram uma investigação a esse respeito. Eles concluíram que não havia espécies animais com as características do suposto chupacabra e que provavelmente era um coiote; no entanto, existem centenas de fotografias e vídeos da estranha criatura que ainda não foram explicados.

A Fundação Tenochtitlan

As 21 lendas mexicanas mais populares 6

Tenochtitlan, fundada pelo Mexica.

Aproximadamente durante o século VI, o povo de Aztlán – hoje no norte do México – abandonou suas terras e iniciou uma enorme peregrinação confiada por Huitzilopochtil, sua principal divindade, em busca da terra prometida.

Para saber que eles estavam no lugar certo, Huitzilopochtli lhes enviava um sinal: uma águia dourada em pé em um grande cacto comendo uma cobra. Vendo essa visão, os astecas começaram a construção da grande cidade que seria chamada Tenochtitlan.

Como prometera Huitzilopochtli, a área era generosa, pois sua água abundante lhes dava vantagens econômicas e até militares. O Império Asteca seria poderoso e dominaria grande parte da Mesoamérica.

Atualmente, essa visão da águia no cacto está incorporada no escudo da bandeira mexicana.

A lenda dos vulcões

As 21 lendas mexicanas mais populares 7

Popocatepetl

Nos tempos do poderoso Império Asteca, suas cidades vizinhas eram sujeitas a prestar homenagem. Os tlaxcalanos, grandes inimigos dos astecas, estavam fartos dessa situação e decidiram se levantar.

Popocatepetl, um dos grandes guerreiros tlaxcaltecanos, decidiu pedir a mão de seu amado Iztaccíhuatl, a linda filha de um grande chefe. O pai aceitou e, se ele voltasse vitorioso da batalha, o casamento aconteceria.

Durante a ausência de Popocatepetl, um homem ciumento anunciou falsamente à senhora que sua amada havia morrido; Depois de alguns dias, Iztaccíhuatl morreu de tristeza. Quando o guerreiro voltou vitorioso, ele foi recebido com as trágicas notícias.

Para honrar sua memória, ele se juntou a 10 colinas e colocou sua amada no topo; ele carregava uma lanterna com ele e a guardava para sempre. Esta lenda conta a origem dos vulcões Popocatépetl e Iztaccíhuatl – a mulher adormecida -, que permaneceram juntos para sempre.

Flor de Cempasúchil

As 21 lendas mexicanas mais populares 8

A história de Xóchitl e Huitzilin, dois jovens astecas apaixonados, começou desde a infância, quando ambos subiam as colinas e ofereciam flores a Tonatiuh, o deus do sol. Na idade, Huitzilin teve que cumprir seus deveres como guerreiro e deixar sua aldeia para lutar.

Infelizmente, o jovem morreu em batalha. Ao ouvir isso, Xóchitl escalou uma montanha e implorou a Tonatiuh que permitisse que eles ficassem juntos. Então, o deus do sol lançou um raio para ela, transformando-a em uma linda flor de laranjeira brilhante.

Relacionado:  As 5 principais bebidas típicas de Yucatán

Huitzilin, na forma de um beija-flor, se aproximava para beijar Xóchitl transformado em uma flor. Essa é a origem da flor cempasúchil, usada na tradição pré-hispânica para guiar os mortos ao mundo dos vivos.

A chorona

As 21 lendas mexicanas mais populares 9

Talvez a lenda mexicana mais popular. Ele fala de uma mestiça que teve três filhos com um importante cavalheiro espanhol fora do casamento. Depois de anos pedindo que ela formalizasse o relacionamento, a mulher sabia que o cavalheiro se juntara a uma senhora espanhola da classe alta.

Como vingança, a mestiça levou seus filhos ao rio para afogá-los; mais tarde, ela tirou a própria vida por culpa. Sua alma doía pelas ruas da cidade por toda a eternidade, gritando de tristeza por matar seus filhos.

O beco do beijo

As 21 lendas mexicanas mais populares 10

Na cidade de Guanajuato, morava a nobre sra. Carmen, que se apaixonou pelo jovem Luis. O pai de Carmen, um homem violento, discordou desse amor e avisou sua filha para levá-la à Espanha para se casar com um homem rico. A dama da companhia alertou Luis sobre o que aconteceu.

Don Luis, desesperado, comprou a casa em frente à de Carmen. Um beco estreito ligava as janelas de ambas as casas; lá fora, os amantes se reuniam para planejar uma fuga, mas o pai de Carmen os descobriu e enfiou uma adaga no peito da filha. Enquanto a jovem morreu, Luis só conseguiu beijar a mão dela da janela.

O mulato de Córdoba

As 21 lendas mexicanas mais populares 11

Durante o tempo da Inquisição, no estado de Veracruz viveu um belo jovem mulato. Como as outras mulheres a advertiram por sua beleza, ela foi acusada de bruxaria, mas as autoridades cristãs não encontraram evidências contra ela.

Pouco depois, o prefeito de Córdoba se apaixonou por ela, mas nunca foi retribuído. Enfurecido, ele acusou a mulher de fazer um pacto com o diabo para fazê-lo se apaixonar; Devido a suas acusações anteriores, desta vez ela foi considerada culpada e sentenciada à estaca.

Na noite anterior à sua execução, trancado em uma masmorra, ele pediu ao guarda um pedaço de carvão; Com isso, ele desenhou um barco grande. Impressionado, o guarda disse que ele parecia tão real que só precisava andar; então o mulato entrou no navio e desapareceu.

A árvore de vampiro

As 21 lendas mexicanas mais populares 12

Quando a Nova Espanha ainda era território de aventura para os navegadores europeus, um inglês chegou à cidade de Belém, em Guadalajara. Após sua chegada, o homem estava reservado e solitário; suspeitosamente, os animais começaram a morrer e as crianças sem vida e sangrando apareceram.

Uma noite, armados de coragem, os moradores procuraram a pessoa responsável pelos assassinatos. Um grito saiu de uma cabana: o inglês havia mordido um camponês. A multidão o confrontou, enfiou uma estaca e empilhou dezenas de tijolos por cima.

Diz a lenda que uma árvore brotou dos tijolos, graças à madeira da estaca. Os moradores dizem que se um galho é arrancado da árvore, ele sangra como as vítimas.

A rua dos queimados

As 21 lendas mexicanas mais populares 13

Durante o período colonial, uma família espanhola chegou à Nova Espanha. A filha do casamento, uma menina de 20 anos, atraiu imediatamente todos os homens ricos, que queriam se casar com ela. Mas foi um marquês italiano que decidiu conquistá-lo.

Todos os dias ela posava embaixo da varanda, duelando com qualquer homem que a amasse. Todas as manhãs, apareciam corpos sem vida de transeuntes inocentes que ousavam passar pela janela. Preocupada por causar essas mortes, a jovem decidiu desfigurar seu rosto.

Ele colocou o rosto perto do carvão queimando, apagando assim todos os vestígios de sua beleza. No entanto, o marquês continuou com sua proposta, porque garantiu que a amava por dentro.

Movida, a jovem concordou em ser sua esposa. Ele passou o resto da vida escondendo o rosto com um véu preto; a rua da varanda era famosa em sua homenagem.

Ônibus fantasma

As 21 lendas mexicanas mais populares 14

Em uma noite chuvosa, um ônibus viajava pela estrada que vai de Toluca a Ixtapan de la Sal, uma cidade mágica localizada ao sudoeste da Cidade do México.

Os passageiros estavam dormindo e o motorista tentou manter o controle, dada a grande quantidade de chuva e a umidade da estrada. Ao atingir a altura das curvas de Calderón, os freios do ônibus não reagiram e o carro voou através de um barranco.

Todos os passageiros morreram; aqueles que não morreram como resultado do impacto morreram queimados pelas chamas.

A lenda do ônibus fantasma refere-se a esse fato e indica que um ônibus muito antiquado geralmente passa por essa estrada, cheio de passageiros que não dizem uma palavra e estão bem vestidos.

Segundo a lenda, este ônibus pára a pedido de passageiros regulares. Quando os passageiros que ele pegou chegam ao seu destino, o motorista pede que desçam sem olhar para trás. Dizem que quem obedecer a esse pedido ouvirá apenas o ônibus sair, embora não seja possível vê-lo novamente.

Por outro lado, aqueles que ignoram e olham para trás, apesar da solicitação do motorista, o cenário que os passageiros verão será um ônibus cheio de corpos agredidos daqueles que morreram naquele ônibus, e não será mais possível descer do ônibus. .

Hospital fantasmagórico

As 21 lendas mexicanas mais populares 15

Esta lenda se refere a um antigo hospital que não existe mais e estava localizado em Morelia, no estado de Michoacán.

Dizem que vários episódios cheios de dor e sofrimento ocorreram naquele hospital, e a lenda indica que todas as noites se ouvem os gritos das pessoas que morreram ali ou que viveram o desenvolvimento de uma doença.

Na imaginação coletiva, há informações sobre um caso específico relacionado a este hospital. Foi uma mulher que recebeu um transplante de rim lá. Felizmente, o corpo da mulher rejeitou o rim, então ela perdeu a paciência e se jogou através de uma das janelas do hospital.

Uma das histórias associadas a este hospital é que é possível ver essa mulher olhando pela janela, anos antes de ser lançada.

Mão peluda

As 21 lendas mexicanas mais populares 16

Dizem que no começo dos anos 1900 um homem com o sobrenome Horta morava em Puebla. Ele possuía uma montanha piedosa.

Relacionado:  Os 5 Jogos Tradicionais Mais Populares de Campeche

As montanhas piedosas eram uma espécie de dinheiro arrecadado por meio de contribuições ou descontos feitos a pessoas que faziam parte de uma organização, para servir de apoio destinado ao uso de esposas e filhos, caso o homem morresse.

Acontece que o Sr. Horta foi caracterizado por ser muito ganancioso e errado. Ele era muito desaprovado na cidade e muitas pessoas lhe desejavam coisas ruins. Havia um desejo comum, proclamado por todos que passavam perto do estabelecimento, e esperavam que Deus secasse sua mão.

A lenda diz que, eventualmente, isso aconteceu, uma vez que o Sr. Horta morreu, sua mão escureceu e ficou muito rígida, uma superfície de cabelo cresceu nas costas e os anéis que ele sempre usava acabavam se unindo à pele. .

Esta mão é o protagonista da lenda, pois pessoas diferentes juram ter visto uma mão peluda que sai do túmulo do Sr. Horta, sem estar presa a nenhum corpo, e se move em busca de quem prejudicar.

Anel de Alba

As 21 lendas mexicanas mais populares 17

Dona Alba era uma mulher rica, cuja única falta era não ter filhos. Dizem que uma noite, quando ele tinha 80 anos, Alba sonhava muito claramente como ele iria morrer.

Depois desse sonho, ele confiou ao padre de sua paróquia que, uma vez morto, ele seria responsável por distribuir sua abundante herança entre as pessoas da cidade em que ela morava.

A senhora morreu e, enquanto a vigília e o enterro aconteciam, um dos dois agentes funerários que moviam o corpo ficou muito atraído por um anel grande que Alba estava usando.

Depois de tê-la enterrado, esses dois coveiros foram ao cemitério e desenterraram a sra. Alba. Ao alcançá-la, perceberam que a mão de Alba estava fechada e o anel não podia ser removido.

Sem escrúpulos, os agentes funerários cortaram o dedo de Alba onde estava o anel e foram embora. Quando estavam prestes a sair do cemitério, os dois ouviram um grito ensurdecedor.

Um dos coveiros nunca voltou; o outro, antes de fugir, mal podia se virar e observar a imagem aterradora de Dona Alba apontando a mão com o dedo amputado.

Os religiosos da catedral

As 21 lendas mexicanas mais populares 18

Esta história é enquadrada em um convento localizado em Durango, no período em que ocorreu a intervenção da França no território mexicano. Dizem que uma freira que morava lá se apaixonou por um soldado francês.

Os religiosos sempre viam o soldado francês, mas nunca ousavam falar com ele. Nesse contexto, o exército mexicano apareceu, que emboscou a área e capturou o soldado francês.

O mais dramático da história é que essa freira da janela viu como o soldado francês foi baleado. A lenda diz que isso foi tão ruim para os religiosos que ele decidiu terminar sua vida jogando-se de uma janela do convento com vista para o pátio.

Segundo a lenda, a silhueta deste religioso pode ser vista na torre do sino do convento hoje.

O balanço do diabo

As 21 lendas mexicanas mais populares 19

Esta lenda está localizada no município de Tecozautla, localizado no estado de Hidalgo e muito próximo ao estado de Querétaro.

Diz-se que para chegar à estrada principal da região é necessário passar por uma estrada em que, segundo os moradores de Tecozautlza, sempre haja ruídos estranhos e chocantes.

Há uma anedota concreta relacionada a um evento que aconteceu nesta área. Acontece que dois jovens caminhavam à noite naquela estrada, tão temidos pelo público em geral. Quando chegaram a algumas colinas, viram que havia um balanço entre eles e um homem estava sentado nesse balanço, balançando.

Segundo a lenda, esse homem tinha uma aparência particular: ele era muito branco e magro, e toda vez que balançava ele gritava terrivelmente, embora um sorriso estivesse congelado em seu rosto.

Os jovens estavam prestes a fugir quando viram que atrás do homem uma figura fantasmagórica e negra apareceu, o abraçou e os dois pegaram fogo. Eles foram completamente consumidos, porque sob o balanço as cinzas foram deixadas.

A explicação dada pelo povo da cidade é que esse homem havia vendido sua alma ao diabo há muito tempo e que o diabo só esperava ter testemunhas para finalmente também levar o corpo do homem condenado.

A maldição de Juan Manuel de Solórzano

As 21 lendas mexicanas mais populares 20

O centro histórico da Cidade do México é uma rua chamada República do Uruguai. Nesta rua, há uma casa muito antiga, desde a época do vice-reinado que o México vivia; Don Juan Manuel de Solórzano, um homem rico que saiu para sua esposa, morava naquela casa.

Um dia ele soube que sua esposa o estava traindo com outro, que ele também era sobrinho; Essa notícia foi muito ruim e, em meio à repulsa, Dom Juan decidiu vender sua alma ao diabo.

O pedido do diabo que era Dom Juan sairia com uma faca e mataria o primeiro que encontrasse; Segundo o diabo, esse homem seria sobrinho. Don Juan, que nunca havia matado ninguém, o fez; No entanto, ficou aterrorizado ao descobrir que aquele que matara não era seu sobrinho, mas um estranho.

Após esse crime, Dom Juan Manuel de Solórzano decidiu se enforcar com uma corda em um castiçal que tinha em casa, porque não podia com pesar e temido pelas conseqüências sociais e legais.

A lenda diz que é possível ver Don Juan pelas ruas do centro histórico da Cidade do México, que procura seu sobrinho e pede ao diabo que honre a promessa que fez anos atrás.

Caverna Macuiltépetl

As 21 lendas mexicanas mais populares 21

Esta caverna está localizada na colina Macuiltépetl, localizada na cidade de Xalapa, no estado de Veracruz. Na base da colina existem várias cavernas, algumas mais profundas que outras.

Há uma caverna em particular que chama a atenção devido à sua extensa profundidade. Dizem que dentro dela existem riquezas sem igual, mas elas só estão disponíveis uma vez por ano e apenas para uma pessoa que precisa delas com muita urgência.

Há uma anedota que nos diz que existia uma mulher de recursos limitados cuja filha estava muito doente. A mulher havia perdido todo o seu dinheiro pagando médicos que, no final, não curaram a filha.

Relacionado:  Como são as roupas dos Awá?

Todas as economias da mulher foram perdidas, então ela não teve que se alimentar ou alimentar a filha, a quem carregava nos braços. Nesse contexto, a mulher foi à cidade de Xalaca para pedir doações.

Enquanto caminhava, a mulher viu tons brilhantes dentro de uma das cavernas. Ele se aproximou com curiosidade e descobriu que havia muitos dobrões de ouro espanhóis, moeda antiga.

Diante de tanta riqueza, a mulher começou a coletar tudo o que podia. Como ele não podia segurar sua filha, ele pegou os tesouros que cabiam em seus braços e foi deixá-lo em um lugar seguro; Leva-me a noite toda para ir e vir. A mulher voltou no dia seguinte e, quando chegou ao mesmo lugar, não encontrou a caverna ou a filha.

Os portões do inferno em Yucatán

As 21 lendas mexicanas mais populares 22

Esta lenda conta uma história que aconteceu em uma fazenda localizada em Cholul no final do século XIX. Dois fazendeiros que moravam naquela fazenda escolheram se casar; Os nomes deles eram Maria e Juan.

Um dia antes do casamento, Juan estava trabalhando no campo e, quando voltou, soube que o capataz da fazenda havia estuprado Maria. Juan desencadeou, que foi procurar o capataz em sua casa e, sem dizer uma palavra, a matou com um golpe de facão na cabeça.

Juan era um homem com bons sentimentos, então, depois de matar o capataz, sentiu uma terrível culpa, tão terrível que ele queria morrer enforcado ali. A notícia chegou aos ouvidos dos pais de Juan, que aborreceram e lançaram uma terrível maldição na fazenda.

Dizem que atualmente na fazenda escurece muito mais cedo do que nos arredores, e que à noite há gemidos e lamentos. A popularidade desta fazenda é tal que alguns moradores afirmam ter visto nela vários grupos que praticam práticas relacionadas a rituais satânicos.

Essa fazenda tem sido chamada de portões do inferno, porque, como os locais indicam, na entrada da sala há um aviso que acolhe Satanás.

O fantasma da freira

As 21 lendas mexicanas mais populares 23

No século XVI, viveu uma jovem chamada María de Ávila. Apaixonou-se por outro jovem mestiço cujo nome era Arrutia, que realmente só seria algemado com Maria por seu status social e riqueza.

Maria tinha dois irmãos, chamados Alfonso e Daniel; eles decifraram as intenções do jovem e o proibiram de se relacionar com a irmã. Arrutia ignorou, até que Alfonso e Daniel lhe ofereceram uma grande quantia em dinheiro, após o que Arrutia saiu.

Maria não sabia mais nada sobre Arrutia, que saiu inesperadamente. Isso o fez sofrer de uma forte depressão que durou dois anos. Diante disso, seus irmãos tomaram a decisão de interná-lo no Antigo Convento da Conceição, atualmente localizado na Rua Belisario Dominguez, no centro histórico da Cidade do México.

Lá, Maria passou todos os dias rezando, especialmente pedindo Arrutia. Um dia ele não suportou a depressão e se enforcou em uma árvore no pátio do convento. Desde sua morte, diz-se que seu espectro está ao redor dos jardins do convento e aparece no reflexo das águas.

Além disso, a história conta que sua forma fantasmagórica foi encontrar Arrutia e o matou, para que ele pudesse ficar com ele para sempre.

O povo do milho

Segundo a tradição maia, quando o grande criador Hunab Ku fez o mundo, havia apenas plantas, mares e animais, então ele se sentiu sozinho. Para melhorar sua situação, ele criou o primeiro povo da lama; no entanto, estes eram frágeis e facilmente quebráveis.

Numa segunda tentativa, ele fez pessoas de madeira; Eles eram fortes e bonitos, mas não falavam e, portanto, não podiam adorar seus deuses, então Hunab Ku lançou um grande dilúvio e tentou criá-lo pela última vez.

Na terceira ocasião, ele criou o povo do milho. Eram de cores diferentes, sabiam tudo e viam tudo, causando inveja aos deuses. O criador os cegou colocando névoa nos olhos, para que eles não pudessem mais ver as divindades, apenas venerá-las.

Lenda de Nossa Senhora da Solidão e a Mula

As 21 lendas mexicanas mais populares 24

De acordo com essa lenda de Oaxaca, um mulero viajou para a Guatemala das ruas de Oaxaca; O ano era 1620. Embora ele tivesse várias mulas, o homem percebeu que havia mais uma, com uma grande carga, que ele não sabia de quem ou de onde era.

Quando as mulas e a mula chegaram ao Eremitério de San Sebastián (Chiapas), a misteriosa mula caiu no chão de quão cansada estava. Como o artilheiro não sabia nada sobre a mula e não queria se meter em problemas, chamou a polícia, que abriu o pacote que o animal carregava.

Eles ficaram surpresos ao descobrir que a mula carregava um crucifixo, uma imagem da Virgen de la Soledad e uma placa com a frase “A Virgem da Cruz”. Dizem que, depois de conhecer o evento, o bispo Bartolomé Bojórqueza decidiu começar a construir um santuário em homenagem à Virgem.

Assuntos de interesse

As ruas das cidades coloniais e suas lendas .

Lendas da Guatemala .

lendas maias .

lendas argentinas .

lendas colombianos .

Lendas de Jalisco .

Lendas de Guanajuato .

Lendas do Durango .

Lendas do Chihuahua .

Lendas do Campeche .

Lendas de Chiapas .

Lendas da Baja California Sur .

Lendas de Aguascalientes .

Lendas de Veracruz .

Referências

  1. Arqueologia Mexicana (2016) A criação dos homens segundo Popol Vuh. Arqueologia Mexicana Recuperado de arqueologiamexicana.mx
  2. Conteúdo (s) 6 Lendas Terríveis da Colônia. Conteúdo Recuperado de content.com.mx
  3. El Universal (2013) As 10 lendas mais famosas do México. Jornal online El Zócalo. Recuperado de zocalo.com.mx
  4. Herz, M. (2017) A lenda da fundação de Tenochtitlán. Inside Mexico Recuperado de inside-mexico.com
  5. Herz, M. (2017) A lenda da flor Cempasuchil. Inside Mexico Recuperado de inside-mexico.com
  6. Canal da História (sf) A Ilha Escura das Bonecas. Sua História Recuperado de tuhistory.com
  7. Orozco, C. (2017) A lenda de Popocatepetl e Iztaccíhuatl: uma história de amor. Inside Mexico Recuperado de inside-mexico.com
  8. Rodríguez, N. (sf) As lendas e histórias urbanas mais assustadoras do México. Ranker Recuperado de Ranker.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies