Ascomicetes: características, nutrição, habitat, reprodução

As ascomicetes são um grupo de fungos que pertencem ao filo Ascomycota, caracterizados pela presença de estruturas reprodutivas chamadas ascósporos. Esses fungos possuem uma grande diversidade de formas e tamanhos, sendo encontrados em diversos ambientes, desde solos até parasitando plantas e animais.

Quanto à nutrição, as ascomicetes são heterotróficas, ou seja, obtêm seus nutrientes a partir da decomposição de matéria orgânica, sendo essenciais para a reciclagem de nutrientes no ecossistema. Além disso, algumas espécies são parasitas de plantas e animais, causando doenças em seus hospedeiros.

No que diz respeito ao habitat, as ascomicetes podem ser encontradas em ambientes terrestres e aquáticos, sendo capazes de sobreviver em condições adversas, como baixas temperaturas e altas concentrações de sal.

Quanto à reprodução, as ascomicetes se reproduzem assexuadamente por meio de esporos, que são liberados pelas estruturas reprodutivas chamadas ascos. Além disso, muitas espécies também se reproduzem sexualmente, formando ascósporos a partir da fusão de gametas de diferentes indivíduos.

Entenda o processo de reprodução dos ascomicetos de forma simples e clara.

Os ascomicetos são um grupo de fungos que se caracterizam por possuírem estruturas reprodutivas chamadas ascos. Esses fungos podem ser encontrados em diversos habitats, como solo, plantas e até mesmo em seres humanos. Sua nutrição é principalmente saprófita, ou seja, se alimentam de matéria orgânica em decomposição.

O processo de reprodução dos ascomicetos ocorre de forma sexuada e assexuada. Na reprodução sexuada, ocorre a formação de um asco que contém ascósporos, que são células reprodutivas. Esses ascósporos são liberados e podem germinar em um novo organismo. Já na reprodução assexuada, os ascomicetos podem se reproduzir por meio de esporos que se desenvolvem em condições favoráveis.

Um exemplo de ascomiceto é o Penicillium, um fungo utilizado na produção de antibióticos. Outro exemplo é o Aspergillus, que pode causar infecções em seres humanos. Os ascomicetos desempenham um papel importante no ecossistema, atuando na decomposição de matéria orgânica e na ciclagem de nutrientes.

Eles podem ser encontrados em diversos ambientes, se alimentando de matéria orgânica em decomposição. Sua reprodução ocorre de forma sexuada e assexuada, desempenhando um papel fundamental no equilíbrio dos ecossistemas.

Características principais dos ascomicetos: conheça as características mais marcantes desses fungos ascomicetos.

Os ascomicetos são um grupo de fungos que se destacam por algumas características principais. Eles são conhecidos por possuírem estruturas reprodutivas chamadas ascos, onde ocorre a produção de esporos. Além disso, esses fungos apresentam uma grande diversidade de formas e tamanhos, podendo ser encontrados em diferentes ambientes, como solos, plantas e até mesmo animais.

Em relação à nutrição, os ascomicetos são principalmente saprófitos, ou seja, se alimentam de matéria orgânica em decomposição. No entanto, também existem espécies parasitas e algumas que estabelecem relações simbióticas com plantas, como os liquens. Essa versatilidade na forma de obtenção de alimento contribui para a ampla distribuição desses fungos no ambiente.

No que diz respeito ao habitat, os ascomicetos podem ser encontrados em praticamente todos os ecossistemas terrestres, desde florestas até desertos. Eles desempenham um papel fundamental na decomposição da matéria orgânica, contribuindo para a reciclagem de nutrientes e manutenção do equilíbrio ambiental.

Quanto à reprodução, os ascomicetos se reproduzem de forma sexuada e assexuada. Na reprodução sexuada, ocorre a formação de ascos, onde os esporos são produzidos e dispersos para dar origem a novos indivíduos. Já na reprodução assexuada, a multiplicação ocorre por meio de esporos ou células especializadas, como conídios.

Essas características fazem dos ascomicetos um grupo fascinante e fundamental para o equilíbrio dos ecossistemas.

De que forma os ascomicetos obtêm nutrientes para seu desenvolvimento e sobrevivência?

Os ascomicetos são um grupo de fungos que se caracterizam pela presença de estruturas reprodutivas denominadas ascos, onde ocorre a formação de esporos. Eles podem ser encontrados em uma variedade de habitats, desde solos até ambientes aquáticos. Para seu desenvolvimento e sobrevivência, os ascomicetos obtêm nutrientes de diferentes formas.

Relacionado:  Bacteroides fragilis: características, morfologia, patologias

Uma das principais formas de obtenção de nutrientes pelos ascomicetos é por meio da decomposição de matéria orgânica. Eles possuem enzimas que são capazes de quebrar moléculas complexas em compostos mais simples, os quais são absorvidos pelas hifas do fungo. Dessa forma, os ascomicetos desempenham um papel fundamental na reciclagem de nutrientes no ambiente.

Além da decomposição, os ascomicetos também podem estabelecer relações simbióticas com plantas, formando associações conhecidas como micorrizas. Nesse tipo de relação, os fungos fornecem nutrientes para as plantas, enquanto recebem compostos orgânicos produzidos por elas. Essa interação é benéfica para ambos os organismos envolvidos.

No entanto, alguns ascomicetos são parasitas de plantas e animais, obtendo nutrientes a partir de seus hospedeiros. Eles podem causar doenças em suas vítimas, comprometendo seu desenvolvimento e podendo levar à morte. É importante ressaltar que nem todos os ascomicetos são parasitas, muitos deles desempenham funções benéficas no ecossistema.

Essas estratégias alimentares contribuem para a diversidade ecológica dos fungos e para a manutenção do equilíbrio nos ecossistemas onde estão presentes.

Onde o fungo vive?

As Ascomicetes são um grupo de fungos que podem ser encontrados em uma variedade de habitats, incluindo solo, plantas, animais e até mesmo em ambientes aquáticos. Esses fungos são caracterizados por possuírem estruturas reprodutivas chamadas ascos, que são responsáveis pela produção de esporos.

Quanto à nutrição, as Ascomicetes são organismos saprófitos, ou seja, eles se alimentam de matéria orgânica em decomposição. Além disso, algumas espécies são parasitas de plantas e animais, enquanto outras estabelecem relações simbióticas com outras espécies, como liquens e micorrizas.

No que diz respeito à reprodução, as Ascomicetes se reproduzem assexuadamente por meio da formação de esporos em estruturas especiais chamadas ascósporos. No entanto, eles também podem se reproduzir sexualmente, formando ascocarpos, estruturas reprodutivas visíveis a olho nu.

Ascomicetes: características, nutrição, habitat, reprodução

O ascomicetes ou Ascomycota fungos estão a formar o Ascomycota filos dentro do dikarya sub-reino. Ele contém aproximadamente 33.000 espécies distribuídas em vários habitats em todo o planeta.

A principal característica dos ascomicetos é a presença de ascósporos (esporos sexuais) encerrados em pequenos sacos chamados ascos. Podem ser unicelulares (leveduras) ou multicelulares, formando um corpo (micélio) composto por estruturas filamentosas ( hifas ).

Ascomicetes: características, nutrição, habitat, reprodução 1

Ascomicete Diversidade

As hifas são septadas e possuem pequenas organelas celulares chamadas corpos de Worenin. O grupo de hifas gera um pseudo-tecido chamado plecténquima.

Características gerais

Reprodução

A reprodução de ascomicetes pode ser assexuada ou sexual . Geralmente, o estado assexual (anamorfo) predomina sobre o estado sexual (telomorfo).

A reprodução assexuada pode ser causada pela formação de clamidosporos, fissão, brotamento, fragmentação ou produção de conídios. Na reprodução sexual, ocorrem os processos de fusão citoplasmática (plasmogamia), fusão de núcleos (cariogamia) e meiose para a formação de ascósporos.

Nutrição

Estes fungos são heterotróficos, com espécies saprofíticas, parasitas, simbiontes e carnívoros. Os saprófitos podem degradar quase qualquer substrato de carbono.

Os simbiontes formam associações com algas (líquen), com folhas e raízes de plantas (endófitas) ou com suas raízes (micorrizas), bem como com vários artrópodes.

Doenças

As espécies parasitárias são abundantes e são responsáveis ​​por várias doenças em plantas como o murcha causado por espécies do gênero Fusarium .

Eles também podem causar doenças humanas como pneumonia ( Pneumocystis carinii ) ou candidíase ( Candida albicans ). O grupo de carnívoros é restrito à ordem Orbiliomycetes, geralmente capturando nematóides.

Subfilmes

A monofilia dos ascomicetos foi comprovada em estudos filogenéticos, sendo um grupo irmão dos basidiomicetos. Tradicionalmente, é subdividida em três subfilos: Taphrinomycotina, Saccharomycotina e Pezizomycotina, diferenciados pelo arranjo de suas células e estruturas sexuais.

Taphrinomycotina parece ser parafilética, enquanto os outros grupos são monofiléticos. Pezizomycotina contém o maior número de espécies, divididas em treze classes e cinquenta e quatro ordens.

Em Saccharomycotina, a maioria das espécies de leveduras, como Saccharomyces cerevisiae, são encontradas , utilizadas na fermentação de pão e cerveja, entre outras.

Morfologia

Oscomicetos podem ser unicelulares ou multicelulares. Eles têm uma parede celular composta de glucanos e quitina. Na parede celular de leveduras (espécies unicelulares), há uma quantidade maior de glucanos.

As espécies multicelulares são compostas por estruturas filamentosas formadas por várias células, conhecidas como hifas, que juntas constituem o corpo vegetativo do fungo (micélio).

Leveduras podem formar filamentos curtos quando novas células, chamadas psedomicélias, são geradas. Algumas espécies têm ambas as formas de crescimento (dimórficas).

Nos ascomicetos, as hifas são septadas, apresentando um poro entre os septos através dos quais o citoplasma pode ser deslocado de uma célula para outra e algumas vezes para os núcleos. Os corpos de Worenin são microcorpos com membranas duplas, localizados próximos ao poro e considerados para ajudar a impedir o movimento do citoplasma entre as células.

As hifas podem se entrelaçar formando uma estrutura semelhante a um tecido chamado plecténquima, conhecido como prosênquima quando você pode diferenciar uma hifa de outra e o pseudoparenquima quando não podem ser individualizados.

A característica que todos os ascomicetos compartilham é a presença de ascósporos (esporos sexuais) formados a partir de estruturas especializadas chamadas ascósporos.

Filogenia e taxonomia

Os Ascomicetos constituem um grupo monofilético que é o irmão dos Basidiomicetos, formando o sub-reino Dikarya. Tradicionalmente, esse filo é dividido em três subfilos: Taphrinomycotina, Saccharomycotina e Pezizomycotina.

Taphrinomycotina é considerada parafilética e foi dividida em cinco classes, incluindo leveduras, espécies multicelulares e dimórficas.

Em Saccharomycotina, a maioria das leveduras são encontradas. Eles não têm muita diversidade morfológica, embora em alguns casos sejam formados pseudomicélios.

Pezizomycotina é o maior grupo com treze classes e inclui espécies saprofíticas, simbiontes, parasitas e carnívoros. A morfologia das estruturas reprodutivas é muito variável e vários grupos de Pezizomycotina são reconhecidos pelo tipo de nojo.

Nutrição

Os ascomicetos são heterotróficos e obtêm seu alimento por diferentes vias de organismos vivos e mortos.

E espécies saprófitas

As espécies saprófitas decompõem diferentes compostos, como fontes de carbono, como madeira, o corpo de alguns artrópodes e algumas espécies são capazes de quebrar até mesmo o combustível ou a tinta da parede.

Leveduras

No caso das leveduras, elas têm a capacidade de realizar fermentação alcoólica, o que deu origem a diferentes produtos para consumo humano, como pão, cerveja ou vinho, entre outros.

Grupos simbiontes

Grupos simbiontes se relacionam com outros organismos e formam diferentes associações. Líquenes são associações de algas ou cianobactérias com várias espécies de ascomicetes.

Nesta associação, os fungos obtêm seus alimentos a partir do processo fotossintético das algas e oferecem a mesma proteção contra a dessecação e maior capacidade de absorção de água.

Micorrizas

A micorriza são associações de vários grupos de fungos, incluindo várias espécies de Ascomycetes, com as raízes das plantas. As hifas do fungo se espalham no solo e absorvem a água e os minerais usados ​​pela planta, enquanto isso facilita os açúcares produzidos pela fotossíntese.

Dentro dos grupos micorrízicos, as espécies do gênero Tuber que formam as trufas, muito apreciadas pelo sabor e aroma que proporcionam aos alimentos , destacam-se por seu valor econômico .

Ascomicetes endofíticos

Ascomicetes endofíticos são aqueles que durante o seu ciclo de vida se desenvolvem nos tecidos vegetais vivos. Aparentemente, esses fungos protegem a planta contra ataques de herbívoros e patógenos.

Formigas do gênero Apterostigma têm uma relação simbiótica com fungos do gênero Phialophora (leveduras negras) que se desenvolvem no tórax da formiga.

Grupos parasitas

Grupos parasitários dentro de ascomicetos são abundantes. Estas são as causas de várias doenças em plantas e animais.

Nos animais destacam-se Candida albicans, produtora de candidíase, pneumocystis carinii, agente causador de pneumonia e Trichophyton rubrum , responsável pelo pé de atleta. Nas plantas, Fusarium oxysporum causa murcha e necrose em várias culturas, causando perdas econômicas significativas.

A ordem dos orbiliomicetos é composta por espécies consideradas carnívoras, que possuem armadilhas adesivas que capturam nematóides que posteriormente se degradam para obter os nutrientes contidos em seu corpo.

Habitat

Os ascomicetos são cosmopolitas e podemos encontrá-los crescendo em vários habitats. Eles podem se desenvolver em ambientes aquáticos, tanto de água doce quanto marinha, principalmente como parasitas de algas ou corais.

Relacionado:  Como surgiu a vida na Terra?

Em ambientes terrestres, eles podem ser distribuídos de áreas temperadas para áreas tropicais e podem estar presentes em ambientes extremos.

Por exemplo, Coccidioides immitis cresce em áreas desérticas do México e dos Estados Unidos e é a causa de uma doença pulmonar conhecida como febre do vale de San Joaquin.

Muitos líquenes estão amplamente distribuídos na Antártica, onde foram encontrados mais de 400 simbiontes diferentes. A distribuição dos grupos parasitários está associada à do seu hospedeiro.

Reprodução

Ascomicota têm reprodução sexual e assexual. O estado assexual (anamorfo) é constituído por hifas haplóides, sendo a maneira mais comum de encontrar esses fungos na natureza.

De fato, para muitas espécies o estado sexual (telomorfo) não é conhecido, o que dificulta sua classificação correta.

Reprodução assexuada

Isso pode ocorrer por fissão, brotamento, fragmentação, formação de clamidosporos e conídios. A fissão e a brotação ocorrem em leveduras e ambas consistem em dividir uma célula em duas células filhas.

A diferença é que na fissão são formadas duas células de tamanho igual e no início a divisão é desigual, formando uma célula menor que a célula-tronco.

A fragmentação consiste na separação de um pedaço de micélio que segue seu crescimento de forma independente. Os clamidosporos são formados pelo espessamento dos septos que originam uma célula maior que as outras que formam a hifa, que é então liberada para formar um novo micélio.

A formação de conídios (esporos assexuais) é o tipo mais frequente de reprodução assexuada nos ascomicetos. Eles se originam de um hifa especializado chamado conidióforo, que pode ocorrer sozinho ou agrupado de várias formas.

Os conídios são muito resistentes à dessecação, facilitando a disseminação de fungos.

No caso dos líquenes (simbiose entre algas e ascomicetos), um grupo de células de algas é cercado por hifas do fungo, formando uma estrutura conhecida como soreium que emerge do líquen parental e origina um novo simbionte.

Reprodução sexual

Quando os ascomicetos entram na fase sexual, uma estrutura feminina chamada ascogônio e uma estrutura masculina, o anteídio, são formadas. Ambas as estruturas se fundem (plasmogamia) e formam o nojo (saco onde os ascósporos ocorrerão).

Posteriormente, os núcleos das duas estruturas se ligam (cariogamia) e, em seguida, essa nova célula diplóide entra na meiose causando quatro células haplóides.

As células originárias se dividem por mitose e formam oito ascósporos. Em algumas espécies, pode ocorrer um número maior de divisões e numerosos ascósporos.

Os discos têm formas diferentes e suas características são de grande importância na classificação dos ascomicetos. Estes podem ser abertos na forma de uma xícara (apothecio), piriformes (peritecio) ou ser estruturas mais ou menos arredondadas fechadas (cleistocecio).

A liberação de ascósporos pode ocorrer através de pequenos poros ou através de uma tampa (opérculo) no desgosto.

Referências

  1. Berbee, M (2001). A filogenia de patógenos vegetais e animais no Ascomycota. Physiology and Molecular Plant Pathology 59: 165-187.
  2. Little, A. e C Currie (2007). Complexidade simbiótica: descoberta de um quinto simbionte na simbiose antígeno-micróbio do participante. Lett. 3; 501–504.
  3. MacCarthy, C e D Fitzpatrick (2017). Múltiplas abordagens para a reconstrução filogenética do reino dos fungos. Genet 100: 211-266.
  4. Dinheiro, N (2016). Diversidade de fungos In: Watkinson, S; Boddy, L. e Money, N (ed.) Os fungos. Terceira edição Imprensa Acadêmica, Elsiever. Oxford, Reino Unido 1-36.
  5. Murat, C, A Vizzini, P Bonfante e A Mello (2005). Tipagem morfológica e molecular da comunidade fúngica subterrânea em uma trufa natural de Tuber magnatum . FEMS Microbiology Letters 245: 307–313
  6. Sancho, L e A Pintado (2011). Ecologia de plantas da Antártica. Ecossistemas 20: 42-53.
  7. Schulz, B., C Boyle, S. Draeger, A Rommert e K Krohn (2002). Fungos endofíticos: uma fonte de novos metabólitos secundários biologicamente ativos. Mycol Res. 106: 996-1004.
  8. Yang, E, X Lingling, Y Yang, Z Zhang, M Xiang, C Wang, Z An e X Liu (2012). Origem e evolução do carnivorismo no Ascomycota (fungos). Natl Acad. Sci. 109: 10960-10965.

Deixe um comentário