Atividade florestal: tipos, para que serve, México, Argentina, Colômbia

A silvicultura ou florestação é o processo pelo qual novas florestas em áreas onde não estão sem árvores são criadas. O crescimento das florestas permite remover naturalmente o CO2 que está na atmosfera, uma vez que é retido nas árvores.

Nos últimos 50 anos, o reflorestamento de terras vazias se tornou uma prática comum em muitas áreas do mundo. No entanto, não é uma técnica nova: há áreas na China em que a atividade florestal árida ou semi-árida remonta a 300 aC

Atividade florestal: tipos, para que serve, México, Argentina, Colômbia 1

Silvicultura de linha de pinheiro, no distrito de Tandil, a sudeste da província de Buenos Aires. Biologicaotero [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)]

Atualmente, as práticas de florestamento dependem muito das políticas e condições socioeconômicas de diferentes países. No Reino Unido, houve programas de florestação em larga escala durante o século XX, buscando reduzir a importação de madeira. No Brasil, Chile, Nova Zelândia e outros países similares, a arborização é incentivada a expandir os recursos nas florestas.

O termo reflorestamento não deve ser confundido com florestação ou atividade florestal. O reflorestamento refere-se ao processo de plantar novas árvores nas florestas existentes, mas experimentando uma diminuição no número de plantas. Enquanto isso, a florestação tem a ver com a criação de novas florestas.

Tipos

Os países usam três tipos diferentes de atividades florestais ou processos de florestamento: regeneração natural, plantações comerciais e o sistema agroflorestal.

A regeneração natural tem a ver com o plantio de árvores nativas, na tentativa de reconstruir uma área que se assemelha a uma floresta natural. Esse tipo de florestamento tende a ser mais rico em carbono porque contém mais tipos de plantas, com diferentes alturas e ocupando diferentes espaços.

Essas características permitem que as florestas criadas pela regeneração natural capturem melhor os raios solares e produzam um melhor processo de fotossíntese.

Relacionado:  Deterioração ambiental: causas, consequências e soluções

Plantações comerciais são feitas para a geração de produtos, como a madeira, para que novas florestas sejam lucrativas sem afetar os recursos existentes.

Além disso, quando a madeira colhida é usada para construção, a maior parte do carbono é mantida e contribui para mitigar as mudanças climáticas. Pelo contrário, se a madeira é usada como combustível, os níveis de carbono aumentam e a atmosfera é afetada.

Finalmente, há o agroflorestamento, que está plantando em locais agrícolas para produzir colheitas. A quantidade de carbono que é eliminada graças a esse tipo de florestamento depende da colheita escolhida, embora as reservas de carbono removidas não sejam comparadas com as das florestas naturais. Em áreas tropicais, as árvores plantadas podem ser manga, abacate ou caju.

Para que serve a atividade florestal?

A principal motivação para as nações apostarem no reflorestamento em larga escala em suas zonas áridas é combater a desertificação ou a degradação de solos férteis nos desertos. A desertificação causa uma inibição da atividade agrícola e aumenta as chances de inundações repentinamente.

Além disso, são necessárias atividades florestais para que o aquecimento global não piore e, assim, tentem reduzir o impacto das mudanças climáticas.

Alguns cientistas consideram o florestamento como a prática mais favorável para remover o CO2 da atmosfera. Plantar novas árvores serve para capturar CO2 de uma maneira mais simples do que se outras opções forem usadas.

Com o reflorestamento, o CO2 é capturado diretamente do ar e posteriormente armazenado no subsolo. Torna-se então uma solução natural contra o aumento dos níveis de dióxido de carbono.

Essas técnicas naturais podem até gerar benefícios colaterais para o ecossistema. Por exemplo, novas florestas podem servir como habitat para a vida selvagem na área.

Relacionado:  Poluição fotoquímica: características, causas e efeitos

A florestação deve ser gerenciada com cuidado, no entanto. Pode modificar a biodiversidade local e introduzir espécies que não são nativas e que podem ser invasivas em determinados ambientes.

Atividade florestal no México, Argentina e Colômbia

Ao longo dos anos, muitas pessoas expressaram que a florestação pode ser uma atividade cara e difícil para a maioria das nações, além de ocupar grandes extensões de terra.

Algumas regiões ainda estão lutando contra o desmatamento. Entre 1993 e 2002, a presença de plantas no mundo diminuiu, em grande parte devido ao desmatamento de florestas tropicais no Brasil e na Indonésia.

Desde 2003, a situação das florestas em todo o mundo vem melhorando. O desmatamento foi significativamente reduzido, especialmente no Brasil e na Indonésia. Também foram experimentadas melhores condições para as florestas da Austrália e do sul da África.

Os programas de florestação foram introduzidos na China e na União Européia desde 1990, pagando inclusive aos agricultores para transformar campos em florestas. Na China, existe o programa conhecido como Grande Muralha Verde, que visa plantar cerca de 400 milhões de hectares de floresta até 2050.

México

A atividade florestal no México é recente. Em 1986, foi criada a lei florestal, que anulou as concessões florestais. Já em 2018 a lei geral do desenvolvimento sustentável da floresta apareceu. Esta lei regula e promove a administração integral e sustentável das áreas florestais do país.

72% do território mexicano vai para diferentes usos da floresta. Este país possui vários ecossistemas florestais, incluindo florestas temperadas e florestas.

22 milhões de hectares são de florestas, mas apenas um terço é usado. Mais de 11 milhões de hectares de áreas vazias podem ser usados ​​para florestação comercial, de acordo com a Comissão Nacional de Florestas (CONAFOR).

Relacionado:  Ecossistema rural: características, componentes, flora e fauna

Argentina

Duas agências regulam a política florestal na Argentina. As plantações florestais dependem da Diretoria de Produção Florestal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca. A Diretoria Florestal do Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável é responsável pelo manejo das florestas.

O reflorestamento é realizado em dois tipos de florestas na Argentina: nativas e implantadas. O Estado incentiva a florestação com ajuda financeira. Misiones, Corrientes, Entre Ríos e Buenos Aires são as áreas com a maior área florestal.

Colômbia

Na Colômbia, as importações de madeira são maiores que a produção do país. Criar novas plantações nivelaria o comércio e melhoraria os números de empregos.

Alguns estudos mostram que a Colômbia possui condições adequadas em suas terras para uma atividade florestal que ocupa 13 milhões de hectares. No entanto, a Colômbia é um dos países com os maiores problemas de desmatamento.

O reflorestamento ainda não foi suficientemente promovido no país, nem o desenvolvimento da indústria florestal. Eles possuem o Certificado de Incentivo Florestal (CIF) desde 1994, que responde a uma contribuição econômica do governo, mas o reflorestamento não foi realizado na metade dos hectares esperados.

Referências

  1. Argentina: plantações florestais e manejo sustentável. Recuperado de forestoindustria.magyp.gob.ar
  2. A contribuição do financiamento rural no setor florestal no México. (2011). Recuperado de ccmss.org.mx
  3. Lei Geral Florestal (2006). Colômbia
  4. Prater, T. & Pearce, R. (2015). Mapeado: onde a ‘florestação’ está ocorrendo em todo o mundo. Recuperado de carbonbrief.org
  5. Reid, A. (2018). Vantagens e desvantagens do reflorestamento. Recuperado de sciencing.com

Deixe um comentário