Mileva Marić: biografia e contribuições para a Teoria da Relatividade

Mileva Marić (1875-19489 era uma matemática e filósofa sérvia, mais conhecida por ser a primeira esposa de Albert Einstein. Embora tenha sido uma das primeiras mulheres físicas do mundo, ainda não foi determinado exatamente qual era sua contribuição para a ciência.

Seu papel no desenvolvimento das primeiras teorias desenvolvidas por Einstein, especialmente o da relatividade, gerou muitas discussões no mundo científico. Por um lado, alguns estudiosos afirmam que Marić merece o mesmo crédito que Einstein pelas teorias, por serem parceiros. Outro setor diz que ela só ajudou o marido com matemática.

Mileva Marić: biografia e contribuições para a Teoria da Relatividade 1

Fotografia de Mileva Marić em 1912. Fonte: [Domínio público], via Wikimedia Commons.

A verdade sobre as contribuições de Mileva ao trabalho de Einstein provavelmente nunca é conhecida. Algumas cartas entre Einstein e Marić são a única evidência a afirmar que houve uma colaboração trabalhista entre eles, mas o conteúdo deles é inconclusivo.

Ambos foram casados ​​por 16 anos, coincidindo com os anos mais produtivos de Albert Einstein. Mileva, que era três anos mais velho que o alemão, também se destacou por seu talento com música, matemática e física.

Biografia

Mileva nasceu em 19 de dezembro de 1875 em Titel, uma cidade em Voivodina (hoje Sérvia) que fazia parte do Império Austro-Húngaro. Ela foi a primeira filha do casamento formado por Milos Marić e Marija Ruzić. Mileva nasceu com uma luxação no lado esquerdo do quadril que a deixou flácida desde que aprendeu a andar.

Ele era carinhosamente conhecido como Mica (pronunciado “Mitza”) e viveu em lugares diferentes ao longo de sua vida. Foi seu pai que, antes de entrar na escola, primeiro lhe ensinou alguns conceitos matemáticos.

Quando estava no ensino médio, Mileva demonstrou interesse em aprender francês, como ela já dominava o alemão, e pediu permissão para frequentar aulas de física, nas quais apenas homens eram permitidos. Dessa maneira, Marić se tornou uma das primeiras jovens do Império Austro-Húngaro a frequentar uma aula de física com homens, algo que só foi permitido 13 anos depois, em 1907.

Para continuar adquirindo maior conhecimento em física e matemática, com quase 19 anos, Mileva decidiu se mudar para a Suíça, onde as mulheres podiam frequentar universidades em período integral.

Casamento com Einstein

Em 1896, Mileva e Albert Einstein se conheceram na Escola Politécnica de Zurique, onde estudaram física e matemática. Mileva era a aluna mais velha (21 anos) e Albert, a caçula (17 anos e meio) da seção VI A.

Desde o início, eles se deram muito bem e compartilharam grupos de estudo. Ambos compartilhavam a mesma paixão pela ciência e pela música. Einstein se referia a Mileva como Doxerl, que no dialeto alemão era uma forma afetuosa usada para lhe contar uma boneca.

A mãe de Einstein se opôs ao relacionamento entre os dois desde o início, porque Mileva era da Igreja Ortodoxa Sérvia e Albert Judaico. Além disso, ele tinha uma visão negativa sobre a mulher ser mais velha que o homem e sobre a coxa de Mileva.

Os pais de Mileva também não estavam muito felizes com o relacionamento com Einstein. Mileva ficou grávida antes de se casar com o jovem cientista. Quando seus pais souberam da gravidez, eles ainda não conheciam um físico alemão.

Eles também se casaram em 1903 em uma cerimônia civil em Berna, quando Einstein terminou seus estudos. Eles tiveram três filhos. Primeiro Lieserl Einstein nasceu, antes de se casar, mas sua vida é desconhecida. Dizem que ele morreu um ano após o nascimento. Mais tarde, em 1904 e 1910, Hans Albert Einstein e Eduard Einstein nasceram.

A primeira gravidez não ajudou Mileva com seus estudos. Ele falhou várias vezes nos exames finais e parou de estudar.

Divórcio

Mileva começou a duvidar da fidelidade de Einstein e ambos começaram a viver separadamente em 1914. Finalmente, as suspeitas foram confirmadas e Einstein começou a ser vista com sua prima Elsa. Marić dedicou-se aos dois filhos e esqueceu-se da ciência.

Em 1916, durante uma visita a seus filhos, Einstein pediu o divórcio de Mileva, que sofreu um colapso nervoso. Em fevereiro do mesmo ano, a separação tornou-se oficial. Parte do acordo era que, se Einstein recebesse um Prêmio Nobel, Marić receberia o prêmio em dinheiro.

Após o divórcio, Mileva continuou a visitar Albert pelo menos uma vez por ano, até que o cientista partiu para os Estados Unidos em 1933. Depois trocaram algumas cartas durante seus últimos anos de vida.

Cartas

Entre 1897 e 1905, Mileva e Einstein trocaram uma infinidade de cartas que permitiram documentar o romance entre eles. As cartas eram conhecidas publicamente apenas em 1987 e antes delas pouco se sabia sobre Mileva Marić.

O debate sobre a contribuição de Mileva ao trabalho de Einstein nasceu com o surgimento dessas cartas, graças às quais alguns afirmam que Marić era colaboradora regular e coautora do trabalho de seu marido. As cartas entre os dois foram publicadas em dois livros.

Em algumas cartas, Mileva discute com o marido sobre a eletrodinâmica dos corpos em movimento e a interação da luz na superfície dos objetos; e em outro Albert refere-se ao trabalho de ambos ao falar sobre a Teoria da Relatividade. Em muitos deles, o entusiasmo que Mileva compartilha com Einstein pelos avanços científicos é notável.

Morte

Em 1947, a saúde de Mileva Marić começou a se deteriorar, assim como sua situação financeira. Naquele ano, ela teve uma queda após visitar um de seus filhos que a levou a ser hospitalizada, depois de ser encontrada inconsciente.

Com 72 anos, em maio de 1948, ele sofreu um derrame que deixou o lado esquerdo do corpo paralisado. Ele morreu três meses depois, em agosto, sozinho em um hospital.

Em 1970, o túmulo de Mileva Marić foi removido do cemitério Northeim Friedhof, em Zurique. O motivo pode ser a falta de pagamento dos pagamentos mensais do cemitério. Em 2004, a tumba onde Mileva Marić estava localizada foi identificada novamente.

Contribuição para a teoria da relatividade

A Teoria da Relatividade foi exposta por Albert Einstein em 1905. Até hoje ninguém conseguiu dar crédito a Mileva Marić ou provar suas contribuições para este estudo que fala sobre o movimento dos corpos.

Em 1969, foi publicada uma biografia sobre Marić, na qual ele afirmou ter um papel muito importante no sucesso de Einstein. Alguns especialistas também estudaram as cartas que Marić e Einstein enviaram e afirmam que mostram que as idéias de Mileva são a base da ciência desenvolvida por Einstein.

O debate mais polêmico surge promovido por Abraham Joffe. O físico soviético alegou ter visto os documentos originais (três no total) que Einstein entregou sobre a Teoria da Relatividade. Segundo Joffe, esses documentos foram assinados como Einstein-Marity, com Marity sendo uma variação de Marić em húngaro. Mas na publicação final apenas Einstein aparece.

Nas cartas, além disso, Einstein escreve para Mileva sobre “nosso trabalho sobre o movimento relativo”.

Mileva sempre permaneceu calada, mas em 1929, uma de suas amigas, Milana Bota, escreveu para um jornal pedindo que conversassem com Marić e, assim, descobrissem o nascimento da Teoria da Relatividade, desde que Marić estava envolvido.

Também foi alegado que Mileva contou à mãe, aos padrinhos e à irmã sobre as contribuições que deu ao trabalho de Einstein. Seu filho Hans Albert afirmou que se lembra de ver seus pais trabalhando juntos.

Reconhecimentos e outras obras

Após a separação de Einstein, Mileva teve uma vida muito difícil. Dedicou-se a cuidar de seus dois filhos e esqueceu a física e a matemática. Marić também cuidou de uma pensão por um tempo e deu aulas particulares para cobrir suas necessidades básicas.

A importância de Mileva no mundo científico ainda não foi determinada, mas sua história não passou completamente despercebida. Em 2005, ela foi homenageada com uma placa em sua antiga residência em Zurique. Uma das escolas de Titel, a cidade em que ele nasceu, leva seu nome.

Além disso, existem vários bustos em homenagem a Marić. Em 2005, um busto foi colocado em uma escola secundária em sua cidade natal. Também na Universidade de Novi Sad há um busto de Marić e em Ohio, Estados Unidos, há outro no Jardim Cultural Sérvio de Cleveland.

Sessenta anos após sua morte, uma placa foi colocada na casa onde estava localizada a clínica onde ele morreu em Zurique.

Referências

  1. Alter, S. (2013).Vestígios secretos da alma de Mileva Maric-Einstein . Pittsburg: Dorrance Publishing Co.
  2. Claver, Ó., Mateu, A., & Ligero, S. (2018). Einstein Maric, uma equação não resolvida. Recuperado de metode.org
  3. Krstić, D. (2004).Mileva & Albert Einstein: seu amor e colaboração científica . Didakta
  4. Milentijević, R. (2010).Mileva Marić Einstein . Nova York: United World Press.
  5. Popović, M. (2003).Na sombra de Albert . Baltimore, Maryland: The Johns Hopkins University Press.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies