Azul de timol: características, preparação e aplicações

O azul de timol é um corante utilizado em laboratórios e indústrias para diversas finalidades. Ele é um composto orgânico de cor azul escuro, solúvel em álcool e éter, mas insolúvel em água. Sua preparação é feita a partir da reação entre o timol e o cloro, seguida por processos de purificação e cristalização.

O azul de timol é amplamente utilizado em laboratórios como indicador ácido-base, mudando de cor de azul para amarelo em pH ácido. Além disso, também é empregado na coloração de tecidos, na microbiologia como indicador de crescimento bacteriano e na indústria de alimentos como corante.

Suas propriedades e aplicações versáteis fazem do azul de timol um composto químico importante e de grande utilidade em diversos setores.

Usos e benefícios do azul de timol na saúde e em testes laboratoriais.

O azul de timol é um corante sintético amplamente utilizado na indústria farmacêutica e em testes laboratoriais. Ele possui propriedades ácidas e é comumente usado como indicador de pH em soluções aquosas.

Na área da saúde, o azul de timol é utilizado em diversos produtos, como medicamentos, desinfetantes e antissépticos. Ele é conhecido por suas propriedades antifúngicas e antibacterianas, sendo eficaz no combate a infecções causadas por microorganismos.

Além disso, o azul de timol é frequentemente utilizado em testes laboratoriais para identificar a presença de ácidos e bases em soluções. Sua capacidade de mudar de cor em diferentes faixas de pH o torna uma ferramenta valiosa na análise de amostras químicas.

Os benefícios do azul de timol na saúde incluem sua ação antimicrobiana, que auxilia no tratamento de infecções, e sua capacidade de detectar alterações no pH de soluções, o que é essencial para o controle de qualidade de produtos farmacêuticos e alimentos.

Em resumo, o azul de timol é uma substância versátil com diversas aplicações na saúde e em testes laboratoriais. Suas propriedades antibacterianas e indicadoras de pH o tornam um componente essencial em diversos produtos e processos, contribuindo para a segurança e eficácia dos mesmos.

Preparação do indicador azul de bromotimol: passo a passo para o sucesso.

A preparação do indicador azul de bromotimol é um processo simples e eficaz para obter um composto químico amplamente utilizado em laboratórios e em diversas aplicações. O azul de bromotimol é um indicador ácido-base que muda de cor em função do pH da solução, tornando-se amarelo em meio ácido e azul em meio básico.

Para preparar o azul de bromotimol, siga os passos abaixo:

1. Materiais necessários: ácido sulfúrico concentrado, bromotimol, água destilada, e um recipiente de vidro limpo e seco.

2. Dissolução do bromotimol: Em um recipiente de vidro, adicione uma pequena quantidade de água destilada e, em seguida, adicione o bromotimol em pó. Agite bem até que o bromotimol esteja completamente dissolvido na água.

3. Adição do ácido sulfúrico: Com o bromotimol já dissolvido, adicione cuidadosamente o ácido sulfúrico concentrado à solução. Agite suavemente para garantir a homogeneização da mistura.

4. Ajuste de pH: Se necessário, ajuste o pH da solução adicionando mais ácido sulfúrico ou água destilada, até obter a coloração desejada. Lembre-se que o azul de bromotimol é azul em meio básico e amarelo em meio ácido.

Com estes simples passos, você estará preparando com sucesso o indicador azul de bromotimol, pronto para ser utilizado em experimentos químicos e análises laboratoriais. Este indicador é amplamente utilizado devido à sua sensibilidade e precisão na detecção de variações de pH, sendo uma ferramenta essencial em diversos processos químicos.

Experimente você mesmo a preparação do azul de bromotimol e descubra as suas diversas aplicações e benefícios no laboratório.

Relacionado:  Ceiba: características, habitat e distribuição, espécies

Por que o indicador de pH azul de bromotimol muda de cor para azul?

O indicador de pH azul de bromotimol muda de cor para azul devido à sua natureza ácida. O azul de bromotimol é um composto que possui a capacidade de se ionizar em soluções aquosas, resultando em uma mudança de cor conforme o pH do meio. Quando em solução ácida, o azul de bromotimol se encontra na forma ácida (HIn), que é amarela. Já em soluções alcalinas, ele se ioniza para a forma básica (In-), que é azul.

Essa mudança de cor ocorre devido à interação do azul de bromotimol com os íons hidrogênio presentes no meio. Em soluções ácidas, os íons hidrogênio predominam, levando o indicador a se manter na forma ácida e, portanto, amarelo. Por outro lado, em soluções alcalinas, os íons hidrogênio são neutralizados, permitindo que o indicador se ionize para a forma básica, resultando na cor azul.

O azul de bromotimol é amplamente utilizado em laboratórios e em processos industriais como um indicador de pH devido à sua capacidade de fornecer uma indicação visual clara e distintiva da acidez ou alcalinidade de uma solução. Sua mudança de cor para azul em soluções alcalinas o torna uma ferramenta valiosa na determinação do pH de uma substância.

Composição e propriedades do azul de bromotimol: qual a substância presente nesse indicador colorido?

O azul de bromotimol é um indicador de pH de cor azul, amplamente utilizado em laboratórios para identificar a faixa de pH de uma solução. Sua composição inclui bromotimol, uma substância que muda de cor dependendo do pH do meio em que está inserida.

Quando em solução ácida, o azul de bromotimol apresenta uma coloração amarela, enquanto em meio alcalino sua cor se torna azul. Essa mudança de cor ocorre devido à alteração na estrutura molecular do indicador, que reage de forma diferente conforme a concentração de íons H+ presentes na solução.

A preparação do azul de bromotimol envolve a síntese do composto bromotimol a partir de reagentes específicos, seguindo um procedimento químico padronizado. Uma vez obtido, o indicador pode ser utilizado em testes de titulação, identificação de ácidos e bases, entre outras aplicações laboratoriais.

As principais propriedades do azul de bromotimol incluem sua sensibilidade à variação de pH, facilidade de visualização da mudança de cor e estabilidade em soluções aquosas. Por esses motivos, ele é amplamente empregado em análises químicas que requerem a determinação precisa do pH de uma solução.

Azul de timol: características, preparação e aplicações

O azul timol é uma substância de natureza orgânica reconhecida pela sua utilidade como um indicador de pH em laboratórios químicos. Também é conhecido como timol sulfonaftaleno e sua fórmula química é C 27 H 30 O 5 S.

Possui dois intervalos de viragem, um localizado na zona ácida e outro localizado na zona alcalina. Em pH abaixo de 2,8, a cor do indicador é vermelha. Imediatamente depois, ocorre o primeiro intervalo de virada, localizado entre 1,2 e 2,8, onde fica amarelo acastanhado.

Azul de timol: características, preparação e aplicações 1

Cores do indicador azul de timol em pH diferente. Fonte: LHcheM [imagem editada do CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)].

Essa cor permanece estável até atingir o pH 8, onde está localizado o intervalo do segundo turno, entre 8,0 e 9,6, passando para a cor azul violeta. Atualmente, está sendo usado para aplicações muito interessantes, como na criação de um sensor químico (octodo) impregnado de azul de timol que funciona graças à sensibilidade dessa substância às alterações de pH.

O azul de timol deve ser manuseado com instrumentos de biossegurança, pois é uma substância irritante para a pele e as mucosas. Em caso de contato direto, respingos, ingestão ou inalação acidental, os procedimentos de primeiros socorros devem ser aplicados e consulte um médico.

Em relação ao risco e toxicidade, esta substância é classificada como um composto com risco de grau 1 para os três parâmetros (saúde, inflamabilidade e reatividade). A numeração 1 indica que o risco existente para os três aspectos mencionados acima é pequeno. No entanto, é considerado uma substância corrosiva.

Caracteristicas

Como características mais marcantes, o azul de timol é um composto que tem uma aparência cristalina e é verde acastanhado.

Para preparar uma solução aquosa desse indicador de pH, a água não pode ser usada, porque não é solúvel nesse solvente. Nesse caso, álcool etílico ou soluções alcalinas diluídas podem ser usadas.

O azul de timol tem um cheiro característico. Sua massa molecular é de 466,60 g / mol, possui um ponto de fusão que varia entre 221-224 ° C, enquanto sua densidade é de 1,19 Kg / L.

Preparação

Depois de preparado, deve ser armazenado entre 15 ° C e 20 ° C de temperatura. Abaixo estão várias receitas de preparação.

Solução indicadora de pH azul de timol

Pesar 0,1 g de azul de timol e dissolver em 2,15 ml de uma solução 0,1 molar de hidróxido de sódio e 20 ml de etanol (95%). Em seguida, adicione água para completar 100 ml.

Solução etanólica do indicador de pH azul de timol

Pesar 0,1 g de azul de timol em 100 ml de etanol (95%) e filtrar, se necessário.

Solução do indicador azul de timol com fenolftaleína

Prepare uma mistura de 2,2 ml de hidróxido de sódio 0,1 molar e 50 ml de etanol (95%) e dissolva aí 0,1 g de azul de timol previamente pesado. Complete o volume com água até atingir 100 ml.

Posteriormente, tome 3 volumes desta solução e misture com 2 volumes de uma solução de fenolftaleína.

Indicador Yamada

Em certas qualificações, pode ser usada uma mistura de alguns indicadores ácido-base, que é chamado de “indicador Yamada” em homenagem ao seu criador. Este indicador pode ser preparado da seguinte maneira.

– Pesar 0,05 g de azul de timol, 0,125 g de vermelho de metila, 0,6 g de azul de bromotimol e 1,0 g de fenolftaleína.

– Dissolver em 1 litro de etanol. A solução terá uma cor vermelha forte, que deve ser neutralizada com algumas gotas de uma solução de NaOH a 0,05 mol / L até que fique verde.

– Coloque cerca de 500 ml de água e adicione a coloração. Em seguida, dilua em 2 L de água destilada. Essa combinação oferece as seguintes alterações de cor:

– pH vermelho ≥ 0 – ≤ 3

– Amarelo: pH> 3 pH ≤ 6

– pH verde = 7

– Azul ≥ pH 8 – <11

– Roxo: pH ≥ 11 – ≤ 14

Toxicidade

O azul de timol causa uma leve irritação da pele e mucosa ocular se ocorrer contato direto. Também é prejudicial se ingerido ou inalado. No caso de contato com a pele e mucosas, recomenda-se lavar a área afetada com água em abundância. Um creme emoliente pode ser colocado na pele para aliviar a irritação.

Relacionado:  O que é o pool genético?

Em caso de ingestão e inalação, deve-se procurar assistência médica imediata, indo ao centro de saúde mais próximo.

Nesse sentido, a NFPA (Associação Nacional de Proteção contra Incêndios) classifica essa substância com um risco à saúde, inflamabilidade e reatividade de 1. Isso significa um risco baixo para todos os três aspectos.

Aplicações

O azul de timol tem vários usos, mas sua principal utilidade é como um indicador de pH nas reações ácido-base.

No momento da titulação com azul de timol, se preparado com álcool, lembre-se de que uma gota da solução alcoólica tende a se expandir e se espalhar mais facilmente do que os indicadores aquosos. Portanto, existe o risco de o indicador entrar em contato mais cedo com as diferentes mídias.

Titulação com ácido cítrico

O ácido cítrico pode ser titulado usando um alcalino 1N; e como indicador de pH, recomenda-se o uso de azul de timol.

Azul de timol usado para fazer um octodo (sensor químico)

Recentemente, foi criado um octodo (sensor químico óptico) baseado no indicador azul de pH do timol. Este indicador de pH foi escolhido porque possui dois intervalos de rotação, um em pH ácido e outro em pH alcalino.

A metodologia foi proposta com o objetivo de detectar CO 2 no sistema de análise de injeção de fluxo (FIA) e detecção espectrofotométrica.

Para fazer isso, os pesquisadores fixaram quimicamente o indicador de pH azul de timol em um grupo de fibras ópticas de vidro bifurcadas por meio de um processo chamado silanização em meio orgânico. Posteriormente, são criadas as condições para a formação de CO 2 usando hidrogenocarbonato tamponado mais ácido fosfórico.

O CO 2 formado é difundido através de uma membrana de politetrafluoretileno, sendo direcionado para a célula de detecção, onde está localizado o octodo, que neste caso contém uma substância sensível a alterações de pH.

O octodo captura a substância a ser medida, podendo marcar colorimetricamente as reações produzidas ali.

O método descrito obteve resultados satisfatórios, muito semelhantes aos obtidos por potenciometria quando o CO 2 foi determinado em amostras de água mineral.

O optodo feito com fibra óptica de borosilicato e azul de timol teve um tempo de resposta curto e uma vida útil longa.

Outras aplicações

Gabriel e colaboradores estudaram a dependência de absorventes molares de azul de timol em temperatura e salinidade e sua aplicação na determinação espectrofotométrica de pH em águas estuarinas.

A investigação mostrou que existe uma dependência linear das absorvências molares em relação à temperatura entre 5 ° C e 30 ° C e com salinidade apenas para 596 ε (I 2- ).

Referências

  1. Sotomayor M, Rayford J, IRohwedder J, Oliveira G. (2010). Optodo de pH baseado em azul de timol: aplicação na determinação de CO2 usando o sistema de análise de injeção de fluxo.Eclética Química , 35 (2), 33-43. dx.doi.org
  2. Gabriel M, Forja JM, Rubio J e Gómez-Parra A. Dependência das absorvências molares do azul de timol na temperatura e salinidade: Aplicação na determinação espectrofotométrica de pH em águas estuarinas. Cem 2005; 31 (1b)
  3. Diretrizes farmacêuticas Disponível em: pharmaguideline.com
  4. Contribuidores da Wikipedia. «Azul de timol.» Wikipedia, A Enciclopédia Livre . Wikipedia, The Free Encyclopedia, 28 de março de 2018. Web. 23 de maio 2019.
  5. Sánchez C., Francisco J., Cesteros, Carlos e Katime, Issa A. (2006). Uso de uma sonda infravermelha in situ para monitorar reações de esterificação.Engenharia e Pesquisa , 26 (1), 5-14. Recuperado em 24 de maio de 2019, disponível em: scielo.org.

Deixe um comentário