Bandeira de Quito: História, Significado e Composição

A Bandeira de Quito é um dos símbolos mais importantes da capital do Equador. Com uma rica história e significado, ela representa a identidade e a cultura da cidade. Neste artigo, vamos explorar a história por trás da bandeira de Quito, seu significado e a composição dos elementos que a tornam única.

Origem da bandeira nacional: qual é a história por trás do símbolo pátrio?

A Bandeira de Quito é um dos símbolos mais importantes do Equador, representando a identidade e história do país. Mas qual é a origem da bandeira nacional? A história por trás desse símbolo pátrio remonta ao período colonial, quando o Equador fazia parte do Vice-Reino de Quito.

A bandeira de Quito era composta por três faixas horizontais: vermelha, amarela e azul. Essas cores simbolizavam a luta pela independência e liberdade do povo equatoriano. Após a independência do Equador, em 1830, a bandeira de Quito tornou-se a bandeira nacional do país.

A bandeira atual do Equador mantém as mesmas cores e design da bandeira de Quito, com algumas modificações para representar a união e diversidade do povo equatoriano. O brasão de armas no centro da bandeira simboliza a soberania e independência do país.

Em resumo, a história da bandeira de Quito reflete a luta e resistência do povo equatoriano por sua liberdade e identidade nacional. É um símbolo de orgulho e patriotismo para todos os equatorianos, representando a história e cultura do país.

Significado de cada elemento presente na bandeira nacional brasileira.

A Bandeira Nacional Brasileira é um dos símbolos mais importantes do país, representando a sua história, cultura e identidade. Cada elemento presente na bandeira possui um significado único e profundo, contribuindo para a riqueza simbólica do emblema nacional.

A bandeira do Brasil é composta por diversos elementos, sendo o mais conhecido o círculo azul com estrelas brancas. Este círculo representa o céu noturno do Rio de Janeiro, durante a madrugada de 15 de novembro de 1889, data da Proclamação da República. As estrelas brancas simbolizam os estados brasileiros e o Distrito Federal, cada um representado por uma estrela.

Outro elemento importante da bandeira brasileira é o losango amarelo, que simboliza o ouro encontrado no país e a riqueza natural da nação. Já a faixa branca que corta o losango representa a paz e a harmonia entre os brasileiros.

Por fim, as cores verde e amarela da bandeira nacional representam as matas e florestas do Brasil, assim como o ouro e as riquezas naturais do país. Estas cores também estão presentes na bandeira de Quito, que possui um design semelhante, porém com elementos diferentes.

Em resumo, a Bandeira Nacional Brasileira é um símbolo de orgulho e identidade para o povo brasileiro, representando a sua história, cultura e valores. Cada elemento presente na bandeira possui um significado único e profundo, contribuindo para a riqueza simbólica do emblema nacional.

Identifique a bandeira com cores azul, amarelo e vermelho.

A Bandeira de Quito é um símbolo importante da capital do Equador. Com suas cores azul, amarelo e vermelho, ela representa a história e a identidade da cidade. A bandeira foi adotada oficialmente em 1835 e tem sido usada desde então para representar Quito em eventos locais e internacionais.

Relacionado:  As 10 festas pagãs mais importantes do mundo

O azul na bandeira simboliza o céu claro e ensolarado de Quito, enquanto o amarelo representa a riqueza cultural e histórica da cidade. Já o vermelho representa o sangue derramado pelos heróis que lutaram pela independência do Equador. Essas cores vibrantes e significativas tornam a Bandeira de Quito facilmente reconhecível em todo o mundo.

Além das cores, a Bandeira de Quito também possui o brasão da cidade no centro, que inclui símbolos como um condor, um escudo e um ramo de oliveira. Esses elementos adicionais acrescentam mais profundidade e significado à bandeira, tornando-a ainda mais representativa da cidade e de sua história.

Em resumo, a Bandeira de Quito é um símbolo poderoso e significativo que representa a cidade de forma única e memorável. Suas cores vibrantes e seu design distinto a tornam facilmente reconhecível e orgulhosamente exibida por seus cidadãos. É um símbolo de orgulho e identidade para todos aqueles que chamam Quito de lar.

Você sabe como é chamada a bandeira vermelha e branca?

A bandeira vermelha e branca é conhecida como a Bandera de Quito. Este símbolo nacional do Equador tem uma história rica e um significado profundo para o povo equatoriano. A Bandeira de Quito é composta por três faixas horizontais, sendo a faixa superior e inferior de cor vermelha e a faixa do meio de cor branca.

A história da Bandeira de Quito remonta ao período colonial, quando a cidade de Quito fazia parte do Vice-Reino do Peru. A bandeira foi adotada oficialmente em 1812, durante a luta pela independência do Equador. Desde então, ela se tornou um símbolo de orgulho e identidade para os equatorianos.

O significado das cores da Bandeira de Quito também é importante. O vermelho simboliza o sangue derramado pelos heróis que lutaram pela independência, enquanto o branco representa a paz e a pureza dos ideais de liberdade. Juntas, essas cores representam a união e a determinação do povo equatoriano.

Em resumo, a Bandeira de Quito é um símbolo nacional importante do Equador, com uma história fascinante e um significado profundo. É um emblema de orgulho e identidade para os equatorianos, representando a luta pela independência e os valores de liberdade e paz.

Bandeira de Quito: História, Significado e Composição

A bandeira de Quito é um símbolo cívico retangular e é formada por três faixas verticais de largura diferente e pelo escudo da cidade no centro.

A relação entre comprimento e largura é de 3 a 2 com as duas listras externas de azul e as quatro listras internas de vermelho.

Bandeira de Quito: História, Significado e Composição 1

Os três símbolos cívicos de Quito são a bandeira, o hino e o brasão de armas. Este último faz parte da composição da bandeira e, embora existam documentos com a descrição exata de como foi pensado pelo rei Carlos V da Espanha, sofreu alterações desde o seu design em 1541.

Relacionado:  Luis Miguel Sánchez Cerro: biografia e governo

De acordo com a Portaria nº 0493, de 19 de fevereiro de 2014, realizada pelo Conselho Metropolitano de Quito e publicada no site oficial do município, os tons específicos de cada cor são Pantone 185c vermelho e Pantone 281c reflex azul.

A mesma Portaria de 2014, em seu artigo 4, estabelece que a cidade deve alinhar-se com a bandeira durante as datas comemorativas e famosas da história de Quito, bem como o posicionamento do padrão a meio mastro quando houver um duelo nacional.

Evolução da bandeira de Quito

A primeira bandeira da cidade de Quito e o cantão de Quito, como é conhecido o Distrito Metropolitano, do qual há memória e documento, foi definida em 17 de maio de 1944 pela portaria da Câmara Municipal ao criar o Pavilhão ou Bandeira do a cidade de São Francisco de Quito.

Naquela época, os tons de vermelho e azul eram diferentes até que “gules” e “azur” fossem estabelecidos como faixas oficiais; além disso, o emblema localizado no meio não era um brasão ou brasão, mas um simples castelo Com um significado amplo: força, nobreza e lealdade dos habitantes da cidade.

Mais tarde, em 1974, ele seria oficializado no artigo 1 da lei municipal conhecida como Portaria Municipal nº 1634, quando Sixto Durán Ballén era prefeito de Quito e, finalmente, as cores escolhidas eram vermelho e azul nos tons mencionados.

No decreto nº 0493, diz-se que “a falta de clareza na determinação das cores da bandeira de Quito causou uma variedade de cores vermelha e azul nas bandeiras da cidade”.

No artigo número 2 da Portaria referente aos símbolos cívicos de Quito, em 19 de fevereiro de 2014, é estabelecido como regra que o brasão de armas deve estar sempre na bandeira e na bandeira da cidade nos termos descritos no Anexo Real de 14 de maio de 1541, onde o rei Carlos V concede e descreve o símbolo cívico.

Composição da bandeira de Quito

Seguindo as indicações escritas há mais de 400 anos, o escudo da cidade terá 5 proporções de comprimento por 3 de largura e irá no máximo nos dois retângulos vermelhos do centro da bandeira da cidade. Este foi desenhado pelo rei Carlos V: um escudo samnítico sagrado no topo.

Seu campo é gules com bordados azuis e carrega um cordão de ouro de São Francisco.

No centro do campo, há um castelo de prata com ameias à guelfa e fortificado com três torres; um deles fica como uma torre de vigia ladeado pelos outros dois; tudo coberto por portas e janelas abertas.

Relacionado:  5 Consequências das guerras napoleônicas

O castelo derrete no topo de duas colinas de sua cor, com uma adega verde central ao pé de cada uma delas; essas colinas nascem reciprocamente dos quartos inferiores do escudo.

A homenagem ao castelo já coroado tem os seguintes atributos: uma cruz de ouro latino com seu pé verde, da qual duas águias negras rachadas em ouro, frente a frente e com uma atitude agonizante, seguram-na em suas garras.

O escudo é carimbado por um capacete de nobre todo o ouro fechado a portões de ouro, também com o topo formado por penas e azul celeste.

O escudo é aparado por um corte aparado e ornamentado com uma pena de gules em cada uma das extremidades superiores e um quadrifólio em cada um dos lados centrais de onde está pendurado um cacho de frutas.

Finalmente, a bandeira atual foi formalizada com o referido escudo no centro e ao qual, mais tarde, ornamentos como flores, louros e um capacete de armadura foram colocados no topo.

Importância cívica da bandeira de Quito

Vale ressaltar que a bandeira que precedeu o atual símbolo cívico era a bandeira do Conselho Revolucionário de Quito, usada como bandeira pelos patriotas de Quito em 1809.

Eles projetaram uma faixa vermelha com uma lâmina branca para indicar sua oposição ao reino da Espanha, cuja bandeira militar era branca com a lâmina vermelha, ou seja, o inverso do Conselho Revolucionário.

Este emblema foi usado durante o primeiro Conselho Autônomo do Governo de Quito e durante o contra-ataque espanhol em 1812.

É do conhecimento popular que, durante muitos anos do século XX, de acordo com um erro de transcrição na parte da Batalha de Ibarra, pensava-se que a bandeira de Quito, parte das tropas de independência lideradas por Simón Bolívar, estava completamente vermelha com um “mastro de bandeira “Branco.

Finalmente, por ocasião das comemorações do Bicentenário de 10 de agosto, dia da Primeira Reunião Revolucionária, o erro foi corrigido e a bandeira foi usada corretamente.

Por outro lado, o Conselho Metropolitano de Quito determinou que absolutamente todas as instituições públicas localizadas na cidade, bem como edifícios com mais de 12 andares, deveriam exibir permanentemente a bandeira da cidade.

Assim como a Agência de Controle Metropolitano deve garantir a sinalização dos espaços públicos da cidade, como parques, bulevares, rodadas e outros.

Referências

  1. Conselho Metropolitano de Quito. (1974). Portaria nº 1634 .. Quito
  2. Conselho Metropolitano de Quito. (2014). Portaria nº 0493. Quito
  3. Governo de Pichincha. (2014). Distrito Metropolitano de Quito. Obtido em Pichincha.gob.ec: pichincha.gob.ec.
  4. Quito (Pichincha, Equador) . (2015). Obtido no Flagspot: flagspot.net.
  5. As bandeiras e brasões das repúblicas americanas. (1909). Boletim da Secretaria Internacional das Repúblicas Americanas .

Deixe um comentário