Era colonial no México: origem, características, sociedade

A era colonial no México é o período da história mexicana em que o país fazia parte das colônias espanholas. Durante esse período, todo o território que hoje forma o país da América Central pertencia à colônia da Nova Espanha e era controlado inteiramente pela coroa espanhola.

A colônia foi oficialmente estabelecida em 1521 e convertida em vice-reinado em 1535. A capital ficava na Cidade do México, criada por Hernán Cortés após a captura da cidade asteca de Tenochtitlán. O território mexicano cobriu grande parte do sul dos Estados Unidos e quase toda a América Central.

Era colonial no México: origem, características, sociedade 1

Origem

Hernán Cortés chegou ao território mexicano junto com um grupo de soldados em 1519. Desde a sua chegada, os espanhóis conquistaram sistematicamente todo o território da América Central, até acabar com o Império Asteca (que ocupava a maior parte disso) dois anos depois, em 1521.

Após a queda dos astecas, Cortés estabeleceu a Cidade do México na antiga capital do Império. A Coroa Espanhola temia que os conquistadores se tornassem independentes e formariam uma nação independente, para a qual eram confiadas ordens.

Os encomiendas eram títulos de cidades que foram dadas aos conquistadores para mantê-los felizes. A população indígena dessas cidades começou a “prestar homenagem” aos encomenderos, que os usavam como escravos.

No entanto, após a conquista absoluta da região, a Coroa Espanhola enviou um ministro nomeado pelo rei para atuar como monarca de toda a Nova Espanha. Isso começou adequadamente o estágio colonial mexicano com o nascimento do vice-reinado da Nova Espanha.

Características gerais

Redução da população indígena

Um dos principais eventos que caracterizaram a era colonial mexicana foi o grande número de mortes indígenas em toda a região da América Central. Isso aconteceu por dois motivos principais:

– O primeiro foi o massacre das tribos locais pelos conquistadores. A chegada de Cortés e seus homens ao território mexicano levou à morte de milhões de indígenas que habitavam a região.

– O segundo também foi relacionado à chegada dos espanhóis, mas foi uma conseqüência indireta e não planejada. Os europeus trouxeram consigo uma série de doenças às quais eram imunes, como a varíola. Os nativos locais não tiveram resistência a essas doenças, o que causou um grande número de mortes.

Estima-se que durante o período colonial mexicano 90% da população indígena tenha morrido, entre causas naturais e humanas, como o extermínio.

Desenvolvimento do estabelecimento

Os estabelecimentos humanos na era colonial mexicana tinham um padrão marcado. Aldeias, vilas e cidades foram criadas em locais regionais, onde floresceram economicamente. O desenvolvimento da população européia ocorreu principalmente na zona mesoamericana que ocupava o Império Asteca.

Por outro lado, a parte sul foi ocupada por povos indígenas de várias tribos menores, espalhados por toda a região. O norte da colônia foi tomado quase inteiramente por tribos hostis e nômades. Isso mudou quando metais preciosos foram descobertos na área, e os espanhóis apressaram sua colonização.

As características expansivas da população do México colonial foram estudadas graças à sua complexidade antropológica e sociológica.

Veracruz

O porto da cidade de Veracruz era a única rota viável que a Nova Espanha tinha com a Europa. Foi o primeiro estabelecimento fundado pelos espanhóis quando chegaram ao México e foi caracterizado como uma fonte fundamental de comércio para o desenvolvimento das colônias.

Através do porto de Veracruz, toda a riqueza obtida das tribos locais e da mineração foi enviada para a Espanha. A exportação de mercadorias e o comércio entre a Europa e o México colonial fizeram da Espanha uma das nações mais ricas da época.

Miscigenação e população

O fenômeno da miscigenação ocorreu amplamente nas Américas após a chegada dos europeus. No entanto, o México foi uma das primeiras regiões em que esse fenômeno se manifestou.

A miscigenação ocorreu quando os conquistadores espanhóis se casaram ou simplesmente tiveram filhos fora do casamento com os índios locais. Depois disso, uma das trocas culturais mais importantes da história da humanidade foi gerada.

Além dos mestiços, a colonização espanhola do México também trouxe consigo um grande número de habitantes africanos. Estes foram “importados” como escravos, pois eram imunes a doenças européias que eram letais para a população indígena local.

Nem todos os africanos viveram suas vidas como escravos, então o México colonial tinha uma quantidade significativa de pele escura vivendo como pessoas livres.

Cultura

No estágio colonial, a Cidade do México se tornou uma referência americana para a cultura européia. As obras arquitetônicas da época estavam entre os primeiros edifícios a serem construídos no continente pelos colonizadores europeus. Isso tornou a arquitetura única na América.

Além disso, antes do final do século XVI, o México já possuía uma prensa de impressão e várias obras literárias foram publicadas na nação colonial da época.

Sociedade

A sociedade na era colonial mexicana foi dividida em várias classes sociais (castas). O critério de divisão dessas classes não estava vinculado à capacidade econômica de uma família, mas à raça a que pertencia. De fato, a raça foi o principal critério usado para dividir a sociedade colonial mexicana.

As pessoas mais privilegiadas eram as chamadas peninsulares, que eram espanholas (nascidas na Espanha), mas que habitavam o México. De acordo com as leis espanholas, esses eram os únicos com capacidade de manter uma posição real no governo.

Um passo adiante na hierarquia estavam os crioulos, espanhóis nascidos no México. Eles tinham uma série de privilégios por serem brancos, mas não eram iguais aos privilégios da peninsular. Isso gerou uma série de diferenças sociais e conflitos significativos que desempenharam um papel fundamental na futura independência do México.

Mais abaixo na escada social estavam os mestiços, os índios e os escravos negros. A única casta desses três que teve alguns benefícios foram os mestiços. Os índios tinham vantagens muito pequenas, enquanto os negros não tinham direitos na sociedade da Nova Espanha.

Economia

O estágio da colonização no México abriu uma enorme porta de comércio para a Espanha. A quantidade de território conquistado na América era incrivelmente rica em recursos naturais, especialmente metais preciosos, como ouro e prata.

No primeiro século da colônia, o México se tornou um dos principais exportadores de prata do mundo. As colônias espanholas poderiam gerar renda a partir de várias atividades, mas a mineração de prata foi sem dúvida o que gerou o boom econômico da Nova Espanha.

Além de toda a prata exportada para a Europa, esse mineral também foi utilizado no comércio interno do país. Era uma das principais fontes de intercâmbio entre as províncias e os mercados internos da Nova Espanha, pois eles usavam esse mineral. O crescimento das minas de prata floresceu ao longo do século XVI.

A coroa espanhola impôs uma série de restrições comerciais para controlar o comércio na Nova Espanha. Apenas três províncias podiam comercializar com a Europa e todas as importações tinham que passar pelo porto de Sevilha. Isso gerou o surgimento de relações comerciais entre os comerciantes daquela cidade e Veracruz.

Decadência de prata

Durante a segunda metade do século XVII, a mineração de prata sofreu um duro golpe quando a prata perdeu valor. Os custos de mineração aumentaram durante este século e a produção de prata foi fundamental para a economia da Nova Espanha.

As minas mexicanas foram incrivelmente produtivas até 1630. De fato, a Nova Espanha produziu muito mais dinheiro do que o vice-reinado do Peru. A prata influenciou o preço dos alimentos nas cidades que não eram relacionadas à mineração, pois esse mineral se tornou referência no mercado doméstico.

No entanto, a morte de muitos povos indígenas causou a perda de um grande número de trabalhadores nas minas, o que atrasou a mineração de prata. Além disso, os comerciantes do mercado negro negociavam prata com outros vendedores nas Filipinas. Isso não apenas causou menos prata a ser produzida, mas também perdeu seu valor.

Os avanços na tecnologia de mineração fizeram o mineral recuperar seu valor, mas mudanças significativas foram vistas apenas no final do século XVII.

Despertar econômico e reformas de Bourbon

A economia mexicana, ainda recuperada do golpe da queda da prata, não experimentou crescimento novamente até a segunda metade do século XVIII. As reformas de Bourbon procuraram estabelecer controle na economia para estabilizá-la, mas o crescimento político, econômico, social e cultural ocorreu naturalmente.

Esse crescimento teve o benefício de aumentar a atividade científica na Nova Espanha. Além disso, a coroa espanhola permitiu a abertura de novos portos comerciais para negociar com a América.

Nessa época, o México já negociava com outras empresas coloniais locais e possuía sistemas de câmbio bastante amplos, principalmente com o vice-reinado do Peru.

Controles

Em geral, todo o comércio era controlado pela Espanha por ordens do rei. Todos os produtos devem ser aprovados pela Coroa e o comércio sem permissão foi considerado crime contra a Espanha.

Quando o comércio estava começando (na segunda metade do século XVI), também foram estabelecidos controles comerciais para os comerciantes. Eles tiveram que viajar acompanhados por navios de guerra para se proteger contra a pirataria.

Além disso, outros países europeus, como a França, atacaram a Nova Espanha e fizeram com que a Coroa impusesse controles de segurança mais rigorosos nas colônias. Por sua vez, surgiram no México guildas que controlavam a qualidade e o preço de cada produto criado na Nova Espanha.

Embora grande parte da economia fizesse parte do monopólio espanhol, os comerciantes locais também tinham algum nível de controle sobre seus produtos. No entanto, eles tiveram que pagar impostos à coroa espanhola, uma política que gerou grande descontentamento entre os produtores locais no México.

Outros produtos

O despertar da indústria de mineração no México, no final do século XVI, trouxe crescimento em muitas outras áreas da economia do país. A agricultura e a pecuária foram beneficiadas principalmente, pois os produtos dessas atividades foram pagos com a prata das minas.

Esse crescimento significou que mais escravos poderiam ser importados da África quando a população indígena declinasse significativamente; Também deu sustento à crescente população crioula.

Educação

A educação na era colonial mexicana foi realizada principalmente pelos vários frades e padres enviados da Espanha. Como Carlos V era um rei católico com permissões especiais da Igreja romana, enviou missionários ao México para converter populações locais ao catolicismo.

A criação de culturas crioulas também foi usada para incorporar populações indígenas na colônia. Uma série de escolas foi criada em todo o território da colônia para educar os povos indígenas e convertê-los à religião católica.

Também foram criadas instituições para educar os brancos. Uma das primeiras foi a Universidade Pontifícia Real do México, na qual os jovens foram educados para serem advogados, médicos e padres.

As instituições educacionais estavam localizadas em centros urbanos, embora padres de outras províncias também fossem educados por meio de seminários agendados pela Igreja.

Os mestiços tinham poucas oportunidades educacionais e em nenhum momento durante a era colonial foi dada prioridade à educação das meninas; a população em geral era analfabeta e de pouco conhecimento. No entanto, algumas meninas foram educadas em conventos para depois se tornarem freiras.

Referências

  1. Religião e sociedade na Nova Espanha: era colonial do México, Dale Hoyt Palfrey, 1º de novembro de 1998. Extraído de mexconnect.com
  2. A economia do México colonial, Gettysburg College Archives, (sd). Retirado de Gettysburg.edu
  3. México colonial, História mexicana online, (nd). Retirado de mexicanhistory.org
  4. Vice-reinado da Nova Espanha, Gale Encyclopedia of US Economic History, 2000. Extraído de encyclopedia.com
  5. Vice-reinado de Nova Espanha, Encyclopaedia Britannica, (sd). Retirado de Britannica.com
  6. Nova Espanha, Wikipedia, em inglês, 16 de abril de 2018. Extraído de wikipedia.org
  7. Educação no México, Wikipedia em inglês, 9 de abril de 2018. Extraído de wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies