Bandeira do Egito: História e Significado

A bandeira do Egito é um dos símbolos patrióticos do país africano e a representa perante o mundo. A bandeira atual possui três faixas horizontais do mesmo tamanho: a faixa superior é vermelha, a do meio é branca e a inferior é preta. Essa bandeira data de 4 de outubro de 1984.

Cada um dos elementos tem um significado específico devido à história do país. O vermelho foi adotado pela bandeira usada durante o século 19, o branco é devido à revolução de 1952 e o preto representa o fim da opressão pelos britânicos.

Bandeira do Egito: História e Significado 1

Na faixa central, você pode ver o escudo do Egito representado pela águia Saladin, uma figura heráldica também usada pelos escudos do Iraque e da Palestina. De alguma forma, as modificações feitas na bandeira ao longo da história do Egito estão contando a história do país.

Como o resto das nações, a bandeira representa um importante símbolo nacional para o qual certas regras de respeito e protocolo foram estabelecidas. A proporção da bandeira egípcia é 2: 3.

História

A primeira bandeira nacional do Egito foi criada por Mehmet Ali, o paxá otomano do país no início do século XIX; Nessa época, o Egito era uma província do Império Otomano.

Durante esses anos, a bandeira nacional foi modificada três vezes. Este seria o primeiro período de modificações na bandeira nacional, antes do Egito ser estabelecido como um país.

O primeiro espécime, usado entre 1844 e 1867 no Egito Eyaler, mostrou um crescente e uma estrela de cinco pontas no lado direito, todos sobre fundo vermelho. Nesta bandeira há várias interpretações.

Para alguns, representa a vitória dos exércitos egípcios na África, Europa e Ásia. Outra versão explica que esta bandeira simboliza a soberania de Mehmer Ali no Egito, Sudão e Núbia.

Relacionado:  Traje Típico de Belize: Principais Características

Em 1867, sob o mandato de Isma’il Pasha e Tewfik, a bandeira foi modificada para que houvesse um crescente centrado no fundo vermelho com 3 estrelas de 5 pontas no lado direito. Esta bandeira permaneceu até 1881.

Bandeira nacionalista

Então chegou o momento em que os movimentos nacionalistas estavam em grande fervor. Nesse período, a presença e a existência de britânicos no território foram rejeitadas e a bandeira foi modificada novamente.

Esse período passou de 1881 a 1914. Naquela época, o crescente central foi removido e três crescentes foram adicionados ao lado esquerdo da bandeira. Cada um deles tinha uma estrela de 5 pontas.

Segundo período de modificações

Em 1914, o Reino Unido fez do Egito um protetorado da Liga das Nações e nenhuma modificação foi feita na bandeira.

Em 1922, o Reino Unido reconheceu a independência do país árabe. Desde então, uma nova bandeira com fundo e um crescente com três estrelas foram adaptados.

Quando o Movimento de Oficiais Livres demitiu o rei Farul I em 1952 e no ano seguinte a República foi declarada, uma nova bandeira foi feita.

Bandeira republicana

O novo governo desenhou a bandeira com um tricolor composto pelas cores vermelho, branco e preto, assim como o atual.

Essa bandeira difere da atual pela seguinte: na águia central, ela contém uma esfera composta por um crescente e três estrelas em um fundo verde, remanescente da bandeira anterior.

Em 1958, nasceu a República Árabe Unida, quando o Egito e a Síria foram unificados. Nesta data, o escudo da bandeira foi removido e foram adicionadas duas estrelas verdes que representariam os dois países.

Em 1972, foi formada a Federação das Repúblicas Árabes, onde Líbia e Síria se juntam ao Egito. O escudo tornou-se o falcão de Qureish em vez da águia.

Relacionado:  Economia da Região Andina da Colômbia

Em 1984, o falcão foi removido e a águia de Saladino foi novamente recebida. O animal tinha um tamanho que lhe permitia ocupar apenas a faixa central. Esta é a bandeira atual.

Significado

A bandeira do Egito difere das outras porque cada um de seus elementos foi escolhido pelos chamados Oficiais Livres do Egito. Eles derrotaram o rei Farouk após a Revolução de 1952.

Note-se que a característica tricolor do Egito teve um grande impacto como símbolo para o resto dos povos árabes. Isso é evidenciado porque muitas de suas bandeiras adotaram as mesmas cores para suas bandeiras.

Alguns países que usam esse tricolor são Iêmen, Sudão, Iraque e Síria. A Líbia usa um tricolor, mas o branco foi substituído pelo preto.

A faixa vermelha representa o sangue derramado pelos oficiais e pelo povo durante a luta contra o jugo britânico e o abuso de poder que exerceram sobre eles.

A cor branca da faixa central é feita em homenagem aos patriotas. Representa um apelo à luta contra o poder que havia se submetido à cidade. Além disso, o branco busca manter o espírito revolucionário.

A última faixa preta representa o fim dos dias sombrios do jugo a que o povo egípcio estava sujeito. Durante esses dias, os reis satrap e o império estrangeiro da coroa britânica estavam no controle.

Escudo de bandeira e içado

O escudo atual da bandeira egípcia é uma águia Saladin. Esta é uma figura heráldica também usada pelo Iraque e pela Palestina.

Na cultura árabe, a águia tem sido usada como símbolo no Iêmen, no Iraque e no Estado da Palestina. A águia é dourada e segura um escudo no peito com as cores da bandeira colocadas em um graveto.

Pode-se ver que a águia repousa sobre uma fita que lê o nome oficial do Egito escrito em árabe com caligrafia. Este escudo foi adicionado à bandeira em 1958.

Relacionado:  As 9 contribuições mais importantes do Egito para a humanidade

Por outro lado, o Egito tem o costume de levantar a bandeira em prédios do governo, durante feiras nacionais, no parlamento e em outros locais especificados pelo Ministério do Interior.

Nas fronteiras, alfândegas, embaixadas e consulados, a bandeira deve ser levantada diariamente. Sob a lei do Egito, quem expuser a bandeira nacional a provocações ou agressões de qualquer tipo será penalizado. Além disso, dependendo do uso de outras bandeiras em atos nacionais, as pessoas podem ser penalizadas.

Referências

  1. Arias, E. (2006). Bandeiras do mundo . Editorial Gente Nueva: Havana, Cuba.
  2. BBF (1979). Bandeiras do mundo. Boletim das Bibliotecas da França (BBF) . 4, 215. Recuperado de bbf.enssib.fr.
  3. Serviço de Informação do Estado do Egito (SIS). (20 de julho de 2009). Bandeira do Egito Serviço de Informações do Estado (SIS) . Recuperado de sis.gov.eg.
  4. Smith, W. (1975). Bandeiras através dos tempos e em todo o mundo . Londres, Reino Unido: McGraw-Hill Book Company Ltd. Maidenhead.
  5. Podeh, E. (2011), O simbolismo da bandeira árabe nos estados árabes modernos: entre comunalidade e singularidade. Nations and Nationalism , 17: 419-442. Recuperado de onlinelibrary.wiley.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies